Silvia Oliveira

Viagens gastronômicas

segunda-feira, 06 de fevereiro de 2017

Casa Portuguesa do Pastel de Bacalhau: iguaria em Lisboa e no Porto

Casa Portuguesa - Pastel de Bacalhau

A união de dois clássicos — o bacalhau e o queijo Serra da Estrela — transformou a Casa Portuguesa do Pastel de Bacalhau num ícone gastronômico no país.

O Matraca Translator explica: pastel de bacalhau é o nosso croquete, mas no Porto é chamado também de bolinho. Tipo mandioca, aipim e macaxeira. Pois!

Continue lendo o texto…

Share
quinta-feira, 02 de fevereiro de 2017

Casa do Colono em Gramado: queijos, vinhos, cucas e o melhor pão com linguiça da vida

Casa do Colono Gramado - cucas

Gramado tem muita sofisticação. Casas de chá em estilo europeu, restaurantes suíços, chocolates de alta qualidade, shows hollywoodianos no Natal Luz e paisagem internacional o ano inteiro.

Casa do Colono Gramado - geleias

Mas o que faz a cidade ser altamente acolhedora e simpática é o morador de raiz, aquele aldeão da terra que mantém a tradição da boa culinária e afeto, ambos trazidos pelos imigrantes que povoaram a região.

Continue lendo o texto…

Share
sábado, 17 de dezembro de 2016

Quanto custa comer no Beto Carrero World

beto-carrero-world-piratas

Ao contrário dos parques de Orlando, o Beto Carrero World — maior parque temático da América Latina — não permite a entrada de alimentos e bebidas. A administração do parque alega que é uma recomendação da vigilância sanitária, já que os alimentos transportados pelos visitantes poderiam oferecer risco à saúde, devido ao armazenamento inadequado.

Continue lendo o texto…

Share
sexta-feira, 11 de novembro de 2016

Confeitaria Martha Frehner: melhor sobremesa de Nova Trento

confeitaria-martha-frehner-nova-trento-sc

Existem coisas que são tão cotidianas para mim que, às vezes, acabo deixando escapar uma superdica por pura desconcentração.  A Confeitaria Martha Frehner, escondidinha no Vale Europeu catarinense, é um desses casos.

Continue lendo o texto…

Share
sexta-feira, 04 de março de 2016

Os melhores lugares para comer salgados em Curitiba: coxinha, quibe, esfiha, pastel e empadinha

O título é meio pretensioso. Mas é bom deixar claro que vou falar dos melhores lugares para comer salgados em Curitiba de acordo com o Matraca Ibope. Não é uma lista definitiva nem pretendo esgotar todas as possibilidades que existem na cidade.

QUIBE E ESFIHA

Você pode encontrar os dois no mesmo lugar: Kibe da Boca. O local fica no buchicho turístico de Curitiba, quase em frente à Boca Maldita, no centro da capital. A esfiha aberta de carne e homus (R$ 3,60) tem um tempero inexplicável.

O quibe apresenta uma textura que eu adoro, crocância leve (não gosto de quibe com casca dura) e o recheio suculento, do tipo molhadinho (R$ 4,60). Os salgados saem na hora, o tempo todo,  tudo quentinho.

Melhores salgados Esfiha Kibe da Boca Curitiba

Continue lendo o texto…

Share
quinta-feira, 18 de fevereiro de 2016

Mary Ann Apple Factory: as maçãs gourmet de Curitiba

Mary Ann Apple Factory - Maca Gourmet Curitiba Parana

O mesmo raio gourmetizador que transformou o tio do cachorro quente num empreendedor de food truck chegou às singelas… maçãs.

Aquela sua maçã do amor craquenta, dura e melada da quermesse? Já era.

Agora, você tem à sua disposição um conceito. Um conceito de maçã.

Continue lendo o texto…

Share
quarta-feira, 27 de janeiro de 2016

Centro das Tapioqueiras e Casa José de Alencar: passeio redondo em Fortaleza

Casa Jose de Alencar Fortaleza Ceara

Se você está planejando uma viagem a Fortaleza já deve ter incluído no seu roteiro uma paradinha no Centro das Tapioqueiras, um espaço dedicado à comidinha mais típica do Nordeste.

O que talvez você ainda não saiba é que a pouco mais de 10 minutos de carro dali está a Casa José de Alencar (foto acima), local onde o maior escritor cearense nasceu e viveu parte da infância.

Continue lendo o texto…

Share
quinta-feira, 14 de janeiro de 2016

Canela | Magnólia: o restaurante retrô mais incrível da Serra Gaúcha

Restaurante Magnolia Canela

Sabe quando você ouve falar do “poder” das redes sociais? Então. Foi um tuíte da querida Alexandra Aranovich que me fez conhecer um dos melhores centros gastronômicos de Canela: o lúdico restaurante Magnólia, uma mistura inventiva de bar, cinema e restaurante.

Restaurante Magnolia Canela Vintage

No ano em que o Matraqueando completa 10 anos, eu já quis começar com o pé direito… na jaca! Trata-se daquele momento extravagância que é a cara da riqueza, mas que custa menos do que uma rodada de pizza em São Paulo.

Restaurante Magnolia Canela Retro

Dos mesmos donos do Empório Canela (local fofo que eu já indico há tempos no meu guia O Barato de Gramado e Canela), o restaurante Magnólia foi inaugurado há quase dois anos. É lindamente decorado com peças, móveis e objetos dos anos 50, 60 e 70 — tudo garimpado pelos proprietários em brechós e antiquários.

Restaurante Magnolia Canela Cinema

Restaurante Magnolia Canela Cine Restro bar

O ambiente, apesar de um quê de sofisticação, é descontraído. A proposta é tão inusitada que você pode chegar ali, pegar sua cerveja ou drink, assistir a um filme francês e depois seguir para o jantar.

Exato, o Magnólia conta com um pequeno cinema voltado para filmes-clássico-cabeça, digamos. No dia em que fomos, estava previsto Meia noite em Paris, mas como as crianças tomaram conta da área, mudaram para uma saga da… Barbie. Estratégia linda, aliás. 😀

Restaurante Magnolia Canela Banheiros

O Magnólia foi concebido num imponente casarão da década de 50. Toda a estrutura foi preservada, desde as grandes colunas da entrada até as janelas basculantes e o pé direito alto.

O piso de parquet também é original. Ponto alto são os banheiros com os indefectíveis azulejos azuis e pia rosa cheio de objetos que minha mãe, minha vó (e até EU) usaram!

Restaurante Magnolia salao

Restaurante Magnolia Canela Sala Antiga

Logo na entrada do restaurante, uma cozinha vintage fielmente reproduzida é o lugar perfeito para fotos e selfies. Tudo o que está ali é original como geladeira, fogão, eletrodomésticos, xícaras e talheres. Dois manequins com vestidos de época compõem perfeitamente a cena.

Restaurante Magnolia Canela Bar

Subindo a escadaria de madeira marchetada em direção ao piso superior está um toca disco antigo impecável que ainda preserva algumas marcas de copo originais.

Neste andar estão quatro ambientes, entre eles o bar (com cervejas artesanais e importadas) e o restaurante propriamente dito, comandado pela premiada chef Roberta Rech.

A casa é democrática. É possível vir para cá apenas para tomar um drink e comer um belisquete no happy hour. Se preferir, é ótimo lugar para um jantar a dois ou em família.

Tudo é pensado para trazer um conforto afetivo ou proporcionar uma memória feliz. Olhe só os copos com o antigo vidro “bico de jaca” fazendo a alegria da minha água com gás e limão!

Restaurante Magnolia Canela Ambientes

Restaurante Magnolia Couvert

Nós fomos para jantar e só passei pelo bar para fazer fotos. Ao me sentar à mesa já dei de cara com estes pratinhos da entrada: antigos e originais. #muitoamor

O couvert com pãezinhos de mandioquinha acompanhados com pastinha de cream cheese e ervas vem como cortesia. É bom destacar isso porque muitas casas de fondue na região colocam alegremente um combo de pães, patês e frios na mesa — mas quando vem a conta você percebe que aquela “entradinha” custa quase o valor do prato principal.

Como era nossa primeira vez no Magnólia e já havíamos comido demais o dia inteiro fomos diretos aos pratos clássicos. Mas você pode começar pelas entradas como Salada de Figo ao Porto (rúcula e endívia marinadas no vinho do porto com pedaços de queijos gorgonzola e nozes) por R$ 14 ou Ceviche de Camarão por R$ 27.

