-  Atualizado 24/05/2017

Farofeiros de raiz, uni-vos!

Publicado por: Silvia Oliveira Crônicas

Sabe aquele turista que invade a praia com mil e uma sacolas, prepara o rango como se estive na cozinha de casa, deixa latinha espalhada na areia, não recolhe o próprio lixo e coloca a música do carro no último? Não, ele não é farofeiro. Ele é sem educação. Gente que desconhece a palavra cidadania e não sabe o que significa respeito ao próximo.

Por causa de tipos assim muitos viajantes sentem-se constrangidos em levar o próprio lanche ou bebida de casa. Algo absolutamente comum tanto na Europa quanto nos Estados Unidos, seja quando viajamos de avião, carro ou ônibus. Aqui, preferimos pagar R$ 12 num pão de queijo com café no aeroporto a montar uma marmitinha saudável com iogurte e sanduíche natural comprados no supermercado pela metade do preço.

Ser  chamado de farofeiro é ofensa mortal para o turista emergente. Entendo. Quando saímos de férias subimos na vida. É nosso momento-patrão. Qualquer adjetivo que nos associe ao modus operandi considerado suburbano é insulto, quase uma afronta moral. É necessário pagar — quanto mais caro, melhor — para ser aceito no universo dos novos ricos viajantes. Só que não.

Nada mais digno do que o poder de escolha. Montar o próprio farnel pode ser um ato de inteligência que nada tem a ver com pão durice ou chinelagem. Ora, atravessamos o oceano para fazer piquenique no Jardim de Luxemburgo em Paris — muitas vezes com o intuito de economizar na janta. Mas fazer a mesma coisa num parque tupiniquim, porém, é considerado coisa de pobre indigente.

Sou farofeira de raiz. Sempre que posso levo minha matula. Nada muito complicado. Saunduichinhos, cookies integrais, castanhas, iogurte natural, suco orgânico, chocolate amargo e água.  O meu kit- sobrevivência traz diversas  opções, é bem mais saudável e custa a metade do preço do combo vendido nos voos nacionais (sanduba de presunto e queijo, refri e batata chips) ou em lanchonetes de beira de estrada.

Vale também para quando a espera no aeroporto é longa.

Não se trata de avareza. Sou uma muquirana com limites até. Mas tenho tarimba no assunto. A questão é bem mais ampla. Estamos falando do exercício da liberdade, intrínseco ao ato de viajar. Da nossa capacidade de dizer não à lata de cerveja de R$ 10 sem temer julgamentos ou sem se sentir menor ou mais pobre por isso.

Não tenha vergonha do seu isopor na praia ou da sua marmita no avião. Mais do que seu status, eles devem refletir sua indignação. Artigo de luxo é ser cidadão. Ter medo de parecer farofeiro de raiz é complexo de inferioridade. Ostentar, aliás, é – antes de tudo (e qualquer viagem) – dar valor ao próprio e suado dinheiro.

Leia também

Ofício de blogueira versus espírito de viajante: como manter um sem acabar com o outro

Sílvia Oliveira, a moça do tempo

Pela atenção, muito obrigado!

Generalizar é pecado

Por favor, deixem o turista em paz!

Os 10 mandamentos do viajante

Os sete pecados capitais do turista

Matraqueando Instagram



Newsletter

Digite seu e-mail e receba gratuitamente nossas novidades


21 comentários

  1. Comentário do dia 03/12/2014 às 13:53

    Aplaudindo de pé!! =)

    (Responder)

  2. Comentário do dia 03/12/2014 às 14:05

    Ri muito lendo seu post ! eu virei uma grande farofeira aqui na França ! todo mundo anda com sua marmitinha sem nenhum complexo ! é mais saudavel e bem mais economico, mas acho que os brasileiros ainda nao estao preparados ! é tao facil reconhecer os brasileiros no aeroporto ou andando pelas ruas de Paris , basta olhar para as roupas de marca deles….rsrsrsrs

    (Responder)

  3. Paulo H.
    Comentário do dia 03/12/2014 às 17:15

    Rsrsrsrs! Minha namorada faz o “farnel” como você. Já fiquei encabulado com a “farofagem”, mas concordo contigo temos que mudar esta mentalidade e para de sermos explorados. Farofeiros, uni-vos!

    (Responder)

  4. karina
    Comentário do dia 03/12/2014 às 20:53

    Adorei. Sou mão de vaca com orgulho e adoro levar lanche pra não ficar a mercê da exploração de aeroportos e cias aéreas. Minha última façanha foi a ida de minha cidade até Sampa em que fiz duas baguetes enormes de presunto Parma e queijo brie pra levar e comer de lanche no hotel em que fiquei, junto com 2 garrafas de meio litro de água (a do hotel era de 300 ml e custava 5 reais). Primeiro pq sabia que teria pouco tempo pra chegar e pedir um lanche pois fui pra assistir um show e o vôo atrasou. ..Segundo pq pelo preço dos dois lanches, pra mim e minha filha, eu teria comprado apenas 1 no hotel e pelo preço da água dava 3 garrafas das que levei. Orgulho de ser muquirana.

