Silvia Oliveira

Curitiba

sexta-feira, 04 de março de 2016

Os melhores lugares para comer salgados em Curitiba: coxinha, quibe, esfiha, pastel e empadinha

O título é meio pretensioso. Mas é bom deixar claro que vou falar dos melhores lugares para comer salgados em Curitiba de acordo com o Matraca Ibope. Não é uma lista definitiva nem pretendo esgotar todas as possibilidades que existem na cidade.

QUIBE E ESFIHA

Você pode encontrar os dois no mesmo lugar: Kibe da Boca. O local fica no buchicho turístico de Curitiba, quase em frente à Boca Maldita, no centro da capital. A esfiha aberta de carne e homus (R$ 3,60) tem um tempero inexplicável.

O quibe apresenta uma textura que eu adoro, crocância leve (não gosto de quibe com casca dura) e o recheio suculento, do tipo molhadinho (R$ 4,60). Os salgados saem na hora, o tempo todo,  tudo quentinho.

Melhores salgados Esfiha Kibe da Boca Curitiba

Continue lendo o texto…

Share
quinta-feira, 18 de fevereiro de 2016

Mary Ann Apple Factory: as maçãs gourmet de Curitiba

Mary Ann Apple Factory - Maca Gourmet Curitiba Parana

O mesmo raio gourmetizador que transformou o tio do cachorro quente num empreendedor de food truck chegou às singelas… maçãs.

Aquela sua maçã do amor craquenta, dura e melada da quermesse? Já era.

Agora, você tem à sua disposição um conceito. Um conceito de maçã.

Continue lendo o texto…

Share
sexta-feira, 29 de janeiro de 2016

Vinícola Família Fardo: arquitetura medieval e degustação grátis nos arredores de Curitiba

Vinicola Fardo Quatro Barras Fachada

Olha, não dá para reclamar. Se você mora ou está de passagem por Curitiba o que não faltam são passeios nos arredores da cidade cheios de entretenimento, informação e descanso.

Já falamos aqui do sítio geológico de Vila Velha, do Parque Histórico de Carambeí, da tradicionalíssima Lapa, da alemã Colônia Witmarsum e do inusitado passeio de trem pela Serra do Mar.

Continue lendo o texto…

Share
terça-feira, 24 de novembro de 2015

Curitiba | Natal do Palácio Avenida: a história que você precisa conhecer

Natal Palacio Avenida Curitiba Cores

* Post atualizado em novembro de 2016

O espetáculo acontece do lado de fora. Já o brilho, na sua essência, vem de dentro. O coral do Natal do Palácio Avenida é formado por 130 crianças entre 7 e 16 anos que vivem em instituições de acolhimento conhecidas como Casa Lar.

Natal Palacio Avenida Curitiba Cantores Mirins

No domingo passado, participei do último ensaio geral com um olhar no backstage da produção. A apresentação por si só já emociona. Mas ao conhecer os bastidores do trabalho de ressocialização e inclusão dessa meninada você nunca mais verá o show da mesma forma.

Natal HSBC criancas

Durante o ano todo, estas gurias e piás participam de diversas atividades artísticas como aulas de canto e de instrumentos musicais. Uma preparação rigorosa coordenada pelo Instituto HSBC Solidariedade que resulta no maior evento de Natal de Curitiba.

Além do espetáculo já fazer parte do calendário turístico da cidade  — atraindo milhares de visitantes de todo o país — cada janelinha do Palácio Avenida, um dos mais importantes edifícios históricos da capital, tem uma boa história para contar.

Natal Palacio Avenida Curitiba Kelvin

Kelvin, 8 anos, faz sua estreia este ano (foto acima). Pela primeira vez vai cantar e tocar violino em uma das janelas do Palácio Avenida. Está ansioso e feliz. Mesmo acanhado, deixa a timidez de lado e posa elegante para a foto. O garoto de sorriso encabulado mostra com segurança que a música é um dos motores para seu desenvolvimento afetivo.

Natal Palacio Avenida Curitiba Horarios

O Natal do Palácio Avenida atrai uma multidão em dias de espetáculo. Tem que chegar, pelo menos, com uma hora de antecedência para pegar um bom lugar.

Para ajudar, o edifício está no centro de Curitiba (na Rua XV de Novembro, também conhecida como Rua das Flores), região altamente turística da cidade.

Natal Palacio Avenida Curitiba Lateral

Temos aqui uma superprodução à la Disney que mistura teatro, dança, música — tudo recheado com lindas canções populares e natalinas. E melhor, GRÁTIS!

Este ano o tema é O Natal dos Natais em comemoração aos 25 anos do evento. Tudo é milimetricamente pensado para oferecer um show de nível internacional e cuidadosamente calculado para proporcionar o melhor dia na vida dessas crianças.

Pela primeira vez alunos da rede municipal de ensino também vão ajudar a abrilhantar o evento.

Natal Palacio Avenida Curitiba Show de Luzes

Enquanto a fachada do Palácio Avenida, hoje sede nacional do HSBC, passa por uma transfiguração de luzes e cores durante o espetáculo, o lado interno do edifício entra em ebulição.

Mais do que um evento de porte, o Natal Luz de Curitiba (também conhecido como Natal do HSBC) é um projeto social que reconstrói e reforça laços afetivos, ajudando a criança a desenvolver também o lado emocional e artístico.

Natal HSBC preparacao criancas

Para que tudo saia perfeitamente como o planejado, cada criança tem seu Anjo de Natal. Os Anjos são voluntários, a maioria funcionários do banco e seus familiares em primeiro grau, designados para acompanhá-las durante os ensaios gerais e apresentações.

Eles ajudam a criança a se vestir, a colocar os adereços, verificam os cintos de segurança que todas usam quando estão próximas aos janelões, orientam, acalmam e conversam o tempo todo com as pequenas grandes estrelas da noite.

Natal Palacio Avenida Nicole

Conheci a simpática Alessandra Maciel, voluntária há 8 anos no Natal do Palácio Avenida. No dia do último ensaio geral, Alessandra estava acompanhando a divertida Nicole de 9 anos (foto acima).

Nicole já é veterana. Ela participa do evento pela segunda vez e, mesmo com um friozinho na barriga, se sente segura. Quando pergunto se podemos tirar uma foto ela solta: “Claaaaro, eu adoro fotos. Já estou até famosa!” Linda, sorridente e amável.

Natal Palacio Avenida Curitiba Espetaculo

Natal Palacio Avenida Dulce Primo

O espetáculo dura 45 minutos e não deixa ninguém piscar. Bailarinos com figurinos ricamente decorados trazem ainda mais leveza à apresentação que, neste ano, faz uma bonita homenagem à maestrina Dulce Primo, 74 anos, 21 deles dedicados ao coral de Natal do Palácio Avenida.

Natal Palacio Avenida Curitiba

Fotos e textos ficam muito longe do que o espetáculo pode proporcionar ao vivo. Apenas guarde estas histórias com você e engrandeça sua experiência turística com alguns exemplos de esperança. (Sim, eu estou muito jeca e emocionada com tanta demonstração de amor em tempos tão escuros. #MeDeixa)  😀

Natal Palacio Avenida Curitiba Detalhe Laco Gigante

Programação do Natal do Palácio Avenida 2016

O espetáculo acontece de 02 a 18 de dezembro, sempre às sextas, sábados e domingos, das 20h15 às 21h.

Onde é realizado

No edifício do Palácio Avenida. Rua das Flores (calçadão de Curitiba), no encontro da Avenida Luiz Xavier com a travessa Oliveira Bello.

Quanto custa

É grátis.

Natal Palacio Avenida Curitiba Papai Noel

Dicas da Matraca

– Chegue com a maior antecedência possível (mínimo de uma hora) para garantir um bom lugar.

– Apesar da multidão não costuma haver muvuca ou confusão. Mas fique muito atento aos seus pertences e não dê bobeira com o celular.

– O entorno do Palácio Avenida é coalhado de restaurantes simples, lanchonetes de fast food e bares tradicionais. Você pode chegar cedo e comer por ali mesmo enquanto espera o espetáculo começar.

– Alguns hotéis bons e baratos num raio de 2 quilômetros do Palácio Avenida: Ibis Shopping (2 km) CLH Suítes Curitiba (2,3 km)  Hotel Aladin (1,3 km), Slaviero Suites Curitiba (1,6 km),  Hotel Centro Europeu Tourist (a uma quadra do Palácio Avenida)

– Alguns estabelecimentos ao redor do Palácio Avenida se transformam em camarotes durante o evento e abrem o local para quem quiser assistir ao show com visão privilegiada. O valor do ingresso varia de R$ 129 a R$ 258 e geralmente inclui bebida e petiscos.

– A melhor vista é do Videokê que fica exatamente em frente ao palco (Rua Ébano Pereira, 26. Tel. 41 3224-6288). Oferece janelões que se abrem por inteiro e de onde tiramos nossas melhores fotos.

– É possível conseguir camarotes também no Hotel Plaza (Av. Luiz Xavier, 24. Tel 41 3013-6920) e no Restaurante Bella Vista (Rua XV de Novembro, 29. Tel. 41 3225-4465), este último só vendido através de agências de viagem.

– Moradores dos prédios em frente também abrem as sacadas de suas casas. Se você chegar mais cedo verá os cartazes na portaria desses prédios com os preços e telefones de contato.

– O evento é público, ao ar livre e acontece mesmo em dias de chuva.

Natal Palacio Avenida Curitiba Apresentacao

Posts relacionados

Como ir do aeroporto de Curitiba ao centro da cidade

Linha Turismo Curitiba: como aproveitar o city tour oficial da cidade

23 motivos para você conhecer e se apaixonar por Curitiba

Cinco atrações grátis e estreladas em Curitiba

Museu Oscar Niemeyer completa 10 anos como a atração mais visitada de Curitiba

Paço da Liberdade: o edifício do centro cultural é o único tombado pelo Patrimônio Histórico Nacional em Curitiba

_________________

Fotos: Raul Mattar | Todos os direitos reservados.© (As imagens das crianças foram autorizadas.) 

Share
segunda-feira, 23 de novembro de 2015

Mercadoteca: o primeiro mercado gastronômico e gourmet de Curitiba

Mercadoteca fachada

Curitiba ganhou há pouco mais de um mês o primeiro mercado gourmet da cidade. Desde a inauguração fui algumas vezes ao local em dias e horários distintos.

Minha ideia era ver o fluxo de pessoas, o atendimento dos lojistas, provar as comidinhas e, principalmente, sentir a proposta como uma turista que visita a Mercadoteca.

É que o empreendimento vende a ideia dos grandes mercados europeus, locais que atraem moradores e visitantes para comer algo rápido, típico e afetivo durante todo o dia a preços mais convidativos.

Mercadoteca cartaz

A Mercadoteca tem todo este potencial e eu já gostei muito do que vi, mas vamos alinhar as expectativas. Não espere encontrar um Eataly curitibano. Digo isso porque já vi fazerem este comparativo e só me restou… rir!

O nosso mercado gourmet é fofíssimo (ganhou uma cara rústica, utiliza materiais industriais, tem iluminação natural estimulada pelos janelões de vidro), mas é pequeno. São apenas 18 estabelecimentos. E talvez esteja aí mesmo todo seu valor.

Mercadoteca degustacao

Ok. Vá, lá! Pequeno diante da comparação com o Covent Garden de Londres (rolou isso também), mas é muito adequado para o padrão da capital paranaense. Só não espere caridade.

(Tapas espanholas por módicos € 1 a gente só encontra no Mercado San Miguel de Madri.) Mas a oferta de gostosuras promove um happy hour muito digno com preços MENORES que em muito food truck por aí.

Mercadoteca decoracao

Acho importante destacar de cara isso porque escutei muita gente, mas muita mesmo, dizendo que lá é tudo caro. Ora, meu amigo, é um mercado gourmet. G.O.U.R.M.E.T. Oferece uma área gastronômica acima da média.