Restaurante Magnolia Risoto de Pato Funghi

Eu provei o Risoto de Pato (sobrecoxa de pato desfiada, arroz arbóreo, cogumelo shitake e crispy de alho poró) por R$ 49. Só depois fui saber que é o prato mais pedido da casa.

É bem servido (estávamos em quatro pessoas e todo mundo ganhou fartas colheradas do meu risoto para provar!) Tem tempero forte, apesar dos ingredientes delicados. Só a louça preta e dourada, um mimo!

Restaurante Magnolia Canela File e Stinco de Cordeiro

O Raul apostou no Filé Rosselini (filé mignon, cogumelo paris recheado com presunto parma e catupiry e vagens francesas ao molho Rôti).  Veio no ponto que ele pediu.

Já minha mãe quis conhecer o maravilhoso Stinco de Cordeiro sobre um delicado purê de mandioquinha. Para mim, o melhor prato. A carne veio derretendo, não precisava nem de faca para cortar.

O filé e o cordeiro custam R$ 62 cada e são os pratos mais caros do cardápio. Como você pode ver não é nenhuma bancarrota se levarmos em conta a experiência toda que o lugar proporciona.

Restaurante Magnolia Risoto de Pato

O Magnólia tem um cardápio kids. A Mariana pediu o espaguete ao sugo (R$ 15) e veio um pratão de macarrão. Gente, é mais barato do que Mc Lanche Feliz.  Já o cardápio “adulto” também inclui massas mais encorpadas como o Raviole Artesanal de costela com ragu de cogumelos e lascas de parmesão por R$ 39.

Restaurante Magnolia Canela Sobremesa

De sobremesa pedimos o Brigitte, um fondue de chocolate para dividir. Acompanha uva, morango e quadradinhos do melhor brownie da vida. Apenas R$ 28 para os quatro (se bem que se tivesse mais um cumbuquinha de brownie, meodeos, eu mandava ver!).

Para beber minha mãe pediu um vinho chileno pequeno (R$ 19) daqueles que enchem uma taça. Outras bebidas como água e refrigerante têm preços de mercado. A conta toda deu R$ 268 já com os 10%. Ou seja, R$ 67 por pessoa. (Valores de janeiro de 2016.)

Tipassim, vale  a pena pegar um avião de Curitiba para comer no Magnólia que a conta é capaz de sair mais barata do que muito restaurante que cobra um rim por dois dedos de espuma de abacate colhido na primavera de Praga. Rá!

SERVIÇO

Magnólia | Cine Gastrô Bar

Local: Rua Dona Carlinda, 255 | Centro | Canela – RS (a 500 metros da Catedral de Pedra)

Tel. (54) 3278-0102

Funcionamento: segunda a sábado, 18h à 1h. Só abre um domingo por mês para o brunch, das 11h às 15h.

Comodidades: o restaurante tem um lindo cinema com sessões de segunda a quinta, às 20h30. A casa oferece ainda um espaço kids gratuito bem completo. Às sextas e aos sábados, dias de maior movimento, uma recreacionista ajuda a distrair os pimpolhos que vão ao lugar.

Restaurante Magnolia Canela espaco kids

DICAS

É imprescindível fazer reservas nos fins de semana. Eu fui em uma terça-feira de janeiro e o movimento estava bem tranquilo, parecia até baixa temporada. Mesmo assim eu fiz reserva. É só ligar!

O brunch, que acontece em apenas um domingo por mês, é um acontecimento no Magnólia. Custa R$ 80 por pessoa. Crianças de 1 a 5 anos pagam R$ 30 (este valor é mais pela recreacionista contratada neste dia) e de 6 a 10 anos pagam R$ 45. Inclui comidas frias, quentes, um drink de boas-vindas e todas as bebidas não alcoólicas como chá, cafés e sucos. (Atenção: valores de janeiro de 2016.)

Posts relacionados

Gramado: roteiro de três dias

De Porto Alegre a Gramado pela Rota Romântica

Gramado: dicas para uma viagem econômica

Studio 109: hospedagem para família em Gramado com ótimo custo-benefício

E-book | O Barato de Gramado e Canela –> baixe o seu agora mesmo!

Leia também

Bento Gonçalves | Caminhos de Pedra: um pedaço da Toscana no Brasil

Vinícola Salton: visita guiada inclui degustação grátis

Templo Budista a 30 km de Gramado: o Tibete mora aqui

______________________

Fotos: Raul Mattar e Sílvia Oliveira | Todos os direitos reservados. ©

Share
segunda-feira, 23 de novembro de 2015

Mercadoteca: o primeiro mercado gastronômico e gourmet de Curitiba

Mercadoteca fachada

Curitiba ganhou há pouco mais de um mês o primeiro mercado gourmet da cidade. Desde a inauguração fui algumas vezes ao local em dias e horários distintos.

Minha ideia era ver o fluxo de pessoas, o atendimento dos lojistas, provar as comidinhas e, principalmente, sentir a proposta como uma turista que visita a Mercadoteca.

É que o empreendimento vende a ideia dos grandes mercados europeus, locais que atraem moradores e visitantes para comer algo rápido, típico e afetivo durante todo o dia a preços mais convidativos.

Mercadoteca cartaz

A Mercadoteca tem todo este potencial e eu já gostei muito do que vi, mas vamos alinhar as expectativas. Não espere encontrar um Eataly curitibano. Digo isso porque já vi fazerem este comparativo e só me restou… rir!

O nosso mercado gourmet é fofíssimo (ganhou uma cara rústica, utiliza materiais industriais, tem iluminação natural estimulada pelos janelões de vidro), mas é pequeno. São apenas 18 estabelecimentos. E talvez esteja aí mesmo todo seu valor.

Mercadoteca degustacao

Ok. Vá, lá! Pequeno diante da comparação com o Covent Garden de Londres (rolou isso também), mas é muito adequado para o padrão da capital paranaense. Só não espere caridade.

(Tapas espanholas por módicos € 1 a gente só encontra no Mercado San Miguel de Madri.) Mas a oferta de gostosuras promove um happy hour muito digno com preços MENORES que em muito food truck por aí.

Mercadoteca decoracao

Acho importante destacar de cara isso porque escutei muita gente, mas muita mesmo, dizendo que lá é tudo caro. Ora, meu amigo, é um mercado gourmet. G.O.U.R.M.E.T. Oferece uma área gastronômica acima da média.

Não tem fast food. A ala de queijos, embutidos e cortes de carnes especiais apresenta valores compatíveis com o produto oferecido. Acho difícil alguém buscar na Mercadoteca moela de frango ou patinho. Aqui é 100% Angus. 😀

O espaço é ótimo para quem cozinha e para quem gosta de comer. A área de alimentação ganhou mesas coletivas para pequenos grupos, além de balcões com assentos individuais.

O deck externo é uma delícia, bem amplo, com sofás confortáveis, uma espécie de lounge ao ar livre. Fica bem perto do parquinho infantil. Dá para petiscar, bebericar e ainda não perder as crianças de vista.

Mercadoteca Curitiba

Mercadoteca Queijos Bon Vivant

No box da Bon Vivant, por exemplo, você encontra uma enorme variedade de queijos, molhos e temperos. Já se sua ideia é levar pratos prontos, o Anis Presto (do chef Flávio Frenkel) oferece, entre outras iguarias, porchetta, leitão assado, saladas especiais e mais de 30 tipos de massas, entre lisas e recheadas. A partir de R$ 9 a porção individual que pode ser acompanhada por deliciosos molhos caseiros como o ragu de javali (pago à parte).

Mercadoteca peixaria  rosangela

Mercadoteca Curitiba Frutaria

Mercadoteca Platinox

A Peixaria Rosângela, conhecida das feiras da cidade, abre a primeira loja física na Mercadoteca. Oferece desde a tradicional tainha até lagosta e camarão tigre gigante. Ao lado, fica uma das melhores frutarias de Curitiba, a Harue, dando aquele quê e colorido de mercadão municipal.

E em frente, no mesmo corredor, está a Platinox Gourmet com todas aquelas pecinhas, panelinhas e coisinhas de cozinha que deixariam meu brogue-mulherzinha em estado de graça. Rá!

