-  Atualizado 29/01/2016

Os poetas do mercadão

Publicado por: Silvia Oliveira Curitiba

Enquanto isso, na sala de justiça (até quando vocês decidirem onde vou passar minha lua de mel) fico por aqui, indo vez ou outra ao Mercado Municipal de Curitiba: a rota mais apropriada para aplicar a diversidade antropológica de uma viagem.
.

Engana-se completamente quem pensa que mercadão é tudo igual. É verdade, invariavelmente, há frutas, legumes e verduras. Especiarias, aos montes. Quase sempre é o melhor lugar para comprar produtos árabes ou japoneses. Aqui, no Egito ou em Porto Alegre.

Até existem mercadões fajutos, jecas, muquifos ou fuleiros. Mas eles, assim como as feiras, deveriam ser o ponto de partida de qualquer excursão. O da capitar do meu Paranã é até bem sofisticado. Grande, bem arrumado e traz aquele colorido comum ao gênero.


Nos 10 primeiros minutos de passeio, um olhar desavisado não vai achar nada diferente. Já uma vista disposta perceberá o mercadão de Curitiba como único. Em vez de ficar só babando nas bancas bem montadas dê uma olhadinha para cima. Lá estão elas. Placas enormes penduradas no teto com poesias de Paulo Lemenski, Helena Kolody, Alice Ruiz – entre outros poetas e escritores paranaenses.

Mas não é só isso!!!, como diriam meus amigos apresentadores do Polishop. Só aqui e somente aqui você encontra as mini abobrinhas brasileiras importadas. Repito: mini-abobrinhas-brasileiras-IMPORTADAS! Assim me explicou o feirante – que deve ter estudado marketing na mesma escola do Jaime Lerner. É ou não é único?

 

O que fazer em Curitiba 

Curitiba | Vinhos Durigan: parada estratégica em Santa Felicidade com degustação grátis

Linha Turismo Curitiba: como aproveitar o city tour oficial da cidade

Curitiba: faça da cidade seu melhor destino de inverno

23 motivos para você conhecer e se apaixonar por Curitiba

Cinco atrações grátis e estreladas em Curitiba

Leia também

Vila Velha, Paraná: sítio geológico de 300 milhões de anos está a uma hora de Curitiba

Lapa: como organizar um bate e volta perfeito saindo de Curitiba

Colônia Witmarsum: café colonial, história alemã menonita e descanso ao lado de Curitiba

Parque Histórico de Carambeí: espaço temático reproduz um pedaço da Holanda no Paraná

Ilha do Mel

Posts relacionados 

Morretes: cidade histórica do Paraná

Hospedagem em Morretes

Cidades Históricas, Serra do Mar e Estrada da Graciosa: quando ir?

Estrada da Graciosa

Passeio de trem pela Serra do Mar

Antonin: cidade histórica do Paraná

Hospedagem em Antonina

As balas de banana de Antonina

_________________

Fotos: Raul Mattar | Todos os direitos reservados.



Newsletter

Digite seu e-mail e receba gratuitamente nossas novidades


12 comentários

  1. ERICA BIAZOTTO
    Comentário do dia 19/9/2007 às 08:07

    Nossa Sil.
    Arrrassoouuu. Mandou muito bem, realmente andar em mercadões, vasculhar e futricar com os feirantes e uma delicia pura. Cada um com sua história mas, uma coisa não podemos negar que todos tem em comum a SIMPLICIDADE!!!

    E é realmente assim mesmo o primeiro impacto é de xatice total, nada de interessante. Mas quando olhamos com os olhos da alma, ah…ai sim veremos que tem coisas até do tempo do EPA!!!

    É um ambiente acolhedor, rever amigos e cheios de história magníficas.
    O único desafio AQUI é prestar atenção e ver essas histórias ondes poucos enxergam com os olhas da alma.

    Esse desafio esta em nossas mãos, aliás em nossos olhos.

    Bjus.

    (Responder)

  2. Gisela Garcia
    Comentário do dia 19/9/2007 às 08:46

    Adoro o mercadão. Adoro!

