-  Atualizado 16/01/2017

10 coisas que aprendi viajando | #matraqueando10 anos

Publicado por: Silvia Oliveira Crônicas, Matraqueando 10 anos

10-coisas-que-aprendi-viajando

1. Todo mundo pensa que você é rico.
Hellooou! Prioridades, migo. O livre arbítrio existe para que a gente decida o que fazer com o próprio dinheiro. Eu invisto em experiências. Mas não se prenda por mim. Fique à vontade para gastar com roupa, tecnologia ou tratamento de beleza.

2. Não generalize pessoas e lugares .
Não existe maior declaração de amor à humanidade do que fazer turismo sem preconceito. Estereótipos são assim mesmo. Trata-se de uma imagem mental muito simplificada e ignorante que a gente faz sobre um determinado grupo de pessoas. É a maneira fácil que encontramos para rotular os outros baseados numa visão etnocêntrica e individualista.

3. Não existe uma viagem certa.
Não há uma viagem certa para um determinado perfil de viajante. O que existem são pessoas mais – ou menos – adequadas para determinadas viagens. Quem faz o passeio é o turista. Viagens são seres incompletos que só se satisfazem quando você efetivamente faz parte dela! E isso acontece independentemente se ela está certa ou errada.

4. Viajantes e turistas são a mesma pessoa.
O viajante mais chato é aquele que não se acha turista. Este tipo de cidadão quase sempre se julga superior na ordem celestial dos mochileiros. Não existe up grade. Quem tira férias em Santa Catarina ou viaja para desbravar o Irã em período de conflito está na mesma categoria. São turistas com representações e expectativas diferentes. Entenda, não há nada de errado em ser turista. Feio é não ter educação.

5. Não existe lugar na sua casa para o berimbau comprado na Bahia.
Nem para a máscara de Veneza, nem para o Galinho de Barcelos de Lisboa. Muitas vezes, nem as estatuetinhas que imitam os monumentos escapam do lixo.

6. Viajar leve faz muita diferença.
Mala é um ser vivo mimado com genoma muito próprio. É um desafeto autoritário e dominador que, invariavelmente, causa sofrimento. Imponha respeito. Sua mala não pode ser mais empoderada do que você. Pessoas que desbravam o mundo com malinha de mão não são mais aventureiras, empreendedoras ou ousadas. Elas apenas querem tomar conta da viagem. E não o contrário.

7. Foto jacu é essencial.
Sabe aquele retrato jaguara que você faz durante a viagem achando que está arrasando na avenida? Vai desde aquela pose ao lado dos Gladiadores no Coliseu até aquele momento em cima do jegue no Ceará. A foto jacu faz parte do sistema operacional interno do turista. O que seriam das lembranças de viagem sem essas peças histriônicas no nosso scrapbook? São elas que contam um pouco sobre o quanto fomos felizes e desprendidos naquele dia e naquele lugar.

8. O título de viajado é melhor do que o de doutor.
Ser viajada nos inclui naquele seleto grupo de pessoas que todo mundo acha que pode opinar sobre história, política, religião, museus, astronomia, moda, horóscopo e até antropologia!

9. Viajar 100% mão de vaca muquirana é deprimente.
Gastar menos não significa ter que expiar todos os pecados durantes as férias. É bem provável que você não escape da classe-chicoteia do avião. Mas defina um momento de extravagância que pode ser desde um jantar estrelado, um sobrevoo de helicóptero ou até passar uma noite da sua viagem em um hotel de sonho. Mais do que isso, o que vai definir o valor da sua extravagância é a experiência que você leva dela!

10. Nada melhor do que voltar para casa.
Partir é bom porque tenho sempre para onde voltar.

Post relacionado

10 coisas que você não sabia sobre a Matraca | #matraqueando10anos

banner-post-matraqueando-10-anos

FACEBOOK | INSTAGRAM | TWITTER | LOJA MATRAQUEANDO



Newsletter

Digite seu e-mail e receba gratuitamente nossas novidades


18 comentários

  1. Comentário do dia 06/1/2017 às 00:48

    oi, Silvia!
    Adoro seus posts e concordo com quase todos os itens listados menos com o número 5. Na minha casa há um lugar de honra para todas as minhas lembrancinhas de viagem, incluindo miniaturas de monumentos e, especialmente, máscaras de Veneza (tenho duas na parede!) , mas concordo que se trouxermos todas as bugigangas que vemos pela frente ( e achamos indispensáveis! ) não haverá lugar possível, por isso sou criteriosa e faço dos meus souvenirs uma parte da decoração da casa.
    ADOREI o número 6 e vc tem toda razão: viajar leve faz TODA a diferença!!!
    Obrigada por todas as dicas do seu blog que fizeram minhas viagens mais bacanas e um feliz 2017!
    beijos