Mercadoteca plantas

Mercadoteca Esalflores

A maioria dos estabelecimentos, aliás, já tem outras unidades na capital. A Esalflores — o primeiro box que a gente enxerga quando entra na Mercadoteca — tem uma megastore na Rua 24 de Maio.

Agora, trouxeram para o mercado o que eles chamaram de “loja conceito”, um espaço lindinho com plantas, buquês, vasos, suculentas e até “pé” de temperos.

Mercadoteca doce portugues

Ao lado da Esalflores está o Doce Fado, outro empreendimento já conhecido dos curitibanos com lojas em shopping e até no próprio Mercado Municipal. Aqui, a gente pode provar os tradicionais doces da terrinha como Pastel de Belém (R$ 5), Travesseiros de Sintra (R$ 7) e pães artesanais.

Mercadoteca Hamburgueria

Dos lugares disponíveis para comer fomos a praticamente todos. A JPL Burguers estava entre os mais disputados. No cardápio, a novidade é o Mad Circus (R$ 24,90), um sanduíche com hambúrguer, bacon, tomate, relish de pepino, mussarela e maionese — acompanhado de batatas fritas crocantes.

Mercadoteca hamburguer

Como eu ia dividir um com a Mariana (que não gosta de bacon) acabei optando pelo Super Series (R$ 22,90), uma espécie de “x-salada” gourmet com 200 g de hambúrguer bovino.

A carne vem mal passada (eles avisam isso na hora do pedido), caso queira mais torradinha tem que solicitar. Estava muito bom e o molho de maionese (com quem eu costumo implicar muito), bem leve. O sanduíche mais barato sai por R$ 14,90.

Mercadoteca comida arabe esfiha aberta

Mercadoteca comida arabe

Mercadoteca al baba

Em outra oportunidade apostei num velho conhecido, o Al Baba Empório Árabe que já tem uma unidade bem grande na Rua Emiliano Perneta, 865. Mas o foco da loja da Mercadoteca não são os pratos mais elaborados e, sim, as comidinhas rápidas.

Experimente as enormes e suculentas esfihas abertas (de R$ 7 a 9 a unidade) e o shawarma, uma iguaria feita com fatias finíssimas de frango e/ou carne assadas num espeto, tudo envolto por um delicado pão sírio e outros temperos. A partir de R$ 16.

Mercadoteca sushi

Já no Fujii — que tem um restaurante no Mercado Municipal desde 2003 — a Mariana matou a vontade de sushi. Um combo pequeno com seis unidades sai a partir de R$ 13,90. Para quem gosta de comida japonesa tradicional, pode apostar no Fujii, conhecido pelo preparo artesanal dos pratos e a utilização de matéria-prima fresquíssima.

Mercadoteca doces arabes

Mercadoteca sorvete

Para sobremesa tem os doces árabes do Al Baba (100 g a partir de R$ 10) e os deliciosos sorvetes da Gelataio (o de chocolate parece uma mousse de tão leve e cremoso). A partir de R$ 8 o potinho.

Os sorvetes, fabricados com a técnica italiana,  são artesanais e usam ingredientes selecionadíssimos. O de baunilha vem até com os pontos pretinhos da fava de “verdade”.

Mercadoteca cafe

 Para uma finalização encorpada provamos alguns cupcakes e o bolo Red Velvet (R$ 10 a fatia, m.a.r.a.v.i.l.h.o.s.o.) da Degusto Café. Aliás, a Degusto tem um café ótimo com preço justo (R$ 4 o espresso pequeno).

O blend de grãos é 100% exclusivo da casa. Só ficou faltando o copinho de água com gás e um chocolatinho ou petit four para acompanhar que, para mim, seria o básico em cafeterias que preze pela qualidade e degustação do café. #ficaadica :)

A Mercadoteca, de olho na tendência vida-saudável, acolheu uma unidade do Mundo Verde, a maior rede de lojas de produtos naturais e orgânicos da América Latina.

Para acompanhar essa vibe, o mercado também vai receber a Verd & Co (que ainda não havia sido inaugurada quando fui pela última vez), especializada em alimentos prontos para consumos (sucos, lanches e sobremesas) sem glúten, sem lactose, vegano, light, diet e afins. 😀

Mercadoteca frutaria

E para fechar a lista de lugares para matar a fome tem ainda o TACOnteiner, um braço mais enxuto do tradicional restaurante Taco El Pancho montando dentro de um… container na parte externa da Mercadoteca. Tacos variados a partir de R$ 8.

Mercadoteca Vino

Para os apreciadores de bebidinhas, o Templo da Cerveja vende seis diferentes tipos de chopes — todos de produção local.

Para quem não sabe, Curitiba tem grande vocação cervejeira com dezenas de fábricas artesanais na cidade. Aqui, a tulipa sai a partir de R$ 7.

Já o Vino! Bar reúne 160 rótulos Você pode comprar as garrafas ou degustar uma taça com preços que variam de R$ 9 a R$ 26, dependendo do vinho.

Resumindo: ótimo passeio em ambiente agradável com comidinhas bacanas. E ainda dá para levar para casa algumas gostosuras.

Como chegar à Mercadoteca

Embora a Mercadoteca fique relativamente próxima ao Parque Barigui (3.8 km), um dos principais atrativos da cidade, ela não está localizada numa região turística. Para quem está de carro o acesso é muito fácil. Veja o mapa. Para quem quiser chegar de ônibus, a melhor maneira é pegar qualquer coletivo que desça no Terminal Campina do Siqueira ou no terminal Campo Comprido (a Mercadoteca fica entre os dois) e de lá pegar um táxi (uns R$ 15  a corrida).

SERVIÇO

Mercadoteca

Local: Rua Paulo Gorski, 1309 | Campo Comprido | Curitiba-PR

Tel. (41) 3205-3901

Funcionamento: segunda a sábado, 9h às 21h e domingos e feriados, 10h30 às 18h.

Comodidades: o espaço é 100% acessível a portadores de necessidades especiais e conta com bicicletário, banheiros equipados e fraldário. O estacionamento é pequeno e cobra R$ 8 a hora. (Até 31/12/2015 é grátis para quem chegar antes das 11h30.) No horário de maior movimento (entre 17h e 21h) talvez tenha que deixar o carro nas ruas laterais.

Posts relacionados

Paris Cake House: confeitaria temática com doces e café no centro de Curitiba

Café do Paço: música, arte e aroma

Comidinhas: bolinho de aipim com carne de sol

Quintana Restaurante e Café: gastronomia responsável e estrelada que cabe no seu bolso

Restaurante SENAC, em Curitiba: opção chiquetê a preços módicos

Restaurante Zea Maïs: o melhor contemporâneo

Leia também

Como ir do aeroporto de Curitiba ao centro da cidade

Linha Turismo Curitiba: como aproveitar o city tour oficial da cidade

23 motivos para você conhecer e se apaixonar por Curitiba

Cinco atrações grátis e estreladas em Curitiba

Aeroporto de Curitiba ganha a primeira lanchonete popular do Brasil

Hospedagem boa e barata em Curitiba

Museu Oscar Niemeyer completa 10 anos como a atração mais visitada de Curitiba

Vinhos Durigan: parada estratégica em Santa Felicidade com degustação grátis

Paço da Liberdade: o edifício do centro cultural é o único tombado pelo Patrimônio Histórico Nacional em Curitiba

________________

Fotos: Raul Mattar

Share
quinta-feira, 20 de agosto de 2015

Curitiba | Paris Cake House: confeitaria temática com alguns dos melhores doces e café do centro da cidade

Paris Cake House Curitiba

Sabe aquele furdúncio característico do centro da cidade? Então, é algo que passa longe dessa gracinha de confeitaria (e café) escondida na região da Boca Maldita de Curitiba. A Paris Cake House funciona como um bistrô moderninho cheio de delícias para tirar você da mais rigorosa das dietas.

Paris Cake House Cupcakes

O local é tocado por uma família de… coreanos. Mas a tendência é francesa com ênfase em algumas delícias fabricadas ali mesmo como pães, bolachinhas e uma linha de pâtisserie i.n.c.r.í.v.e.l.

Paris Cake House paes e bolachas

A decoração é fofa e os garçons e garçonetes usam uniforme a caráter, com direito a boininha no melhor estilo francês. No mês que vem o empreendimento completa um ano e conquistou turistas e moradores que circulam pelo calçadão (também conhecido com Rua das Flores) da capital.