Não tem fast food. A ala de queijos, embutidos e cortes de carnes especiais apresenta valores compatíveis com o produto oferecido. Acho difícil alguém buscar na Mercadoteca moela de frango ou patinho. Aqui é 100% Angus. 😀

O espaço é ótimo para quem cozinha e para quem gosta de comer. A área de alimentação ganhou mesas coletivas para pequenos grupos, além de balcões com assentos individuais.

O deck externo é uma delícia, bem amplo, com sofás confortáveis, uma espécie de lounge ao ar livre. Fica bem perto do parquinho infantil. Dá para petiscar, bebericar e ainda não perder as crianças de vista.

Mercadoteca Curitiba

Mercadoteca Queijos Bon Vivant

No box da Bon Vivant, por exemplo, você encontra uma enorme variedade de queijos, molhos e temperos. Já se sua ideia é levar pratos prontos, o Anis Presto (do chef Flávio Frenkel) oferece, entre outras iguarias, porchetta, leitão assado, saladas especiais e mais de 30 tipos de massas, entre lisas e recheadas. A partir de R$ 9 a porção individual que pode ser acompanhada por deliciosos molhos caseiros como o ragu de javali (pago à parte).

Mercadoteca peixaria  rosangela

Mercadoteca Curitiba Frutaria

Mercadoteca Platinox

A Peixaria Rosângela, conhecida das feiras da cidade, abre a primeira loja física na Mercadoteca. Oferece desde a tradicional tainha até lagosta e camarão tigre gigante. Ao lado, fica uma das melhores frutarias de Curitiba, a Harue, dando aquele quê e colorido de mercadão municipal.

E em frente, no mesmo corredor, está a Platinox Gourmet com todas aquelas pecinhas, panelinhas e coisinhas de cozinha que deixariam meu brogue-mulherzinha em estado de graça. Rá!

Mercadoteca plantas

Mercadoteca Esalflores

A maioria dos estabelecimentos, aliás, já tem outras unidades na capital. A Esalflores — o primeiro box que a gente enxerga quando entra na Mercadoteca — tem uma megastore na Rua 24 de Maio.

Agora, trouxeram para o mercado o que eles chamaram de “loja conceito”, um espaço lindinho com plantas, buquês, vasos, suculentas e até “pé” de temperos.

Mercadoteca doce portugues

Ao lado da Esalflores está o Doce Fado, outro empreendimento já conhecido dos curitibanos com lojas em shopping e até no próprio Mercado Municipal. Aqui, a gente pode provar os tradicionais doces da terrinha como Pastel de Belém (R$ 5), Travesseiros de Sintra (R$ 7) e pães artesanais.

Mercadoteca Hamburgueria

Dos lugares disponíveis para comer fomos a praticamente todos. A JPL Burguers estava entre os mais disputados. No cardápio, a novidade é o Mad Circus (R$ 24,90), um sanduíche com hambúrguer, bacon, tomate, relish de pepino, mussarela e maionese — acompanhado de batatas fritas crocantes.

Mercadoteca hamburguer

Como eu ia dividir um com a Mariana (que não gosta de bacon) acabei optando pelo Super Series (R$ 22,90), uma espécie de “x-salada” gourmet com 200 g de hambúrguer bovino.

A carne vem mal passada (eles avisam isso na hora do pedido), caso queira mais torradinha tem que solicitar. Estava muito bom e o molho de maionese (com quem eu costumo implicar muito), bem leve. O sanduíche mais barato sai por R$ 14,90.

Mercadoteca comida arabe esfiha aberta

Mercadoteca comida arabe

Mercadoteca al baba

Em outra oportunidade apostei num velho conhecido, o Al Baba Empório Árabe que já tem uma unidade bem grande na Rua Emiliano Perneta, 865. Mas o foco da loja da Mercadoteca não são os pratos mais elaborados e, sim, as comidinhas rápidas.

Experimente as enormes e suculentas esfihas abertas (de R$ 7 a 9 a unidade) e o shawarma, uma iguaria feita com fatias finíssimas de frango e/ou carne assadas num espeto, tudo envolto por um delicado pão sírio e outros temperos. A partir de R$ 16.

Mercadoteca sushi

Já no Fujii — que tem um restaurante no Mercado Municipal desde 2003 — a Mariana matou a vontade de sushi. Um combo pequeno com seis unidades sai a partir de R$ 13,90. Para quem gosta de comida japonesa tradicional, pode apostar no Fujii, conhecido pelo preparo artesanal dos pratos e a utilização de matéria-prima fresquíssima.

Mercadoteca doces arabes

Mercadoteca sorvete

Para sobremesa tem os doces árabes do Al Baba (100 g a partir de R$ 10) e os deliciosos sorvetes da Gelataio (o de chocolate parece uma mousse de tão leve e cremoso). A partir de R$ 8 o potinho.

Os sorvetes, fabricados com a técnica italiana,  são artesanais e usam ingredientes selecionadíssimos. O de baunilha vem até com os pontos pretinhos da fava de “verdade”.

Mercadoteca cafe

 Para uma finalização encorpada provamos alguns cupcakes e o bolo Red Velvet (R$ 10 a fatia, m.a.r.a.v.i.l.h.o.s.o.) da Degusto Café. Aliás, a Degusto tem um café ótimo com preço justo (R$ 4 o espresso pequeno).

O blend de grãos é 100% exclusivo da casa. Só ficou faltando o copinho de água com gás e um chocolatinho ou petit four para acompanhar que, para mim, seria o básico em cafeterias que preze pela qualidade e degustação do café. #ficaadica :)

A Mercadoteca, de olho na tendência vida-saudável, acolheu uma unidade do Mundo Verde, a maior rede de lojas de produtos naturais e orgânicos da América Latina.

Para acompanhar essa vibe, o mercado também vai receber a Verd & Co (que ainda não havia sido inaugurada quando fui pela última vez), especializada em alimentos prontos para consumos (sucos, lanches e sobremesas) sem glúten, sem lactose, vegano, light, diet e afins. 😀

Mercadoteca frutaria

E para fechar a lista de lugares para matar a fome tem ainda o TACOnteiner, um braço mais enxuto do tradicional restaurante Taco El Pancho montando dentro de um… container na parte externa da Mercadoteca. Tacos variados a partir de R$ 8.

Mercadoteca Vino

Para os apreciadores de bebidinhas, o Templo da Cerveja vende seis diferentes tipos de chopes — todos de produção local.

Para quem não sabe, Curitiba tem grande vocação cervejeira com dezenas de fábricas artesanais na cidade. Aqui, a tulipa sai a partir de R$ 7.

Já o Vino! Bar reúne 160 rótulos Você pode comprar as garrafas ou degustar uma taça com preços que variam de R$ 9 a R$ 26, dependendo do vinho.

Resumindo: ótimo passeio em ambiente agradável com comidinhas bacanas. E ainda dá para levar para casa algumas gostosuras.

Como chegar à Mercadoteca

Embora a Mercadoteca fique relativamente próxima ao Parque Barigui (3.8 km), um dos principais atrativos da cidade, ela não está localizada numa região turística. Para quem está de carro o acesso é muito fácil. Veja o mapa. Para quem quiser chegar de ônibus, a melhor maneira é pegar qualquer coletivo que desça no Terminal Campina do Siqueira ou no terminal Campo Comprido (a Mercadoteca fica entre os dois) e de lá pegar um táxi (uns R$ 15  a corrida).

SERVIÇO

Mercadoteca

Local: Rua Paulo Gorski, 1309 | Campo Comprido | Curitiba-PR

Tel. (41) 3205-3901

Funcionamento: segunda a sábado, 9h às 21h e domingos e feriados, 10h30 às 18h.

Comodidades: o espaço é 100% acessível a portadores de necessidades especiais e conta com bicicletário, banheiros equipados e fraldário. O estacionamento é pequeno e cobra R$ 8 a hora. (Até 31/12/2015 é grátis para quem chegar antes das 11h30.) No horário de maior movimento (entre 17h e 21h) talvez tenha que deixar o carro nas ruas laterais.

Posts relacionados

Paris Cake House: confeitaria temática com doces e café no centro de Curitiba

Café do Paço: música, arte e aroma

Comidinhas: bolinho de aipim com carne de sol

Quintana Restaurante e Café: gastronomia responsável e estrelada que cabe no seu bolso

Restaurante SENAC, em Curitiba: opção chiquetê a preços módicos

Restaurante Zea Maïs: o melhor contemporâneo

Leia também

Como ir do aeroporto de Curitiba ao centro da cidade

Linha Turismo Curitiba: como aproveitar o city tour oficial da cidade

23 motivos para você conhecer e se apaixonar por Curitiba

Cinco atrações grátis e estreladas em Curitiba

Aeroporto de Curitiba ganha a primeira lanchonete popular do Brasil

Hospedagem boa e barata em Curitiba

Museu Oscar Niemeyer completa 10 anos como a atração mais visitada de Curitiba

Vinhos Durigan: parada estratégica em Santa Felicidade com degustação grátis

Paço da Liberdade: o edifício do centro cultural é o único tombado pelo Patrimônio Histórico Nacional em Curitiba

________________

Fotos: Raul Mattar

Share
quinta-feira, 20 de agosto de 2015

Curitiba | Paris Cake House: confeitaria temática com alguns dos melhores doces e café do centro da cidade

Paris Cake House Curitiba

Sabe aquele furdúncio característico do centro da cidade? Então, é algo que passa longe dessa gracinha de confeitaria (e café) escondida na região da Boca Maldita de Curitiba. A Paris Cake House funciona como um bistrô moderninho cheio de delícias para tirar você da mais rigorosa das dietas.

Paris Cake House Cupcakes

O local é tocado por uma família de… coreanos. Mas a tendência é francesa com ênfase em algumas delícias fabricadas ali mesmo como pães, bolachinhas e uma linha de pâtisserie i.n.c.r.í.v.e.l.

Paris Cake House paes e bolachas

A decoração é fofa e os garçons e garçonetes usam uniforme a caráter, com direito a boininha no melhor estilo francês. No mês que vem o empreendimento completa um ano e conquistou turistas e moradores que circulam pelo calçadão (também conhecido com Rua das Flores) da capital.

Logo após o almoço, aliás, é impossível conseguir lugar em uma das sete mesas disponíveis. Há dois balcões que acomodam bem quem opta apenas por um café rápido.

Como o local é pequenino o atendimento, embora sempre muito simpático e solícito, fica confuso quando está lotado. O melhor horário é logo que abre, no meio da tarde ou aos sábados.

Paris Cake House precos

O cardápio é curto, mas suficiente para a gente provar alguns dos melhores doces da cidade acompanhados por uma soda italiana (R$ 7) ou pelo café espresso tradicional (R$ 4,50).

No café da manhã (8h às 10h), a casa oferece quatro combos-delícia: café + butter roll (R$ 5,90), café + pão de queijo (R$ 6,90), café + queijo quente ou misto (R$ 7,90) e café + Ham Egg Toast (R$ 8,90).

Paris Cake House Curitiba Sanduiche

Um opção “típica” é o Croque Monsieur (foto acima), sanduíche tradicional parisiense com pão, presunto, queijo e molho bechamel (R$ 7). É bom, mas nada impressionante. Um bom misto quente de qualquer café simpRão resolveria pela metade do preço.

É que o momento “uau” da Paris Cake House está na vitrine de doces. Cupcakes, bolos e tortas deixam o cliente paralisado. São diversas opções com a promessa de produtos mais suaves e com menos açúcar.

Fato: quando saio para comer doces eu geralmente peço um pedaço e divido com o Raul ou com a Mariana. Não porque a gente não queira engordar (também, claro) — mas porque não conseguimos comer um pedação inteiro de bolo cheio de chantilly e creme.

Paris Cake House endereco

Aqui na Paris Cake House cada um come um doce inteiro e ainda fica com vontade de pedir outro. A Mariana adora o minicupcake de morango (R$ 4).