    (Responder)

  5. Wener
    Comentário do dia 04/12/2014 às 11:09

    Para ser sincero, a leveza do texto revela nas entrelinhas o preconceito e “o modo bananense de ser ” (risos). Confesso, sou farofeiro sim, mas muitas vezes me dirigi para um cantinho com o proposito de fugir do julgamento alheio. Hoje me libertei! Farofeiros, uni-vós!

    (Responder)

  6. Comentário do dia 04/12/2014 às 12:25

    Marmita hoje em dia já é coisa chique! Vergonha pra quê? Sair com o lanchinho de casa pra mim às vezes é questão de sobrevivência, pois não é raro não encontrar opções vegetarianas por aí. A garrafinha de água dobrável levo pra todo canto e abasteço sempre que encontro um bebedor. O meio ambiente também agradece, né? Só não sou tão saudável como você. Além de umas castanhas, sempre carrego barras de chocolate bem gordurosas. 😉

    (Responder)

    Resposta de Silvia Oliveira

    Hahaha! Eu gosto de chocolate ao leite, muito. Mas aprendi a comer o amargo porque de tão ruim a gente come pouco e, no meu caso especificamente, me dá uma saciedade incrível. 😉

    (Responder)

  7. Comentário do dia 04/12/2014 às 13:36

    Curti muito esse post! Como me identifiquei!
    Meu sangue farofeiro sempre fala mais alto quando vamos à praia e levamos nossa comida. Porque, sério, pagar R$80,00 num peroá frito sem acompanhamento não dá.

    (Responder)

  8. Gerácimo
    Comentário do dia 04/12/2014 às 14:27

    Nossa quantos farofeiros!!. Achei muito bacana esse post, você está de parabéns!
    Eu viajo só nas férias, mas não largo mão de gastar pouco, até pra ficar mais tempo na viagem e curtir um pouco mais. É preciso mesmo combater esses abusos cometidos em aeroportos levando o nosso próprio lanche sim. Levar nossa garrafa de água nos passeios. Eu geralmente ando com uma mochila e nunca tive vergonha de fazer minhas refeições mais em conta. O meu suor custa caro e não preciso impressionar ninguém.

    (Responder)

  9. Comentário do dia 04/12/2014 às 16:15

    Bravo!
    A farinha em meu estado era menos de 1real chegou ano passado a mais de 6reais. Então, chamar alguém de farofeiro, não é ofensa e sim elogio…rsrs.
    Eu e minha família temos nosso kit praia e levamos tudo até bola, snorkel e frescobol.
    Na praia do Lord, em Praia do Forte, aluguei 3 cadeiras por 10 reais e passamos o dia todo e ao nosso redor um monte de farofeiros. Vergonha pra quê?!

    Aproveitando, sugiro como matéria para um futuro post, os preços que beiram a extorsão praticados em várias cidades brasileiras.

    Abs.

    (Responder)

  10. Comentário do dia 04/12/2014 às 16:24

    A mais pura verdade. E o seu kit de sobrevivência é quase igual ao meu! Como faz pra levar iogurte? Tenho medo de estragar estando fora da geladeira por muito tempo… Beijos 😉

    (Responder)

    Resposta de Silvia Oliveira

    Adriana, eu uso uma pequena bolsinha térmica que comprei quando a Mariana usava mamadeira ainda. Ela é compridinha e fina (do tamanho da mamadeira). Eu comprei numa loja do bairro Liberdade há alguns anos, não me lembro direito do nome da loja, mas acho que era a Kyoto.

    Eu esquentava o leite da mamadeira e ele ficava morninho até a hora dela tomar. Hoje, então, eu uso para levar iogurte que, dependendo do tamanho, cabem até três (um em cima do outro) ou mesmo suco gelado. 😉

    (Responder)

  11. Sabrina Oliveira
    Comentário do dia 06/12/2014 às 01:13

    Muito bom. Também sou farofeira de raiz e assim como disse o Werner logo acima também já me senti julgada e constrangida por causa de “marmita”. mas você explicou bem, nada mais digno do que dar valor ao próprio dinheiro (e não ser feito de trouxa com alimentos de baixa qualidade e preços abusivos!0 Beijos querida! Amo seu blog!

    (Responder)

  12. Marco
    Comentário do dia 09/12/2014 às 09:48

    Brasil urgente, Matraca Presidente!

    (Responder)

  13. Comentário do dia 09/12/2014 às 12:33

    Que gostoso ler isso. Sempre levei lanchinho para o aeroporto, principalmente em longas paradas e eternas conexões. Nunca senti vergonha. Acho que é uma atitude muito digna, porque é uma atitude de respeito ao nosso trabalho. Sendo assim, também sou um baita farofeiro.

