sexta-feira, 11 de setembro de 2009

Grécia a 50 euros por dia – Parte 3

ONDE FICAR NA GRÉCIA

Existe uma regra clássica que diz: quanto mais simples, inóspito, exótico (ou pobre) for o seu destino melhor deve ser a acomodação. Um hotel barato na Grécia pode não ter exatamente o mesmo charme de uma hospedagem econômica na França ou a mesma eficiência de um albergue na Alemanha. Para não se decepcionar siga a indicação de quem já foi. Pesquise nos fóruns de viajantes ou aposte em hotéis tradicionais, onde se paga bem mais, saiba. Blogs especializados estão aí para isso. Mesmo assim, o que pode ser suficiente para mim, às vezes é muito pouco ou insuportável para você. A dica é: não faça economias absurdas em território grego. O país é barato por si só. Além do que, a Grécia é o destino que evoca o prazer em seu estado puro. Não comprometa seu sonho por causa de um up grade de10 mirréis a mais na diária do hotel. Isso pode fazer toda a diferença na sua viagem para cá.


Ilhas gregas, sonho de consumo acessível. (Foto: Juan Pablo Oitana)

HOSPEDAGEM ECONÔMICA NA GRÉCIA

Eu pareço um disco arranhado: evite ir no verão. Se a época já é propicia para os preços triplicarem em qualquer lugar do mundo, imagine quando o destino é de praia e sol, caso específico da Grécia. De qualquer maneira, ficando mais do que três dias consecutivos peça desconto – em qualquer hotel ou temporada. Geralmente eles dão. Mesmo que prefira reservar pelos sites especializados da web, não deixe de consultar também diretamente o hotel.

Em Atenas, o Acropolis House está num prédio do século 19 – construção moderníssima se a gente levar em conta que a cidade já existe há alguns milhares de anos. Está a 10 minutos da Acrópole e a 3 da Praça Syntagama. O quarto – com móveis que necessitam de uma repaginada – para casal está a partir de 40 euros. Sem café da manhã. O simples e super bem localizado Hotel Nefeli pode agradar. Os quartos espartanos não negam a raça. Mas ficam no bairro Plaka, a região mais turística da capital e está entre as estações de metrô Syntagma e Acropolis. A partir de 49 euros, o casal. Para mim, o maior achado é o Hotel Economy , não exatamente pelo preço (nem é o mais barato) – mas pelo custo-benefício. Todos os quartos têm TV, ar condicionado, frigobar e secador. Nas áreas comuns há wi-fi grátis. E o café da manhã está incluído. Tudo a partir de 52 euros o casal. Ou seja, 26 mangos para cada um. Fica entre as estações de metrô Omonia e Monastiraki, não muito longe do bairro Psiri, região movimentada com bares e restaurantes.

Nas ilhas gregas, pelo menos naquelas mais turísticas, há quartos em casa de família ou pensões – no maior estilo pousadinha brasileira. Como esse tipo de hospedagem é sempre um risco, pesquise bem antes de torrar seus euros em alguma delas. Em Mykonos, o Mina Studios – a 3,5 quilômetros do centrinho – está numa casa caiada de portas azuis com flores rosáceas na frente (mais típico, impossível). Está a partir de 40 euros o casal. Café da manhã incluído. Oferece transfer gratuito de e para o aeroporto ou porto. O Kymata Pension é beeeem simples, mas todos os quartos têm banheiro e ar-condicionado. Fica próximo à Little Venice (Pequena Veneza). As diárias por pessoa estão a partir de 23 euros. Não aceita cartões de crédito. Querendo investir um pouco mais aqui, bem no coração de Chora, a capital da ilha – e a 300 metros da praia está – o Carbonaki Hotel. Um fofo! Quartos amplos, linda piscina. A partir de 66 euros o casal. Lembrando que para manter a média de 50 euros por dia na sua viagem à Grécia, ao optar por uma hospedagem mais cara nas ilhas – ou você vai ter que comer muito churrasquinho grego ou se instalar em algum albergão em Atenas.

