-  Atualizado 04/11/2021

Caminho das Camomilas: como percorrer a rota mais aromática do Paraná

Publicado por: Silvia Oliveira Caminho das Camomilas, Mandirituba

Paaaara tudo! Depois de meses sem publicar nada por aqui, eu que não ia voltar com uma diquinha mequetrefe qualquer. Já guarde esse post para consultar depois, porque não há informações detalhadas sobre esse roteiro em nenhum lugar da internet.

Não sei se você sabe, mas o Paraná é considerado o maior produtor nacional de plantas medicinais. Entre as lavouras do estado voltadas para as ervas usadas em medicamentos naturais, o destaque fica por conta da camomila.

No último fim de semana, fizemos nosso primeiro passeio a lazer fora de Curitiba desde que começou a pandemia. E foi do jeitinho que a gente queria: ao ar livre, com zero aglomeração e sem nenhuma alma viva no caminho.

Estrada do Retiro, em Mandirituba

Onde fica o Caminho das Camomilas?

O Caminho das Camomilas do Paraná fica no município de Mandirituba, a 45 km de Curitiba. Os principais campos estão na beira da Estrada do Retiro (Mandirituba) ou no entorno da Colônia Marcelino (já dentro de São José dos Pinhais, outra cidade da região metropolitana e segundo lugar no ranking nacional de produtores de camomila). Mandirituba está em primeiro como a maior produtora da América Latina.

O que é o Caminho das Camomilas?

É um circuito não-turístico para caminhadas e contemplação a menos de uma hora da capital. A região é a maior produtora de camomila da América Latina. Importante destacar que a rota não está muito preparada para receber turistas independentes.

Tanto que muita gente só faz esse passeio com guias especializados da região (eu indico alguns no final deste post). Mas se você tiver carro poderá desbravar o caminho com tranquilidade e sem pressa.

Quando conhecer o Caminho das Camomilas?

O auge da florada acontece entre agosto e setembro. Muitas plantações ficam na beira da estrada e todas são propriedades privadas. Alguns campos estão cercados, outros têm livre acesso. Mas esse “livre” não quer dizer que você pode chegar e fazer uma arruaça na casa dos outros. Atenção! Caso vá entrar em algum, tenha a consciência de circular nos pequenos caminhos abertos na lavoura para não pisotear as flores.

Como chegar ao Caminho das Camomilas?

1. Saindo de Curitiba, coloque no Google Maps Circuito Caminho das Camomilas. Ele leva você a Mandirituba pela BR 116, em direção ao Sul. Tem um pedágio de R$ 6,20 no caminho. Na altura do km 136 vire à esquerda (um dos pontos de referência para entrar é o Posto Taborda, que está à esquerda de quem vem de Curitiba). Em seguida, começa uma estrada de chão batido. Ao entrar na Estrada dos Pereiras (que depois vira Estrada do Retiro) siga por mais 6 km até a Igreja do Retiro.

2. Vindo do Sul (Rio Negro ou São Bento do Sul) você passa a entrada da cidade de Mandirituba e no Km 140 entra à direita no depósito do Ferro Velho BR Peças, na saída 138 (Estrada dos Pereiras) e siga por 4 km até a Igreja do Retiro.

A Igreja do Retiro costuma ser o ponto de partida para quem faz caminhadas e trilhas na região. De costas para a igreja, você sai pela esquerda num roteiro circular. Ou seja, continua em frente pela estrada que chegou.

Como encontrar os campos de camomilas?

Durante o caminho você vai encontrar diversas plantações. Algumas com poucas flores, outras já colhidas e muitas no ápice da florada. Mantenha-se sempre à esquerda, mas não se limite ao caminho principal. Entre nas vicinais e encontrará também alguns campos belíssimos. Ao primeiro sinal de florzinhas que nós avistamos já descemos para bater algumas fotos.

Eu e a Mariana revezando o look! 😀

A foto acima foi feita na nossa primeira parada, o coitado do campo nem flor tinha direito. Mas como não sabíamos o que teríamos pela frente eu já quis garantir a blogueiragy. E como você pode ver, é um cenário tão delicado que, mesmo sem estar forrado, já rende uma boa lembrança.

Reforçando que, saindo da Igreja do Retiro pela esquerda, o roteiro é circular – como no mapa abaixo. Você vai passar por diferentes lavouras, chácaras de morangos, propriedades com lagos, tudo rodeado por imensas araucárias. São aproximadamente 15 quilômetros de percurso, sem sair da estrada principal.