    (Responder)

  14. Comentário do dia 15/12/2014 às 21:07

    É verdade!O lixo deixado nos lugares públicos para diversão da população,é falta de respeito mesmo e as vezes até de cultura,é a coisa mais normal do mundo você ir a um local para descontrair e levar um lanche,isopor com algo gelado para matar a sede,sem ter que ter vergonha.É uma pena que algumas pessoas ou muitas,esqueçam de colocar o lixo no lugar certo!
    Gostaria de deixar o endereço do meu blog
    http://oaventureiro68.blogspot.com

    (Responder)

  15. Karine Godoy
    Comentário do dia 17/12/2014 às 14:51

    Às vezes levar o lanche é também questão de sobrevivência, rsrs. Já aconteceu de não ter uma lanchonete aberta na sala de embarque até às 7 horas da manhã. Para quem chegou para conexão na madrugada e jantou no avião “aquela” refeição é uma violência. Depois de ligar até na ANAC para reclamar, abriram a lanchonete uma hora mais cedo e me venderam um misto quente com capuccino por quase R$ 50,00, ainda tive que agradecer. Em Buenos Aires a falta de opção e de concorrência também é um problema, a única lanchonete aberta no horário do embarque vende sanduíches embalados à vácuo de qualidade questionável a preços extorsivos e não dá troco. Ser “farofeiro”, além de econômico, é necessário.

    (Responder)

  16. Laís
    Comentário do dia 19/12/2014 às 20:13

    Que delícia de texto! Adorei! Depois de passar alguns perrengues estou aprendendo a levar um lanchinho na bolsa para o aeroporto ;). Fazer piquenique também é amor né?! Só acho que estamos precisando de mais farofeiros e menos mal educados. Sempre que vou a um parque ou uma praça aqui em Belo Horizonte fico feliz em ver cada vez mais gente aproveitando o espaço público e triste com a sujeira que deixam…

    (Responder)

  17. isabel
    Comentário do dia 22/12/2014 às 14:50

    Oi Silvia !

    É permitido levar marmita no avião ( seja vôos nacionais ou internacionais) ? Eu n sabia.

    (Responder)

    Resposta de Silvia Oliveira

    Isabel, eu não levo em voos internacionais porque nestes há comida disponível. Mas sempre levo algo para beliscar, pequenos sanduícinhos e até castanhas, nunca me barraram. Nos voos internacionais, além de respeitar as regras dos líquidos, você não pode entrar no país de destino com leite, queijos e derivados e castanhas, por exemplo. Tem que comer tudo no avião. 🙂 Em voos nacionais não há restrições. E a marmita vale, principalmente, para o aeroporto!

    (Responder)

  18. Comentário do dia 15/1/2015 às 16:21

    Muito bem colocado. Ainda mais em vôos domésticos nos EUA, onde nem sempre existe comida dentro do avião, nem pagando. Mas como você disse, seja limpinho! Não é vergonha nenhuma levar comida.

    (Responder)

  19. Comentário do dia 18/2/2015 às 10:20

    Muito, muito, muito bom!!! Seus textos são sempre ótimos, mas me identifiquei especialmente com este! Quando vamos às praias de São Paulo, nosso bom e velho Coleman é companhia inseparável. E nas últimas férias pelo nordeste, nos superamos: chegamos a comprar um isopor baratinho em um mercado pra poder levar nossas heinekens à praia!!!

    (Responder)

    Resposta de Silvia Oliveira

    Toca aqui! 0/

    (Responder)

  20. sandra maria
    Comentário do dia 18/2/2015 às 18:05

    Adorei!!!! Parabens!!!! muito bom!!!

    (Responder)

  21. Anna Susy
    Comentário do dia 03/3/2015 às 00:26

    Muito bom, me senti em casa…Sou farofeira há muito tempo, mesmo com algumas amigas achando ruim. Mas além de sempre economizar nas viagens, sou meio difícil com comida, então prefiro levar do que pagar por algo que acabo não gostando. E depois de morar fora do Brasil por uns anos, fiquei ainda mais convicta e “sem vergonha”. Hoje em dia mesmo quem achava ruim, já está adotando a farofa!

    (Responder)

Comente você também

Seu e-mail ficará em sigilo. Campos obrigatórios estão marcados com *

Comentários do Facebook

Matraqueando - Blog de viagem | Por Sílvia Oliveira

Todos os direitos reservados. 2006-2017 © VoucherPress | Agência de Notícias.
Está proibida a reprodução, sem limitações, de textos, fotos ou qualquer outro material contido neste site, mesmo que citada a fonte.
Caso queira adquirir nossas reportagens, entre em contato.

Desenvolvido por Dintstudio
×Fechar