Logo após o almoço, aliás, é impossível conseguir lugar em uma das sete mesas disponíveis. Há dois balcões que acomodam bem quem opta apenas por um café rápido.

Como o local é pequenino o atendimento, embora sempre muito simpático e solícito, fica confuso quando está lotado. O melhor horário é logo que abre, no meio da tarde ou aos sábados.

Paris Cake House precos

O cardápio é curto, mas suficiente para a gente provar alguns dos melhores doces da cidade acompanhados por uma soda italiana (R$ 7) ou pelo café espresso tradicional (R$ 4,50).

No café da manhã (8h às 10h), a casa oferece quatro combos-delícia: café + butter roll (R$ 5,90), café + pão de queijo (R$ 6,90), café + queijo quente ou misto (R$ 7,90) e café + Ham Egg Toast (R$ 8,90).

Paris Cake House Curitiba Sanduiche

Um opção “típica” é o Croque Monsieur (foto acima), sanduíche tradicional parisiense com pão, presunto, queijo e molho bechamel (R$ 7). É bom, mas nada impressionante. Um bom misto quente de qualquer café simpRão resolveria pela metade do preço.

É que o momento “uau” da Paris Cake House está na vitrine de doces. Cupcakes, bolos e tortas deixam o cliente paralisado. São diversas opções com a promessa de produtos mais suaves e com menos açúcar.

Fato: quando saio para comer doces eu geralmente peço um pedaço e divido com o Raul ou com a Mariana. Não porque a gente não queira engordar (também, claro) — mas porque não conseguimos comer um pedação inteiro de bolo cheio de chantilly e creme.

Paris Cake House endereco

Aqui na Paris Cake House cada um come um doce inteiro e ainda fica com vontade de pedir outro. A Mariana adora o minicupcake de morango (R$ 4).

Paris Cake House Cheesecake Oreo

Uma das estrelas da casa é o Oreo Cheesecake (R$ 9), feito com uma massa suave e pedacinhos do biscoito mais amado do mundo. Já o Bolo de Frutas (R$ 9) se deixar, posso comer três fatias. Leve e saboroso do começo ao fim: cobertura, massa e recheio. (Fotos acima)

Paris Cake House Tiramisu Mirtilo

Mas o meu preferido é o Tiramisu (R$ 8 ou R$ 10,50 com mirtilo). São não peço toda a vez que vou lá porque ele é pequeno e mais caro. Duas bocanhadas e já era. Rá!

Para quem quiser tomar só um cafezinho, o lugar também arrasa. Tem uma seleção bacana de cafés quentes (Machiatto por R$ 4,50 e Capuccino por R$ 7) e cafés gelados (Americano por R$ 8).

Na linha cafés especiais prove o Café Caramelo feito com espresso, leite vaporizado, calda de caramelo  e chantilly ou o Café Bombom com espresso, leite condensado e chantilly. Ambos por R$ 11 cada. Ah, o lugar aceitas encomendas. Veja no site as opções.

A confeitaria-café Paris Cake House fica perto de:

– Rua das Flores (calçadão de Curitiba)
– Palácio Avenida
– Boca Maldita
– Praça Osório

SERVIÇO

Paris Cake House | www.pariscakehouse.com.br

Endereço: Rua Candido Lopes, 331 (a meia quadra da Praça Osório) | Centro | Curitiba-PR

Tel. (41) 3082-1668

Horário de funcionamento: segunda a sexta, 8h às 19h e sábados, 8h às 17h. (Fecha aos domingos.)

Posts relacionados

Café do Paço: música, arte e aroma

Quintana Restaurante e Café: gastronomia estrelada e responsável que cabe no bolso

Vinhos Durigan: parada estratégica em Santa Felicidade com degustação grátis

Leia também

Linha Turismo Curitiba: como aproveitar o city tour oficial da cidade

Curitiba: faça da cidade seu melhor destino de inverno

Como ir do aeroporto de Curitiba ao centro da cidade

E ainda

23 motivos para você conhecer e se apaixonar por Curitiba

Cinco atrações grátis e estreladas em Curitiba

Para entender Curitiba

Aeroporto de Curitiba ganha a primeira lanchonete popular do Brasil

Museu Oscar Niemeyer completa 10 anos como a atração mais visitada de Curitiba

Bate e volta desde Curitiba

Vila Velha, Paraná: sítio geológico de 300 milhões de anos está a uma hora de Curitiba

Lapa: como organizar um bate e volta perfeito saindo de Curitiba

Colônia Witmarsum: café colonial, história alemã menonita e descanso ao lado de Curitiba

Passeio de trem pela Serra do Mar

Antonina

Morretes

Ilha do Mel

__________________ 

Texto e fotos: Sílvia Oliveira  | Todos os direitos reservados. ©

Share
segunda-feira, 27 de julho de 2015

Paris | La Fourmi Ailée: casa de chá perto da Notre Dame

La fourmi ailee casa de cha

Fachada simpática, ambiente convidativo. Paredes forradas de livros e teto pintado com nuvens. Não encontrei adjetivo para descrever o estilo da casa de chá La Fourmi Ailée — um misto de gracinha, papo-cabeça e “livraria cultura”. O curioso é que o lugar foi sede de uma das primeiras livrarias feministas de Paris.

No cardápio você encontra pratos variados e sobremesas, mas a estrela do lugar são os chás. São 25 blends que vão do tradicional camomila, passando por chás chineses e indianos. Custam entre € 3,20 e € 4,50. A água vem num bulinho fofo e as ervas, amarradas num saquinho.

La fourmi ailee casa de cha paris

A La Fourmi Ailée (nome que significa algo como a formiga voadora) fica na região chamada Odeón-Saint Michel. Mas cai perfeitamente para quem está zanzando pelo Quartier Latin. A catedral de Notre Dame está a duas quadras e a casa fica em frente ao Zenyama, restaurante japonês bom, bonito e barato do qual já falei neste post.

La fourmi ailee casa de cha dicas paris

Para quem quiser comer aqui já aviso que os preços do lugar estão acima da média para um mão de vaca. Mas se você está no seu momento-patrão espere gastar num almoço com bebida e sobremesa em torno de € 25. (Entenda: muquiranas não gostam de investir mais de € 10 por prato de comida!) 😀

Fui várias vezes só para o chá. Em uma delas pedi uma torta de maçã que custou € 7. Achei caro e não foi a melhor tarte aux pommes da vida. (Para você ter uma ideia, o Zenyama tem menu com brochettes (espetinhos), arroz e sopa a partir de € 8,80.)

La fourmi ailee casa de cha paris cardapio

Não espere o melhor atendimento do mundo. O lugar, apesar de pouco conhecido entre os turistas, está numa região frenética. Portanto, sempre lotado. E as garçonetes parecem meio atrapalhadas. Na hora do jantar, por exemplo, não pode ficar só para “bebidas”. Se for só para tomar o chá (como eu) escolha o meio da manhã ou da tarde.

Tirando os pormenores, o local é agradável e está numa região prática para o turista que pode, também, fazer da La Fourmi Ailée uma parada para o café — € 1,90 a xícara pequena.

SERVIÇO

La Fourmi Ailée

Local: 8 Rue du Fouarre, 75005 | Odéon-Saint Michel

Tel. +33 1 43 29 40 99

Funcionamento: todos os dias, meio-dia à meia-noite.

Metrô: Maubert-Mutualité (linha 10), Saint Michel (linha 4) e Cluny-La Sorbonne (linha 10)

A La Fourmi Ailée fica perto de:

Catedral de Notre Dame
Quartier Latin (bairro)
Boulevard Saint Germain
Zenyama (restaurante japonês)

Posts relacionados

Fromagerie Lepic: a sua queijaria em Paris

Café da Amélie Poulain: ponto de peregrinação em Montmartre

Rota de Boulangeries: 10 lugares para você tomar café da manhã em Paris

Fauchon: a célebre épicerie e pâtisserie francesa

Korcarz: boulangerie e pâtisserie kosher no Marais

L’As du Fallafel, Marais: porque faláfel não é brinquedo não

Chez Hanna, Marais: se não é o faláfel mais gostoso de Paris, é tão bom quanto

Restaurante Fluch, Paris:  self service à vontade com precinho daqui, ó!

