-  Atualizado 01/08/2016

Por favor, deixem o turista em paz!

Publicado por: Silvia Oliveira Crônicas

 

Silvia Museu de Cera 3

Conversando com o Woody Allen no Museu de Cera de NY. #medeixa

O viajante mais chato é aquele que não se acha turista. Este tipo de cidadão quase sempre se julga superior na ordem celestial dos mochileiros, mesmo tendo todos os tiques de qualquer mortal que põe uma mala nas costas e pega a estrada. Seja lá onde o caminho vai dar!

Meu filho, é assim, se você comprou passagem, reservou hotel e pesquisou o que visitar (ou não)… você é turista na mais ampla definição da palavra. Agora, se você gosta mais de museu do que eu ou se você curte desbravar o interior da França enquanto eu prefiro subir na Torre Eiffel todas as vezes que vou a Paris isso só revela que temos perfis — ou gostos — diferentes  diante das mesmas possibilidades.

Se eu visito, sei lá, só os pontos turísticos óbvios de uma cidade e você opta por vivenciar a cultura e a gastronomia deste mesmo lugar, pode até me chamar de burra, mas não de turista — só por causa disso (e pejorativamente falando). Eu viajo como você: para sorrir.

Não existe up grade. Quem tira férias em Santa Catarina ou viaja para desbravar o Irã em período de conflito está na mesma categoria. São turistas com representações e expectativas diferentes.

Se antes você fazia uma maratona por dia e agora escolhe um ou dois lugares para conhecer na semana não significa que você passou de turista-bocó a viajante-bacana. Você optou por aquilo que, agora, mais lhe convém.

Veja se não é quase sempre assim, você e eu: viajamos para acordar cedíssimo e andar de metrô, ou a pé, para cima e para baixo. Durante 14 horas seguidas. Viajamos para fazer piquenique do outro lado do mundo.

para conhecer arte e cultura quando nunca visitamos o principal museu da nossa cidade. Viajamos para desopilar o fígado e, mesmo assim, a cachaça corre solta.

Entenda, não há nada de errado em ser turista. Feio é não ter educação.

Leia também

O mundo acabando e você aí, falando de viagens?

Farofeiros de raiz, uni-vos!

Ofício de blogueira versus espírito de viajante: como manter um sem acabar com o outro

Sílvia Oliveira, a moça do tempo

Pela atenção, muito obrigado!

Generalizar é pecado

Etiqueta para quem viaja a companhado

Qual é a viagem certa para você?

Como diferenciar uma hospedagem simples da pobre de espírito



Newsletter

Digite seu e-mail e receba gratuitamente nossas novidades


60 Comentários

  1. Eu tenho tanta preguiça dessa história de turista x viajante e de criarem rótulos para diferenciar quem viaja “melhor”. De repente, turista virou um termo pejorativo! Concordo com você, Silvia! Somos todos turistas, cada um com seu estilo.

    responder
  2. Viajante é o termo mais amplo de todos, pois se refere a qualquer um que se desloca por longas distâncias. Turista, portanto, não é um ser à parte, mas está contido no grupo viajante. Turista é a parcela do viajante que viaja por lazer e não à trabalho. O termo turista foi assumindo um certo ar pejorativo por culpa daqueles estereótipos caricatas, do visitante totalmente alienado que chega fazendo barulho ou menospresa tudo aquilo que difere do seu mundinho. Portanto, não quer dizer que alguém que escolha ficar uma semana relaxando na praia vá ter essa mentalidade. Concordo contigo Silvia, o importante é viajar para ser feliz.

    responder
  3. Claudia Portes

    Sou o tipo de turista que vai sim , em todos os pontos turisticos da cidade , mesmo que a visite varias vezes ..Cada visita é diferente , pois acredito que em cada viagem temos um olhar diferente..muda a companhia , muda o clima , muda nosso estado de espirito! Ja retornei a lugares que detestei so pra ter certeza , e adivinhe ! Amei ! e Vice versa ..

    responder
  4. Muito bom!!!

    responder
  5. Tem aquele pessoal também que “morou” 3 semanas no lugar X durante as férias e, então, não é turista. É praticamente de casa, pois levou uma vida IGUAL à dos locais. Encontrando um desses, não questione, apenas concorde pacientemente. Descobri ser a maneira mais efetiva de neutrlalização com educação.

