-  Atualizado 02/03/2015

Quero viajar com meu bebê, será que devo?

Publicado por: Silvia Oliveira Viagens com bebê

Depende. Se você acha que essa série vai ser um tratado de incentivo aos pais para que saiam pelo mundo a torto e a direito, enganou-se.  A decisão de colocar o bebê na mala deve levar em consideração algumas variáveis: idade da criança, destino, dinheiro e, principalmente – e muito principalmente – disposição.

Alguma coisa já aprendi: quando a Mariana vai junto, meus movimentos (e raciocínio) ficam mais atrapalhados. O excesso de bagagem (aquela malinha de mão em que a gente leva o quarto do neném junto) estorva muito. Já o carrinho – que deveria facilitar as coisas – emperra no primeiro paralelepípedo.

Antes de decidir levar o bacuri para um passeio a mais de 100 quilômetros de casa, pense: porque quer viajar com ele? Carece descansar? Precisa sair da rotina? Necessita dormir? Pergunto: qual a sua real necessidade? Você é viajante compulsivo e agora o bebê deve ser incorporado a sua realidade? Tsc, tsc, tsc.

Lamento informar, mas seja lá qual for sua resposta, entenda de uma vez por todas: você é que terá que se adpatar a realidade dele. Isso é respeito, consideração e responsabilidade. Além do que, não é nada tão cabeludo assim.

Há quem diga que não levaria o filho à praia antes dele completar dois anos – ou mais. Respeito. São os pais – e mais ninguém – que devem tomar a decisão do que acham melhor para o filho. Cada família é única e possue códigos distintos.  São visões diferentes. Ponto de vista é algo a ser acatado.

A Mariana, por exemplo, se abalou com seis meses para Bombinhas e posso garantir: o sol das 10 horas da manhã de lá é mais suave do que o das oito em Maringá, terra natal dos avós paternos. E convenhamos: ninguém ficou lagarteando o dia inteiro na areia.

Todos os horários foram respeitados. Papinha na hora certa. Soninho da tarde garantido. Passeio pela orla depois das 16h. Visitamos as redondezas de carro para variar. Muitas fotos – que ela vai adorar ver e compartilhar – para comprovar como a viagem foi cheia de estímulos, risadas e carinho.

Antes disso, meu bebê – com 50 dias – viajou pela primeira vez de avião. Fomos para Londrina visitar a Vó Iolanda que estava bem doentinha e eu tinha medo de que a Mariana não conhecesse a bisavó. Decisão mais acertada impossível. Uma viagem tranquila, sem sobressaltos.

Quatro meses depois a Vó Iolanda (que ainda viu a Mariana mais uma vez) foi fazer um mochilão pro céu. Se eu tivesse escutado aqueles conselhos suspeitos e incertos de que tudo parecia arriscado, de que não deveria ir… não teria me perdoado nunca! Conhece aquele ditado chinês: o pessimista reclama do vento, o otimista espera que ele mude, o realista ajusta as velas. Capisci?

Entenda como isso é pessoal: o Jorge e a Tati levaram a Clarinha com três meses para a Europa. Móóórri de inveja! Mas não faria o mesmo. Nem de longe me passou pela cabeça que a viagem não seria viável para um bebê. Com organização e inteligência, você pode levar a criança, acredite, até para fazer um safári na África.

O detalhe é que meus euros são caros demais para gastá-los a maior parte do tempo dentro do quarto de um hotel ou com táxi para cima e para baixo. Então prefiro ir quando ela estiver maiorzinha… ou houver mais cascalho! O que não me impediu de acompanhar os relatos fascinantes dos pais da Clara.

Existem viagens que são feitas e pensadas para crianças. Temos a Disney, os Beach Park da vida, os resorts, os hotéis-fazendas e produtos afins. Mas não existem viagens proibidas para crianças. Leve seu bebê para onde quiser e for conveniente ao seu bolso e vocação. Cabe a você proporcionar a estrutura mínima e necessária para não colocar em risco nem causar qualquer sofrimento a ele.

Já o Fernando e a Ana Paula levaram o João – na época com 10 meses – para uma viagem pela América Latina: Argentina, Bolívia, Peru, Equador, Chile – com Deserto do Atacama incluído. Meu sonho de consumo. Seguramente muitos falaram aí, que horror! Deserto? Vulcão? Equador, onde fica? Gente, tá na hora de ler o Estadão. Open mind!

Nossos amigos, Cassiana e Ualid, recentemente fizeram uma viagem também para o Chile e foram de Santiago a San Pedro de Atacama de carro. Com duas crianças, uma de cinco e outra de dois anos. Pena que eles não têm blog, mas os relatos que recebi no e-mail se assemelham aos de qualquer outra viagem (tratando-se de estrutura e conforto), com o diferencial de que eles estavam entre vicunhas, geiseres e paisagens lunares. Ah, e o Gabriel e a Sofia puderem comer empanadas com queijo de cabra num povoadinho, descendo do Altiplano.

