quinta-feira, 19 de setembro de 2013

Parque Estadual de Vila Velha, Paraná: sítio geológico de 300 milhões de anos está a uma hora de Curitiba

Parque Estadual Vila Velha - Ponta Grossa - Paraná - Arenitos 2

Inconcebível, mas eu ainda não havia falado uma única linha sequer sobre um dos atrativos naturais mais importantes do Paraná (e de quebra, do Brasil). Fica aqui do ladinho, no município de Ponta Grossa — a menos de 100 quilômetros da capital. Perfeito para um bate e volta desde Curitiba. A ideia vale tanto para nós moradores da região quanto para os turistas dispostos a conhecer umas das formações geológicas mais sensacionais do país.

Parque Estadual Vila Velha - Ponta Grossa - Paraná - Arenitos 7

O parque é uma unidade de conservação formada por três pontos: os Arenitos (formações rochosas que ganharam formas inusitadas), Furnas (grandes crateras com água no fundo) e a Lagoa Dourada que, ao pôr do sol, fica iluminada com os raios refletidos sobre o leito.  Durante 3 anos o parque ficou fechado para revitalização. Áreas foram recuperadas e trilhas, construídas. Os passeios agora são todos feitos por caminhos de pedras. Tudo sinalizado e com guias treinados.

Parque Estadual Vila Velha - Ponta Grossa - Paraná - Arenitos 10

Parque Estadual Vila Velha - Ponta Grossa - Paraná - Guias

Mas nem sempre foi assim. Quando era criança — e íamos à praia, vindo de Londrina — meus pais paravam em Vila Velha (Ow, não confundir com aquela Vilha Velha do Espírito Santo. A nossa fica no Sul!) No meu tempo, século passado, era um parque aberto para farofada. O pessoal fazia churrasco, piquenique ou acampava.

Não havia controle nem política de preservação, embora fosse tombado pelo Patrimônio Histórico e Artístico do estado desde 1966. O visitante fazia tudo por conta sem qualquer orientação. As pessoas subiam nos arenitos, deixavam marcas nas pedras, enfim, era um passeio livre de qualquer comprometimento ambiental.

Parque Estadual Vila Velha - Parana - Camelo

Na foto à direita aparece a primeira forma esculpida pelo tempo: o camelo.

Voltar ao parque com a Mariana foi uma experiência inusitada. Projetei nela as mesmas expectativas que tínhamos ao visitar Vila Velha 30 anos atrás, quando achávamos o máximo identificar as figuras nas rochas.

Estamos falando de uma formação geológica que remonta ao período chamado “Carbonífero” — coisa de 340 milhões de anos, no mínimo. Isso tudo já foi mar (verdade!) e sabe-se lá se algum dinossauro já não viveu por aqui (teoria conspiratória da Matracapédia).

Parque Estadual Vila Velha Paraná Como Chegar 1

Parque Estadual Vila Velha Paraná Como Chegar 2

Ao chegar ao centro de visitantes você tem a opção de fazer dois passeios: o que leva aos Arenitos (os ônibus especiais nos deixam no começo da trilha e saem a cada 40 minutos) e outro que leva às Furnas (inclui a Lagoa Dourada, com saídas às 11h, 13h e 15h). Ambos são guiados e o turista embarca em veículos próprios do parque. Há estacionamento gratuito para você deixar seu carro.

Parque Estadual Vila Velha - Ponta Grossa - Paraná - Arenitos 13

A trilha completa dos arenitos tem 2600 metros. Mas existe a parte curta — 1110 metros —  que pode ser feita em aproximadamente 40 minutos. Leve protetor solar, boné e água. O sol e o mormaço torram. Para as crianças esse passeio é o mais divertido.

Nos arenitos, a ação dos ventos e das chuvas modelou formas que dão margem à imaginação. Então aparecem o camelo, a garrafa, a bota, o índio e a taça (o cartão postal do parque), tudo esculpido naturalmente ao longo dos milhares de anos.