Leia também

Europa Barata: Paris pela primeira vez 

Museu Carnavalet: essencial para conhecer a história de Paris

Museu Bourdelle: a incrível casa-ateliê do discípulo prodígio de Rodin

Museude Montmartre: onde você encontra o jardim que inspirou Renoir

Place des Vosges e Maison Victor Hugo: passeio casado e gratuito no Marais

________________ 

Fotos: Sílvia Oliveira | Todos os direitos reservados.

Share
quarta-feira, 17 de junho de 2015

Rio de Janeiro | Confeitaria Colombo: parada clássica com almoço executivo para muquiranas

Confeitaria Colombo Rio de Janeiro Arquitetura

Espelhos belgas. Bancadas de mármore italiano. Vitrines em jacarandá. É como se fosse uma fotografia restaurada e intacta da Belle Époque nacional. A Confeitaria Colombo, Patrimônio Histórico e Artístico, preserva em 120 anos de história o mesmo mobiliário do século 19. Parada elencada como “obrigatória” no manual dos turistas descolados. Viajar, sabemos, é nunca se cansar dos clássicos. 😉

O local já recebeu de Machado de Assis a Getúlio Vargas, de Juscelino Kubitschek a Chiquinha Gonzaga. Foi espaço para debates engajados e decisões políticas. Está no centro do Rio de Janeiro, no mesmo lugar onde foi fundada em 1894, e, hoje, faz um delicioso contraste com este pedaço mal-apanhado da cidade.

Confeitaria Colombo Rio de Janeiro Pastel de Nata

Apesar do luxo, a Confeitaria Colombo é fiel até no nome. Trata-se de uma padaria com cardápio regado a itens deliciosos — a maioria de fabricação própria. Pão de ló, biscoitos amanteigados, pastel de nata (o famoso pastel de Belém), tortinhas e a deliciosa — e caríssima — coxinha com queijo cremoso por nove reais. Tá, R$ 9 pilas para você pode não ser nada, mas eu moro em Curitiba e a gente encontra aqui a iguaria por R$ 3,50 — tão boa quanto.

Mas a Confeitaria Colombo vale quanto pesa justamente pela experiência que proporciona. A gente compartilha o mesmo espaço disputado por artistas, políticos e escritores que fizeram a fama do cantinho mais parisiense da República brasileira.

Confeitaria Colombo Rio de Janeiro Viradinho de Morango

À esquerda, Viradinho de Morango. À direita, Casadinho de Goiabada.

Na verdade, os doces (para mim, a grande vantagem da casa!) têm preços razoáveis, muito parecidos com os cobrados por padarias meia-boca, por exemplo. Prove o mil folhas, a tortinha de avelã ou o viradinho de morango (R$ 8), uma das minhas opções na nossa última passada por lá.

O salão principal tem pé direito alto, paredes espelhadas e uma enorme claraboia (que permite a entrada de luz natural). É um d.e.s.b.u.n.d.e. Você pode pedir um café expresso (R$ 6,50), um doce (a partir de R$ 8) ou um sanduíche (a partir de R$ 23) e passar uma meia hora emblemática nesta instituição carioca.

Cha de Inverno Confeitaria ColomboChá de inverno da Confeitaria Colombro | Foto: Wagner Pinheiro – Divulgação

O tradicional chá da tarde entrou na temporada de inverno e é servido todas as quintas e sextas-feiras, das 17h às 19h30, durante os meses de maio, junho e julho. São mais de 60 itens entre bebidas (suco, chá, café, chocolate e leite), pães, biscoitos, salgados e doces.

De brinde um pianista toca ao vivo enquanto você degusta alguns dos clássicos da confeitaria como o quindim de camisola. Custa R$ 60 por pessoa.  É necessário reservar pelo telefone: (21) 2505-1500. (Importante: nos dias 19/06 e 17/07 o chá não será servido.)

Confeitaria Colombo Rio de Janeiro

Abre parênteses. Eu nunca provei o chá da tarde da confeitaria Colombo, mas conheci o brunch da unidade que fica no Forte de Copacabana, o café da manhã com uma das mais belas vistas do Rio. Eu conto aqui! Fecha parênteses.

No segundo piso da confeitaria funciona o Restaurante Cristóvão onde é servido, além do chá da tarde, um almoço regado, aquele buffet livre para seu momento-patrão:  R$ 87 mangos por pessoa. Não, não dá, néam. Nossa opção dessa vez foi algo que eu ainda não conhecia na Confeitaria Colombo, o almoço executivo. Trata-se do célebre prato feito, só que servido em travessinhas fartas.

Confeitaria Colombo Rio de Janeiro Almoco ExecutivoTortilha de Bacalhau com frutos do mar e feijão branco

Você pode pedir desde uma entrada fria (iscas de peixe ao molho golf acompanhada de salada de folhas ou linguicinha ao molho de mostarda com mel acompanhada de salada de batatas) por R$ 16,50 cada.

Confeitaria Colombo Rio de Janeiro Almoco Executivo Bacalhau

Nós fomos de Prato Especial. Pedi a Tortilha de Bacalhau com azeitona e tomate seco, acompanhada de arroz e frutos do mar com feijão branco. Rapei a cumbuca.

Confeitaria Colombo Rio de Janeiro CarnePicadinho de Filé ao Funghi com batatas gratinadas

O Raul pediu o Picadinho de Filé ao Funghi, acompanhado de arroz branco e batata gratinada com cebola e parmesão. Quando olhei o prato não me parecia saboroso. Mas provei e achei tão bom quanto o meu.

Confeitaria Colombo Rio de Janeiro Carne Detalhe

É tudo feito em série, não existe exatamente glamour na apresentação da comida. O que percebi é que este tipo de fast-lunch atende basicamente os executivos que trabalham na região.

Cada prato sai por R$ 26,90. (Há outras opções, mais simples – frango grelhado, arroz e legumes — por R$ 21,90). Atenção, o Almoço Executivo é servido somente no Salão Bilac— do lado direito de quem entra na Colombo – das 11h às 15h.

Confeitaria Colombo Rio de Janeiro Figada Marmelada

Para finalizar a visita observe o acervo de peças antigas, bem ao estilo vintage, expostas nas vitrines da entrada. E se você quiser levar para casa uma lembrança do lugar, há uma linha de produtos com a marca da confeitaria como bloquinhos, canetas, camisetas, imãs de geladeira, aventais, café e doces tradicionais como marmelada e figada! Porque viajar, sabemos, é nunca se cansar dos clássicos. 😀

SERVIÇO

Confeitaria Colombo

Local: Rua Gonçalves Dias, 32 | Centro | Rio de Janeiro | Metrô Carioca

Tel.: (21) 2505-1500

Horário: segunda a sexta, 9h às 19h30. Sábados e feriados, 9h às 17h.

Posts relacionados

Confeitaria Colombo: café da manhã no Forte de Copacabana

Feira de São Cristóvão: o repente da saudade

Aconchego carioca: boteco gastronômico

O curso Teacher & Dinner com a chef Roberta Sudbrack: eu fiz!

_________________

Fotos: Sílvia Oliveira | Menos a primeira que pertence ao Raul Mattar e do chá de inverno que é do Wagner Pinheiro (divulgação da confeitaria). Todos os direitos reservados.

Share
quinta-feira, 04 de junho de 2015

Florianópolis | Carlitos Empanadas: comidinhas argentinas em Canasvieiras

Carlitos Empanadas Florianopolis Canasvieiras

Se você já foi a Florianópolis sabe que a praia de Canasvieiras é reduto dos hermanos argentinos. O Carlitos Empanadas vem engrossar a fama da região e agrada em cheio não só aos turistas chês como aos patropis.

Carlitos Empanadas Florianopolis

Conhecemos o local por acaso. Fica perto da praia e a 1,5 km do apart hotel onde nos hospedados na nossa última visita à cidade. Pequeno e aconchegante, o restaurante faz várias referências ao país de Maradona e Evita, além de oferecer comidinhas típicas deliciosas a preços justíssimos. (O restaurante é comandado por xente oriRRinal de fábrica!)

Carlitos Empanadas Florianopolis Canasvieiras Como chegar

Serve doces, salgados, crepes, massas, pizzas e pratos executivos. Nós provamos várias empanadas e salteñas (a partir de R$ 5 cada). A tradicional (com carne moída) e a de carne seca com abóbora, meodeos, quero todos os dias!

Carlitos Empanadas Florianopolis Doces

O tradicional Choripán (sanduíche com pão e linguiça temperado com chimichurri) foi um dos melhores que comi. A apresentação do prato estava bem fofa por se tratar de uma comidinha tão popular.