Desculpe, mas se você não tem coragem de enfrentar o que parece improvável para um bebê, não critique nem se corroa. Vá para o primeiro hotel-fazenda e seja feliz. Para o bebê o que importa é estar com os pais. O destino passa a ser um detalhe.

Leia também

O que levar na mala do bebê

Documentação necessária para viajar com crianças

Foto: Mariana preparando-se para o inverno: Curitibano, europeu ou santiaguino. (Raul Mattar)


Artigos Relacionados


Newsletter

Digite seu e-mail e receba gratuitamente nossas novidades


17 comentários

  1. Patricia de Camargo
    Comentário do dia 24/4/2009 às 16:54

    Tô contigo e não abro, cada um deve decidir sem stress e sem cobrança o que fazer e quando fazer!
    Turomaquia se retira de sua temporada brasileira, já com muita saudade de encontrar a família Matraqueando!
    Beijos

    (Responder)

  2. Cris Caetano
    Comentário do dia 24/4/2009 às 18:09

    E Mariana é essa boneca de olhos de jabuticaba? Ai, quero uma igual! 🙂

    Bem, não tenho filhos, mas pelos anos de observação das visitas de bebês à minha casa, o fator disposição é essencial. Sempre fiquei cansada só em olhar a quantidade de tralhas que uma mãe sozinha, ou acompanhada é capaz de carregar numa simples visitinha à família por conta do sua/seu pequerucha/o. Minha mãe sempre me conta que nunca lhe faltou disposição, comecei a ir à praia desde muito bebezinha e daí fiquei viciada, culpa dela. 🙂

    Pra mim, o sortudo, nas viagens, será sempre o/a bebê, as mães, Heroínas!

    Beijinhos

    (Responder)

  3. Rê Marques
    Comentário do dia 24/4/2009 às 18:36

    Sílvia, olha eu de volta!

    Pois é… você foi felicíssima ao dizer que quem sabe o que é melhor para os filhos, são os pais. Afinal, são eles que conhecem o ritmo, a rotina e o que deixará sua criança mais feliz.

    Beijos!

    (Responder)

  4. SÍLVIA OLIVEIRA
    Comentário do dia 24/4/2009 às 21:18

    PATRÍÍÍÍCIA: quase chorei quando vi seu e-mail… entrei no Turomaquia e vi no twitter que você já estava em São Paulo. Eu sou muuutio burra, sei lá que dia você falou que ia embora, mas para mim era domingo agora!!!! Putz, até tinha comprado uma lembrança para você (mas que NÃO ia pesar na mala…hahahaha) Te amo, amiga, vai com DEUS, muito sucesso! E nos falamos quando você chegar à Espanha!

    (Responder)

  5. SÍLVIA OLIVEIRA
    Comentário do dia 24/4/2009 às 21:23

    CRIS: a gente fala igual aqui em casa, olhos de jabuticaba,é a nossa Betty Boop! Bjs!

    RÊ: o que não falta é gente dando pitaco na vida dos outros, né! Deixe cada um levar o filho para onde quiser! Bjs!

    (Responder)

  6. Anonymous
    Comentário do dia 26/4/2009 às 15:26

    Issos olhos o vêem todo e observan com atenção as coisas…lindos, lindos!!! Os filhos nós ensinan a ver a vida desde outra perspectiva.
    Um saludo
    Carmen

    (Responder)

  7. fernanda freitas braga
    Comentário do dia 27/4/2009 às 14:11

    Que linda a Mariana, to apaixonada.
    Meus filhos sempre viajaram comigo para todos os lugares. Viraram verdadeiros mochileiros.
    Beijos pros tres.

    (Responder)

  8. SÍLVIA OLIVEIRA
    Comentário do dia 30/4/2009 às 12:03

    Carmen: tudo o que eu pedi a Deus, uma filha "zoiúda", que em espanhol seria mais ou menos com "ojos grandotes". Besos!

    (Responder)

  9. SÍLVIA OLIVEIRA
    Comentário do dia 30/4/2009 às 12:04

    Fernanda: comigo também vai ser assim. Está no sangue! heheheheh!

    (Responder)

  10. Ju
    Comentário do dia 20/5/2009 às 23:59

    Silvinha!!!
    É com muita vergonha admito que fazia muito tempo que não acessava o matrequeando. Mas tudo bem, vou me atualizar nas próximas horas e ver tudo que perdi nesse período de matraqueanda desgarrada.
    Ai… como a Mariana está linda!!!
    beijos pra você

    (Responder)

  11. Hotel Panamby
    Comentário do dia 15/7/2009 às 13:19

    Parabens Sr Silvia …
    Post incrivel , muita informação util …
    Parabens

    Ps* Desculpa tanto tempo sem post aqui , o webmaster do Hotel Panamby anda muito ocupado

    (Responder)

