-  Atualizado 19/12/2016

Generalizar é pecado

Publicado por: Silvia Oliveira Crônicas

Não existe maior declaração de amor à humanidade do que fazer turismo sem preconceito. Quem viaja deve ter disposição para encontrar o diferente sem julgar ou depreciar a conduta alheia.  Botar o pé para fora de casa já deveria bastar para superar nossas crendices sobre lugares e pessoas.

Centenas de clichês circundam cidades, regiões e até um povo. Quem nunca disse que curitibano é antipático? Ou que parisiense não toma banho? Ou que gaúcho é, vamos dizer assim, cabro macho? Ou que todo mexicano é vaqueiro?

Estereótipos são assim mesmo. Trata-se de uma imagem mental muito simplificada e ignorante que a gente faz sobre um determinado grupo de pessoas. É a maneira fácil que encontramos para rotular os outros baseados numa visão etnocêntrica e individualista.

Eu sei, eu sei. Dá vontade de dizer — e muita gente diz — que baiano é arrastado, que alemão é cachaceiro, que carioca é vagabundo, que árabe é terrorista, que português é burro, que paulista é frio, que italiano é grosso, que brasileiro é malandro e que todo argentino é um filho da puta.

Veja, temos italiano malandro, paulista arrastado, árabe burro, brasileiro grosso, português cachaceiro, alemão vagabundo e um bando de gente fio duma quenga que nem argentino é. Viu? Características de comportamento quase sempre dependem do indivíduo, não necessariamente do lugar onde vivem. Importante, você encontra nas pessoas exatamente o que espera delas.

Mude o foco.

Antes de generalizar o outro pense se você, um brasileiro, gostaria de ser rotulado como homens que andam com arco e flecha nas mãos, mulheres que vivem na praia com o biquíni enfiado na buzanfa ou crianças que brincam com seus animaizinhos de estimação, os macacos. Logo…

A propósito, nem todo alemão usa suspensório assim como nem todo argentino sabe dançar tango. Ou você já imaginou o Papa Chico encoxando uma portenha ao som de Carlos Gardel? Aliás, depois do anúncio do novo Pontífice, nosso cérebro estereotipado entrou em colapso. Justo ele, a pessoa mais humilde do mundo, é… argentino.

Cuidado, porque se generalizar já era feio agora, além de tudo, é pecado! 😛

Posts relacionados

O mundo acabando e você aí, falando de viagens?

Farofeiros de raiz, uni-vos!

Ofício de blogueira versus espírito de viajante: como manter um sem acabar com o outro

Sílvia Oliveira, a moça do tempo

Pela atenção, muito obrigado!

Generalizar é pecado

Qual é a viagem certa para você?

Como diferenciar uma hospedagem simples da pobre de espírito

Como se livrar do enochato?

Turismo de compras: como não ir à falência

Por favor, deixem o turista em paz!

Os sete pecados capitais do turista

_______________

Foto: Kay Pat | Image Bank



Newsletter

Digite seu e-mail e receba gratuitamente nossas novidades


17 comentários

  1. Comentário do dia 20/3/2013 às 06:50

    Adorei, sensacional!

    (Responder)

  2. Comentário do dia 20/3/2013 às 09:42

    Não há melhor remédio para quebra de paradigmas do que do que um bom acúmulo de quilometragem. E tem também as viagens àqueles lugares cuja cultura difere fortemente da nossa. Nesses casos, essa diferença precisa ser encarada não como espanto, ou como mero motivo de vanglorio por ter experimentado algo exótico, mas sim como valiosa oportunidade de expansão de horizontes.

    (Responder)

    Resposta de Sílvia Oliveira

    Perfeito, Robson! 😉

    (Responder)

  3. Jessica
    Comentário do dia 20/3/2013 às 09:52

    Não poderia concordar mais, Silvia! Precisamos nos libertar dos pré-conceitos e aprender a julgar menos. E para isso, precisamos viajar mais. Concordo com o Robson: um bom acúmulo de quilometragem é o melhor remédio.