Matraqueando Instagram

Carlitos Empanadas Florianopolis Endereco

Nos três dias em que ficamos aqui passamos pelo Carlitos. Quase sempre fomos nas empanadas. Todas excelentes. O local é muito agradável e o atendimento (garçonete argentina!), muito simpático. Ah, o café italiano é uma delícia e, a quem interessar possa, tem caipirinha por R$ 10!

SERVIÇO

Carlitos Empanadas

Local: Rua Madre Maria Vilac, 2020 | Canasvieiras | Florianópolis-SC

Tel.: (48) 3371-6440

Atendimento: terça a domingo, 8h às 23h. Fecha às segundas.

Post relacionado

Ilha Norte Apart Hotel: hospedagem boa e barata em Canasvieiras

Para entender Santa Catarina

Floripa: para os manés de todas as ilhas

Costão do Santinho: o melhor resort de praia do Brasil 

Florianópolis combina com

Nova Trento | Santuário Santa Paulina: como conhecer o complexo religioso construído em homenagem à primeira santa brasileira

Camboriú | Achados do Brasil: lugar perfeito para levar o melhor do artesanato nacional para casa

Pomerode | Rota Enxaimel

Penha | Beto Carrero World: a minha Disneylândia

Bombinhas | A praia

Bombinhas | Praias de Mariscal, Canto Grande e Tainha

Bombinhas | Praias de Quatro Ilhas e Sepultura

Share
quarta-feira, 01 de abril de 2015

Colônia Witmarsum: café colonial, história alemã menonita e descanso ao lado de Curitiba

Colonia Witmarsun Casas

Sessenta quilômetros. Menos de uma hora. Tempo e distância a seu favor para conhecer a inusitada Colônia Witmarsum, pertinho da capital paranaense. A área, fundada por alemães menonitas, reúne confeitarias típicas, restaurantes, lojas, um grande mercado, pousadas, ecoturismo e, de quebra, oferece uma feirinha gastronômica aos fins de semana.

Quem visita Curitiba geralmente tem um único foco para passeios nos arredores: o trem pela Serra do Mar que leva a Morretes ou a visita à Ilha do Mel que, aliás, merece bem mais do que um bate e volta. Mas eu já falei aqui de outras possibilidades incríveis: a conservadíssima e histórica Lapa e o sítio geológico do Parque Estadual de Vila Velha.

A Colônia Witmarsum é outro estirão redondo partindo de Curitiba. O nome do lugar é uma referência à cidade catarinense de Witmarsum de onde saíram os menonitas — um grupo étnico-religioso que migrou há 70 anos aos campos gerais do Paraná. Localizada no município de Palmeira, a colônia é referência na produção de leite e queijos.

+ Alugue seu carro com segurança e percorra o Paraná com mais economia!

Colonia Witmarsum Vacas

Hoje, o local conta com 1500 habitantes e preserva todas as referências à cultura alemã, desde o idioma — que você vai ouvir o tempo todo entre eles — até a culinária típica como tortas e salsichas alemãs, além dos tradicionais eisbein (joelho de porco), chucrute e marreco recheado.

Roteiro de um dia na Colônia Witmarsum

Logo que você sai da BR 277 (na altura do km 146 para quem vem de Curitiba) e entra em direção à colônia você já começa a descortinar a paisagem campestre do lugar. São diversas casas rurais com laguinhos em frente e aquela imagem bucólica das vaquinhas pastando ao léu. Você passará em frente de alguns restaurantes e cafés coloniais.

Colonia Witmarsun Feira do Produtor bolachas geleias

O final de semana é o período ideal para conhecer a Colônia Witmarsum. É que no sábado, das 9h às 12h,  acontece a feirinha do produtor. Pressupondo que você chegará pela manhã, vá direto ao mercado central (que fica no final dessa rua de acesso à colônia), onde acontece a tal feirinha.

+ Curta o Matraqueando no Facebook e receba dicas gratuitas de Witmarsum e outros destinos!

Colonia Witmarsun Feira do Produtor

A partir daí já pode começar a chamar gezuis de meu lôro! Pães, geléias (de jabuticaba, physalis, amora, morango), requeijão, queijos, massas frescas, bolachas caseiras, conservas, doces, tortas, salgados típicos… tudo, tudim produção artesanal. A feira é pequenina. Algumas poucas — e fartas —mesas resumem o evento.

Colonia Witmarsun Feira do Produtor bolachas caseiras

Entre degustação e comprinhas você pode investir mais de uma hora aqui. A feirinha acontece em frente ao mercado central, onde você encontrará toda a variedade de queijos finos e coloniais com a marca Witmarsum (brie, camembert, ricota, emmental, raclette, appenzeller, entre outros).

Colonia Witmarsun queijos finos

O mercado só fecha no final do dia. Por isso, caso queira levar os queijos para a casa deixe para comprar mais perto do seu retorno. Leve um isopor, se necessário.

Colonia Witmarsum Toll

Quase em frente ao mercado está o Museu de História Witmarsum, uma das paradas mais importantes para entender a história da fundação da colônia. Mas como ele só funciona no período da tarde, nós fomos conhecer, primeiro, a lojinha Toll, um verdadeira relíquia do artesanato alemão de alto nível.

+ Leitor do Matraqueando tem 15% de desconto no seguro de viagem. Pegue seu cupom aqui!

Colonia Witmarsum Toll Presentes

São objetos de decoração, brinquedos pedagógicos, móveis provençais e relógios Cuco originais importados da região da Floresta Negra, na Alemanha. Mas o que me fascinou foram as delicadas peças de artesanato de Christian Ulbricht. Um trabalho único, feito em madeira com pintura precisa. Não é nada “baratinho”. Você paga o valor por algo único e singular para colocar na sua casa ou presentear.

Mas existem outras lojas de artesanato como a Artesanato de Witmarsum (instalada numa casinha que parece de boneca de tão fofa) e a Witmalhas (com artesanato em tecido), que fica ao lado da Confeitaria Kliewer.

Colonia Witmarsum Igreja Menonita

Se você for à Colônia Witmarsum no domingo poderá acompanhar o culto menonita totalmente em alemão. Começa às 9h30. Há placas na rua principal de acesso à colônia indicando onde fica a igreja.

Almoço

Você tem três opções para almoçar a típica comida alemã: Bauernhaus Restaurante, Restaurante Bela Vista e Restaurante Frutilhas Lowen.

Colonia Witmarsum Como chegar

O mais ajeitado, completo e com melhor custo benefício é o Bauernhaus. Além de restaurante, o local vende geleias, embutidos e artesanato. O buffet livre com mais de 30 itens sai por R$ 38 por pessoa (crianças de até 5 anos não pagam e de 6 a 12 pagam a metade). Sucos e sobremesa incluídos. Veja o cardápio aqui.

Colonia Witmarsum Restaunta e Pousada Bela Vista

Já o Restaurante Bela Vista trabalha com pratos a la carte. Oferece comida alemã tradicional como marreco recheado, kassler, spätzli, entre outros. Os pratos para duas pessoas variam de R$ 80 a R$ 100. Um dos melhores joelhos de porco que já comi. Veja o cardápio aqui.

Colonia Witmarsum  Frutilhas

Suco de amora e sorvete com calda de framboesa do Frutilhas Lowen

Colonia Witmarsum Eisbein

O mais simples é o Restaurante Frutilhas Lowen, localizado numa propriedade de 30 hectares.  Tem produção especializada em frutas vermelhas e verduras orgânicas. No buffet livre serve goulash, frango caipira, lombo de porco, spatzle, pirogue, risoto de frango, molho branco e saladas. Sai R$ 30 por pessoa. Crianças de 7 a 13 anos pagam R$ 15. Bebidas e sobremesa à parte. Sucos de frutas vermelhas (amora, framboesa e morango) a partir de R$ 5 o copo. Embora o buffet por pessoa saia mais barato do que no Bauernhaus, no Frutilhas você paga a bebida e a sobremesa à parte. E se quiser o joelho de porco são R$ 10 a mais. Logo…

Colonia Witmarsum Localizacao

Colonia Witmarsum Colhe Pague morangos

A comida no Frutilhas Lowen é farta, mas bem meia-boca. Já o suco de amora (da fruta mesmo, não a polpa) é sensacional. Tem um parquinho para as crianças e redário para descanso. O restaurante oferece colha e pague de morangos por R$ 15 o quilo.