Paris Cake House Cheesecake Oreo

Uma das estrelas da casa é o Oreo Cheesecake (R$ 9), feito com uma massa suave e pedacinhos do biscoito mais amado do mundo. Já o Bolo de Frutas (R$ 9) se deixar, posso comer três fatias. Leve e saboroso do começo ao fim: cobertura, massa e recheio. (Fotos acima)

Paris Cake House Tiramisu Mirtilo

Mas o meu preferido é o Tiramisu (R$ 8 ou R$ 10,50 com mirtilo). São não peço toda a vez que vou lá porque ele é pequeno e mais caro. Duas bocanhadas e já era. Rá!

Para quem quiser tomar só um cafezinho, o lugar também arrasa. Tem uma seleção bacana de cafés quentes (Machiatto por R$ 4,50 e Capuccino por R$ 7) e cafés gelados (Americano por R$ 8).

Na linha cafés especiais prove o Café Caramelo feito com espresso, leite vaporizado, calda de caramelo  e chantilly ou o Café Bombom com espresso, leite condensado e chantilly. Ambos por R$ 11 cada. Ah, o lugar aceitas encomendas. Veja no site as opções.

A confeitaria-café Paris Cake House fica perto de:

– Rua das Flores (calçadão de Curitiba)
– Palácio Avenida
– Boca Maldita
– Praça Osório

SERVIÇO

Paris Cake House | www.pariscakehouse.com.br

Endereço: Rua Candido Lopes, 331 (a meia quadra da Praça Osório) | Centro | Curitiba-PR

Tel. (41) 3082-1668

Horário de funcionamento: segunda a sexta, 8h às 19h e sábados, 8h às 17h. (Fecha aos domingos.)

Posts relacionados

Café do Paço: música, arte e aroma

Quintana Restaurante e Café: gastronomia estrelada e responsável que cabe no bolso

Vinhos Durigan: parada estratégica em Santa Felicidade com degustação grátis

Leia também

Linha Turismo Curitiba: como aproveitar o city tour oficial da cidade

Curitiba: faça da cidade seu melhor destino de inverno

Como ir do aeroporto de Curitiba ao centro da cidade

E ainda

23 motivos para você conhecer e se apaixonar por Curitiba

Cinco atrações grátis e estreladas em Curitiba

Para entender Curitiba

Aeroporto de Curitiba ganha a primeira lanchonete popular do Brasil

Museu Oscar Niemeyer completa 10 anos como a atração mais visitada de Curitiba

Bate e volta desde Curitiba

Vila Velha, Paraná: sítio geológico de 300 milhões de anos está a uma hora de Curitiba

Lapa: como organizar um bate e volta perfeito saindo de Curitiba

Colônia Witmarsum: café colonial, história alemã menonita e descanso ao lado de Curitiba

Passeio de trem pela Serra do Mar

Antonina

Morretes

Ilha do Mel

__________________ 

Texto e fotos: Sílvia Oliveira  | Todos os direitos reservados. ©

Share
domingo, 16 de agosto de 2015

Curitiba | Vinhos Durigan: parada estratégica em Santa Felicidade com degustação grátis

Vinhos Durigan Santa Felicidade Curitiba

Nem só de parques vive Curitiba. Entre tantos pontos de parada em Santa Felicidade — o bairro italiano da cidade (a 7 quilômetros do centro), reserve pelo menos uma hora para o Vinhos Durigan. O local é acolhedor, rústico e temático. Logo na entrada há várias esculturas, uma delas representa Baco (deus do vinho) sobre uma pequena cascata.

Vinhos Durigan Santa Felicidade Curitiba turismo

O fácil acesso (fica no trecho mais turístico da Av. Manoel Ribas, a principal artéria do bairro) e o ótimo atendimento atraem centenas de pessoas todos os dias — de turistas a moradores.  Já estive lá durante a semana, de manhã, à tarde, aos sábados, aos domingos e está sempre cheio de gente.

Vinhos Durigan Santa Felicidade Curitiba como chegar

A família Durigan chegou ao Paraná no século 19 vindo de Treviso, na Itália. Depois de passar por Morretes, no litoral do estado, os imigrantes fixaram residência no planalto curitibano, hoje chamado de Santa Felicidade.

Vinhos Durigan Santa Felicidade Curitiba degustacao

Todas aquelas comidinhas deliciosas para beliscar como salames, queijos, antepastos, doces e chocolates estão à venda. Diariamente oferecem degustação grátis de frios, sucos e vinhos. Como eu não entendo nada de vinho, não tenho como julgar a qualidade do negócio nesse quesito — mas vejo o pessoal saindo com a sacola cheia de garrafas.

Vinhos Durigan Santa Felicidade Curitiba ponto turistico

Já o suco de uva (sem conservantes ou adição de açúcar) é um dos meus preferidos por ter um sabor menos “ácido” que a maioria das bebidas similares do mercado. Referência para o meu paladar, obviamente.

Vinhos Durigan Santa Felicidade Curitiba precos

Os preços parecem atrativos: vinhos de mesa seco (R$ 12,50),  suco de uva (a partir de R$ 5 a garrafa de 500  ml), grappa (obtida da destilação em alambique de cobre do bagaço de uva fermentado – R$ 25 a garrafa de 250 ml) e quentão (R$ 12). A Adega Durigan vende ainda vinhos finos e espumantes. A garrafa mais cara sai em torno de R$ 30.

O espaço também é focado na cultura gastronômica italiana. Se você quiser preparar um jantar típico pode abrir a carteira: aqui você encontra massas, molhos, azeites, focaccias, crostinis, geleias e pastinhas deliciosas. Os preços não são abusivos, tanto que eu sempre compro lá. (“Eu sempre compro lá” é a senha de que o lugar recebe bem seres muquiranas.) 😀

Vinhos Durigan Santa Felicidade Curitiba degustacao gratis

Bandeja de frios: degustação diária

E quando se fala em degustação grátis não tem aquele constrangimento de chegar ao balcão e ficar pedindo pelamordedeos para provar alguma coisa. Assim que você entra no Vinhos Durigan, à sua esquerda está a degustação de queijos e salames.  É só pegar os palitinhos e experimentar. Já no balcão, ao lado direito, vários vendedores já estão a postos com garrafas em punho à espera do seu pedido de prova.

Vinhos Durigan Santa Felicidade Curitiba queijos salames

Outro detalhe que eu acho bem fofo na casa é que ela está sempre decorada de acordo com a época do ano: páscoa, Natal, festas juninas — dando um ar sempre festivo ao lugar.

Dica da Matraca: a Durigan fica em frente à loja temática da Florybal que vende os tradicionais chocolates de Gramado. Caso você esteja fazendo o circuito com a Linha Turismo (veja nosso post completo aqui) há uma parada do ônibus bem em frente à adega.

SERVIÇO

Vinhos Durigan | www.vinhosdurigan.com.br 

Local: Av. Manoel Ribas, 5455 | Santa Felicidade | Curitiba-PR | Veja no Google Maps

Tel. (41) 3371-2312

Horário: segunda a sábado, 8h às 22h e domingo, 8h às 20h.

Posts relacionados

Linha Turismo Curitiba: como aproveitar o city tour oficial da cidade

Curitiba: faça da cidade seu melhor destino de inverno

Como ir do aeroporto de Curitiba ao centro da cidade

Como ir da rodoviária de Curitiba ao centro da cidade

Leia também

23 motivos para você conhecer e se apaixonar por Curitiba

Cinco atrações grátis e estreladas em Curitiba

Para entender Curitiba

Aeroporto de Curitiba ganha a primeira lanchonete popular do Brasil

Museu Oscar Niemeyer completa 10 anos como a atração mais visitada de Curitiba

MAC | Museu de Arte Contemporânea do Paraná: visita prática no centro de Curitiba

Bate e volta desde Curitiba

Vila Velha, Paraná: sítio geológico de 300 milhões de anos está a uma hora de Curitiba

Lapa: como organizar um bate e volta perfeito saindo de Curitiba

Colônia Witmarsum: café colonial, história alemã menonita e descanso ao lado de Curitiba

Cidades Históricas, Serra do Mar e Estrada da Graciosa: quando ir?

Estrada da Graciosa

Passeio de trem pela Serra do Mar

Antonina

Morretes

Ilha do Mel

______________________

Texto e fotos: Sílvia Oliveira | Todos os direitos reservados. ©

Share
quarta-feira, 01 de abril de 2015

Colônia Witmarsum: café colonial, história alemã menonita e descanso ao lado de Curitiba

Colonia Witmarsun Casas

Sessenta quilômetros. Menos de uma hora. Tempo e distância a seu favor para conhecer a inusitada Colônia Witmarsum, pertinho da capital paranaense. A área, fundada por alemães menonitas, reúne confeitarias típicas, restaurantes, lojas, um grande mercado, pousadas, ecoturismo e, de quebra, oferece uma feirinha gastronômica aos fins de semana.

Quem visita Curitiba geralmente tem um único foco para passeios nos arredores: o trem pela Serra do Mar que leva a Morretes ou a visita à Ilha do Mel que, aliás, merece bem mais do que um bate e volta. Mas eu já falei aqui de outras possibilidades incríveis: a conservadíssima e histórica Lapa e o sítio geológico do Parque Estadual de Vila Velha.

A Colônia Witmarsum é outro estirão redondo partindo de Curitiba. O nome do lugar é uma referência à cidade catarinense de Witmarsum de onde saíram os menonitas — um grupo étnico-religioso que migrou há 70 anos aos campos gerais do Paraná. Localizada no município de Palmeira, a colônia é referência na produção de leite e queijos.

+ Alugue seu carro com segurança e percorra o Paraná com mais economia!

Colonia Witmarsum Vacas

Hoje, o local conta com 1500 habitantes e preserva todas as referências à cultura alemã, desde o idioma — que você vai ouvir o tempo todo entre eles — até a culinária típica como tortas e salsichas alemãs, além dos tradicionais eisbein (joelho de porco), chucrute e marreco recheado.

Roteiro de um dia na Colônia Witmarsum

Logo que você sai da BR 277 (na altura do km 146 para quem vem de Curitiba) e entra em direção à colônia você já começa a descortinar a paisagem campestre do lugar. São diversas casas rurais com laguinhos em frente e aquela imagem bucólica das vaquinhas pastando ao léu. Você passará em frente de alguns restaurantes e cafés coloniais.

Colonia Witmarsun Feira do Produtor bolachas geleias

O final de semana é o período ideal para conhecer a Colônia Witmarsum. É que no sábado, das 9h às 12h,  acontece a feirinha do produtor. Pressupondo que você chegará pela manhã, vá direto ao mercado central (que fica no final dessa rua de acesso à colônia), onde acontece a tal feirinha.

+ Curta o Matraqueando no Facebook e receba dicas gratuitas de Witmarsum e outros destinos!

Colonia Witmarsun Feira do Produtor

A partir daí já pode começar a chamar gezuis de meu lôro! Pães, geléias (de jabuticaba, physalis, amora, morango), requeijão, queijos, massas frescas, bolachas caseiras, conservas, doces, tortas, salgados típicos… tudo, tudim produção artesanal. A feira é pequenina. Algumas poucas — e fartas —mesas resumem o evento.

Colonia Witmarsun Feira do Produtor bolachas caseiras

Entre degustação e comprinhas você pode investir mais de uma hora aqui. A feirinha acontece em frente ao mercado central, onde você encontrará toda a variedade de queijos finos e coloniais com a marca Witmarsum (brie, camembert, ricota, emmental, raclette, appenzeller, entre outros).

Colonia Witmarsun queijos finos

O mercado só fecha no final do dia. Por isso, caso queira levar os queijos para a casa deixe para comprar mais perto do seu retorno. Leve um isopor, se necessário.

Colonia Witmarsum Toll

Quase em frente ao mercado está o Museu de História Witmarsum, uma das paradas mais importantes para entender a história da fundação da colônia. Mas como ele só funciona no período da tarde, nós fomos conhecer, primeiro, a lojinha Toll, um verdadeira relíquia do artesanato alemão de alto nível.

+ Leitor do Matraqueando tem 15% de desconto no seguro de viagem. Pegue seu cupom aqui!