Campos de camomila na beira da estrada

Lembre-se de que o passeio é de contemplação, mas também exploratório. Não adianta ter pressa. O sinal do GPS não funciona na maior parte do caminho. Caso saia da rota principal, não vá muito longe e marque bem as bifurcações que entrar para saber voltar ao roteiro original.

Quando chegamos ao Cemitério Ucraniano (ver mapa), saímos da rota circular e viramos à direita, na Rua Vereador Domingos Benvenutto Moletta. É uma via pavimentada. Andamos pouco mais de um quilômetro e encontramos um dos mais belos campos do roteiro. Veja as fotos do lugar:

Nessa última foto, créditos especialíssimos para a filhota Mariana Matar! <3

De volta ao caminho original você vai passar no único lugar (da rota circular) que encontramos para comer e ir ao banheiro. A lanchonete Horilka Z Pertzen oferece porções, lanches e almoço com risoto, salada e carnes. A casa também é especialista em pierogi, um prato típico polonês. Só abre às sextas, sábados e domingos. Telefones e whats: (41) 99137-3463 e (41) 99179-2592. Veja os horários de funcionamento aqui.

Nós não comemos no lugar, já que havíamos levado o próprio lanche (com sanduíches, frutas e água) por medo de não encontrar nada aberto. Só entrei para saber dos preços, veja a foto do cardápio na imagem acima. O local é pequeno, novo, bem ventilado e com mesinhas do lado de fora.

Logo em frente à lanchonete Horilka Z Pertzen você vai encontrar a placa abaixo, indicando o caminho em direção à Fazenda Rio Grande. Para continuar na rota circular pegue em direção à Fazenda Rio Grande. Por aqui você circula em uma área chamada Colônia Retiro.

A um quilômetro desse ponto você vai encontrar o Delícias da Vane, uma confeitaria artesanal (tem placas indicativas), que faz doces e bolos sob encomendas. A partir de 06 de novembro de 2021, o local inaugura o Delícias da Vane Café.

Trata-se de um delicioso buffet com mais de 30 itens. São diversos bolos, tortas, pudim, mousse, bolachas artesanais, além de salgados diversos. Inclui bebidas como café, café cremoso, chocolate quente, chá, leite e sucos naturais. Veja o cardápio completo aqui.

Custa R$ 39,90 (adulto) ou R$ 19,90 (06 a 12 anos). Menores de 06 anos não pagam. É possível comprar porções individuais, se preferir. Horário de funcionamento: sábado e domingo, 11h às 18h. Reservas antecipadas pelo (41) 99272-4518. O local possui estacionamento próprio, parquinho, amplo espaço com gramado e aceitam pets.

Quando nós fomos, o café ainda não havia sido inaugurado. Entramos para conhecer por curiosidade e ela tinha alguns bolos de pote (R$ 10) a pronta entrega. Levamos dois para casa e nos arrependemos mortalmente de não ter comprado a produção toda. Se você for passear na região não deixe de fazer sua encomenda/reserva no telefone/whats, diretamente com a Vane Lisevski.

A partir daqui você pode completar o roteiro circular voltando à Igreja do Retiro ou já colocar no GPS o caminho de volta para casa. Você não precisa, necessariamente, voltar à Igreja do Retiro. (Perto da lanchonete Horilka a internet funciona um pouco melhor.)

Mas antes de pegar de volta o tradicional Caminho das Camomilas, nós seguimos adiante, pela Rua Vereador Domingos Benvenutto Moletta (a mesma da lanchonete Horilka), agora em direção a São José dos Pinhais. A 500 metros da lanchonete você encontra a imponente Igreja Católica Ucraniana da Santíssima Trindade.

Andamos mais 1,5 km e chegamos a outro campo maravilhoso, nossa última parada. Ou seja, já fora da rota circular e dentro da região chamada Colônia Marcelino, onde garantimos mais fotos da minha camisola vitoriana. Rá! :mrgreen:

Importante: devido à colheita, que acontece diariamente nessa época em diferentes lavouras, pode ser que o campo que eu visitei naquele dia já esteja colhido no próximo fim de semana. Mas, mesmo assim, até o começo de setembro sempre haverá plantações para o seu book instagramável.

