quinta-feira, 10 de setembro de 2009

Grécia a 50 euros por dia – Parte 2


O maior barato da Grécia são as imagens que você traz de lá. (Foto: Martin Boose)

1. Quando chegar ao moderno aeroporto Eleftherios Venizelos de Atenas nem pense em pegar um táxi (a menos que você tenha vindo do Brasil – com escala em alguma cidade da Europa – para justificar os 40 euros da corrida). Caso contrário pegue o trem conectado ao metrô, que liga o aeroporto ao centro por 3 euros. O percurso dura cerca de 30 minutos.

2. Como sou muito mais história do que praia eu colocaria um dia a mais em Atenas para fazer um bate-volta ao Cabo Sounion, a 70 quilômetros de Atenas. Aqui está o Templo do Deus Posêidon (Netuno para os romanos) construído no século 7 a.C. O templo lembra em parte a Acrópole, mas a localização é uma das mais extraordinárias da Grécia. Entrada a 4 euros. Para chegar lá pegue um dos ônibus da empresa KTEL, na esquina das ruas Loulianou e Mavromatéon, próximo ao Museu Arqueológico.

3. Se tempo não for problema fique mais dois dias na península e conheça o Peloponeso, a região onde está localizada Esparta, aquela que abriu fogo contra Atenas na era clássica. Por aqui também há praias e alguns dos sítios históricos mais importantes – não só da Grécia – mas do mundo: Olímpia. O vilarejo – a 190 quilômetros de Atenas – é o berço das olimpíadas.  O Museu Olímpia abriga, além de fachadas dos antigos templos, uma maquete que reproduz como era a cidade. Entrada no sítio arqueológico mais museu a 9 euros.


Templo do Deus Poseidon, a 70 km de Atenas. (Foto: Chris Num)

4. Seu sonho é um cruzeiro pelas ilhas gregas? Pois ele cabe direitinho no nosso modelo 5.0 de viagem. A Easycruise – uma low cost dos mares – oferece, na baixa temporada, viagens de sete noites a partir de 199 euros por pessoa, em cabine dupla. Não estão incluídas alimentação nem bebidas. Pechincha! É como se fosse um up grade no seu albergue, com a vantagem de pular de ilha em ilha sem pagar o transporte. Detalhe: esse tipo de excursão, muitas vezes, não permite o slow travel – muito recomendado numa viagem a Grécia – já que visita muitos ligares em poucos dias.

5. Se for o seu caso, pergunte sempre se há descontos para estudantes, inclusive nas tarifas de barcos para as ilhas. Há várias atrações – o Parthenon, por exemplo – que podem sair de graça!

6. Existem diversas maneiras de viajar de Atenas para as ilhas: ferries, barcos rápidos e avião. Voar é a opção mais rápida (e mais interessante para quem tem pouco tempo), mas custa bem mais caro. No porto de Pireu, na capital, há várias agências com toda a grade de horários e valores. Só para ter uma idéia, uma viagem de sete a nove horas para Santorini custa em média 18 euros. O mesmo trecho de avião (50 minutos) chega a 100 euros. Mas se você comprar com antecedência – como tudo numa viagem planejada – pode encontrar tarifas bem mais acessíveis. Consulte os preços na Olympic Airlines.

7. Para chegar ao porto Skala Firon, em Santorini, você pode descer os 587 degraus desde o centro de Fira, – a “capital” da ilha. Sedentários e preguiçosos como eu, não desanimem! É possível pegar um bondinho para fazer o mesmo trajeto por 5 euros. Ou, melhor pedida, ir no lombo de um burrinho pelo mesmo valor. Dali do porto saem barcos para dois vulcões adormecidos, de fato, duas ilhotas simpáticas: Nea Kaemni e Palia Kamani. Percurso a partir de 20 euros.

8. Em Santorini, garanta sua fotografia de cinema no vilarejo de Oia (pronuncia-se “ia”). A oito quilômetros ao norte de Fira, Oia se debruça sobre o Mar Egeu contrastando com casas caiadas e igrejinhas de tetos azuis. A maioria das imagens da Grécia que povoam seu imaginário saíram daqui. Aproveite para se perder pelas ruelas até a hora do por do sol, que no verão acontece quase às 22h. Apesar de opiniões diversas, dizem, é o mais bonito do mundo. Como o maior barato da Grécia são as fotos que você traz de lá, essa é sua chance! Gratuito.

9. Conheça a Pompéia da Grécia e vá a Akrotiri, o principal sítio arqueológico da ilha de Santorini. Akrotiri é uma antiga cidade que foi soterrada por uma erupção vulcânica há mais de 3500 anos. O acesso ao local estava fechado até há bem pouco tempo. É bom se informar antes de ir. De qualquer maneira, os principais tesouros do lugar você poderá ver no Museu Arqueológico, em Fira. Entrada a 3 euros. Grátis no primeiro domingo do mês, menos julho, agosto e setembro, quando a entrada franca acontece no segundo domingo.

10. Vai ser difícil encontrar areia branca em Santorini, herança da origem vulcânica – o que garante uma paragem inusitada, mas nunca feia. Para sair da trilogia casa branca-teto azul-areia preta vá para o sul da ilha e conheça a Red Beach, toda enquadrada por uma falésia vermelha, uma espécie de Canoa Quebrada grega.

11. Para circular em Santorini existem ônibus que ligam o porto à capital Fira ou à vila de Oia. Mas a locomoção fica melhor se você alugar um quadriciclo (barato e divertido!) ou uma scooter. Diárias da motoneta a partir de 15 euros na baixa temporada – dividido por dois fica melhor ainda.


A Little Venice de Mykonos. (Foto: Lorena Ven)

12. Ao chegar a Mykonos descubra a ilha a partir do bairro Alefkandra, também chamado de Little Venice (pequena Veneza), onde há uma enseada com casinhas sobre palafitas dentro do mar. É o metro quadrado mais disputado de Chora, a capital da ilha. Mas para zanzar por ali tomando um vinho local você não deve pagar mais do que 4 euros.

13. A partir de Mykonos conheça Delos, a “ilha dos deuses”. Desabitada, está a meia hora de barco daqui. O lugar é considerado um dos mais importantes sítios arqueológicos da Grécia. O trajeto está em torno de 20 euros e os barcos saem entre 9h e 12h.

14. Critério de preços na hora de escolher onde comer, principalmente nas ilhas gregas: quanto mais bonita a vista, mais caro vai ser. Isso não significa que você terá que almoçar sempre olhando para uma parede branca. Apenas fique atento para não pagar uma bufunfa tremenda porque o restaurantinho tem um terraço despencando no mar. Pesquise e você vai encontrar lugares charmosos, com comida típica, oferecendo o menu do dia por 10 euros.

15. A Grécia pode ser considerada um destino barato porque as principais atrações – natureza, mar e arquitetura – estão disponíveis a qualquer um, de graça. Nas ilhas, o que você tem de obrigatório para fazer são caminhadas relaxantes. Invariavelmente,  pipocar de praia em praia. O transporte entre elas pode encarecer seu orçamento. Se preferir, escolha uma – no máximo duas – para levantar acampamento e saia de lá chamando o país de seu.

Leia também:

 


Share