Parque Estadual Vila Velha - Ponta Grossa - Paraná - Garrafa

O buraco vertical escavado na rocha tem a forma de uma garrafa. (Ah, faça um esforço criativo, vai!)

Parque Estadual Vila Velha - Ponta Grossa - Paraná - Arenitos 17

Os arenitos têm altura média de 20 metros, podendo chegar a 30 em algumas áreas do terreno. Durante o percurso o guia dá diversas informações sobre a importância ambiental e ecológica do lugar, além de uma pequena aula de geologia. (A coisa é complexa, vai de placas tectônicas, era glacial a material arenoso com óxido de ferro).  Aliás, foi essa sedimentação com o tal óxido de ferro que deu esta cor avermelhada às rochas.

Parque Estadual Vila Velha - Ponta Grossa - Paraná - Arenitos 9

Parque Estadual Vila Velha - Ponta Grossa - Paraná - Bota

Para os mais lúdicos isso é uma bota.  As crianças adoram!

Quando termina a parte curta da trilha — onde estão as principais “figuras” de arenito — você pode continuar com o guia e concluir o percurso (que passa por paredões de rocha, uma espécie de bosque) ou pegar o ônibus de volta ao centro de visitantes. Nós ficamos só com a parte curta, mas a Cris Tomasi do blog Carpe Diem fez a trilha completa e achou que foi a parte mais bonita do passeio. Confira aqui o delicioso relato da Cris.

Parque Estadual Vila Velha - Ponta Grossa - Paraná - Arenitos - Taca

Parque Estadual Vila Velha - Parana - Taca

A trilha curta do arenitos termina na célebre Taça, o cartão postal do Parque Estadual de Vila Velha

Parque Estadual Vila Velha Paraná Como Chegar 5

Todos os animais do parque vivem no seu habitat natural. São mais de 300 espécies entre pássaros, répteis e mamíferos. Não se assuste se você topar com algum deles como esta cobrinha simpática que apareceu para dar oi aos visitantes do dia.

Parque Estadual Vila Velha - Parana

Já as trilhas que levam às Furnas e à Lagoa Dourada são tão lindas e interessantes quanto a rota dos arenitos. Novamente você pega o ônibus especial (repito, para este passeio só há três saídas diárias: 11h, 13h e 15h) que circula por cinco quilômetros até chegar ao início do caminho a ser percorrido.

Parque Estadual Vila Velha Paraná Como Chegar 3

A Trilha Furnas tem 500 metros em formato circular e grau de dificuldade leve. Antes de começar a caminhar o guia dá todas as explicações de como foram formadas estas gigantes crateras (coisa de milhões de anos, gente!), algumas com mais de 100 metros de profundidade.

Parque Estadual Vila Velha - Ponta Grossa - Paraná - Elevador Furnas

O antigo elevador que levava os turistas até o fundo da Furna 1

Vila Velha Parana bate e volta de Curitiba

Parque Estadual Vila Velha - Ponta Grossa - Paraná - Furnas

A cratera de uma das furnas do parque: 100 metros de profundidade

Até 2001 (quando o parque foi finalmente fechado para revitalização) um elevador levava os turistas até o fundo da furna e você podia chegar bem pertinho do lençol de águas. Era magnífico! Mas o elevador foi interditado por tempo indeterminado (problemas de manutenção e poluição ambiental) e hoje a única visão que temos do buracão é dos mirantes. Mesmo assim, é deslumbrante igual.

Parque Estadual Vila Velha - Ponta Grossa - Paraná - Lagoa Dourada 1

Lagoa Dourada: uma furna em estágio final

O trecho de 400 metros que leva à Lagoa Dourada causa grande expectativa. Todo mundo pensa que vai encontrar água reluzindo ouro. Não é bem assim. De fato, a lagoa é linda com água cristalina e transparente. É possível ver cardumes de peixes por ali. Dizem que o melhor horário para este passeio é no fim do dia, durante o pôr do sol, quando os raios solares refletem na água — o que daria essa ilusão de ótica de “lagoa dourada”.