    (Responder)

    Resposta de Sílvia Oliveira

    Julgar menos e tolerar mais! Rá! 😉

    (Responder)

  4. Comentário do dia 20/3/2013 às 13:33

    Perfeito, Sílvia. É como aquela frase que diz que viajar é o melhor remédio contra o preconceito. Vou te contar uma coisa que aconteceu comigo: nunca me achei uma pessoa preconceituosa. Durante o um ano que passei viajando ao redor do mundo, descobri que não é exatamente assim. Tendemos a julgar os outros, a achar nossa cultura mais certa do que a do outro. Aí a gente quebra a cara e se dá conta que a verdade não é bem assim… Por isso que eu simplesmente amo viajar. É uma coisa que me torna alguém melhor, mais tolerante. Alguém que luta contra preconceitos que nem mesmo sabia que existia. =p

    (Responder)

    Resposta de Sílvia Oliveira

    É até natural, Rafael, ter essa visão “só nossa”. Temos uma “realidade” que é a nossa “verdade”. Para nos libertar, basta uma viagem e nem precisa ser para o Sudão. Triste é quem viaja muito e ainda rotula ou se acha superior ao outro! Abs!

    (Responder)

  5. Comentário do dia 20/3/2013 às 15:43

    Perfeito. Lúcida, como sempre! 🙂

    (Responder)

    Resposta de Sílvia Oliveira

    Fofa! 😉

    (Responder)

  6. Gil
    Comentário do dia 20/3/2013 às 21:44

    Concordo com a Silvia e com meus colegas de comentários. Mais do que não julgar é fazer o esforço para reconhecer que não somos melhores do que ninguém! Abraço de Niteroi!

    (Responder)

    Resposta de Sílvia Oliveira

    Exato, Gil!

    (Responder)

  7. Comentário do dia 20/3/2013 às 21:45

    Concordo demais, Sílvia! Acho que todos acabamos absorvendo muitos desses preconceitos/estereótipos sem nem perceber… No fim das contas, se você se esforçar um pouco pra conhecer o outro acaba percebendo que não dá pra generalizar mesmo – nem se quiser!
    Cansei de ouvir, aqui em Valladolid, o pessoal (daqui e de outros lugares) dizendo “Aah, você já morou em Sevilla? Lá as pessoas são bem mais abertas do que aqui, né?”, e responder que na minha experiência não foi assim…
    Também já ri muito com coisas que parecem absurdas, tipo me perguntarem onde fica o Brasil (somos tão pequenininhos, né?), mas sempre faço questão de lembrar a mim mesma o quanto não sei sobre taaaaaaaaanta coisa nesse mundo.
    E já tive amigas que tavam fazendo intercâmbio e passaram maus bocados recebendo parentes que vieram pra visitar e em vez de aproveitar a viagem, não paravam de reclamar disso e daquilo sobre “o povo” local.
    Enfim, acho que quem sai perdendo é quem não consegue desapegar dessas ideias preconcebidas, né? 🙂

    Beijo!

    (Responder)

    Resposta de Sílvia Oliveira

    Ai, Luisa… isso porque eu nem acrescentei sobre os que pensam que falamos espanhol! hahahaha! Bjs!

    (Responder)

  8. Comentário do dia 21/3/2013 às 00:23

    Ótima reflexão!! É por isso que amamos viajar, para que o mundo vá aos poucos mostrando o que é estereótipo sem fundamento

    (Responder)

    Resposta de Sílvia Oliveira

    Douglas, já escutei muita gente voltando da Argentina dizendo que odiou, que achou todo mundo mal educado, grosseiro. Olha, já estive umas 4 vezes em BsAs e sempre amei, e fui bem tratada. Agora, se a pessoa vai esperando ser mal tratada… é esta percepção que ela vai ter! Abs!

    (Responder)

  9. Camila
    Comentário do dia 21/3/2013 às 16:39

    Muito bom!!! Já pensei dessa maneira, por isso que viajar é mais um ótimo motivo de abrir nossas mentes e ver com os nossos olhos e tirar as nossas próprias conclusões!!! #openyourmind #behappy

    (Responder)

    Resposta de Sílvia Oliveira

    Por aí, Camila! 😀

    (Responder)

  10. Adele
    Comentário do dia 22/3/2013 às 01:57

    Tem razão Silvia ! Qualquer tipo de julgamento é algo acultural ! Principalmente julgar que um blog como o meu é inverossímel ! Daí não dá pra compreender mesmo ! Como tambem posso acreditar que vc viveu tudo o que está escrevendo ? Julgamento desse tipo é altamente despresível !!!