Colonia Witmarsum Toll Presentes

São objetos de decoração, brinquedos pedagógicos, móveis provençais e relógios Cuco originais importados da região da Floresta Negra, na Alemanha. Mas o que me fascinou foram as delicadas peças de artesanato de Christian Ulbricht. Um trabalho único, feito em madeira com pintura precisa. Não é nada “baratinho”. Você paga o valor por algo único e singular para colocar na sua casa ou presentear.

Mas existem outras lojas de artesanato como a Artesanato de Witmarsum (instalada numa casinha que parece de boneca de tão fofa) e a Witmalhas (com artesanato em tecido), que fica ao lado da Confeitaria Kliewer.

Colonia Witmarsum Igreja Menonita

Se você for à Colônia Witmarsum no domingo poderá acompanhar o culto menonita totalmente em alemão. Começa às 9h30. Há placas na rua principal de acesso à colônia indicando onde fica a igreja.

Almoço

Você tem três opções para almoçar a típica comida alemã: Bauernhaus Restaurante, Restaurante Bela Vista e Restaurante Frutilhas Lowen.

Colonia Witmarsum Como chegar

O mais ajeitado, completo e com melhor custo benefício é o Bauernhaus. Além de restaurante, o local vende geleias, embutidos e artesanato. O buffet livre com mais de 30 itens sai por R$ 38 por pessoa (crianças de até 5 anos não pagam e de 6 a 12 pagam a metade). Sucos e sobremesa incluídos. Veja o cardápio aqui.

Colonia Witmarsum Restaunta e Pousada Bela Vista

Já o Restaurante Bela Vista trabalha com pratos a la carte. Oferece comida alemã tradicional como marreco recheado, kassler, spätzli, entre outros. Os pratos para duas pessoas variam de R$ 80 a R$ 100. Um dos melhores joelhos de porco que já comi. Veja o cardápio aqui.

Colonia Witmarsum  Frutilhas

Suco de amora e sorvete com calda de framboesa do Frutilhas Lowen

Colonia Witmarsum Eisbein

O mais simples é o Restaurante Frutilhas Lowen, localizado numa propriedade de 30 hectares.  Tem produção especializada em frutas vermelhas e verduras orgânicas. No buffet livre serve goulash, frango caipira, lombo de porco, spatzle, pirogue, risoto de frango, molho branco e saladas. Sai R$ 30 por pessoa. Crianças de 7 a 13 anos pagam R$ 15. Bebidas e sobremesa à parte. Sucos de frutas vermelhas (amora, framboesa e morango) a partir de R$ 5 o copo. Embora o buffet por pessoa saia mais barato do que no Bauernhaus, no Frutilhas você paga a bebida e a sobremesa à parte. E se quiser o joelho de porco são R$ 10 a mais. Logo…

Colonia Witmarsum Localizacao

Colonia Witmarsum Colhe Pague morangos

A comida no Frutilhas Lowen é farta, mas bem meia-boca. Já o suco de amora (da fruta mesmo, não a polpa) é sensacional. Tem um parquinho para as crianças e redário para descanso. O restaurante oferece colha e pague de morangos por R$ 15 o quilo.

Tarde

Depois do almoço, fomos finalmente ao Museu de História Witmarsum, a antiga casa grande da Fazenda Cancela, nome da propriedade comprada pelos menonitas quando chegaram aqui. A construção é marcada por lambrequins que formam um rendado na madeira que circundam os beirais da casa.

Colonia Witmarsun Museu Heimat

O museu preserva um acervo interessantíssimo com móveis, objetos, peças, roupas antigas, fotos e equipamentos usados pelos menonitas que fundaram a colônia.  Mas o melhor da visita é a super aula dada pelo historiador Heinz Egon Philippsen. O encontro não tem hora marcada. Os visitantes vão chegando, acomodando-se… até que Heinz começa a contar tudo sobre a colônia.

+ Hotel bom e barato em Curitiba: reserva sem taxa e cancelamento grátis!

Colonia Witmarsun Museu Historico

É nessa hora que você compreende melhor os menonitas e desfaz a impressão de que eles seriam uma espécie de Amish paranaense.  Os Amish, para quem não sabe, são um grupo cristão conservador radicado nos Estados Unidos e Canadá. Uma das características do grupo é o uso restrito de tecnologia como telefones e automóveis, além de viver baseado em uma interpretação rigorosa da bíblia. Ambos, menonitas e Amish, são descendentes dos grupos suíços anabatistas, mas os menonitas seriam a parte mais progressista, digamos.

Colonia Witmarsum Museu Heinz

O historiador Heinz Egon Philippsen: aula grátis no museu

O museu funciona sábado, domingo e feriados, 14h às 17h. Se quiser ser atendido durante a semana faça seu agendamento pelos telefones (42) 3254-1347  e (42) 8411-2895.  Entrada: R$ 5.

Colonia Witmarsum Museu

Depois do museu você pode optar pelos diversos passeios rurais que a colônia oferece. Um dos mais concorridos é o Tracktur, um tour de trator que leva você pelas plantações até o rio com parada para banho. Custa R$ 25 por pessoa. Somente criança de colo não paga. O passeio acontece pela tarde, mas se for grupo grande pode ser feito pela manhã também. Agende pelo telefone (42) 3254-1152.

Colonia Witmarsum Tracktur Passeio de Trator

A Pousada Campos Gerais e a  Chácara Silomac (42 9141-0438) promovem cavalgadas pela região. Custa R$ 25 por pessoa. O passeio é oferecido somente aos fins de semana e feriados. No caso da pousada, se você se hospedar lá a cavalgada está incluída no valor da diária.

Depois da diversão vem a parte mais esperada pelos visitantes: o café colonial. Se você almoçou bem talvez só vá ter fome no final da tarde. As três opções são a Confeitaria Kliewer, Sabores da Colônia e Edit’s Kaffe Hof.

Colonia Witmarsum  Kliewer

O que apresenta mais estrutura para as crianças é a Confeitaria Kliewer  com um parquinho próprio. O café colonial da Kliewer (que completa 25 anos em 2016) custa R$ 33 por pessoa e é servido na mesa (broas, pães, queijos, lingüiça, tortas, café, leite e limonada suíça). O café colonial deles, mesmo, eu nunca provei — mas já comi aqui um delicioso strudel de maçã, salgados, cupcakes (esses da foto acima) e levei para a casa pães e bolachas caseiras.

Colonia Witmarsum Confeitaria  Kliewermatraqueando-instagram1

É possível também comprar as tortas por pedaço (a partir de R$ 3,50).  Os proprietários garantem que tudo é feito com receitas alemãs originais. Funciona de terça a domingo, 8h às 18h. Tel. (42) 3254-1278.

Colonia Witmarsum  Sabores da Colonia Cafe Colonial

Sabores da Colônia fica atrás do museu. É o melhor custo benefício entre todos os cafés de Witmarsum. Oferece diversos tipos de bolos, tortas, geléias caseiras e cinco pratos quentes — além de café, leite e sucos naturais como uva e clorofila (limão com couve). Custa R$ 24 por pessoa. Crianças de 5 a 10 anos pagam a metade. Se preferir é possível comprar as tortas e bolos por fatias que variam de R$ 2 a R$ 5, dependendo do tamanho. Funciona sábado, domingo e feriado, 12h30 às 18h30. Tel. (42) 9118-0577.

Colonia Witmarsum Parana Cafe Colonial Ediths

O Edit´s Kaffe Hof está logo na entrada da colônia. Também tem um bom custo/benefício. Oferece o café com grande variedade de quitutes e duas sopas, incluindo iguarias brasileiras como pão de queijo, coxinha e pasteizinhos.  Sai por R$ 25 por pessoa ou R$ 36 o quilo. Funciona sábado e domingo, 13h às 21h e feriados, 10h às 21h. Tel. (42) 3254-1214 e (42) 9900-0224.

A sua visita vai se desenrolar de acordo com seu gosto e expectativa. Se estiver com criança é bom ajustar os passeios rurais ao horário de almoço e /ou café da tarde. Para o fim de semana perfeito você pode dormir na colônia e desfrutar de todos os passeios, restaurantes e cafés com mais tranquilidade ainda.

Onde dormir | Hospedagem na Colônia Witmarsum

Pousada Bela Vista | É a mesma que possui o restaurante que oferece comida alemã a la carte. As  acomodações são bem simples, mas é a mais barata de Witmarsum. Tem TV, varanda e uma área verde comum deliciosa. Diária para casal a partir de R$ 110 com café da manhã incluído. Criança até 7 anos grátis.

Colonia Witmarsum Pousada Bela Vista

Quarto triplo da Pousada Bela Vista

Pousada Campos Gerais | Tem quartos mais estruturados com TV e ventilador de teto, mas ainda assim pode ser considerada uma hospedagem de instalações simples. Está numa bonita área verde. A diária para casal está R$ 280 (com varanda) ou R$ 260 (sem varanda). A segunda diária sai por R$ 170. Criança de 5 a 12 anos paga R$ 45. Inclui café da amanhã colonial e cavalgada até o rio.

Colonia Witmarsum  Pousada Campos gerais

Quarto duplo da Pousada Campos Gerais

Pousada Katarina | Segue o padrão da hospedagem simples e funcional. Tem um lindo jardim quase sempre florido. Quartos com TV (de 14”) e ventilador. Diárias para casal a partir de R$ 120,00. Quarto triplo por R$ 140. Não inclui café da manhã. Está na rua principal de acesso à colônia.

+ Hotel bom e barato em Curitiba: reserva sem taxa e cancelamento grátis!

Dicas da Matraca

– O passeio à Colônia Witmarsum é turismo rural, portanto vá com roupas e sapatos confortáveis. Leve boné/chapéu, protetor solar e um traje de banho, caso queira dar um mergulho no rio depois da cavalgada ou passeio de trator.

– No verão, a cidade de Palmeira (onde está a colônia) pode chegar a 35º C. Mas faz bastante frio no inverno, com média de 10º C — podendo chegar a abaixo de zero em períodos de geada.

– O celular pega mal e o wi-fi disponível nos estabelecimentos não funciona bem. Mas a ideia é relaxar, né? Então, tá! :mrgreen:

– Para quem vai dormir na colônia e quiser jantar mais tarde (depois do fechamento dos cafés coloniais), a única opção é a Bele Lanches e Pizzaria. (42) 3254-1556 ou o restaurante da Pousada Bela Vista.

– Apesar da colônia ser hoje um reduto turístico, a maioria dos estabelecimentos ainda não tem site (e os que têm estão desatualizados, com uma ou outra exceção). É bem difícil falar ao telefone (toca, toca e ninguém responde!). Mas todos os telefones deste post foram testados, existem e funcionam. Portanto, se precisar tirar alguma dúvida específica com eles é só insistir que a qualquer momento alguém te atende! #figas

Colonia Witmarsun Como ir

Como chegar à Colônia Witmarsum saindo de Curitiba

Pegue a BR 277 em direção a Ponta Grossa. Na altura do km 146 (depois do pedágio) você terá que se manter à esquerda para fazer um pequeno retorno (voltando a Curitiba). A entrada para a colônia está logo após a este retorno. Há placas indicativas.

Como chegar à Colônia Witmarsum saindo de Ponta Grossa

Pegue a BR 376 em direção a Curitiba. A entrada da colônia fica no km 549, após o SAU — Serviço de Atendimento ao Usuário.

A grosso modo é possível dizer que a Colônia Witmarsum está no entroncamento das BR 277 e BR 376. As estradas são pedagiadas.

Como ir à Colônia Witmarsum de ônibus saindo de Curitiba

É um trampo sujeito a perrengues e demora, já aviso. Tem que pegar um ônibus comum (transporte público) de Curitiba a Campo Largo, cidade da região metropolitana que fica a uns 40 minutos da capital, dependendo do trânsito. Para ir a Campo Largo você deve pegar o ônibus no Terminal Campina do Siqueira em Curitiba (vários ônibus da capital levam até o terminal Campina do Siqueira, que fica na região do Parque Barigui — só para você se localizar).