DICAS ESSENCIAIS

– Baixe o mapa off-line antes de ir. Não há muito sinal de internet na região. Em alguns poucos lugares aparecia um “H+” no celular. Nossa operadora é a TIM. Durante boa parte do trajeto ficamos completamente desconectados.

– Vá com roupas leves e calçados apropriados para terrenos irregulares.

– Leve protetor solar, repelente e chapéu. Se pegar um dia ensolaradíssimo como nós, lembre-se de que estará sempre em campo aberto com praticamente nada de sombras durante o caminho.

– Leve uma merenda (sanduíche, frutas, castanhas, barra de cereal e muita água.) Para deixar tudo fresquinho, se tiver uma bolsa térmica para manter os beliscos gelados, melhor.

– Sabe aquela máxima “deixe apenas pegadas, leve só as memórias”? Então, nada de sair arrancando e colhendo camomila para levar para casa. As plantações têm donos. Sem contar que você acha camomila in natura para vender em qualquer casa de produtos naturais por um preço muito acessível.

PERGUNTAS FREQUENTES

Quanto tempo leva para percorrer o Caminho das Camomilas?

Nós ficamos na rota em torno de cinco horas, sem contar o deslocamento de ida e volta a Curitiba. Nesse tempo, estão incluídas as muitas paradas para fotos, para comer o nosso lanchinho e para se perder nas vicinais. Ou seja, é passeio para o dia inteiro, sem pressa.

É possível fazer o circuito com transporte público?

Não existe transporte público para este roteiro. O Caminho das Camomilas é uma rota terrestre circular que você pode percorrer caminhando, de bicicleta ou de carro. O trecho tem em torno de 15 km de estrada de chão (ou 13 km para quem faz a pé, já que é possível cortar algumas estradinhas por trilhas.)

Quem leva para fazer o Circuito das Camomilas?

Nós fizemos o caminho por conta. Mas, por se tratar de turismo rural sem muita infraestrutura, muita gente prefere ir com guias especializados. Abaixo, vou indicar algumas agências que me recomendaram:

Eco Trilhas Curitiba |  Agência especializada em ecoturismo, turismo de aventura e turismo rural. Além do Caminho das Camomilas, eles percorrem outras regiões como a rota das Colônias Polonesas, em Campo Magro e Campo Largo, na região metropolitana de Curitiba. Mais informações com a Rosselle pelo whats (41) 99616-9089. (O link leva você ao grupo deles no Facebook.)

Ana Wanke Turismo e Aventura  | Agência de viagem conduzida pela Ana Wanke, uma das pioneiras em levar grupos ao Caminho das Camomilas. A empresa organiza caminhadas, trekking, acampamentos, montanhismo e experiências de lazer na natureza. Além de oferecer diversos passeios na região, há viagens para outros estados e até destinos internacionais como Patagônia Argentina e Caminho de Santiago.

Chris Turismo no Paraná | Agência de viagem e guia turística tradicional em Curitiba. Oferece passeios, excursões e viagens com diversos roteiros na natureza da região metropolitana da capital paranaense. Leva, também, para outras cidades como Antonina, Morretes, Piraquara, Guaraqueçaba, Aparecida, Campos do Jordão, Joinville, entre outras.

CLIQUE E SALVE ESTE POST NO PINTEREST PARA CONSULTAR DEPOIS

Posts relacionados

Colônia Witmarsum | Turismo, café colonial e história alemã menonita

Lapa, Paraná: como organizar um bate e volta perfeito saindo de Curitiba

Parque Histórico de Carambeí: um pedaço da Holanda no Paraná

Ilha do Mel: como chegar, o que fazer e dicas úteis

Linha Turismo Curitiba: como aproveitar o city tour oficial da cidade

Fotos: Raul Mattar, Sílvia Oliveira e Mariana Matar | Todos os direitos reservados.

Política editorial | Pagamos todas as nossas contas de viagem. Não aceitamos convites nem cortesias. Sempre nos hospedamos anonimamente nos hotéis indicados. O Matraqueando não faz post patrocinado. Alguns posts contêm links para programas de afiliados, parceiros comerciais do blog, inseridos espontaneamente pela autora. Por questão de transparência, comunicamos que se você optar por comprar por meio desses links nós recebemos uma pequena comissão. Tudo o que você encontra aqui foi determinado unicamente pelo interesse do leitor, nosso gosto pessoal ou critério particular. Isso é transparência e credibilidade. Pode confiar!