El Obrero: o bodegón mais cultuado de Buenos Aires

Publicado por: Silvia Oliveira Buenos Aires

Toda vez que uma celebridade chega a Buenos Aires e diz que quer comer algo genuinamente portenho (ou num lugar que é a cara da cidade) acaba sendo levada ao El Obrero – uma espécie de botequim no bairro La Boca. Já passaram por aqui o cineasta Francis Ford Coppola, os cantores Mick Jagger e Bono Vox e até o rei da Espanha, Juan Carlos. E se não fosse por eles eu jamais encararia o lugar, a começar pela fachada assustadora. Rá!

Com tanta visibilidade, o que era para ser trash (brega, na tradução do MatracaHouaiss) acabou se tornando cult. A decoração é a mais, assim, “original” possível. Não exatamente original no sentido criativo da palavra, mas na manutenção de velhos e emblemáticos pôsteres de futebol (principalmente do Boca Júnior e de seu maior representante, Maradona), cartazes da velha guarda do tango, garrafas de bebidas antigas e lousas que fazem as vezes de cardápio coletivo.

O lugar tem praticamente os mesmos móveis – incluindo geladeiras de ferro, dessas que a gente só encontra em antiquários – desde a inauguração da casa em 1954. Vive lotado (reserve antes de ir!) não é a toa: além do ambiente folclórico oferece uma comida razoável a preços mais convenientes que outros restaurantes do gênero. Com todos estes atrativos, o boteco ganhou uma estrela no Guia Quatro Rodas Buenos Aires, mas não chega a ter uma comida “memorável” conforme adjetivou a publicação. Eu chamaria de decente com preços honestos.

O Bife de Lomo (Filé Migon) vem sozinho, sem acompanhamentos (51 pesos ou R$ 20). Eu ainda não estou acostumada com o tempero suave da parrilla argentina, prefiro com mais salzinho. Mas minha mãe provou e gostou, disse que o tempero estava no ponto. O Raul pediu uma Milanesa de Ternera com Papas Fritas (em pedaços grandes) que estava uma delícia (28 pesos ou R$ 11). E olhe só o tamanho do prato. Só este já dava para ser dividido por dois. As batatas estavam absolutamente perfeitas, crocantinhas por fora e macias por dentro. A porção de arroz, paga à parte, estava muito molhada e insossa. Até a Mariana, que não come sem arroz, fez cara feia para aquela papa. Por outro lado, dizem que as “Rabas al Limón” (anéis de lulas empanados) são um clássico como entrada. Mas havíamos saído tarde de casa – com um café da manhã reforçado – e não tínhamos fome para tanto.

A sobremesa foi um capítulo à parte. Pedimos duas para dividir entre todos. Minha mãe escolheu o Budín de Pan Casero con Almendra (Pudim de pão com amêndoas e uvas passas) e o garçom (uma instituição sagrada e simpática no El Obrero) nos sugeriu o Pavé de Vanilla Casero, algo como um tiramissu portenho. Ambos aprovadíssimos. O Budín custou 13 pesos (R$ 5) e o Pavé saiu por 17 pesos (R$ 7). A conta final – com bebidas (água e suco) – ficou em 66 pesos por pessoa (R$ 26).

 

Alguns pecados: o banheiro estava podre de sujo, nem papel tinha. Tudo bem que é um bodegón, mas é um bodegón frequentado pelo rei da Espanha, ara! E o couvert (5 pesos por pessoa) foi cobrado, inclusive, da Mariana – que tem três anos. Ainda não descobri se isso é normal por aqui, mas acho que crianças até cinco anos não deveriam pagar nada. Sei lá…

Como está na região do porto – a umas 10 quadras do Caminito, ponto de parada de quase todos os turistas que desembarcam na capital argentina pela primeira vez– servia os trabalhadores da região (daí o nome “obrero” que significa “operário”). Hoje, além de ser frequentado por personalidades também virou o queridinho de viajantes, senhorinhas e famílias portenhas. Lembrete: está numa área pouco amigável do bairro La Boca. É melhor encarar um táxi para ir e voltar.

SERVIÇO

El Obrero
Local: Calle Augustín Caffarena, 64 | La Boca | Buenos Aires
Tel.: 4362.9912 (recomendável reservar)
Atendimento: segunda a sábado, 12h30 às 16h30 e 20h30 às 2h. Fecha aos domingos e feriados.
Importante: as conversões do Peso para o Real são aproximadas e na Argentina há inflação. Consulte valores antes de ir!