Em Campo Largo você vai descer no terminal (ponto final), mas tem que ir até à RODOVIÁRIA de Campo Largo (mais umas 5 quadras caminhando e/ou de táxi) para pegar um ônibus da viação Princesa dos Campos  em direção a Witmarsum. São mais 45 minutos de viagem. A passagem custa R$ 3,60 (mais o valor da passagem Curitiba-Campo Largo que é de R$ 3,30).

Mas, ó, é bom deixar claro. A colônia é gigante, para conhecer muitos dos lugares mencionados você terá que andar muuuuito! O ônibus da Princesa dos Campos tem apenas umas duas ou três paradas dentro da colônia. Veja todos os horários aqui, simulando Campo Largo – Witmarsum!

Posts relacionados

Parque Estadual de Vila Velha: sítio geológico de 300 milhões de anos está a uma hora de Curitiba

Lapa, Paraná: como organizar um bate e volta perfeito saindo de Curitiba

Ilha do Mel: como chegar, o que fazer e dicas úteis

Passeio de trem pela Serra do Mar até Morretes

Leia também

Linha Turismo Curitiba: como aproveitar o city tour oficial da cidade

______________________________________________

Leia aqui tudo o que a gente já publicou sobre Curitiba e arredores!

______________________________________________

Fotos: Raul Mattar e Sílvia Oliveira

_________________
Política editorial | Pagamos todas as nossas contas de viagem. Não aceitamos convites nem cortesias. Sempre nos hospedamos anonimamente nos hotéis indicados. O Matraqueando não faz post patrocinado. Alguns posts contêm links para programas de afiliados, parceiros comerciais do blog, inseridos espontaneamente pela autora. Por questão de transparência, comunicamos que se você optar por comprar por meio destes links nós recebemos uma pequena comissão. Tudo o que você encontra aqui foi determinado unicamente pelo interesse do leitor, nosso gosto pessoal ou critério particular. Isso é transparência e credibilidade. Pode confiar! Para ajudar a manter o blog sempre com dicas fresquinhas adquira nossos guias na Loja Matraqueando. Desde já agradecemos a preferência! 😉 
Share
quarta-feira, 18 de dezembro de 2013

Curitiba Copa 2014 | Guia prático para o turista esportivo

Talvez você não saiba, mas a capital do Paraná já sediou dois jogos no mundial de 1950. Sessenta e quatro anos depois a Copa volta ao Brasil e, também, à nossa pequena metrópole de quase 1,8 milhões de habitantes. Curitiba é planejada, limpa, tem transporte público eficiente e um povo muito simpático, sim, senhor!

A cidade está em obras. Ganhou novos viadutos, corredores de tráfego e a rodoviária passa por reformas significativas (teremos uma nova área de embarque, praça de alimentação decente, ambiente climatizado, elevadores e escadas rolantes). O aeroporto Afonso Pena (o primeiro a receber uma lanchonete popular) está sendo ampliado e diversas vias importantes, revitalizadas.

Guia Curitiba Copa 2014 - Mundial da Fifa Fotos do meu Instagram. Segue a gente lá –> @matraqueando

A obra mais polêmica, no entanto, ficou por conta do estádio Joaquim Américo, conhecido como Arena da Baixada, mas que agora quer ser chamado de Nova Arena. O estádio pertence ao Atlético Paranaense, o que causou ciúme na turma do Coritiba, clube arqui-inimigo, por causa dos investimentos do governo numa obra dita privada. (Que fique claro, sou Tubarão pé vermelho e não tenho nada a ver com a zica!)

A construção/reforma já foi embargada, retomada, acelerada, está atrasada e, para piorar,  na semana passada enfrentou uma greve parcial dos operários que trabalham na obra por causa de atraso nos salários. A gente torce para que a bagaça, pelo menos, fique pronta até lá. #oremos

Guia Curitiba Copa 2014

 Perspectiva artística do estádio Nova Arena. (Foto: Divulgação)

Como será o novo estádio

A Nova Arena será coberta (estrutura móvel) e terá capacidade para 42.600 pessoas. O projeto prevê uma gigante praça de alimentação (1.800 m2) com quatro restaurantes e bares. Haverá mais de 50 lojas e salas comerciais e estacionamento com 1, 9 mil vagas.

Como chegar à Arena da Baixada

O estádio fica a 3,5 km do centro da cidade, a 2,5 km (10 quadras) do bairro Batel, região com alta concentração de hotéis, lojas e restaurantes e a 1,5 km do Shopping Curitiba.

Táxi | Do Batel à Arena a corrida de táxi fica em torno de R$ 12. (Este mesmo trecho a pé são mais ou menos 30 minutos caminhando).

Ônibus | Da Praça Rui Barbosa (terminal de ônibus central) você pode pegar a linha 180 (Água Verde-Abranches), sentido Água Verde e descer próximo ao estádio (passagem a R$ 2,70) – que fica na Rua Buenos Aires, 1260, bairro Água Verde. Tel. (41) 2105-5616. Site: www.arenacap.com.br

Quais jogos Curitiba vai receber?

16/jun – 16h | Irã x Nigéria
20/jun – 19h | Honduras x Equador
23/jun – 13h | Austrália x Espanha
26/jun – 17h | Argélia x Rússia

Onde a torcida se reúne?

A ziguizira pós campeonatos ou partidas importantes costuma acontecer no centro histórico (Largo da Ordem), Praça da Espanha (região do Batel SoHo) e em alguns bares como Bar do Alemão e Clube do Malte. Mas tratando-se de Copa do Mundo a gente imagina que a cidade inteira seja tomada pelos festeiros esportivos. 😀

_____________________________

Próximo post do Especial Curitiba Copa 2014: qual a melhor região para se hospedar durante os jogos.

_____________________________

Leia também: 

Como ir do aeroporto de Curitiba ao centro

Como ir da rodoviária de Curitiba ao centro

_____________________________

Veja aqui dicas testadas e aprovadas para você aproveitar o melhor de Curitiba!

Share
terça-feira, 21 de maio de 2013

Curitiba | Post-índice

O Matraqueando é o blog brasileiro com o conteúdo mais completo sobre Curitiba, incluindo vários textos em inglês sobre a cidade. (Recomende para o seu amigo gringo!) Este post-índice será atualizado sempre que eu publicar novos artigos sobre a capital do Paraná . Preços e horários podem sofrer alterações. Restaurantes fecham e hotéis mudam de dono. Para evitar aborrecimentos, informe-se antes de ir.

Introdução

Curitiba: faça da cidade seu melhor destino de inverno

Como ir do aeroporto de Curitiba ao centro da cidade

Como ir da rodoviária de Curitiba ao centro da cidade

Linha Turismo Curitiba: como aproveitar o city tour oficial da cidade

23 motivos para você conhecer e se apaixonar por Curitiba

Cinco atrações grátis e estreladas em Curitiba

Para entender Curitiba

Aeroporto de Curitiba ganha a primeira lanchonete popular do Brasil

Curitiba em fotos

Onde ficar

Guia de Hospedagem em Curitiba: opções para as classes alta, média e muquirana

Passeios

Museu Oscar Niemeyer completa 10 anos como a atração mais visitada de Curitiba

MAC | Museu de Arte Contemporânea do Paraná: visita prática no centro de Curitiba

Jardim Botânico de Curitiba

Memorial Ucraniano

Ópera de Arame

Universidade Livre do Meio Ambiente

Feirinha do Largo da Ordem

Paço da Liberdade: o edifício do centro cultural é o único tombado pelo Patrimônio Histórico Nacional em Curitiba

Mercado Municipal de Curitiba

As cerejeiras de Curitiba

Onde comer

Café tortas e bolos: onde desopilar em Curitiba

Café do Paço: música, arte e aroma

Comidinhas: bolinho de aipim com carne de sol

Comer bem e barato em Curitiba: Restaurante Fonk

Quintana Restaurante e Café: gastronomia responsável e estrelada que cabe no seu bolso

Restaurante SENAC, em Curitiba: opção chiquetê a preços módicos

Restaurante Zea Maïs: o melhor contemporâneo

Almoço no fofo Jacobina Bar

Feirinha da Ucrânia

Os menininhos do Beto Batata

Bar do Alemão: um domingo na Alemanha

Momento extravagância: restaurante Durski

Onde comprar

Curitiba ganha primeiro mercado de orgânicos do Brasil

Presentinhos e souvenires é na Feirinha do Largo da Ordem

Rua Teffé: primeira rua temática de calçados do Paraná

Bate e volta desde Curitiba

Cidades Históricas, Serra do Mar e Estrada da Graciosa: quando ir?

Estrada da Graciosa

Passeio de trem pela Serra do Mar

Antonina

Morretes

Ilha do Mel

Lapa

Curitiba In English

Curitiba: your best winter destination (by Sílvia Oliveira)

The “ecological” Curitiba  (by Sílvia Oliveira)

A train ride through the Serra do Mar (by Sílvia Oliveira)

Largo da Ordem Street Market (by Sílvia Oliveira)

The Ukrainian Memorial (by Sílvia Oliveira)

How do you get from Curitiba’s Airport to the city centre? (by Sílvia Oliveira)

Estrada da Graciosa, Paraná – in English (by Sílvia Oliveira)

The Wire Opera House: Curitiba’s Most Original Theatre (by Sílvia Oliveira)

Ilha do Mel: paradise is just down the road (by Sílvia Oliveira)

Rua Teffé (Teffé Street): Curitiba’s First Footwear Theme Street (by Sílvia Oliveira)

_______________

Procurando hospedagem no Paraná? Pesquise no Booking.com — onde sempre faço minhas reservas. Não cobra taxa alguma e tem cancelamento grátis! É rápido e prático! 😀

Booking.com é uma das ferramentas mais completas para reserva de hotéis, pousadas e apartamentos. E sempre que você fizer sua reserva clicando nos links acima nós ganhamos uma pequena comissão, o que ajuda a manter o Matraqueando cheio de dicas quentíssimas, atualizadas e GRATUITAS para você! Então já sabe, né? Vai viajar? Busque aqui sua hospedagem e depois conte pra gente como foi sua experiência! :)

________________

Fotos: Raul Mattar e Sílvia Oliveira

Share
quinta-feira, 18 de abril de 2013

MAC | Museu de Arte Contemporânea do Paraná: visita prática no centro de Curitiba

MAC Museu de Artes Contemporanea Curitiba Parana  15

Coitadinho do MAC. Depois do MON — também chamado de Museu do Olho, o atrativo turístico mais visitado da capital — todo e qualquer museu de Curitiba ficou pra escanteio. Mas não deveria ser assim.

MAC Museu de Artes Contemporanea Curitiba Parana  14

Não que o Museu de Arte Contemporânea do Paraná seja, assim, um suprassumo (depois de conhecer o Inhotim fica difícil qualquer comparação com as poéticas deste gênero artístico), mas é um passeio interessante e bem fácil de fazer.

MAC Museu de Artes Contemporanea Curitiba Parana  07

MAC Museu de Artes Contemporanea Curitiba Parana  16

MAC Museu de Artes Contemporanea Curitiba Parana  04

O museu ocupa um belíssimo prédio tombado pelo patrimônio histórico. Fica bem no centro da cidade, a poucos passos da Rua das Flores, o calçadão de Curitiba. O local abriga e documenta um pequeno grande acervo.

São obras de Burle Marx, Darel Valença, Ubi Bava, Miguel Bakun, Abelardo Zaluar, Hugo Zanzi, entre outros, mais um monte de gente bacanuda da área.

MAC Museu de Artes Contemporanea Curitiba Parana  02

MAC Museu de Artes Contemporanea Curitiba Parana  03

Mas até o dia 28 de abril (corre que ainda dá tempo), o acervo oficial do MAC abre espaço para o 64º Salão Paranaense. A mostra reúne 25 artistas brasileiros retratando violência, as relações do homem com a natureza, com a sociedade e com o próprio corpo. Os temas são representados através de instalações, vídeos, pinturas, desenhos e gravuras.