    (Responder)

    Resposta de Silvia Oliveira

    Feliz 2017, Karla! Que sejamos felizes com todas as nossas bugigangas! =D

    (Responder)

  2. Erica
    Comentário do dia 06/1/2017 às 10:53

    Parabéns pelo post! Achei sensacional colocar turista e viajante no mesmo saco hehehehe
    E o pior é que às vezes, a gente se pega fazendo essas besteiras, né? Dizendo que não quer ser turista e bla bla bla
    Outro post que achei genial foi o “10 coisas que você não sabia sobre a matraca”. Gostei muito desses dois posts! Parabéns.

    (Responder)

    Resposta de Silvia Oliveira

    Valeu, Erica! Obrigada! 😉

    (Responder)

  3. Comentário do dia 06/1/2017 às 11:21

    ADOREI! Peço desculpa pelo uso de maísculas mas é mesmo para chamar a atenção! Seu post está fantástico, parabéns.

    (Responder)

    Resposta de Silvia Oliveira

    Obrigada! 😉

    (Responder)

  4. Comentário do dia 06/1/2017 às 12:57

    Boa tarde, Sílvia!
    Não foi à toa que seu blog já foi considerado o melhor.
    A maneira abrangente e descomplicada com que define as situações de viagens, não é característica de todos os jornalistas e você tem esse dom especial.
    Quando mostro o tamanho de minha mala para os amigos, a pergunta é inevitável: – Só issooo???
    Já viajei para San Andrés com aquela bolsinha que a agência de viagens me ofereceu como “brinde” e ainda trouxe uma baita concha cor de rosa como “lembrancinha”.
    Espaço em mala é igual a um antigo comercial que dizia “Sabendo usar, não vai faltar”.
    De todos os itens só não me encaixei completamente em um deles: no 5. Sempre me pergunto na hora de comprar alguma coisa: – Você vai precisar disso? Daí…, se a resposta for sim depois de me perguntar algumas vezes e pensar bastante…
    Parabéns pela matéria e votos de muito mais sucesso.
    Abraços da…
    Marilia

    (Responder)

    Resposta de Silvia Oliveira

    Oi, Marilia! Eu estou optando comprar comida… tipo azeite, enlatados, biscoitos, chocolates. Assim, não acumulo e ainda consigo desfrutar da viagem por mais alguns dias estando em casa mesmo! 🙂

    (Responder)

  5. Cynthia Noronha
    Comentário do dia 06/1/2017 às 14:05

    Amei ! Certamente você tem experiências suficientes para escrever uma lista com 1000 coisas que você aprendeu viajando. Parabéns!!! Tenha um excelente 2017, com muitas viagens interessantes para compartilhar os seguidores do seu blog.
    🙂
    Cynthia.

    (Responder)

    Resposta de Silvia Oliveira

    Cynthia, quanto mais eu viajo menos eu sei das coisas. Casa pessoa, um destino; cada viajante, uma história! O importante é respeitar a história, expectativa e desejo de cada um, sempre! Bjs!

    (Responder)

  6. Comentário do dia 06/1/2017 às 14:27

    Concordo com todos. Eu acrescentaria, um 11º, apesar do número ficar meio feinho… rs. Ser leve, tolerante, curioso e corajoso no dia-a-dia do jeito que a gente aprende a ser nas viagens. Adorei. Beijo!