    (Responder)

  11. Comentário do dia 22/3/2013 às 02:05

    Generalizar é pecado !!! Julgar sem fundamento tamém ! Como sua associação “analisou ” meu blog como não sendo experiências vividas por mim ! Qual o critério pra aferir sensações por mim vividas ? Lindo é escrever como vc escreveu sua crônica , mas mais nobre é o respeito por um trabalho alheio ! Sem julgamentos , ainda mais indevidos !!!

    (Responder)

    Resposta de Sílvia Oliveira

    Estimada Adele!

    Por favor, respeite o meu trabalho e o da associação à qual você se refere. Este não é o lugar para você dar a sua opinião sobre a avaliação do seu blog, muito menos de forma grosseira. A associação não é “minha”, ela foi fundada por nove dos maiores blogs de viagem deste país. Eu apenas fui a presidente eleita. Caso você ache que houve uma incorreção na análise do seu site (que não é feita só por mim, mas por 11 diretores), por gentileza, entre em contato diretamente com a ABBV. Teremos o maior prazer em reconsiderá-la.

    Obrigada!

    (Responder)

    Resposta de Sílvia Oliveira

    Estimada Adele!

    Recebemos seu e-mail na ABBV e ele já foi respondido. Em respeito aos meus leitores, que nada têm a ver com seu desabafo neste espaço, esclareço que a blogueira em questão interpretou de forma equivocada o porquê de seu blog não ser aceito na associação, da qual eu sou a atual presidenta. Por critérios estatutários, o blog deve ter “relatos e experiências pessoais legítimas”. A blogueira entendeu que dizíamos que os posts não eram de sua autoria quando usamos a palavra “legítima”. Mas a questão aqui é a falta de relatos. Uma vez que o blog dela é basicamente constituído de fotos com legendas (sem relatos) caracterizou-se o que chamamos de Fotoblog ou Tumbrl. Para efeitos da ABBV, essa abordagem editorial, embora válida, não torna o site apto para ser associado.

    Pela atenção, muito obrigada!

    (Responder)

  12. Cynthia Castilhano
    Comentário do dia 22/3/2013 às 12:14

    Texto fantástico! Adorei seu senso de humor! Adoro seu blog! Parabéns!

    (Responder)

  13. Noemia
    Comentário do dia 22/3/2013 às 14:54

    Muito bom mesmo! A Cynthia disse tudo, senso humor é fundamental! E isso você tem de sobra, Sílvia. (Até quando baixam o nivel com você). parabéns, continue seu trabalho, é maravilhoso!

    (Responder)

  14. Comentário do dia 23/3/2013 às 16:35

    Um dos lugares que mais vejo essa generalização idiota é nos portais como Globo e Terra, portais que deixam aberto a comentários. Sempre tem um querendo ser melhor que o outro e xingando o lugar e a pessoa conforme região onde mora. Um bairrismo desnecessário e que só faz o país não ir para a frente.

    (Responder)

  15. Comentário do dia 03/4/2013 às 13:44

    Ótimo post, e o melhor trecho foi:
    “e um bando de gente fio duma quenga que nem argentino é”
    Saquei a sutileza de interpretação 😀

    ass. o preconceituoso 🙂

    (Responder)

    Resposta de Silvia Oliveira

    Hahahaha!

    (Responder)

  16. Comentário do dia 23/9/2014 às 11:12

    Bravo!!! Excelente texto, Silvia!
    Vou compartilhar 🙂

    (Responder)

    Resposta de Silvia Oliveira

    Valeu, Gabriela!

    (Responder)

  17. Comentário do dia 23/9/2014 às 12:01

    Perfeito Silva,
    A gente sempre fala para nossos turistas que o melhor presente da viagem é abertura de espírito! E para aproveita-la bem é fundamental chegar de coração aberto
    Abs

    Josi

    (Responder)

    Resposta de Silvia Oliveira

    Exato! 😉

    (Responder)

Comente você também

Seu e-mail ficará em sigilo. Campos obrigatórios estão marcados com *

Comentários do Facebook

Matraqueando - Blog de viagem | Por Sílvia Oliveira

Todos os direitos reservados. 2006-2017 © VoucherPress | Agência de Notícias.
Está proibida a reprodução, sem limitações, de textos, fotos ou qualquer outro material contido neste site, mesmo que citada a fonte.
Caso queira adquirir nossas reportagens, entre em contato.

Desenvolvido por Dintstudio
×Fechar