quinta-feira, 22 de outubro de 2009

12 dias entre Miami e Orlando: a Nair P. Siqueira dá todas as dicas

A Nair, sócia-fundadora do Matraqueando, acabou de chegar de uma viagem que ela mesma intitulou de SONHOS. Passou 12 dias entre Miami e Orlando, com direito a Mickey e compricthas nos mega outlets da Flórida. Num relato exclusivo para nós (obrigada, obrigada – honradíssimos estamos!), ela conta tudo – tim-tim por tim-tim – e ainda dá dicas de onde comer e, claro, comprar!
———————–

Miami e Orlando | Sonhos… de consumo e de infância
Texto e fotos: Nair P. Siqueira


Orlando: ver o castelo da Cinderela de perto – depois de crescidinho – não tem preço.

“Um reconhecido colega meu de atividade, já dizia que a primeira vez a gente nunca esquece! E tenho a sensação de que a minha primeira vez na Disney, de fato jamais esquecerei e mais: comecei a achar que a Branca de Neve é sim uma princesa, que mordeu uma maça envenenada, e por sorte conheceu sete anões que a ajudaram a chegar até seu príncipe, de beijo milagroso. Afinal, eu a vi com meus próprios olhos e ela era bem real!


Começo meu relato falando isso, pois pra mim que fui pra Disney pela primeira vez agora, já bem crescidinha, foi uma experiência inesquecível. Decidimos meu marido e eu, aproveitar as férias desse ano, e visitar uns amigos que moram em Miami, e assim “esticar” até Orlando. Uma vez decidido o destino, negociamos com as empresas que trabalhamos e conseguimos 12 dias. Depois foi só combinar com os amigos uma logística para nos receberem em Miami e acomodações em Orlando.


Miami: sol, mar e coqueiros. Qualquer semelhança é mera coincidência.

Dos Estados Unidos só conhecíamos Nova York e ainda assim foi num inverno daqueles. A Flórida, com seu céu azul perfeito, superfície plana, gente a “la américa do sul”, paisagens de um verde familiar e um calor também bastante conhecido nos recebeu muito bem. Bem demais eu diria. A sensação foi de estar em casa! Lógico que estar entre amigos ajudou a deixar tudo mais aconchegante, mas achei (pra minha surpresa) que Miami é feita pra receber os turistas. E brasileiros, nesse momento, éramos aos montes!


Bom, já em Miami, escolhemos a principio entre vários passeios que nos foram oferecidos: Key West e Miami Dowtown, com tour em barco pelas ilhas dos famosos. São várias as opções. Que vão desde um parque com crocodilos (não sou muito fã desse tipo de turismo…rs), até as Bahamas. Compramos os passeios de uma empresa chamada: Amazonas Tour. Pelos dois passeios, para duas pessoas, em ônibus com ar condicionado e guia turístico pagamos US$ 200.


Key West é a cidade mais ao sul da parte continental dos Estados Unidos.

Em Key West encontrei umas das cidades que mais me impressionaram na vida. Casas de madeira, muitas flores e aquele típico ar e perfume de cidade pequena, costeira, ideal pra quando a gente pensa em sentar e escrever um livro. (Se é que isso passa pela cabeça de todo mundo…rs). Acho que sim! Lá viveu o famoso escritor Ernest Hemingway, inclusive sua casa é hoje um dos pontos turísticos da cidade.


Para chegar a Key West, que está na ponta do continente, já mar adentro, e é o ultimo ponto dos USA, sentido Cuba, passamos por muitas pontes e pela famosa ponte sete milhas, lendária, por sua história e participação em filmes de ação. (True lies, com Arnold Schwarzenegger por exemplo).


O bairro Pequena Havana (Little Havana) em Miami: concentração de cubanos.

Passeio seguinte: Centro antigo de Miami, Pequena Havana (onde os cubanos se concentraram quando decidiram trabalhar na América do Norte), os sofisticados bairros Coral Gable e Coconut Grove, Bayside e as ilhas dos famosos. Todo esse percurso chama muita a atenção pelos prédios altos, modernos, a beira mar, contrastando com lanchas e barcos incríveis.


Mansão onde viveu o estilista italiano Gianni Versace.

Bairros elegantes, com comércio variado e uma transpiração que se nota claramente voltada pro turismo e a boa vida. É bem comum, por exemplo, condomínios com extensos terrenos de campos de golf. As mansões dos famosos é muito divertido de ver, onde o curioso é saber qual mansão é de quem. Apesar de que no fim do trajeto você já não se lembre muito bem quem é a celebridade sortuda, que veraneia por ali.