  12. Anonymous
    Comentário do dia 06/11/2009 às 13:17

    Parabéns … você resumiu tudo o que penso em viajar com crianças … Acabo de voltar de Paris com minha filha de 1 ano … foi uma delícia … acordavamos cedo mas só consegiamos sair as 10 e meia (as vezes esperando ela acordar do cochilo matinal) … passávamos o dia na rua e só voltávamos pro hotel as 20h, depois de jantar … Maria Luiza (o nome da minha gatinha)se comportou muito bem … adorou os pombos e o sena (praticamente só usamos o batobus) … com um carrinho de bebe deu pra flanar a vontade … ela tirava seus cochilos e nós curtíamos a cidade, um cafe, um museu … quando acordava, corria atras de mais pombos, comia e olhava pro alto com carinha de boba, talvez admirada com a beleza dos prédios, monumentos, igrejas … respeitando o horário do sono e da comida, tudo vai da certo …. Thiago

    (Responder)

  13. Fran
    Comentário do dia 04/4/2010 às 22:55

    Em 1981 numa Caravan 1979 meus pais nos levaram , eu com 6 e meu irmão com 3, de São Paulo até o Chile. Sem seguro, sem guia, sem cartão de crédito, sem internet. Só um super mapa que havia que parar o carro para abri-lo e uma fita do Chico Buarque que tocou sem parar durante a semana que durou a travessia. Lembro até hoje de alguns flashes da viagem e da trilha sonora.
    Maravilhoso e inesquecível.

    (Responder)

    Resposta de Silvia Oliveira

    Fantástico! Se um dos dois – seu pai ou sua mãe – se candidatassem a presidente, eu votava neles! 😀

    (Responder)

  14. cintia
    Comentário do dia 16/8/2011 às 22:58

    oi gente, adorei o matraqueando
    minha filha natalia ttem 3 meses, e eu estava sofrendo pois meu esposo
    cogitou a ideia de fazermos uma viagem longa no final do ano.
    agora estou bem mais calma kkk
    milhoes de bjos a todos

    (Responder)

  15. Comentário do dia 06/2/2013 às 17:17

    OI Silvia, fiquei louca aí na experiência do Fernando e da Ana Paula. Mas o link pro blgo deles não funfa. Tentei pelo google e nada. Vc teria notícias deles? Queria ler, pois marido e eu somos loucos pra voltar ao peru, bolívia, chile etc com os filhos (que estao por vir) e queira ver como é com crianças.
    bjs,

    (Responder)

    Resposta de Sílvia Oliveira

    Verdade, Jackie! O blog estava hospedado no hub da Revista Crescer (acho) e saiu do ar. Os nomes completos do casal são Ana Paula Paiva e Fernando Martinho, os dois são fotógrafos. Procure-os nas redes sociais! Boa sorte! 😉

    (Responder)

  16. Comentário do dia 06/6/2013 às 01:26

    Excelente texto! Parabéns!!
    Eu amo viajar e levo minha menininha sempre comigo. Voltamos de uma viagem pela França e Itália no mês passado. Deixei vários relatos sobre o preparo que fiz para essa viagem no meu blog: http://filhinhosdamamae.blogspot.com.br/2013/02/programando-viagem-perfeita-com-bebe.html .

    (Responder)

    Resposta de Silvia Oliveira

    Valeu, Carla! 🙂

    (Responder)

  17. Lenina Velloso
    Comentário do dia 05/5/2014 às 00:36

    Sílvia, amei esse post em especial a parte em que vc fala que “meus euros são caros demais”! É isso mesmo! Toda viagem é absolutamente possível mesmo com filhos pequenos, mas… será que vale a pena investir numa viagem com um bebê que definitivamente não se importa em estar aos pés da Torre Eifel ou das pirâmides do Egito? Tirando os euros, tem todo o desgaste da viagem em si ao enfiar o quarto todo na bagagem e praticamente carregar o carrinho de bebê nas costas… concordo que é melhor esperar a criança ficar maiorzinha! O duro vai ser esperar minha Luísa, hoje com quatro meses, crescer um pouquinho!!!! Hahahahahah! Comecei a escrever sobre isso hoje no meu blog, mas desisti na sequência… preguiça da incompreensão que essas coisas relacionadas a filhos SEMPRE causam! Definitivamente as pessoas não sabem respeitar as particularidades de cada um. Ainda bem que vc existe pra dar voz a exatamente aquilo que eu penso! Super beijo!

    (Responder)

    Resposta de Silvia Oliveira

    Lenina! Quando entrei no mundo da maternidade… eu saí correndo logo! Hahaha! Também tenho muito preguiça dessa ladainha das “mãezinhas”. Se você observar eu tenho poucos posts sobre “como viajar com crianças”, embora minha filha viaje muito comigo. Acho que não existe uma receita de bolo para isso, cada um com seu cada um! Bjs! 😉

    (Responder)

Comente você também

Seu e-mail ficará em sigilo. Campos obrigatórios estão marcados com *

Comentários do Facebook

Matraqueando - Blog de viagem | Por Sílvia Oliveira

Todos os direitos reservados. 2006-2017 © VoucherPress | Agência de Notícias.
Está proibida a reprodução, sem limitações, de textos, fotos ou qualquer outro material contido neste site, mesmo que citada a fonte.
Caso queira adquirir nossas reportagens, entre em contato.

Desenvolvido por Dintstudio
×Fechar