-  Atualizado 14/07/2013

Pela atenção, muito obrigado!

Publicado por: Silvia Oliveira Crônicas

Momento tenso. Você dentro daquela geringonça. Começam os procedimentos de segurança. Cheque de portas. Despressurização da cabine. Assentos flutuantes. Desligue os equipamentos eletrônicos. Não fume. Respire baixo.

— Atenção senhores passageiros sentados na fileira junto às saídas de emergência. 

Como assim, emergência? (Na dúvida, eu sempre faço o nome do pai.)

— Portas em automático.

DESLIGUE OS EQUIPAMENTOS ELETRÔNICOS. (Pra você que não ouviu direito.)

— Tripulação, decolagem autorizada!

15 minutos depois ele aparece. Galã. Pai de todos. Psicólogo do viajante. Eis o comandante do avião.  Voz quase sempre sorumbática e misteriosa. Aquele que acalma, orienta, designa.

— Senhores passageiros, muito boa tarde! Aqui quem fala é o Comandante Gerson Medeiros!

Véééi, ele existe mesmo. Essa coisa de piloto automático é lenda de controlador de tráfego aéreo, só pode!

— Nosso tempo de voo até Salvador será de duas horas e 10 minutos.

O cara é certeiro, preciso. É cumpadi, amigo de fé, irmão camarada. O comandante e aquele tipo de gente que se o barco afunda, vai junto com você. Sem escolha. Fala com a maior propriedade que estamos a 30 mil pés, seja lá o que isso signifique. A gente acredita. É o que importa.

E ainda: se sua viagem tiver uma rota interessante, o comandante provavelmente será seu melhor guia turístico.

— À sua direita temos a cidade de Belo Horizonte, uma das sedes da Copa das Confederações.

Moço, pode conversar, olhar pros lados, mas não tira a mão do guidão, tá.

— Aceita o cardápio, senhora? (Interrupção grosseira)

Primeiro, querida, senhora é a sua avó. Segunda, amada, eu sou do tempo da Varig e do Comandante Rolim. Tem que comprar o lanche??? Terceiro, santa, (a compostura indo para as cucuias), o meu tete a tete é com o Comandante. Vaza!

— Tripulação, pouso autorizado!

Recolho-me à minha insignificância, saio do transe, pego o manual de instruções no bolsão à frente. Como é mesmo que se faz em caso de pouso na água?

— Bem-vindos a  Salvador. São  17h10m, horário local. Por medidas de segurança queiram permanecer sentados até que os sinais luminosos de atar cintos sejam apagados. 

Comandante, volta! Já está todo mundo em pé.

Leia também

Generalizar é pecado

Por favor, deixem o turista em paz!

Os 10 mandamentos do viajante

______________________

Adquira nosso guias | Lojinha Matraqueando

Siga o Matraqueando no Twitter | @matraqueando

Curta nossa página no Facebook | Matraqueando

Acompanhe a gente no Instagram | @matraqueando

Assine nossa Newsletter | Matraca News por e-mail

Estamos no Pinterest | Matraqueando 

______________________

Foto: Roger Kyrbi | Stock.Xchng


Artigos Relacionados


Newsletter

Digite seu e-mail e receba gratuitamente nossas novidades


13 comentários

  1. Comentário do dia 02/5/2013 às 06:28

    Que bárbaro! Adorei… 🙂

    (Responder)

  2. Comentário do dia 02/5/2013 às 11:15

    Me diverti Silvia, amei!

    (Responder)

  3. Nadja
    Comentário do dia 02/5/2013 às 12:30

    Ahhhhhhhhhh matraca-mor, como é bom começar o dia com boas risadas; obrigada. Fico imaginando o quanto seria bom, uma “prosa” com chazinho no fim de tarde, com você, mais um bando de amigas !
    Em tempo: Sei que é repetitivo mas não consigo segurar a língua … li absolutamente tudo, logo que descobri o blog. Além dos assuntos instrutivos (admito, sou matraca muquirana) você é muito boa escritora. Os textos são leves, com um vocabulário delicioso; parabéns. Abraços

    (Responder)

    Resposta de Silvia Oliveira

    🙂 🙂 🙂

    (Responder)