    (Responder)

    Resposta de Silvia Oliveira

    Verdade, Cassiana! Corajoso principalmente. 😉

    (Responder)

  7. Sonia Pompermaier
    Comentário do dia 06/1/2017 às 14:50

    Prioridades é realmente o X da questão. Morei fora entao tive tempo para juntar muita tranqueira…hoje um prazer imenso: pano de prato do limoncello e de muitas guloseimas da Italia, porta azeitonas de Segovia, abridor de lata de Viena, imas de tudo que é canto, pratinhos de muitas cidades (40), tampa de vinho e suporte de bolsa de Veneza, terrine de baeckeoffe de Soufflenheim, pinturas de Paris, jogo americano de Cinq Terres, pratos de faience do Algarve, marcador de copos de vários paises, enfeites de Natal de outros tantos, chaveiros a perder a conta (vou trocando), copos de chopp de Munique, enfeites e vasos de cristal de Praga e por ai afora. Mas nao trouxe nenhuma Le Creuset…Escolhas!! E como tem gente chata que acha que as suas escolhas é que é correta…

    (Responder)

    Resposta de Silvia Oliveira

    Oi, Sonia! Veja que suas “tranqueiras” são muito úteis e de grande memória afetiva. Eu também, eventualmente, trago algo além do imã de geladeira. Tenho jogo americano de palha de buriti dos Maranhão, cerâmica marajoara (petisqueiras) da Ilha de Marajó, abridor de lata da Espanha… enfim são coisas que uso no meu dia a dia e amo muito! Mas o berimbau foi pro lixo mesmo! Hahaha!

    (Responder)

  8. Joyce
    Comentário do dia 06/1/2017 às 17:06

    Silvia você é sensacional. Eu morri de rir aqui com a 5. Trouxe vários berimbaus da Bahia e realmente nunca usei nenhum, nem para enfeite. 😀 Na foto do artigo vi que você aparece em “Capharnaum”. Você já esteve em Israel? Tem post aqui no blog? Beijos e FELIZ ANO NOVO para você e familia!!!

    (Responder)

    Resposta de Silvia Oliveira

    Oi, Joyce já estive em Israel/Palestina há mais de 15 anos, numa viagem de 30 dias que ainda incluía Egito e Turquia. Foi na era pré-blog e não tenho quase nada aqui, só um ou outro texto bem antigo.

    Egito: http://www.matraqueando.com.br/destinos/africa
    Terra Santa e Turquia: http://www.matraqueando.com.br/destinos/asia

    Bjs!

    (Responder)

  9. Paulo
    Comentário do dia 06/1/2017 às 20:48

    Espetacular as dicas Sylvinha! (As usual ?)!

    (Responder)

    Resposta de Silvia Oliveira

    Thanks, Paulo! 😉

    (Responder)

  10. Hildejardes
    Comentário do dia 07/1/2017 às 08:07

    Gostei de todas.
    A oitava complementa a primeira, mesmo porque em antropologia o conhecimento de mundo reverbera. O que seria o mundo sem o ser humano que o ocupa neste momento universal?
    Considere-se rico exatamente pelas epistemes discriminadas na oitava. Rico pelo que é, não pelo que possa possuir materialmente para satisfaçao de recursos do corpo que o espirito habita no momento.

    (Responder)

    Resposta de Silvia Oliveira

    Que bonito, Hildejardes! 😉

    (Responder)

  11. Cristina
    Comentário do dia 13/1/2017 às 00:50

    Olá Silvia,
    Amo seu blog e agora estou me tornando mais fã…tipo de carteirinha!
    Partilhar sua filosofia e estilo de vida me fez te admirar ainda mais.
    Sonho em viajar mais, mas não sei como me organizar, conseguir juntar recursos e realizar sonhos. Já passei dos 5.0 e ainda não conheci quase nada deste mundão lindo e diversificado.
    Como sugestão, que tal mais dicas sobre como mudar o estilo de vida e…viver de verdade: viajando e conhecendo melhor o mundo e a humanidade.
    Super obrigada pelo blog! Um ano muito abençoado pra você!

    (Responder)

    Resposta de Silvia Oliveira

    Oi, Cristina! Sabe que eu não tenho nenhuma autoridade para escrever sobre mudanças no estilo de vida. Eu fui aprendendo a duras penas. Uma coisa é certa, nós que temos renda média (e não somos ricos de ter dinheiro a rodo) temos que abrir mão de muita coisa (roupas, cosméticos, tratamentos estéticos, celulares sosfisticados, etc…) para poder viajar sempre. Mas sobre juntar recursos tem uma poupancinha fácil de fazer. Você conhece o Desafio das 52 Semanas? Veja aqui: http://gshow.globo.com/programas/mais-voce/O-programa/noticia/2014/02/desafio-das-52-semanas-chegue-ao-fim-do-ano-com-uma-boa-poupanca.html
    Boa sorte!!!