    (Responder)

  3. OS MOREIRA
    Comentário do dia 19/9/2007 às 11:18

    Olá Silvia, tudo bem?
    Fiz algumas aulas de espanhol com você no Sol Miró, e gostaria de falar com você com uma certa urgência, se você puder entrar em contato comigo por e-mail, me enviando algum telefone eu agradeço.

    Karine Vargas
    karine_vargas@yahoo.com.br

    (Responder)

  4. SÍLVIA OLIVEIRA
    Comentário do dia 19/9/2007 às 11:48

    Erica… quem mandou bem foi você: "O único desafio AQUI é prestar atenção e ver essas histórias ondes poucos enxergam com os olhos da alma…"
    Sensacional!

    (Responder)

  5. SÍLVIA OLIVEIRA
    Comentário do dia 19/9/2007 às 11:49

    Gisela, CADÊ AS MINHAS MARIOLAS?

    (Responder)

  6. SÍLVIA OLIVEIRA
    Comentário do dia 19/9/2007 às 11:50

    Karine:

    Estou fora do instituto no momento. Caso seja sobre espanhol ligue diretamente lá: 41 3014-9898 ou veja o site http://www.solmiro.org.br

    Abs!

    (Responder)

  7. Paulo Galvez
    Comentário do dia 19/9/2007 às 16:22

    Também gosto de mercadões,com seus cheiros e cores. No de Curitiba, porém, que conheci recentemente, acho falta de um cheiro: tabaco (em versão fumo de corda, aromatizado pra cachimbo etc – apesar de não fumar, rs). Bem legal seu blog – inclusive, mostrando agora há pouco pra um amigo, descobri que ele conhece você: o Zé Roberto, da GW, onde estou atualmente. Abraço.

    (Responder)

  8. fernanda freitas braga
    Comentário do dia 19/9/2007 às 18:05

    Uai, porque não vem passar a lua de mel aqui com nois.
    Aqui tem mercado, e muitas outras coisas legais. Por exemplo EUZINHA.
    E o hotel é de graça, vai sobrar mais dinheirinho para gastar.
    Beijão.

    (Responder)

  9. Gisela Garcia
    Comentário do dia 20/9/2007 às 12:02

    hehehehehe…vou deixar na recepção do Sol Miró.
    É que nunca mais te vi! Você escafedeu! Não quer mais me dar aulas!!! Evaporou! Rapô fora! Deu linha! Ralou peito!Sumiu do mapa! Vazou!
    Enfim, deu pra entender, né?

    (Responder)

  10. SÍLVIA OLIVEIRA
    Comentário do dia 20/9/2007 às 14:38

    Paulo, você tá certo. Aqui não tem mesmo essa coisa de fumo de corda. No mercadão de São Paulo tem bancas e mais bancas de tabaco…
    E você é amigo do ZÉ!!!! Ainda nessa semana a gente trocou dicas da viagem de férias dele! E também é um gedabliense??? Pois eu sou uma ex GWiense, e daquelas que foram bem felizes aí. Abraços!

    (Responder)

  11. SÍLVIA OLIVEIRA
    Comentário do dia 20/9/2007 às 14:41

    Fernanda, a rota "Fernanda Freitas Braga" já está anotada no nosso caderninho, mas como a gente deve passar pelas cidades históricas (e é muito sobe e desce ladeira), decidimos não incluir a lua de mel nessa… Mas Juiz de Fora NÃO ME ESCAPA!!!!

    (Responder)

  12. SÍLVIA OLIVEIRA
    Comentário do dia 20/9/2007 às 14:42

    Gisela, nada disso. É que estou de férias por tempo indeterminado. HEHEHE. Mas eu passo lá às vezes. Por isso, não tem desculpa: QUE VENHAM AS MARIOLAS CAPIXABAS!

    (Responder)

Comente você também

Seu e-mail ficará em sigilo. Campos obrigatórios estão marcados com *

Comentários do Facebook

Matraqueando - Blog de viagem | Por Sílvia Oliveira

Todos os direitos reservados. 2006-2017 © VoucherPress | Agência de Notícias.
Está proibida a reprodução, sem limitações, de textos, fotos ou qualquer outro material contido neste site, mesmo que citada a fonte.
Caso queira adquirir nossas reportagens, entre em contato.

Desenvolvido por Dintstudio
×Fechar