  4. Cristiane
    Comentário do dia 02/5/2013 às 13:23

    Amei, o que mais dizer? Beijos

    (Responder)

  5. Comentário do dia 02/5/2013 às 13:30

    Nenhuma frase de “avião” é tão assustadora como a tal da “em caso de pouso na água”. Oi? Eu não quero fazer um pouso na água! Não! Nada de usar assento pra flutuar, tá doido? hehe

    (Responder)

  6. Comentário do dia 02/5/2013 às 15:33

    Mais um post que me fez rir sozinho na frente do computador e me deixou com cara de tacho na frente dos amigos. Muito bom!!!

    (Responder)

  7. Paula*
    Comentário do dia 02/5/2013 às 15:37

    Não tô se aguentando consigo própria…kkkkkk!
    Que senso de humor! Adorei! Rindo Litros! 😉

    (Responder)

  8. vera queiroz
    Comentário do dia 02/5/2013 às 19:13

    Muito bom, silvia, aí vem uma escritora e um livro de crônicas, salve!
    abraço,
    vera

    (Responder)

    Resposta de Silvia Oliveira

    Menos, Vera! hahahaha! 🙂

    (Responder)

  9. Comentário do dia 03/5/2013 às 16:49

    É bem isso! (risos) Eu sempre achei que devíamos praticar pelo menos uma vez a queda de máscaras e a retirada de assento. Não é que mês passado, no trecho GRU-CWB, uma senhora pediu providências para sua poltrona que estava com um chiclete grudado. Ao lado, eu sugeri aquele lencinho TNT que fica no apoio de cabeça, enquanto o comissário buscava uma solução. Sabe qual? Substituição do assento! Ou seja, pela primeira vez acompanhei a retirada daquilo que dizem flutuar em caso de pouso na água. Não é que, com alguma força, a coisa sai do lugar rapidinho?

    (Responder)

  10. Nair
    Comentário do dia 03/5/2013 às 18:08

    AR-RA-SOU!!!

    (Responder)

  11. luciana
    Comentário do dia 04/5/2013 às 16:51

    Oi Silvia, quando recebo meu guia? Comprei domingo passado, a confirmação do pagamento chegou na terça e até hoje nada. Já encaminhei email pelo sac sem resposta.
    No aguardo
    Luciana

    (Responder)

    Resposta de Silvia Oliveira

    Oi, Luciana!
    Todos os guias constam como enviados. Você já revisou sua caixa de spam? Abs!

    (Responder)

  12. Alessandra Gabino
    Comentário do dia 15/5/2013 às 12:49

    Silvia, parabéns pelo texto!!!
    Sabe, viajar é bom, mas eu sou daquelas pessoas que “morrem” de medo de avião, passo mal, suo frio com qualquer turbulênciazinha, aliás, as turbulências são as minhas piores inimigas! Quando acendem os avisos de atar os cintos no meio do vôo, já era… Antigamente (no tempo da VARIG, olha ela aí!) era só tomar umas duas taças de vinho, péssimo, por sinal, que já dava aquela relaxada. Agora, lanço mão de outros “artifícios”, leia-se Rivotril (prescrito pelo médico: viagem curta tome um, viagem longa tome dois). É o jeito! Como não tenho como pular esta etapa, e ainda não inventaram o teletransportador, tenho mesmo que me render ao bendito avião, pois minha vontade de mundo é maior que o medo. Beijos

    (Responder)

  13. Comentário do dia 01/4/2016 às 20:07

    E eu procurando uma crônica pra eu me inspirar… achei!
    Parabéns!
    Foi muito divertido ler!

    (Responder)

Comente você também

Seu e-mail ficará em sigilo. Campos obrigatórios estão marcados com *

Comentários do Facebook

Matraqueando - Blog de viagem | Por Sílvia Oliveira

Todos os direitos reservados. 2006-2017 © VoucherPress | Agência de Notícias.
Está proibida a reprodução, sem limitações, de textos, fotos ou qualquer outro material contido neste site, mesmo que citada a fonte.
Caso queira adquirir nossas reportagens, entre em contato.

Desenvolvido por Dintstudio
×Fechar