    (Responder)

  12. Comentário do dia 15/1/2017 às 21:27

    Parabéns pelos 10 anos Silvia, 10 anos auxiliando e inspirando muitos amantes de viagem com seus posts! 10 anos escrevendo com amor, sinceridade e muito respeito ao leitor! 10 anos servindo de exemplo para aspirantes a blogueiras como eu e tantos outros! Adorei tudo que aprendeu, e sigo aprendendo muito com você! Que venham mais 10 anos! Obrigada! Parabéns!

    (Responder)

    Resposta de Silvia Oliveira

    Obrigada, Kellen! Desejo o mesmo para você e seu delicado blog… muitos anos pela frente nos inspirando! Bjs!

    (Responder)

  13. Tati
    Comentário do dia 27/1/2017 às 10:18

    Adorei! Também acho tão chata essa história de “sou viajante, não turista”. A gente é turista até na vida, não vai ser numa outra cidade, país? Eu sou da opinião de quem sai de casa só pra ficar em hotel de luxo e andar de táxi, sinceramente, não viajou. O legal é viver no lugar, mesmo que seja por uns diazinhos, essa é graça da viagem. E realmente, nada como voltar pra casa! – já pensando na próxima, claro…

    (Responder)

    Resposta de Silvia Oliveira

    Oi, Tati! Até viajar só para ficar em hotel de luxo e andar de táxi é um estilo, cada um tem o seu. Quem me dera enfrentar uns hoteizinhos de luxo de vez em quando. Hahahaha! Bjs!

    (Responder)

  14. Comentário do dia 21/2/2017 às 17:10

    Parabéns!! Seus textos sempre deliciosos de ler. Acho que esta frase resume tudo para nossas escolhas de vida, nós, que somos viajantes e turistas ao mesmo tempo! “O que vai definir o valor da sua extravagância é a experiência que você leva dela”. Amei, lema de vida, abraços e tudo de bom.

    (Responder)

    Resposta de Silvia Oliveira

    Carlos, definitivamente não é o valor monetário que define o sucesso da experiência. 🙂

    (Responder)

  15. Layla
    Comentário do dia 14/3/2017 às 10:43

    Melhor tópico: “4. Viajantes e turistas são a mesma pessoa.”
    Tem gente que se acha O diferentão pq não quer fazer “passeios de turista” quando está TURISTANDO! hahaha

    (Responder)

  16. Stella Massonetto
    Comentário do dia 07/4/2017 às 15:03

    Silvia,

    Em junho farei minha primeira viagem internacional (Itália e Portugal) e que maravilha deparar-me com o seu blog!
    Suas dicas são incríveis!
    Obrigada por nos proporcionar algo tão legal.
    Beijo.

    (Responder)

  17. Comentário do dia 10/4/2017 às 15:38

    Excelente dicas. Parabéns novamente. Beijinhos

    (Responder)

    Resposta de Silvia Oliveira

    Valeu, querida! 😉

    (Responder)

  18. Comentário do dia 07/5/2017 às 20:55

    Silvia são incríveis seus posts, eu simplesmente amo viajar, gostei da forma com que fala sobre cada cidade, experiências que pode transmitir muito bem!

    Eu fui para Alemanha e gostei demais, Berlim me encantou, se puder dá uma olhada no post que fiz sobre a cidade.
    Regrads.

    http://www.mundodynamico.com

    (Responder)

3 Trackbacks

  1. […] 10 coisas que aprendi viajando […]

  2. […] 10 coisas que aprendi viajando […]

  3. […] 10 coisas que aprendi viajando […]

Comente você também

Seu e-mail ficará em sigilo. Campos obrigatórios estão marcados com *

Comentários do Facebook

Matraqueando - Blog de viagem | Por Sílvia Oliveira

Todos os direitos reservados. 2006-2017 © VoucherPress | Agência de Notícias.
Está proibida a reprodução, sem limitações, de textos, fotos ou qualquer outro material contido neste site, mesmo que citada a fonte.
Caso queira adquirir nossas reportagens, entre em contato.

Desenvolvido por Dintstudio
×Fechar