MAC Museu de Artes Contemporanea Curitiba Parana  01

MAC Museu de Artes Contemporanea Curitiba Parana  17

Para minha surpresa (e alegria) uma grande artista londrinense (minha terrinha!), a fotógrafa Fernanda Magalhães ganhou um enorme espaço no Salão. Fernanda, uma mulher gorda sem neuras,  expõe um excelente trabalho de autorretrato contanto as relações e o impacto que a ditadura da magreza provoca. É lindo! (Veja aqui a lista dos 27 artistas selecionados para o 64º Salão Paranaense)

MAC Museu de Artes Contemporanea Curitiba Parana  12

MAC Museu de Artes Contemporanea Curitiba Parana  13

O Museu de Arte Contemporânea do Paraná foi criado em 1970. O acervo é divulgado com mostras temáticas periódicas. O MAC também realiza eventos, exposições temporárias, coletivas e individuais.

MAC Museu de Artes Contemporanea Curitiba Parana  08

Agora você já sabe. Está passando pelo centro de Curitiba (ali perto do Palácio Avenida) e gosta de arte contemporânea? Então, o MAC é para você. Com uma visita de 40 minutinhos você conhece um pouco mais da história do estado e da arte nacional.

MAC Museu de Artes Contemporanea Curitiba Parana  05

SERVIÇO

Museu de Arte Contemporânea do Paraná – MAC

Local: Rua Desembargador Westphalen, 16 | Centro | Curitiba – PR (Fica ao lado da Praça Zacarias, a uma quadra da Rua das Flores e bem próximo da Praça Rui Barbosa, que concentra um terminal de ônibus que interliga toda a cidade).

Tel. : (41) 332-5328 e 3222-5172

Visitação: terça a sexta-feira, 10h às 19h. Domingos e feriados, 10h às 16h. Fecha às segundas.

Entrada: grátis

Posts relacionados

Museu Oscar Niemeyer completa 10 anos como a atração mais visitada de Curitiba

Linha Turismo Curitiba: como aproveitar o city tour oficial da cidade

Memorial Ucraniano

Ópera de Arame

Paço da Liberdade: o edifício do centro cultural é o único tombado pelo Patrimônio Histórico Nacional em Curitiba

Mercado Municipal de Curitiba

Leia também

Guia de Hospedagem em Curitiba: opções para as classes alta, média e muquirana

Curitiba ganha primeiro mercado de orgânicos do Brasil

Rua Teffé: primeira rua temática de calçados do Paraná

Fotos: Sílvia Oliveira

Share
terça-feira, 12 de fevereiro de 2013

Linha Turismo Curitiba: veja como aproveitar o city tour oficial da cidade


Parque Tanguá: um dos meus preferidos na cidade.

*Post atualizado em fevereiro de 2016

Se você é daqueles que torcem o nariz quando ouvem falar de ônibus turísticos, saiba que eles podem ser muito úteis e vantajosos para quem tem pouco tempo na cidade ou quando as principais atrações do lugar são distantes do centro. Curitiba se encaixa perfeitamente na segunda opção (e por que não na primeira, já que a maioria dos turistas passa geralmente só um fim de semana na capital).

Aqui é difícil você fazer um roteiro bairro a bairro, explorando cada região da cidade como faríamos em Paris ou em São Paulo. Com exceção de Santa Felicidade, os bairros de Curitiba não têm uma identidade própria, turisticamente falando. Quando vier para cá seu itinerário será basicamente parque a parque… e eles estão longe — não só do centro, mas um do outro.

Linha Turismo Curitiba: ótimo custo-benefício para quem vem pela 1ª vez à cidade. (Fotos via Instagram – @matraqueando)

A Linha Turismo Curitiba é um ônibus especial (double deck ou jardineira) que cobre praticamente todas as atrações significativas da cidade. O ônibus passa de 30 em 30 minutos e percorre cerca de 45 quilômetros em duas horas e meia (tempo corrido sem descer nos pontos de parada).

Ao embarcar você compra uma cartela com cinco tíquetes e tem direito a um embarque e quatro reembarques. Um serviço de som a bordo explica sobre as atrações em português, espanhol e inglês. Você também ganha um mapinha explicativo com o roteiro. Caso não consiga usar todos os seus tíquetes em um único dia poderá usá-los no dia seguinte ou em outra oportunidade, não há prazo de validade.

São 25 pontos de parada: Praça Tiradentes, Rua da Flores, Rua 24 Horas, Museu Ferroviário, Teatro Paiol, Jardim Botânico, Estação Rodoferroviária/Mercado Municipal, Teatro Guaíra/Universidade Federal do Paraná, Paço da Liberdade, Passeio Público/Memorial Árabe, Centro Cívico, Museu Oscar Niemeyer, Bosque do Papa, Bosque Alemão, Universidade Livre do Meio Ambiente, Parque São Lourenço, Ópera de Arame, Parque Tanguá, Parque Tingui, Memorial Ucraniano, Portal Italiano, Santa Felicidade, Parque Barigui, Torre Panorâmica e Setor Histórico.

+ Hotel bom e barato em Curitiba: sem taxa de reserva e cancelamento grátis

Linha Turismo Curitiba MON e Bosque Alemao

Bosque Alemão e Museu do Olho vistos do segundo andar do ônibus turístico. (Fotos via Instagram – @matraqueando)

Já usei três vezes este serviço: a primeira foi para reconhecimento de área quando vim morar em Curitiba, há 13 anos; a segunda em 2009 quando lançaram os ônibus de dois andares (antes eram só jardineiras) e a terceira no finalzinho do ano passado… focada neste post! A ideia aqui não é destrinchar os pontos turísticos do city tour, mas orientar como você pode aproveitar melhor este passeio, otimizando seus tíquetes. Veja as dicas da Matraca:

1. Pegue o ônibus de manhã. Se você optar por fazer o passeio à tarde, provavelmente, não vai conseguir usar todos os tíquetes já que os últimos ônibus passam por volta das 19h/19h30. (A não ser que você esteja disposto a reembarcar no ônibus no dia seguinte, o que quase ninguém faz!)

2. Sei que a maioria vem para a cidade nos finais de semana, mas eu não recomendaria o serviço num sábado e/ou domingo de férias e alto verão. Vai dar xabu, pode ter certeza. Se você estiver por aqui em altíssima temporada e não puder fazer o passeio com a Linha Turismo durante a semana, é melhor  escolher uns dois lugares para visitar e optar pelo transporte público, que também é eficiente.

3. Um dos erros mais comuns dos turistas, na minha opinião, é descer no Museu Oscar Niemeyer. Não que conhecer o MON seja dispensável, pelamordosmeusfilhinhos! É a atração mais visitada da cidade. Mas sua visita aqui deve durar, pelo menos, umas duas horas. Tire uma manhã ou uma tarde para o museu que, aliás, tem fácil acesso com transporte público. Não é necessário gastar um tíquete aqui.

+ Quer percorrer Curitiba e região de carro? Alugue o seu veículo aqui com economia e segurança!

Jardim Botânico e Museu Oscar Niemeyer. (Fotos via Instagram – @matraqueando)

4. Todo mundo quer descer no Jardim Botânico, cartão postal emblemático da cidade. O que acontece é que a maioria pega o ônibus na Praça Tiradentes (lá se foi o tíquete de embarque) e o primeiro ponto de interesse (depois da praça) é justamente o Jardim Botânico. Recomendo ir com o transporte público até à famosa estufa (R$ 2,20 dia de semana ou R$ 1 aos domingos) e daqui começar seu périplo com a Linha Turismo.

5. Em seguida vem a difícil tarefa: quais dos parques/atrações escolher para descer? Eu escolheria os atrativos mais distantes e com acesso mais demorado usando o transporte da cidade. A partir daí, vou dar minha opinião, baseada na minha experiência (lugares que rendem boas fotos, passeio agradável, cultura, arquitetura ou história para contar) e gosto pessoal (fique à vontade para discordar):

Memorial Ucraniano: arquitetura e relíquias. (Fotos via Instagram – @matraqueando)

– Memorial Ucraniano: faz parte do complexo do Parque Tingui. O memorial, juntamente com o Jardim Botânico, é uma das atrações mais fotogênicas da cidade. Toda a estrutura da construção é feita de madeira encaixada, ao melhor estilo ucraniano. O local tem, ainda, uma réplica da Igreja de São Miguel Arcanjo.

– Parque Tanguá: considero o mais lindo parque de Curitiba. Foi construído sobre uma pedreira desativada. Tem lindos jardins, cascata e estar aqui durante o pôr do sol já vale todo o passeio.

– Bosque Alemão: ótimo para quem está com crianças (ou não!). Tem a trilha João e Maria onde a gurizada pode vivenciar um dos mais tradicionais contos dos Irmãos Grimm. O bosque é de mata atlântica preservada. Na Casa Encantada, dentro do parque, há uma biblioteca infantil e a Hora do Conto, representada por bruxas e fadas aos sábados e domingos, em duas sessões: 11h e 16h. Grátis.

Ópera de Arame: teatro criativo e inusitado. (Fotos via Instagram – @matraqueando)

– Ópera de Arame: é o teatro mais original de Curitiba. A antiga cratera de uma pedreira desativada deu espaço a um inusitado centro cultural feito em tubos de aço e teto transparente.

5. Por que não descer na/no:

– Rua 24 Horas: porque, embora revitalizada, não tem nada a não ser algumas poucas lojas, que nem são 24 horas há décadas.

– Rua da Flores: é o calçadão da cidade, você chega aqui facilmente caminhando (se estiver hospedado no centro) ou com o transporte público.

– Museu Ferroviário: está dentro do Shopping Estação e, apesar de bonitinho, não vale seu tíquete, pode ter certeza.

– Teatro Paiol: bonito para ser visto de fora, do deck do ônibus.

– Estação Rodoferroviária/Mercado Municipal: conhecer o Mercado Municipal de Curitiba, todo renovado, é passeio super-recomendado. Mas é muito fácil chegar aqui com o transporte público, do centro são uns 10 minutos. Está em frente à rodoferroviária.

– Teatro Guaíra/Universidade Federal do Paraná: caso não tenha algum interesse específico, fique satisfeito com a visualização externa da arquitetura.

Linha Turismo Curitiba Bosque Alemao

Bosque Alemão e a trilha João e Maria. (Fotos via Instagram – @matraqueando)

– Paço da Liberdade: centro cultural mantido pelo SESC no único prédio de Curitiba tombado pelo Patrimônio Histórico Nacional. Inclua o Paço quando você fizer seu passeio pelo Setor Histórico e Rua das Flores.

– Passeio Público/Memorial Árabe: o Passeio Público é o primeiro parque da cidade e já passou por várias revitalizações, mas tem fama de ser pouco familiar, digamos. Já o Memorial Árabe, que fica ao lado, salvo interesses pessoais, não vale a descida.

– Centro Cívico: região dos três poderes com valor arquitetônico. Se não for sua praia, passe reto.

– Bosque do Papa, Universidade Livre do Meio Ambiente (UNILIVRE), Parque São Lourenço: eu gosto de todos, mas entre estes e os que eu indico para descer, fico com os que eu indico. É uma questão de opção. Gostando muito de natureza e ecologia talvez a UNILIVRE seja uma parada perfeita para você em vez do Bosque Alemão, por exemplo.

– Parque Tingui: está próximo do Tanguá e do Memorial Ucraniano. Bonito, com ampla área verde, mas sem nada especial.

Vinícola Durigan, em Santa Felicidade: degustação gratuita de queijos e vinhos. (Fotos via Instagram – @matraqueando)

– Portal Italiano: é só um portal mesmo, daqueles que entram na listinha da Linha Turismo só para encher linguiça.

– Santa Felicidade: adoooro e, mesmo todo mundo falando para você não vir comer pr’essas bandas, sei que — em algum momento — seu almoço vai ser em alguma das cantinas do bairro italiano de Curitiba. Fácil acesso com transporte público. Caso você não queira incluir algum dos parques indicados, finalize seu passeio aqui. A Vinhos Durigan (veja meu post sobre o lugar aqui) — o ônibus para em frente — oferece degustação gratuita de vinhos, frisantes, salames e queijos.