Os outlets da Flórida estão entre os mais famosos do mundo.

Por falar em comércio, nesse momento a cidade (eu ouvi dizer que todo o país) está muito interessada em maximizar as oportunidades, portanto os sonhos de consumo estavam mais perto da realidade que nunca. Nos dias seguintes, já com os amigos que nos receberam a postos e depois dos tours, fomos para os famosos Outlets e confesso: é maravilhoso poder comprar coisas que você não imaginava comprar em condições tão fáceis e inacreditavelmente possíveis. É sim! O comércio norte americano está fazendo e viabilizando todo negócio.


O sofisticado bairro Coral Gable, em Miami.

O momento é de não perder venda, e pra nós: não perder compra. Aproveitei de tudo isso e além das promoções tão comuns nos Outlets (na Adidas por exemplo, tudo que você comprava a segunda peça custava 50% menos), usei do meu passaporte nas grandes lojas, e provando que era turista ainda tive mais desconto em vários produtos. YESSSS!!!

Indico:
Sawgrass Mills Outlet
Aventura Mall
Bal Harbor Shops (Esse é só pra tirar fotos mesmo, ou se você tiver interesse em comprar Cartier, Tiffanys, etc.)

Aproveitamos para comer e conhecer alguns hábitos. Somos daqueles que tentam se “misturar” pra aproveitar bem a viagem. Segundo soubemos, os points são: Las Olas – Fort Lauderdale , os tradicionais bares da Lincoln Road, que é o famoso calçadão cheio de bossa e gente bonita  e a Ocean Drive, avenida beira mar, também famosa pelos cafés e bares.

Destaco:
Johnny rockets – Rede que vende caprichados sanduiches, hambúrgueres, frango, salada e sobremesas.
Olive Garden – Restaurante italiano
Cheesecake Factory - Bar, restaurante e padaria em estilo bistrô.
*Hard Rock Café, Planet Hollywood e Starbucks, não estão na lista de indicados porque já estão incorporados aos passeios, sejam pra onde for, né?


Epcot Center, um dos parques da Disney.

Indo pra Orlando, ficamos em Lake Buena Vista, bem do lado de Dowtown Disney, no Hotel Royal Plaza, e decidimos conhecer dois parques: Epcot Center e Magic Kingdom, dizem que o Universal e Sea World também são imperdíveis. Mas estes ficaram pra próxima vez.

Pelos dois parques, dois dias, duas pessoas, pagamos: US$ 320. Não é tão barato! Mas compramos na porta e só tínhamos dois dias. (Acho que os pacotes nos hotéis da Disney devem sair mais barato). Me diverti muitooo…. e não queria mais vir embora. Parecia criança vendo o Mickey pela primeira vez. Parecia não, eu era a própria criança. Ficamos pra ver a tradicional queima de fogos no Epcot e pra ver a parada no Magic Kingdom. Valeu cada centavo de dólar.


Sonho de infância realizado: encontro com Mickey. De fato, não tem preço.

A Disney é um capítulo a parte. Tudo funciona. Não tem fila pra banheiro, as atrações te informam quanto tempo você terá de espera, tem água, refrigerante, salgadinhos, fruta e água vitaminada (eles tomam rios disso) em cada esquina, (não lembro preços) e você consegue se organizar muito bem dentro dessa indústria. Sim, a Disney funciona como uma bela e super bem montada indústria. Desde o trenzinho que vai te buscar no estacionamento (US$ 12,00 por dia/carro) pra evitar que você suba alguns degraus, até os cast-members te dando tchau com luva de mickey na saída, com um sorriso descansado no rosto. Achei genial!


Casa em Orlando. Não, a foto não está invertida.

Para compras indico:
Prime Outlets Orlando
Orlando Premium Outlets

De resto: disposição pra caminhar, praticar o idioma espanhol, filtro solar e sorriso constante! E acredite: A dream come true!”

———————–

Nair, se não fosse por você, o Matraqueando estaria em falta com um dos destinos mais amados pelos brasileiros. Muito obrigada! E você aí que já foi para lá, compartilhe com a gente dicas para aproveitar ao máximo essa região da Flórida.

Posts relacionados:
Cruzeiros, por Juliana Juriu
15 dias na Europa pela primeira vez e por conta, por Danielle Lamoço

Share