Em Santorini a opção mais mão-de-vaca  (nem por isso menos legal) – é o Youth Hostel Oia . Tem quartos amplos e um terraço com vista para o Mar Egeu. Diárias a partir de 15 euros (17 no verão) por pessoa em quartos coletivos, a maioria com banheiro privativo. Café da manhã incluído. O Stelios Place leva o nome do dono. O Seu Stelio comanda tudo de pertinho e busca pessoalmente os hóspedes no porto ou aeroporto. O hotel está na praia de Perissa e todos os quartos têm banheiro privativo. Diárias do quarto duplo a partir de 28 euros (14 por pessoa!). Café da manhã incluído. O Delfini, na vila de Oia – aquela do por do sol imperdível – oferece diárias a partir de 45 euros em quartos sem vista para o mar. Com vista, a partir de 60 euros o casal. Café da manhã cobrado à parte: 10 euros por pessoa.

ONDE COMER BARATO NA GRÉCIA

Num país com comida tão farta, diversificada, nutritiva e barata eu gastaria um pouco mais no hotel, porque as refeições estão garantidas a preços módicos. Para abrir o apetite prove um Gyros – o nosso churrasquinho grego. Há vários pontos de venda nas ruas. Vem carne assada (carneiro, muitas vezes), com salada e molho à base de iogurte. Tudo enrolado num pão árabe em forma de cone. Não vai custar muito mais do que 3 euros.


Salada grega: acompanhamento fresco e barato. (Foto: Chimugherm)

A tradicionalíssima Moussaka – uma espécie de lasanha de berinjela com abobrinha – é o prato típico do país. Vem em pedaços generosos e pode custar de 3 a 9 euros. Para um tira-gosto no fim de tarde, experimente o Mezédes, as tapas gregas. São petiscos variados. Média de cinco euros o pratinho recheado que, geralmente, serve tranquilo duas pessoas. Outra delícia é a nossa conhecida Salada Grega: tomate, pepino, azeitona, cebola e queijo branco. Para fugir do cardápio básico escolha de vez em quando a Spanakópita, uma torta folhada de espinafre que derrete na boca. Sobremesa: iogurte com mel. Quase sempre feito com leite de ovelha e com textura que você só encontra na Grécia. Qualquer restaurante serve um. Para acompanhar seu banquete, peça o Ouzo, a bebida nacional com sabor de anis.

Em Atenas, o bairro Plaka é o mais turístico. Mas na Praça Omonia há mais restaurantes e bares com preços honestos. Para comer comida típica tente o restaurante Filipou (19, Xenokratous). Da Praça Kolonaki, pegue a rua Patriarch Ioakim até chegar na Ploutarchou. Vire à esquerda na Ploutarchou, e depois à direita. Estará na Xenokratous. (Desculpe, é grego!). Pratos a partir de 6 euros.

SESSÃO MÃO DE VACA MUQUIRANA

Caso a Grécia esteja incluída no seu cardápio europeu juntamente com outros países e não sobre tempo (ou dinheiro) para um tour pelas ilhas gregas mais famosas, não se avexe. A uma hora de Atenas, em barco rápido, você pode passar o dia em Hydra, uma das ilhas mais bonitas do arquipélago sarônico. Tem mar azul, ruas de pedra e casinhas com tetos avermelhados. É proibida a circulação de carros por aqui. Mais um motivo para você dar um passeio nos burricos gregos. O ticket do ferry está a partir de 10 euros.

MOMENTO EXTRAVAGÂNCIA

Não consigo pensar em extravagância maior do que ficar num daqueles hotéis de cinema das ilhas gregas. As diárias transitam entre 300 e 600 euros. Mas eu, particularmente, trocaria sete dias num hotelzaço desses por um mês inteiro perambulando de ilha em ilha, optando por hospedagens classe média. Porque passar 30 dias na Grécia, não tem preço.

Ó QUE CURIOSO

Para dizer “sim” em grego pronuncia-se ne – que pode confundir com a aglutinação do nosso “não é”. Já a tradução de “não” é okhi, que lembra um ok. Cuidado para não misturar as bolas.

UM FILME PARA INSPIRAR

Casamento grego (2002), de Joel Zwick

GRÉCIA LEMBRA

Minotauro, filosofia, prato quebrado, cruzeiro, Zorba e lua de mel.

MELHOR ÉPOCA PARA IR

Julho e agosto são dois meses que você deve evitar. É altíssima temporada, tudo lota e os preços triplicam (nos hotéis principalmente). Prefira maio, junho ou setembro. A temperatura é mais amena. No entanto, quanto mais próximo do inverno maior o risco de encontrar muitos estabelecimentos fechados nas ilhas.

Site do país: www.gnto.gr
Embaixada brasileira: Platia Philikis Eterias 14, 3º andar. Tel.: (30210) 7213039

Leia também:

Europa a 50 euros por dia: introdução


Share