– Parque Barigui: mesmo caso do item do Bosque do Papa, UNILIVRE…

– Torre Panorâmica: a vista de 360º da cidade é linda. Mas como fica no caminho de Santa Felicidade, aproveite para fazer as duas coisas juntas e no mesmo dia.

– Setor Histórico: um dos mais lindinhos e bem conservados do Brasil. Está na região central. Combina com Praça Tiradentes, Rua das Flores e Paço da Liberdade. No coração da cidade e com fácil acesso através de transporte público, pode ser percorrido a pé — sem pressa.

+ Seguro de viagem internacional com 15% de desconto para leitor do Matraqueando

Linha Turismo Curitiba Praca Tiradentes e Catedral

Praça Tiradentes e Catedral: ponto de partida da Linha Turismo. (Fotos via Instagram – @matraqueando)

SERVIÇO

Funcionamento: terça a domingo, 9h às 17h30 — a cada 30 minutos. Veja aqui o primeiro e último horário em cada parada. Não opera às segundas-feiras na baixa temporada. Mas nas férias a linha está ativa todos os dias.

Quanto custa: R$ 40. Crianças até cinco anos não pagam. (Atualizado em fevereiro de 2016.)

Onde comprar: os tíquetes podem ser adquiridos dentro do ônibus ou na URBS (Rodoferroviária).

Onde embarcar: o ponto inicial é na Praça Tiradentes, mas você pode embarcar em qualquer parada do roteiro.

Você tem direito a: uma cartela com cinco tíquetes com um embarque e quatro reembarques. Caso não consiga usar todos os seus tíquetes em um único dia poderá usá-los no dia seguinte ou em outra oportunidade, não há prazo de validade.

Comodidades:  transportam bicicletas e carrinhos de bebê, mas só os ônibus com um adesivo “Bicicleta” na porta traseira têm esse benefício.

Inconvenientes:

1. Para muitos o número limitado de embarques é considerado uma sovinice do sistema. Também acho que poderia ser ilimitado como acontece em muitos países da Europa. Mas saiba que com quatro reembarques você, ainda assim, fará um belo passeio.

2. Durante o período de férias os ônibus costumam aparecer aos montes… e lotados. O que, às vezes, obrigará você a fazer parte do trajeto em pé.

3. Atrasos acontecem. Da última vez que testei o serviço, em algumas paradas os ônibus vieram rápido. Mas em outras,  já no fim do dia (era sábado), estavam com atraso de 40 minutos.

4. Apesar de não ser uma pechincha (já foi bem mais barato!), este não é um serviço VIP. Se preferir ar condicionado, atendimento personalizado e embarque imediato, use o táxi.

Veredito: Consciente dos possíveis atrasos, lotações e usando o serviço para visitar as atrações mais distantes e com acesso mais demorado via transporte público, com certeza, vale a pena. Considero a Linha Turismo de Curitiba uma excelente opção, com ótimo custo-benefício, principalmente para quem vem pela primeira vez à cidade.

_________________________

Procurando hospedagem em Curitiba? Pesquise no nosso parceiro Booking.com — onde sempre faço minhas reservas. Não cobra taxa alguma e tem cancelamento grátis para a maioria dos quartos! É rápido e prático! 😀

Booking.com é uma das ferramentas mais completas para reserva de hotéis, pousadas e apartamentos. E sempre que você fizer sua reserva clicando nos links acima nós ganhamos uma pequena comissão (mas você não paga nada mais por isso), o que ajuda a manter o Matraqueando cheio de dicas quentíssimas, atualizadas e GRATUITAS para você! Então já sabe, né? Vai viajar? Busque aqui sua hospedagem e depois conte pra gente como foi sua experiência! :)
________________________

Posts relacionados

Museu Oscar Niemeyer completa 10 anos como a atração mais visitada de Curitiba

Vinhos Durigan: parada estratégica em Santa Felicidade com degustação grátis

Jardim Botânico de Curitiba

Memorial Ucraniano

Ópera de Arame

Universidade Livre do Meio Ambiente

Feirinha do Largo da Ordem

Paço da Liberdade: o edifício do centro cultural é o único tombado pelo Patrimônio Histórico Nacional em Curitiba

Mercado Municipal de Curitiba

Leia também

Guia de Hospedagem em Curitiba: opções para as classes alta, média e muquirana

Curitiba ganha primeiro mercado de orgânicos do Brasil

Rua Teffé: primeira rua temática de calçados do Paraná

Paris Cake House: confeitaria temática com alguns dos melhores doces e café do centro da cidade

Café do Paço: música, arte e aroma

Quintana Restaurante e Café: gastronomia estrelada e responsável que cabe no bolso

Mary Ann Apple Factory: as maçãs gourmet de Curitiba

Bate e volta desde Curitiba

Vila Velha, Paraná: sítio geológico de 300 milhões de anos está a uma hora de Curitiba

Lapa: como organizar um bate e volta perfeito saindo de Curitiba

Colônia Witmarsum: café colonial, história alemã menonita e descanso ao lado de Curitiba

Vinícola Família Fardo: arquitetura medieval e degustação grátis nos arredores de Curitiba

Cidades Históricas, Serra do Mar e Estrada da Graciosa: quando ir?

Estrada da Graciosa

Passeio de trem pela Serra do Mar

Antonina

Morretes

Ilha do Mel

_________________

Fotos: Sílvia Oliveira (via celular), menos a primeira que pertence ao Raul Mattar.
_______________

Disclaimer | Este post contém links para programas de afiliados, parceiros comerciais do blog, inseridos espontaneamente pela autora. O Matraqueando não faz post patrocinado. Por questão de transparência, comunicamos que se você optar por comprar por meio destes links nós recebemos uma pequena comissão. Assim, você ajuda  a manter o blog com dicas fresquinhas e não paga nada mais por isso. Desde já agradeço a preferência! 😉

Share
segunda-feira, 11 de fevereiro de 2013

Guia de Hospedagem em Curitiba: opções para as classes alta, média e muquirana

Há quase quatro meses estou percorrendo alguns dos hotéis, pousadas e albergues de Curitiba para fazer este levantamento para vocês. Inacreditável, mas até hoje eu não tinha um único post com indicações de hospedagem na (minha!) cidade. Agora, saiu!

Que fique claro, eu não me hospedei em qualquer um deles. Apenas fiz uma visita “técnica” para conhecer as instalações, os quartos e quase sempre ia cedo para espiar o café da manhã oferecido. Portanto, não pude testar sinal de wi-fi naqueles que tinham conexão grátis, por exemplo. Sempre me apresentei como hóspede interessada no lugar e não como blogueira.

De qualquer maneira, saiba: hotéis fecham, mudam de dono ou de gerência. Antes de ir, consulte sites que reúnem avaliações atualizadas de hóspedes como Booking.com, TripAdvisor ou Hoteis.com.br para verificar a quantas anda o estabelecimento.

Todos os hotéis abaixo (menos o Íbis Budget e o Curitiba Casa Hostel) fazem parte do programa Leva e Traz Grátis, que leva os turistas aos principais bares e restaurantes da cidade, de segunda a sábado, das 19h30 às 23h30. Post NÃO patrocinado, que fique claro! Rá rá! Veja nossa listinha:

Quartos temáticos no Curitiba Casa Hostel

Hospedagem Muquirana

Íbis Budget (antigo Formule 1)

Se você nunca ficou num Íbis Budget (novo nome para o antigo Formule 1 da Rede Accor) prepare-se para ter um momento-claustrofóbico. Os quartos e banheiros são minúsculos, mas a hospedagem é imbatível no custo-benefício para quarto triplo. Os apartamentos têm televisão e ar condicionado. Boa localização (próximo à rodoferroviária e com fácil acesso aos atrativos da cidade). Mas evite circular pela região à noite. Diárias para até três pessoas por R$ 109. Café cobrado à parte por R$ 10.

Curitiba Casa Hostel

Quartos novos, amplos e limpíssimos. Albergue próximo do Jardim Botânico (acho que uns 15 minutos de caminhada, onde você pode pegar a Linha Turismo para percorrer Curitiba) e do ponto de ônibus que leva à rodoferroviária. Os quartos são temáticos, cada um recebendo nome e pintura de uma atração da cidade. Tem cozinha para hóspede, sala de TV e computadores com internet disponível. Café da manhã variado incluído na hospedagem. Diárias em quartos coletivos a partir de R$ 38. Quarto casal/suíte por R$ 110. Oferece wi-fi grátis.

Curitiba Eco Hostel

O Curitiba Eco Hostel fica beeem longe do centro e dos principais atrativos turísticos, mas tem ponto de ônibus bem em frente. Recentemente foi considerado um dos melhores albergues do Brasil em pesquisa realizada pela Federação Brasileira dos Albergues da Juventude (FBAJ) . O local é lindo, no meio da mata com riacho passando ao lado e os ambientes, todos amadeirados. Os quartos coletivos são amplos e o café da manhã, incluído, bom. Têm piscina e cozinha para o hóspede. Oferece almoço e jantar a preços convidativos. As fotos do site condizem com a realidade. Diárias em quartos coletivos a partir de R$ 35 e em suíte privativa a partir de R$ 70. (Nos quartos coletivos não estão incluídas as toalhas.)


Slaviero Slim: quartos amplos.

Hospedagem Classe Média

Slaviero Slim Centro

Por estar no centro da cidade, o prédio e as instalações são antigos, mas toda a estrutura e quartos foram reformados (embora há algum tempo!). Talvez tenha o melhor custo-benefício para quem não é muquirana, mas também não quer gastar os tubos com hospedagem na cidade. Fica do lado da famosa Rua da Flores (calçadão da cidade), do Palácio Avenida (onde acontecem as tradicionais apresentações de Natal) e próximo ao ponto do ônibus executivo que vem do aeroporto. Já a Linha Turismo passa em frente. Os quartos têm TV a cabo, ar condicionado e bancada de trabalho. Não recomendo circular por ali à noite.  Ótimo café da manhã.  Diárias em apartamento duplo a partir de R$ 165. Wi-fi grátis.

Centro Europeu Tourist

É o hotel-escola do Centro Europeu, grupo que oferece cursos técnicos de Curitiba. Está num prédio antigo, mas foi todo reformado. Além do café da manhã, o hotel oferece o café da noite (um buffet com antepastos, bolos, sopas, salgados e pães — das 18h às 20h — praticamente um jantar), ambos incluídos na diária. Tem TV a cabo e frigobar. A localização do hotel é bem bacana para o turista diurno: está na Praça Osório, comecinho da Rua da Flores (o calçadão da cidade) e a umas duas quadras do Palácio Avenida. Inconvenientes: à noite, como em qualquer região central, fica bem perigoso circular por ali e os quartos têm carpete. Diárias em apartamento duplo a partir de R$ 185. (Nos fins de semanas, eventualmente, há promoções). Wi-fi grátis.

Íbis Shopping

O hotel é novíssimo e apresenta quartos simples, mas com equipamentos tinindo. Tem frigobar (desabastecido) e secador de cabelo. São 28 andares, quanto mais alto ficar menos barulho vai ter. Excelente localização (a duas quadras do Shopping Curitiba ou da Praça Rui Barbosa, de onde saem ônibus para todos os cantos da cidade). Para que pega o ônibus executivo do aeroporto deve descer na Rua 24 horas. De lá, a pé, são 15 minutos caminhando até o hotel. Um táxi para esse pequeno trecho não deve sair mais do que R$ 10. Se você vier de carro, confirme sobre disponibilidade de vaga no estacionamento (pago à parte). Café da manhã padrão — também cobrado à parte — por R$ 14. (Se você quiser economizar neste item, perto do hotel há padarias).  Diárias a partir de R$ 144. Wi-fi grátis. (A rede tem mais duas unidades na cidade: Íbis Batel, também muito bom e próximo do Íbis Shopping, e o Íbis Centro Cívico — caminho para o Museu do Olho).