Fotos: Raul Mattar



Newsletter

Digite seu e-mail e receba gratuitamente nossas novidades


12 comentários

  1. bernardette amaral
    Comentário do dia 04/9/2011 às 10:13

    Que delícia estar em BsAs. A minha sobremesa preferida por aí é o budín de pán, tem sabor de infância.

    (Responder)

  2. mara sallai
    Comentário do dia 04/9/2011 às 17:36

    Pra mim banheiro sujo nao tem perdao!!

    (Responder)

  3. vera maria
    Comentário do dia 04/9/2011 às 21:39

    Eu confesso que passei meio batida pelo Caminito – cheguei um dia, vi aqueles tangueiros meio fajutos, os garços quase te agarrando a laço para os restaurantes deles, tudo meio confuso e uma voracidade grande pelos turistas e me deu uma certa aflição. Resultado: dei uma passada nas lojinhas de lembranças e zarpei fora.
    Essa comidinha pode até estar boa, mas o aspecto é meio caído, como o bairro, aliás…. sorry.
    beijo,
    vera

    (Responder)

  4. Claudia
    Comentário do dia 04/9/2011 às 23:19

    Silvinha…
    Ja nao iria pelo banheiro sujo e sem papel….acho o fim…..
    Boas feriasss……
    Bj

    (Responder)

  5. Alessandra
    Comentário do dia 05/9/2011 às 11:10

    Silvinha, vc já está ai…que delicia!!!! A gente vai em outubro. Acabei reservando um hotel novo na Recoleta, se for o seu caminho e por acaso passar em frente, me dê a sua opinião (ainda não tem muitas avaliações)…É o IQ Callo By Temporary Apartments, na Pacheco de Melo, 1859….Beijos meninas, aproveite!!!!!

    (Responder)

  6. Alessandra
    Comentário do dia 06/9/2011 às 14:29

    Apaga, apaga rssss Vou alugar um ap também, na Recoleta, na Vicente Lopes com Junin por 55 dólares a diária, estou feliz da vida…beijos!!!!

    (Responder)

  7. Fábio
    Comentário do dia 06/9/2011 às 21:17

    Vou visitá-lo. Dia 15 to chegando em BsAs.

    (Responder)

  8. Teca Avelar
    Comentário do dia 12/9/2011 às 14:04

    Olá,
    sou assistente de produção do programa Sem Censura, apresentado pela jornalista Leda Nagle e estou aguardando algum contato telefônico de vocês para conversarmos sobre uma possível pauta.
    Obrigada!

    (Responder)

    Resposta de Silvia Oliveira

    Oi Teca! Já respondi seu e-mail! Abs!

    (Responder)

  9. Joana Bronze
    Comentário do dia 15/4/2013 às 18:27

    Que delícia encontrar esse post! Visitei Buenos Aires em 2011 e foi neste restaurante que, para o meu paladar, foi sensacional! AMEI uma massa e um bife que provei aí. Voltarei para lá ainda neste ano e precisava muito lembrar o nome!

    E gostei da “breguice” e do estilo completamente característico do restaurante. Marcou a minha viagem!

    Aliás, descobri o seu blog hoje e adorei! Parabéns pelos posts!

    Beijos,

    (Responder)

  10. Comentário do dia 24/9/2013 às 00:36

    Dica mais que anotada, amei a dica e as fotos 😉

    (Responder)

  11. Tatiana
    Comentário do dia 20/4/2014 às 23:13

    Olá! Estive ontem no El Obrero, e os banheiros estavam bem limpinhos e com papel!!! A casa bem do jeito da foto, garçom atencioso e a carne… A melhor que já comi em toda minha vida!!!! Sem falar do pavê!!!! Amei!!!!

    (Responder)

    Resposta de Silvia Oliveira

    Ah, que legal, Tatiana! Olha, apesar da experiência com o banheiro eu voltaria lá com certeza! 😉

    (Responder)

  12. CERES NOLETO E SILVA
    Comentário do dia 15/12/2014 às 17:51

    Estive recentemente em Buenos Aires. Amei tudo e todos. E este Restaurante El Obrero, tem uma comida ótima, e o atendimento é excelente. Aconselho quem for a Buenos Aires, não deixar de ir a este Restaurante.

    (Responder)

Comente você também

Seu e-mail ficará em sigilo. Campos obrigatórios estão marcados com *

Comentários do Facebook

Matraqueando - Blog de viagem | Por Sílvia Oliveira

Todos os direitos reservados. 2006-2017 © VoucherPress | Agência de Notícias.
Está proibida a reprodução, sem limitações, de textos, fotos ou qualquer outro material contido neste site, mesmo que citada a fonte.
Caso queira adquirir nossas reportagens, entre em contato.

Desenvolvido por Dintstudio
×Fechar