Tarde

Depois do almoço, fomos finalmente ao Museu de História Witmarsum, a antiga casa grande da Fazenda Cancela, nome da propriedade comprada pelos menonitas quando chegaram aqui. A construção é marcada por lambrequins que formam um rendado na madeira que circundam os beirais da casa.

Colonia Witmarsun Museu Heimat

O museu preserva um acervo interessantíssimo com móveis, objetos, peças, roupas antigas, fotos e equipamentos usados pelos menonitas que fundaram a colônia.  Mas o melhor da visita é a super aula dada pelo historiador Heinz Egon Philippsen. O encontro não tem hora marcada. Os visitantes vão chegando, acomodando-se… até que Heinz começa a contar tudo sobre a colônia.

+ Hotel bom e barato em Curitiba: reserva sem taxa e cancelamento grátis!

Colonia Witmarsun Museu Historico

É nessa hora que você compreende melhor os menonitas e desfaz a impressão de que eles seriam uma espécie de Amish paranaense.  Os Amish, para quem não sabe, são um grupo cristão conservador radicado nos Estados Unidos e Canadá. Uma das características do grupo é o uso restrito de tecnologia como telefones e automóveis, além de viver baseado em uma interpretação rigorosa da bíblia. Ambos, menonitas e Amish, são descendentes dos grupos suíços anabatistas, mas os menonitas seriam a parte mais progressista, digamos.

Colonia Witmarsum Museu Heinz

O historiador Heinz Egon Philippsen: aula grátis no museu

O museu funciona sábado, domingo e feriados, 14h às 17h. Se quiser ser atendido durante a semana faça seu agendamento pelos telefones (42) 3254-1347  e (42) 8411-2895.  Entrada: R$ 5.

Colonia Witmarsum Museu

Depois do museu você pode optar pelos diversos passeios rurais que a colônia oferece. Um dos mais concorridos é o Tracktur, um tour de trator que leva você pelas plantações até o rio com parada para banho. Custa R$ 25 por pessoa. Somente criança de colo não paga. O passeio acontece pela tarde, mas se for grupo grande pode ser feito pela manhã também. Agende pelo telefone (42) 3254-1152.

Colonia Witmarsum Tracktur Passeio de Trator

A Pousada Campos Gerais e a  Chácara Silomac (42 9141-0438) promovem cavalgadas pela região. Custa R$ 25 por pessoa. O passeio é oferecido somente aos fins de semana e feriados. No caso da pousada, se você se hospedar lá a cavalgada está incluída no valor da diária.

Depois da diversão vem a parte mais esperada pelos visitantes: o café colonial. Se você almoçou bem talvez só vá ter fome no final da tarde. As três opções são a Confeitaria Kliewer, Sabores da Colônia e Edit’s Kaffe Hof.

Colonia Witmarsum  Kliewer

O que apresenta mais estrutura para as crianças é a Confeitaria Kliewer  com um parquinho próprio. O café colonial da Kliewer (que completa 25 anos em 2016) custa R$ 33 por pessoa e é servido na mesa (broas, pães, queijos, lingüiça, tortas, café, leite e limonada suíça). O café colonial deles, mesmo, eu nunca provei — mas já comi aqui um delicioso strudel de maçã, salgados, cupcakes (esses da foto acima) e levei para a casa pães e bolachas caseiras.

Colonia Witmarsum Confeitaria  Kliewermatraqueando-instagram1

É possível também comprar as tortas por pedaço (a partir de R$ 3,50).  Os proprietários garantem que tudo é feito com receitas alemãs originais. Funciona de terça a domingo, 8h às 18h. Tel. (42) 3254-1278.

Colonia Witmarsum  Sabores da Colonia Cafe Colonial

Sabores da Colônia fica atrás do museu. É o melhor custo benefício entre todos os cafés de Witmarsum. Oferece diversos tipos de bolos, tortas, geléias caseiras e cinco pratos quentes — além de café, leite e sucos naturais como uva e clorofila (limão com couve). Custa R$ 24 por pessoa. Crianças de 5 a 10 anos pagam a metade. Se preferir é possível comprar as tortas e bolos por fatias que variam de R$ 2 a R$ 5, dependendo do tamanho. Funciona sábado, domingo e feriado, 12h30 às 18h30. Tel. (42) 9118-0577.

Colonia Witmarsum Parana Cafe Colonial Ediths

O Edit´s Kaffe Hof está logo na entrada da colônia. Também tem um bom custo/benefício. Oferece o café com grande variedade de quitutes e duas sopas, incluindo iguarias brasileiras como pão de queijo, coxinha e pasteizinhos.  Sai por R$ 25 por pessoa ou R$ 36 o quilo. Funciona sábado e domingo, 13h às 21h e feriados, 10h às 21h. Tel. (42) 3254-1214 e (42) 9900-0224.

A sua visita vai se desenrolar de acordo com seu gosto e expectativa. Se estiver com criança é bom ajustar os passeios rurais ao horário de almoço e /ou café da tarde. Para o fim de semana perfeito você pode dormir na colônia e desfrutar de todos os passeios, restaurantes e cafés com mais tranquilidade ainda.

Onde dormir | Hospedagem na Colônia Witmarsum

Pousada Bela Vista | É a mesma que possui o restaurante que oferece comida alemã a la carte. As  acomodações são bem simples, mas é a mais barata de Witmarsum. Tem TV, varanda e uma área verde comum deliciosa. Diária para casal a partir de R$ 110 com café da manhã incluído. Criança até 7 anos grátis.

Colonia Witmarsum Pousada Bela Vista

Quarto triplo da Pousada Bela Vista

Pousada Campos Gerais | Tem quartos mais estruturados com TV e ventilador de teto, mas ainda assim pode ser considerada uma hospedagem de instalações simples. Está numa bonita área verde. A diária para casal está R$ 280 (com varanda) ou R$ 260 (sem varanda). A segunda diária sai por R$ 170. Criança de 5 a 12 anos paga R$ 45. Inclui café da amanhã colonial e cavalgada até o rio.

Colonia Witmarsum  Pousada Campos gerais

Quarto duplo da Pousada Campos Gerais

Pousada Katarina | Segue o padrão da hospedagem simples e funcional. Tem um lindo jardim quase sempre florido. Quartos com TV (de 14”) e ventilador. Diárias para casal a partir de R$ 120,00. Quarto triplo por R$ 140. Não inclui café da manhã. Está na rua principal de acesso à colônia.

+ Hotel bom e barato em Curitiba: reserva sem taxa e cancelamento grátis!

Dicas da Matraca

– O passeio à Colônia Witmarsum é turismo rural, portanto vá com roupas e sapatos confortáveis. Leve boné/chapéu, protetor solar e um traje de banho, caso queira dar um mergulho no rio depois da cavalgada ou passeio de trator.

– No verão, a cidade de Palmeira (onde está a colônia) pode chegar a 35º C. Mas faz bastante frio no inverno, com média de 10º C — podendo chegar a abaixo de zero em períodos de geada.

– O celular pega mal e o wi-fi disponível nos estabelecimentos não funciona bem. Mas a ideia é relaxar, né? Então, tá! :mrgreen:

– Para quem vai dormir na colônia e quiser jantar mais tarde (depois do fechamento dos cafés coloniais), a única opção é a Bele Lanches e Pizzaria. (42) 3254-1556 ou o restaurante da Pousada Bela Vista.

– Apesar da colônia ser hoje um reduto turístico, a maioria dos estabelecimentos ainda não tem site (e os que têm estão desatualizados, com uma ou outra exceção). É bem difícil falar ao telefone (toca, toca e ninguém responde!). Mas todos os telefones deste post foram testados, existem e funcionam. Portanto, se precisar tirar alguma dúvida específica com eles é só insistir que a qualquer momento alguém te atende! #figas

Colonia Witmarsun Como ir

Como chegar à Colônia Witmarsum saindo de Curitiba

Pegue a BR 277 em direção a Ponta Grossa. Na altura do km 146 (depois do pedágio) você terá que se manter à esquerda para fazer um pequeno retorno (voltando a Curitiba). A entrada para a colônia está logo após a este retorno. Há placas indicativas.

Como chegar à Colônia Witmarsum saindo de Ponta Grossa

Pegue a BR 376 em direção a Curitiba. A entrada da colônia fica no km 549, após o SAU — Serviço de Atendimento ao Usuário.