    responder
  6. Amei Silvia, tenho um cunhado que viaja o mundo sem ir nos principais pontos turísticos só p não ser igual a todo turista, fico indignada com isso, mas já desisti! Adorei seu ponto de vista, cada viajante é o turista que desejar mas não deixa de ser turista! Abraçoss

    responder
  7. Perfeito, perfeito, perfeito! Onde eu assino?
    Sempre repito que acho uma besteira enorme tentar diferenciar “turista” de “viajante”. O mesmo vale para quem acha que pessoas que viajam com malas são menos aventureiras que as pessoas que viajam com mochilas. É tudo uma questão de preferência, capacidade física e adequação ao destino. O resto é preconceito trouxa.

    responder
    • Pois é. Assim como não existe jeito “certo” e jeito “errado” de viajar: existe o meu jeito, o seu jeito, o jeito do fulano, do ciclano etc. E, como disse o Gabe, não existe relação de hierarquia ou superioridade nenhuma entre quem viaja de mochila ou com mala de rodinhas – somos todos turistas do mesmo jeito. Ou viajantes, se vc preferir 😉

      responder
      • Excelente texto Silvia!
        De novo, acho que tem gente que acaba criando problema onde não existe nenhum. Se eu quero fazer uma excursão com mil pessoas de ônibus pela Europa, problema meu. Tem gente que gosta de “ticar” as capitais européias e fica feliz da vida com isso. Quem sou eu para dizer que fulano tá errado em viajar assim? Não é o MEU jeito de viajar, só isso.
        Acho bobagem tentar usarem o termo “viajante” como um upgrade de “turista”. Me conta, isto me serve pra que mesmo? Quem ganha dinheiro com esta suposta diferença (eu não ganho)?
        Enfim, pode me chamar de turista que eu fico feliz. O que me interessa é continuar viajando, se possível cada vez mais e melhor.
        Bjs

        responder
  8. E outra: pontos turísticos famosos e badalados são famosos e badalados por algum motivo. Então ir até um país e não conhecer esses lugares é uma tremenda de uma burrice. A não ser, claro, que você, digamos, “produza dinheiro no intestino” e possa voltar lá a qualquer momento.

    responder
  9. adorei, e vou tomar a liberdade de incluir o pessoal que fica em hostel e se acha mais “experiente” do que quem curte ficar em hotel e pagar mais por isso. quase sempre sou “condenada” quando digo q gosto sim de uma mordomia. Já ouvi coisas do tipo “mas pra que ficar sem fazer nada na piscina?” Ué, a viagem é minha!!

    responder
  10. Rosana Polina

    Perfeito! O importante é termos educação e respeito com as pessoas, os costumes e a cultura do povo e do lugar, independentemente se a viagem é a trabalho ou a lazer!

    responder
  11. yara xavier

    Eu adoro ser turista. Afinal, em qual outra condição eu poderia usar o mesmo jeans por dias e dias e ninguém reparar?

    responder
    • Mariana

      Huahauahuahauauha, faaato!

      responder
  12. Talvez a palavra “incrível” ainda não definisse o texto. Curti demais.

    responder
  13. Nildo

    Eu tenho a seguinte opinião: Realmente tem tipos de pessoas que são exagerados, mas o que eu tenho a ver com isso? Eu vou para fazer a minha viagem, não a da outra pessoa. Acho que as pessoas saindo com isso em mente conseguem deixar o outro curtir a viagem deles em paz e até aproveitam mais a propria viagem

    responder
  14. Concordamos. Somos um casal com 38 anos vivenciando essas coisas de viajar e de viajantes. Já encontramos e presenciamos de quase tudo um pouco e todo dia, em toda as idas e vindas que fazemos, sempre estamos aprendendo mais e mais. Todo dia a gente aprende uma coisa nova. Atualmente, diante da nossa idade (+60) temos algumas limitações em visitar isso ou aquilo, tipo andar em montanhas russas, subir as escadarias da penha, etc, mas, respeitar e gostar de todos os modelos de turistas e turismo, está em nossos corações. Parabéns Silvia pelo postagem!
    Walter e Lucineide

