-  Atualizado 16/08/2015

No meio do caminho… uma igrejinha azul

Publicado por: Silvia Oliveira Londrina, Maringá

Há mais de 15 anos faço esse trajeto. Lá pelos idos de 1995 fui parar no SBT de Campo Mourão, noroeste do Paraná. Nas folgas ia para Londrina, onde estava toda minha família. De busão da Expresso Nordeste. Sempre percorrendo este trecho da PR 444… e lá estava ela. Quieta.

Meses depois fui “promovida” para o SBT de Maringá (retransmissora que, aliás, nem existe mais). Comprei um carro e as viagens de fim de semana ficaram mais fáceis e rápidas. Mas o trecho era o mesmo… e lá ela estava. Pequena, mas imponente.

Alguns anos mais tarde voltei para Londrina, atuando na TV gRobo da minha cidade natal. Mas deixei namorado em Maringá, hoje meu marido – que havia conhecido no trabalho. E embora vivendo com a família novamente, o pequeno percurso de pouco mais de 100 quilômetros – distância que separa as duas cidades – não me abandonou. Agora fazia o caminho inverso para visitar o Raul. E ela sempre lá! Simplória e enigmática.

De busão, carro (e até de táxi em uma oportunidade) percorri muitas vezes este trecho da PR 444, no Norte do Paraná. O que faço até hoje, na peregrinação dos feriados: um par de dias na casa dos meus pais, outro par de dias na casa dos meus sogros.

A certa altura da estrada duplicada… e lá está ela. Uma igrejinha de madeira azul, sempre fechada (eu pelo menos nunca tive a sorte de ver o santuário aberto em mais de uma década) e emoldurada por um caminhãozinho GMC enferrujado. É a marca de uma memória. Parte da minha história.

Fotos: Raul Mattar



Newsletter

Digite seu e-mail e receba gratuitamente nossas novidades


11 Comentários

  1. Nair

    Ah!! adorei isso… É curioso, como a gente “pensa” que algumas coisas chamam atenção SÓ da gente. Desde que vivo no PR, e também já está perto de fazer 20 anos, sempre que passo por “aquelas bandas” fico esperando a tal igrejinha azul. Já reparou que ela sempre foi azul? E já parei pra tirar fotos… E já parei pra mostrar pros amigos… Já tentei encontrar alguém por ali e perguntar porque “levantaram” o prédio (fico supondo a beleza da história…rs)… Você definiu bem: parte das nossas histórias! Arrasou Silvinha… saudades!!!

    responder
  2. Fran P.

    Nossa, Silvia, agora você foi fundo na minha memória também, afinal sou nascida no Paraná (região de Cascavel) e essas igrejinhas de madeira coloridas (geralmente azuis e rosas) são muito comuns nessa região.
    Lembro que quando íamos pro sítio eu sabia o nome da localidade pela cor da igrejinha.
    Beijos

    responder
  3. devanir

    Assisti a muitas missas nesta “igrejinha azul” nos anos 1965 a 1973. Quantas boas lembranças estas fotos me trouxeram. A localidade chamava-se KM 12. abraços .

    responder
  4. neusa ramos

    quantas saudades dessa igreginha , onde passei parte da minha mocidade , muintas festas e muintos namorados e muinto bom ver vc igerjinha azul vc faiz parte da minha saudades 197o … neusa…

    responder
    • Silvia Oliveira

      Neusa, eu nem sabia que essa igrejinha já estava aí há decadas! Seguramente, ela faz parte da vida de muita gente! 🙂

      responder
  5. Karine Godoy

    Olá Silvia, sei que está completamente focada na viagem de Buenos Aires, cujos posts estão maravilhosos, como sempre. Mas estou planejando nossas (eu, marido e filho de 2 anos) férias pela região sul e pretendo começar justamente pela sua terra, percorrendo a premiada Rota do Café, mas encontrei pouquíssimas informações, exceto pelo próprio site http://www.rotadocafé.tur.br, que no entanto só recomendas passeios por agências. Você ou algum leitor pode me ajudar com dicas de onde ir, o que fazer, onde ficar ou algum site que me dê estas informações para um passeio independente, ou seja, sem contratação de agência? Obrigada.

    responder
    • Silvia Oliveira

      Karine, percorri parte da Rota do Café no ano passado e ainda não terminei de redatar todas as postagens. O que eu escrevi está aqui: https://www.matraqueando.com.br/category/brasil/parana/rota-do-cafe
      Acho que você deve eleger os atrativos que tem vontade de conhecer, alugar um carro (com GPS) e fazer seu roteiro. Entre em contato antes com os atartivos do seu interesse confirmando horário de visitação. Na semana que vem, devo postar mais alguma coisa da Rota do Café! Abs!

      responder
      • Karine Godoy

        Obrigada Silvia, não tinha encontrado seus posts. A Rota do Café não consta no menu Destinos – Brasil – Paraná em seu site https://www.matraqueando.com.br/destinos/brasil. Vou ler o que me indicou e aguardo as atualizações…sem deixar de acompanhar a viagem de BUE que está muito bacana. Abs!

        responder
        • Silvia Oliveira

          Uia, que furo o meu, Karine! Nem me havia dado conta de que ainda não havia incluído o link lá no “Destinos”. Agora já está lá! Obrigadão pelo alerta! Abs! 🙂

          responder
  6. Olá, Sílvia!

    Eu e minha família fizemos uma incursão aí pelo seu estado natal na semana passada (chegamos ontem da viagem), e me lembrei bastante de você e de suas dicas – inclusive acho até que vi essa igrejinha do post. Só lamento não poder ter conhecido melhor Londrina e Ponta Grossa, duas das cidades por onde passamos. Mas, fica pra uma próxima ocasião…

    Abraço!

    Juliana

    responder
    • Silvia Oliveira

      Opa, que legal! Então, venha com mais tempo da próxima vez! Abraço!

      responder

Deixe seu Comentário






Comentários do Facebook

Matraqueando - Blog de viagem | Por Sílvia Oliveira

Todos os direitos reservados. 2006-2019 © VoucherPress | Agência de Notícias.
Está proibida a reprodução, sem limitações, de textos, fotos ou qualquer outro material contido neste site, mesmo que citada a fonte.
Caso queira adquirir nossas reportagens, entre em contato.

Desenvolvido por Dintstudio
×Fechar