A grosso modo é possível dizer que a Colônia Witmarsum está no entroncamento das BR 277 e BR 376. As estradas são pedagiadas.

Como ir à Colônia Witmarsum de ônibus saindo de Curitiba

É um trampo sujeito a perrengues e demora, já aviso. Tem que pegar um ônibus comum (transporte público) de Curitiba a Campo Largo, cidade da região metropolitana que fica a uns 40 minutos da capital, dependendo do trânsito. Para ir a Campo Largo você deve pegar o ônibus no Terminal Campina do Siqueira em Curitiba (vários ônibus da capital levam até o terminal Campina do Siqueira, que fica na região do Parque Barigui — só para você se localizar).

Em Campo Largo você vai descer no terminal (ponto final), mas tem que ir até à RODOVIÁRIA de Campo Largo (mais umas 5 quadras caminhando e/ou de táxi) para pegar um ônibus da viação Princesa dos Campos  em direção a Witmarsum. São mais 45 minutos de viagem. A passagem custa R$ 3,60 (mais o valor da passagem Curitiba-Campo Largo que é de R$ 3,30).

Mas, ó, é bom deixar claro. A colônia é gigante, para conhecer muitos dos lugares mencionados você terá que andar muuuuito! O ônibus da Princesa dos Campos tem apenas umas duas ou três paradas dentro da colônia. Veja todos os horários aqui, simulando Campo Largo – Witmarsum!

Posts relacionados

Parque Estadual de Vila Velha: sítio geológico de 300 milhões de anos está a uma hora de Curitiba

Lapa, Paraná: como organizar um bate e volta perfeito saindo de Curitiba

Ilha do Mel: como chegar, o que fazer e dicas úteis

Passeio de trem pela Serra do Mar até Morretes

Leia também

Linha Turismo Curitiba: como aproveitar o city tour oficial da cidade

______________________________________________

Leia aqui tudo o que a gente já publicou sobre Curitiba e arredores!

______________________________________________

Fotos: Raul Mattar e Sílvia Oliveira

_________________
Política editorial | Pagamos todas as nossas contas de viagem. Não aceitamos convites nem cortesias. Sempre nos hospedamos anonimamente nos hotéis indicados. O Matraqueando não faz post patrocinado. Alguns posts contêm links para programas de afiliados, parceiros comerciais do blog, inseridos espontaneamente pela autora. Por questão de transparência, comunicamos que se você optar por comprar por meio destes links nós recebemos uma pequena comissão. Tudo o que você encontra aqui foi determinado unicamente pelo interesse do leitor, nosso gosto pessoal ou critério particular. Isso é transparência e credibilidade. Pode confiar! Para ajudar a manter o blog sempre com dicas fresquinhas adquira nossos guias na Loja Matraqueando. Desde já agradecemos a preferência! 😉 
Share
quarta-feira, 11 de fevereiro de 2015

Mercado Ver-o-Peso, Belém: turismo de experiência

Mercado Ver o Peso Belem 11

Mercados populares com pedigree costumam ser uma mistura emblemática de antropologia, gastronomia e linhagem familiar. O Ver-o-Peso não foge à tradição. Além de ponto turístico de Belém, a feira é uma alegórica representação cultural da cidade.

Mercado Ver o Peso Belem 13

Mercado Ver o Peso Belem 20

Fica às margens da baía do Guajará. Falamos de uma gigante feira ao ar livre — considerada a maior da América Latina. O local reúne toda a sorte de paladares paraenses. São centenas de barracas. Você vai encontrar todos os ingredientes necessários para preparar seu tacacá, açaí ou pato no tucupi.

Mercado Ver o Peso Belem 18

Mercado Ver o Peso Belem 16

Matraqueando Instagram

O mercado Ver-o-Peso abastece a cidade e região. Além de frutas típicas (ou exóticas para uma jacu como eu) há uma infinidade de peixes amazônicos, temperos, ervas medicinais e as famosas garrafadas. Sabe aqueles vidrinhos com poções mágicas que prometem desde acabar com mau olhado, espinhela caída a até trazer o amado em três dias? Zifio, dá para encher a mala.

Mercado Ver o Peso Belem 22

Mercado Ver o Peso Belem Castanhas 05

O nome do local tem uma origem curiosa. Quando foi inaugurado, no início do século 17, o mercado era uma espécie de entreposto fiscal. Ali faziam a verificação do peso exato das mercadorias para obter o valor dos impostos repassados à coroa portuguesa. Daí ficou… Ver-o-Peso. :mrgreen:

Mercado Ver o Peso Belem 04

Mercado Ver o Peso Belem 07

É o tipo de lugar onde o detalhe converte o todo. Cada barraca, um flash! O amarelo do tucupi. O rosadinho do camarão. O verde forte do jambu. O marrom rústico da castanha. O colorido das garrafinhas.

Mercado Ver o Peso Belem 08

Mercado Ver o Peso Belem 09

A movimentação no mercado Ver-o-Peso começa na madrugada — especificamente às 3h30 — junto com a Feira do Açaí, (outro passeio respeitável de Belém e ú.n.i.c.o. no Brasil. Veja nosso relato aqui). Com as toneladas da frutinha chegam os pescadores descarregando quilos e quilos de tucunaré, pirarucu, filhote, entre outros tipos de peixes.

Mercado Ver o Peso Belem 12

O pirarucu, por exemplo, é um dos maiores peixes de água doce. No mercado Ver-o-Peso é fácil ver o Pirarucu vendido em mantas secas e salgadas. De tão saboroso também ficou conhecido como o Bacalhau da Amazônia.

Mercado Ver o Peso Belem 14

Mercado Ver o Peso Belem 19

A construção do Ver-o-Peso que marca o imaginário do turista é o Mercado de Ferro. Com estrutura metálica e torres azuis, o prédio foi todo forjado em Londres e Nova York, depois transportado e montado no local. Século 19, Ciclo da Borracha. Explica? Aqueles delírios psico-espirituais dos tempos áureos do tem-dinheiro-sobrando-então-vamu-gastá! No interior são mais de 60 boxes que comercializam peixes, camarões e caranguejos.

Mercado Ver o Peso Belem 01

Juntamente com o Mercado do Ferro, outras construções históricas como o Mercado da Carne, a Praça do Relógio (ali pertinho) e a própria Feira do Açaí formam um conjunto de inestimável valor, tanto que toda a área foi tombada pelo IPHAN (Instituto do Patrimônio Histórico Artístico Nacional) em 1997.

Mercado Ver o Peso Belem 03

Mercado Ver o Peso Belem 02

Mas o Ver-o-Peso não é só pavê, não. É pacumê, também! Várias barracas oferecem açaí, peixinho frito na hora, tapioca, maniçoba e pratos à base de tucupi. É o passeio redondo: você desvenda uma cultura, prova o melhor da  comida regional e ainda leva para casa a experiência pessoal que nenhum livro de história poderá contar.

SERVIÇO

Mercado Ver-o-Peso

Local: Boulevard Castilho França, s/n. Cidade Velha

Horário: o mercado de peixe funciona das 6h às 14h e a feira livre no lado de fora, o dia todo.

Dica: o Ver-o-Peso está perto da Estação das Docas e combina perfeitamente com um passeio ao Forte do Presépio, de onde você tem uma vista panorâmica do mercado com a baía do Guajará ao fundo.

Mercado Ver o Peso Belem 25

Posts relacionados

Feira do Açaí: a essência da identidade paraense

Por trás da Portinha de Belém

Leia também

Como chegar à Ilha de Marajó

Fazenda São Jerônimo: um resumo do Soure, a “capital”  da Ilha de Marajó

Ilha de Marajó | Onde ficar: Soure ou Salvaterra

E ainda

Feira de São Joaquim, Salvador: onde você encontra a Bahia de verdade

Feira da Ladra: o mercado de rua mais popular de Lisboa

__________________

Fotos: Sílvia Oliveira

Share
Páginas:1234Último »
Matraqueando - Blog de viagem | Por Sílvia Oliveira

Todos os direitos reservados. 2006-2017 © VoucherPress | Agência de Notícias.
Está proibida a reprodução, sem limitações, de textos, fotos ou qualquer outro material contido neste site, mesmo que citada a fonte.
Caso queira adquirir nossas reportagens, entre em contato.

Desenvolvido por Dintstudio