    responder
  15. Eu Silvia,
    É isso aí… somos todos turistas messssmo! Mas acredito que existam alguns truques para se viajar melhor e curtir mais a viagem, isso tem, né? Entendo a necessidade de aproveitar talvez a única viagem para a Europa da vida e querer fazer 20 países em 30 dias, mas eu lembro que minha vó quando voltou, nem lembrava mais qual castelo pertencia a qual país (risos), ela só lembrava das coisas de Viena, que foi o lugar que mais gostou… deveria ter ficado 3 dias ao invés de 1!.
    Não há lugares certos que agradarão a todos, pois as pessoas gostam de coisas diferentes e ritmos diferentes, mas com certeza, tem sempre as diquinhas para se viajar melhor seja do outro lado do mundo ou ali na esquina, né?
    E sim… ser EDUCADO é essencial, em especial quando viajamos e turistamos em grupo (risos).
    Adorei o texto.

    responder
  16. CarlaZ

    Muito bom! Cada um viaja do seu jeito, e acho uma besteira tentar não ser turista.

    responder
  17. Themis

    Arrasou Silvia! Somos todos turistas meeeeesmo. Todo mundo sai de casa p ver o q lhe interessa e convém e isso n torna alguém menor.
    Amei seu texto!

    responder
  18. simoni

    Que texto bom, Silvia! Concordo totalmente. Não tem nada mais ridículo do que um turista fingindo não ser turista. Porque é impossível esconder essa condição. Se você não mora no lugar e esta lá a passeio, você é turista. Mesmo que seja pela vigésima vez.

    responder
  19. vera queiroz

    Ehehehhe… achei ótimas suas observações, acho que rola mesmo uma certa frescura e um ar blasé em alguns que querem se diferenciar da”‘manada” – vocês os pôs (tem acento? acho que não, enfim) no seu assento de modo divertidíssimo – ‘Meu nêgo, é assim…’ é bom demais! Eu sou uma turista sempre, quero ser isso mesmo, só que sou preguiçosa, viajo pra não ter compromisso algum, nenhumzinho mesmo, e amo quarto de hotel, e hotel tout court. beijos,

    responder
  20. é isso mesmo, não adianta, por mais que você conheça uma cidade, ainda somos turistas. e não tem nada de pejorativo nisso. ótimo texto!

    responder
  21. Magaly

    Concordo plenamente. Excelente o texto e eu já passei por essas experiências inúmeras vezes, quando comento das minhas viagens e escuto: “ah isso é coisa de turista” ou “é arapuca para turista”. Se sou eu a viajar, então sou eu a decidir o que quero ou não fazer, até mesmo tirar aquelas fotos bestinhas que só e que me enchem de alegria quando olho um tempão depois. Não tenho vergonha de ser turista de jeito nenhum, pelo contrário, tô no mundo!!!

    responder
  22. Além do ótimo texto, ótimos comentários!
    Engrosso o coro: uma besteira sem propósito tentar diferenciar “turista” de “viajante”. Afinal, quem gosta mesmo de viajar não se preocupa com rótulos.

    responder
  23. Georgia

    Concordo!!! Onde é que eu assino????
    Acho uma chatice isso … vai dizer que não é bom chegar pra visitar um lugar e encontrar uma infra de transporte ou seja lá o que pra facilitar a vida do visitante?
    Excelente!

    responder
  24. Melhor é impossível!

    responder
  25. João Branco

    Adoro ser turista! Adorei o texto. Compartilhei no meu face!!

    responder
  26. Hahaha, Que desabafo. Mas é isto mesmo, tudo muito que viaja a passeio é turista, e vamos lá, ser turista é bom demais… Mas em muitos sites e blogs falam de alguns lugares apreciados por turista com desdém, como é o caso do Mercado Público de Santiago do Chile, pois fui lá e adoreeeeeeeeeeeeei.

    responder
    • Luciana

      Adelaide estou indo pra lá em abril….minha 1ª viagem internacional com meu marido, imagine minha ansiedade, se puder compartilhe suas experiencias comigo…Já li tudo o que a Silvia escreveu sobre Santiago, ficarei num”departamento amoblado” pertinho do Mercado de Santiago…eu acredito que a melhor forma de começar a conhecer um povo é pelo que eles comem….tem lugar melhor pra começar do que um mercadão????…Dúvido!!