Parque Estadual Vila Velha - Ponta Grossa - Paraná - Lagoa Dourada 2

A informação que me deixou de boca aberta é que a Lagoa Dourada é uma furna em estágio final (já não me lembrava disso). Há míseros 12 milhões de anos ela já foi como aquela craterona onde a gente descia de elevador. Nesse curto espaço de tempo ela foi se sedimentando, se desmanchando até chegar ao que é hoje, uma belíssima lagoa, simplesmente.  Tudo isso para você, aqui do ladinho.

SERVIÇO

Parque Estadual de Vila Velha  (não tem site)

Local: Rodovia BR 376 – KM 515 | Ponta Grossa – PR (uma hora de Curitiba)

Tel.: (42) 3228-1138 e 3228-1539

Visitação: quarta a segunda, 8h30 às 17h30, mas — atenção — a entrada só é permitida até às 15h30. Fechado às terças feiras.

Entrada: R$ 18 (Arenitos, Furnas e Lagoa Dourada), R$ 10 (Arenitos) e R$ 8 (Furnas e Lagoa Dourada). Estudantes pagam meia. Pessoa com mais de 60 anos e crianças até 6 anos não pagam.

Estrutura: o centro de visitação tem banheiros e lanchonete (que não aceita cartões, só dinheiro) e uma lojinha de artesanato e souvenir.

Quanto tempo dura os passeios: a primeira parte dos Arenitos você percorre em 40 minutos, já o percurso completo pode chegar a 1h30. O roteiro por Furnas e Lagoa Dourada leva 2 horas.

Como chegar ao Parque Estadual de Vila Velha saindo de Curitiba

De carro | Pegue a BR 376 sentido Ponta Grossa. Existem dois pedágios (R$ 6,40 e R$ 9,20). Lembrando que você paga dois na ida e dois na volta. Ao chegar próximo ao parque você já começa a avistar os arenitos da rodovia. É só seguir as placas. O trajeto tem pouco menos de 90 km e pode ser feito em 1h. A estrada é ótima. (Também, com esse pedágio absurdo não poderia ser diferente!)

De ônibus | A Viação Princesa dos Campos faz a rota Curitiba – Ponta Grossa com parada em frente ao parque (que fica na rodovia, praticamente no meio do nada). Existem vários horários saindo de Curitiba (veja aqui) . Mas na volta a Curitiba ele só para em frente ao parque às 15h15. Passagem a partir de R$ 27 (só ida).

ATENÇÃO | Caso você queira voltar depois deste horário (ou perca o ônibus) há a opção de pegar o coletivo 153 (linha Vila Velha Panorâmio, veja os horários aqui) da Viação Campos Gerais que faz o trajeto Vila Velha – Ponta Grossa (20 km). O último coletivo sai de Vilha Velha às 17h45 de segunda a sexta e às 18h aos sábados, domingos e feriados. (Ligue antes na viação para confirmar se os horários continuam os mesmos!)  Daí, você vai até Ponta Grossa e de lá volta a Curitiba com a Viação Princesa dos Campos. A logística, neste caso, é complexa. Prepare-se para possíveis perrengues.

Dica da Matraca: se você estiver em duas ou mais pessoas, a opção mais prática e  econômica para chegar ao Parque Estadual de Vila Velha é de carro. Para viajantes sozinhos que não queiram pegar na boleia sugiro contratar uma excursão. As agências cobram entre R$ 150 e R$ 200 por pessoa e o passeio dura o dia inteiro.

_________________

Leia aqui tudo o que a gente já publicou sobre Curitiba e arredores!

_________________

Fotos: Sílvia Oliveira

Share