Café da manhã no Four Points By Sheraton

Hospedagem Momento Extravagância

Slaviero Palace Hotel

Existem muitos hotéis considerados 4 estrelas em Curitiba como este. Mas o que me chamou atenção no Slaviero Palace foi o preço — menos de R$ 270 a diária para casal — juntamente com a localização: no centro da cidade, próximo à Praça Osório e Rua da Flores (calçadão). É bom para quem vem a negócios ou a turismo. O quarto, amplo e bem decorado, tem frigobar, ar condicionado e mesa de trabalho. (Mas alguns ainda têm carpete, nhé!) Café da manhã completo. O ônibus executivo que vem do aeroporto para na Rua 24 Horas, a duas quadras do hotel. Diárias para casal a partir de R$ 268.

Four Points By Sheraton

Esse é para você que pretende enfiar o pé na jaca. Está a cinco minutos caminhado do Shopping Curitiba, região central da cidade, com ponto de táxi e ônibus próximos. Padrão cinco estrelas, os quartos são amplos, arejados, tem TV a cabo, ar condicionado e uma cafeteira que permite você mesmo preparar seu chá ou café. Além de piscina coberta e aquecida, o Four Points By Sheraton conta com academia e oferece wi-fi grátis. Café da manhã farto. Nada muito diferente do que se possa esperar quando se paga R$ 470 a diária para casal. 😀

Posts relacionados

Curitiba: faça da cidade seu melhor destino de inverno

Como ir do aeroporto de Curitiba ao centro da cidade

Como ir da rodoviária de Curitiba ao centro da cidade

23 motivos para você conhecer e se apaixonar por Curitiba

Cinco atrações grátis e estreladas em Curitiba

Fotos: Divulgação

______________________

Veja tudo o que a gente já publicou sobre Curitiba aqui!

Share
segunda-feira, 07 de janeiro de 2013

Museu Oscar Niemeyer completa 10 anos como a atração mais visitada de Curitiba

Se você pensava que o Jardim Botânico — cartão postal clássico da capital paranaense — era o ponto turístico mais visitado de Curitiba, errou! Fiquei surpresa também. No ano passado, o Museu Oscar Niemeyer (MON) bateu todos os recordes de visitação, recebendo mais de 30 mil pessoas num único mês.

Numa pesquisa realizada pelo site TripAdvisor, o museu ficou em primeiro lugar na preferência do visitante entre as 48 atrações turísticas de Curitiba. Sem contar que já havia sido eleito pelo site norte-americano Flavorwire um dos 20 museus mais bonitos do mundo. O complexo acaba de completar 10 anos e ajudou a colocar o Paraná na rota das grandes exposições internacionais.

O MON, conhecido também como Museu do Olho por causa da arquitetura frontal da construção, tem mais de dois mil itens no acervo — que não é permanente (o que gera uma espécie de crise de identidade artística, segundo os críticos do ramo).

Já para os leigos como nós resta absorver os 17 mil metros quadrados de área de exposição. Por aqui já passaram obras de Tarsila do Amaral, Pablo Picasso, Antoní Tàpies, Di Cavalcanti, Cândido Portinari, Frida Kahlo, Marc Riboud BrassaÏ, entre outros artistas célebres.

MON Museu Oscar Niemeyer Museu do Olho Curitiba ESpaco Niemeyer

O primeiro piso tem nove salas de exposições, já o subsolo abriga o Espaço Niemeyer, uma exposição permanente de projetos, vídeos, maquetes e fotos das principais obras do arquiteto que também deu forma ao museu que leva seu nome.

MON Museu Oscar Niemeyer Museu do Olho Curitiba Espaco Niemeyer 1

Nesta área também estão o Pátio das Esculturas, um Laboratório de Conservação e Restauro e uma enorme sala onde são realizados cursos e oficinas. No primeiro domingo do mês, além da entrada do museu ser gratuita, as oficinas que acontecem neste dia também são abertas à comunidade sem custo.

Para participar é necessário retirar seu ingresso na bilheteria pelo menos uma hora antes do início porque os cursos lotam rápido.

Daqui você tem acesso por um corredor-túnel (mais-niemeyer-impossível) que leva ao Salão Principal do Olho. O local geralmente acolhe exposições de grande porte. Atualmente, o “olho” recebe a exposição “Múltiplo Leminski” – a maior mostra do Brasil sobre o escritor paranaense.

Interativa e lúdica, a mostra vai além dos haicais (estilo literário que consagrou o poeta) e revela Leminski por inteiro: o publicitário, o tradutor, o fã de histórias em quadrinhos, o pai de família. (Em cartaz até 31 de março de 2013.)

De volta ao térreo — por onde você entrou — estão o Café do MON (caríssimo e com atendimento a desejar nas duas últimas vezes em que estive lá) e a lojinha com livros de arte, catálogos, objetos de decoração, camisetas, bolsas, bloquinhos, agendas… enfim, todas aquelas coisinhas fofas que parecem existir só entre os souvenires de museus!

SERVIÇO

MON – Museu Oscar Niemeyer

Localização: Rua Marechal Hermes, nº 999 | Centro Cívico | Curitiba-PR

Telefone: (41) 3350.4440

Visitação: de terça a domingo, das 10h às 18h. (Venda de ingresso até às 17h30)

Entrada: R$ 4 (inteira) e R$ 2 (meia). Grátis para menores de 12 anos e maiores de 60 anos. Entrada franca para todos no primeiro domingo de cada mês.

Horário especial: toda primeira quinta-feira do mês o museu fica aberto até às 20h e, neste dia, das 18h às 20h a entrada é gratuita.

Utilidades: o museu tem fraldário, local para amamentação e disponibiliza  carrinho de bebê e cadeira de rodas. (Disponibilidade sujeita às unidades existentes e de acordo com a ordem de chegada dos visitantes).

Como chegar ao Museu Oscar Niemeyer: veja aqui (Fica próximo do Shopping Muller).

Faça uma visita virtual em 3D sobre as exposições que já vieram para cá!

Dica da Matraca: a Linha Turismo passa por aqui, mas deixe para usar seus tíquetes em atrações em que a visita demore menos. Para vir ao museu, prefira o táxi ou o transporte público e dedique uma tarde inteira ao MON.

Posts relacionados

Linha Turismo Curitiba: veja como aproveitar o city tour oficial da cidade

Cinco atrações grátis e estreladas em Curitiba

23 motivos para você conhecer e se apaixonar por Curitiba

Como ir da rodoviária de Curitiba ao centro da cidade

Como ir do aeroporto de Curitiba ao centro da cidade

Leia também

Quintana Restaurante e Café: gastronomia responsável e estrelada que cabe no seu bolso

Guia de Hospedagem em Curitiba: opções para as classes alta, média e muquirana

Hospedagem boa e barata em Curitiba

Bate e volta desde Curitiba

Vila Velha, Paraná: sítio geológico de 300 milhões de anos está a uma hora de Curitiba

Lapa: como organizar um bate e volta perfeito saindo de Curitiba

Colônia Witmarsum: café colonial, história alemã menonita e descanso ao lado de Curitiba

Cidades Históricas, Serra do Mar e Estrada da Graciosa: quando ir?

Estrada da Graciosa

Passeio de trem pela Serra do Mar

Antonina

Morretes

Ilha do Mel

________________

Fotos: Raul Mattar e Sílvia Oliveira | Todos os direitos reservados. ra

Share
quarta-feira, 08 de agosto de 2012

Quintana Restaurante e Café: gastronomia responsável e estrelada que cabe no seu bolso

No coração do Batel – o bairro bacanudo de Curitiba – você encontra um restaurante estrelado, aconchegante, com comida de primeira e que, principalmente, a gente pode pagar sem ter que recorrer ao Fininvenst no final do mês.


Detalhe do delicado jogo americano em cima das mesas.

O Quintana – comandado pela chef e restauratrice Gabriela Carvalho – já ganhou uma estrela no Guia 4 Rodas e é um dos 11 restaurantes de Curitiba que fazem parte do Movimento Gastronomia Responsável. A proposta é oferecer ingredientes de origem orgânica, natural e sem agrotóxico. O atum, espécie ameaçada de extinção, por exemplo, não entra nesse tipo de cozinha.

Uma mesa gastrononômica temática é montada todos os dias. Na segunda-feira (dia em que eu fui) a influência vem dos países do Mediterrâneo. Na terça acontece o “Giro pela Europa” com pratos da Itália, Alemanha, entre outros. Na quarta, rumo aos temperos exóticos da Taliândia, Vietnã, Índia e China. Na sexta é dia de carneiro, que a cada semana ganha um preparo diferente. Nos finais de semana, o Brunch da casa já está famoso.

O nome do lugar é uma homenagem ao poeta gaúcho Mario Quintana e à boa literatura. Poemas e fotos do escritor estão espalhados pelos quatro cantos do restaurante. O local tem uma fofa biblioteca alimentada com títulos e publicações escolhidos a dedo por Rogério Pereira, editor do jornal literário Rascunho. Todos os livros estão disponíveis para empréstimo do cliente – sem custo.

Na Mesa Gastronômica (nome adorável para substituir o famigerado “buffet self-service”) são montados mais de 20 pratos e você pode pagar um valor fixo (R$ 29,00) e comer à vontade ou pagar por peso (R$ 49,00 o quilo). O restaurante também tem serviço a la carte e uma extensa carta de cafés especiais. Eu optei pelo quilo – todo cheio de charme – que em nada lembra esses bandejões executivos.

No meu 1º prato: Carne de panela ao estilo mediterrâneo com tomate, berinjela e pimentões; Arroz cateto com cenoura orgânica ralada; Cubos de batata assada com linhaça, sal grosso e azeite de oliva e Caponata de berinjela com abobrinha orgânica e ervas frescas.

No meu 2º prato: Filé de peixe assado com molho de alcaparras, Linguini salteado com azeite de oliva e cheiro verde; Bolinho cremoso de arroz com ervas acompanhado de molho de pimenta picante (ma-ra-vi-lho-so!), Purê de abóbora cabotiá e uma Salada de grãos.

Pelos dois paguei R$ 22,50. Eu estava sozinha e montei pratos modestos. Uma pessoa morta de fome vai gastar bem mais, obviamente. De todosmodis você deve ter em mente que isso não é um self-ser…, ops, mesa gastronômica, qualquer.


Mousse de Cream Cheese com Calda e Goiaba Orgânicas: tava bom ou não?

Veredito: o peixe estava bem temperado, eu gosto. Mas se você está acostumado a comer com pouco sal talvez sentisse algum descompasso ali. De uma forma geral, tudo impecável. O local é acolhedor e o atendimento, amigo! Minha sobremesa foi uma Mousse de cream cheese com calda e goiabada orgânicas (R$ 6,50). Quase rapei com o dedo!

SERVIÇO

Quintana | Café e Restaurante
Local: Av. Batel, 1440 | Curitiba – PR
Tel.: 41 3078-6044 / 3078-8944 / 99752021
Funcionamento: de segunda a sexta, almoço Mesa Gastronômica das 11h30 às 14h30. Café e a la carte até as 16h. Sábado e Domingo, Brunch Mesa Gastronômica das 11h30 às 15h30. Café e a la carte até as 16h. Feriados, Brunch Mesa Gastronômica das 12h às 15h30. Café e a la carte até as 16h.

Posts relacionados

Restaurante SENAC, em Curitiba: opção chiquetê a preços módicos

Café do Paço: música, arte e aroma

Leia também

Aeroporto de Curitiba ganha a primeira lanchonete popular do Brasil

Curitiba: faça da cidade seu principal destino de inverno

Fotos: Sílvia Oliveira

Share
Páginas:1234Último »
Matraqueando - Blog de viagem | Por Sílvia Oliveira

Todos os direitos reservados. 2006-2016 © VoucherPress | Agência de Notícias.
Está proibida a reprodução, sem limitações, de textos, fotos ou qualquer outro material contido neste site, mesmo que citada a fonte.
Caso queira adquirir nossas reportagens, entre em contato.

Desenvolvido por Dintstudio