      responder
  27. Já favoritei esse post! Me orgulho tanto de ser turista, que faço questão de sê-lo na minha própria cidade.

    responder
  28. Silvia, já disse que adoro teus textos? Pois é. Amo!
    Sensibilidade com muito bom humor!
    Eu, como o Tiago, turisto até na minha cidade!
    Confesso que dependendo do lugar, sou avessa a pontos turísticos muito badalados sim, mas é muito mais por não curtir muita aglomeração (tenho asma e sofro de véspera), e prefiro viajar em baixa temporada sempre, pelo mesmo motivo.
    Uma coisa que curto são excursões de terceira idade… a gente sempre descobre tanta coisa legal nas experiências desse pessoal, além de serem super companhias, sempre de alto astral!
    E viva nós, turistas!!!

    responder
  29. Leonardo

    A última frase do posto resume tudo: o importante é ter educação.

    Confesso que quando vejo brasileiros fazendo arruaça no exterior, evito falar português para não ser reconhecido.

    responder
  30. Nossa! Adorei o post! É isso, aí!

    Viajamos para sorrir! Para fazer piquenique do outro lado do mundo ou no alto de um cânion (como eu já fiz, haha). 😀

    Nós simplesmente e humildemente, viajamos, para conhecer, descobrir, se aventurar, curtir… tanto faz a classificação, se somos viajantes ou turistas, porque, acima de tudo somos amantes da vida!

    responder
  31. Rafa

    Concordo que o importante é educação.

    Creio que todos são turistas, uns curtem de um jeito e outros de outros. O que não concordo é a obrigação quase cega de fazer os pontos turísticos normais e achar que isso é o bastante e fim.

    Eu sou do tipo que tenho que ir nos pontos principais sim, e tem hora que é até chato isso, como se arrepender às vezes (-ah, é isso? tão pequeno! -ah, horas de fila para tomar esse café comum?!); mas acho que isso é uma parte da trip.

    A outra parte refere-se a SUA viagem dentro da viagem. Se é do tipo que gosta de artes, gaste mais tempo em museus, feiras, galerias. Esportes? vá a um jogo do campeonato local; se forem radicais, com certeza haverá um morro com trilhas e malucos saltando de parapente. Se é um casal que curte um belo jantar não dá para não dispensar um bom restaurante típico e se forem uma garotada pilhada a noite deve ser uma criança sim.

    É viver aquilo que SUA vida pede com o cenário que a cidade oferece. Essa sim, é a melhor parte da viagem.

    responder
  32. Concordo demais contigo. Ser turista é bom demais, mesmo quando vc mora na cidade. Moro aqui há quase 3 anos e ainda assim pego minha máquina e subo a Torre ou vou naqueles restaurantes que o povo chama de caça-turista e torce o nariz, aqueles que só falta o garçom te laçar e botar pra dentro. Pois entro e ainda como muito bem!!!!! Ser turista é um jeito de ter sempre a cabeça e o coração abertos para aquilo ou quem encontrar. Adorei!

    responder
  33. Leandro Silva

    Concordo plenamente com o artigo… Estou numa faixa de idade (27) em que a moda é mochilar. Porém, sou casado, e eu e minha mulher gostamos de ficar mais tempos nos lugares para aproveitar melhor e com mais calma, nada de correria, opção nossa… Há colegas que simplesmente não concordam nem entendem…são os que passam 2, 3 dias por cidade e dizem que já conhecem tudo (tipo, conhecer é ficar 30 segundos no local só para tirar foto)… não tenho nada contra, mas gosto é gosto… irei passar 10 dias agora em Santiago e arredores e quase fui apedrejado “…é muito tempo… vai ficar sem o que fazer lá etc”… viva a democracia nas viagens!!!

    responder
  34. Augusto

    Desculpe, mas vc disse, falou, enrrolou e no final não houve conclusão alguma.
    Bem…essa é minha opinião.

    responder
  35. Claudio

    O único jeito é errado é o geito.

    responder
  36. Perfeito ! Acho que nunca li uma definição tão perfeita do que é ser turista! Amei, amei, amei! E sou turista com orgulho!
    Sem mais para comentar depois desse post!
    beijos!!!!

    responder
  37. Ari

    A palavra turista pegou uma cara feinha por causa das viagens massificadas e tem passado a representar todo o conjunto de mal comportamentos de quem viaja…seja porque é um grupão barulhento, ou gente que só quer tirar a foto pelo status e não se importa em conhecer e desfrutar de verdade as coisas, não respeita o pessoal local, não se comporta de acordo no avião, não está educado para o turismo mesmo…e de alguma forma, quem tem mais consciência do viajar, quer se diferenciar das pessoas mal-educadas, mas se equivocaram no uso do termo. Normal, em qualquer situação ninguém quer ser confundido com quem é mal-educado.

    responder
  38. Pat Alves

    Eu penso como você: o importante é ter educação.

    O tempo passa e o ser-humano continua com a (péssima) mania de querer se rotular ou o que é pior: rotular os outros. Sempre tem gente que cai no “eu-sou-muito-melhor-que-você” e quer vender essa ideia!

    Até mesmo no Fórum dos Mochileiros, tem gente que se acha superior porque só usa o transporte público ou porque só usa mochila ou porque é um duro ou porque pede carona ou porque só fica em hostels ou todas as afirmações acima.

    Quer dizer que se eu tenho problemas na coluna e não posso usar mochila, eu sou uma “turista’? (sentido pejorativo). Se eu trabalhei duro e juntei um rico dinheiro para ficar num hotel legal, eu sou uma “turista”? Se eu resolvi ir de pacote e não quis fazer viagem por contra própria, eu sou uma “turista’? Se eu não quis pegar carona porque eu acho perigoso, então eu sou uma “turista”? Então se eu resolvo fazer uma viagem de compras, eu sou uma “turista”?

    Eu também não consigo entender a nóia de querer andar como os moradores….
    Qual é o problema de visitar os pontos turísticos? O que há de errado em querer um jantarzinho em restaurantes durante a viagem? Um dia desses, também num fórum de viagens, um participante indicou um restaurante em Puerto Madero, Buenos Aires. Pra quê! Outro participante criticou-o e disse que o bairro era para turistas e que os portenhos não comem lá.

    Eu moro no Rio. O número de moradores que conhece o Pão de Açúcar e o Cristo Redentor é baixo. Eu mesma só conheci depois dos 30. Assim como moradores não vão todos os dias comer em restaurantes de charme. É perfeitamente plausível para quem vem para cá pela primeira vez, conhecer os dois pontos turísticos mais famosos da cidade e ir em restaurantes bacanas. Não precisa se sentir culpado.

    Acho que devemos aprender a respeitar as diferenças.

    Eu não sei para os outros mas desde quando eu comecei com este negócio de viajar, isso mudou meu espírito. A gente aprende a conviver com outras culturas, sabe das histórias do povo visitante, convive com outros hábitos que a gente não pode dizer se estão certos ou errados. São apenas diferentes. Não precisa nem ir para muito longe: dentro do nosso próprio país tem isso.

    Então eu acho que não combina muito este pensamento preconceituoso com pessoas que viajam.

    Assim como também não combina, gente ruidosa e que tem mau comportamento, como o Aria falou. Bom, é isso.

    Ah, sim… este é um comentário de quem já fez mochilão, já ficou em hostels, pousadas baratinhas e charmosinhas e hotéis legais. Já fez viagem que só conheceu os pontos turísticos e outras que fez rotas alternativas. Sempre planeja o próprio roteiro e nunca fez uma viagem só para compras (ainda). Mas, adora viajar, não gosta de rótulos e está sempre aprendendo a respeitar as diferenças!

    responder
  39. Que texto P-E-R-F-E-I-T-O!
    Sabe aquilo tudo que a pessoa sempre quer falar, mas não sabe como?
    Você disse, Silvia.
    Sempre que vemos turistas tirando fotos com os cajus espalhados pela nossa cidade (Aracaju), rimos e falamos a mesma frase: “nós, no lugar deles, faríamos a mesma coisa.” Não vou perder minha foto com o caju só porque alguém acha babaca. Quero minha foto e pronto! kkkkkkk

    responder
  40. Eu provavelmente já pensei assim, por pura imaturidade mesmo. A gente viaja mais de uma mão de países e acha que sabe alguma coisa, quanta bobagem. O que importa é ser feliz, afinal de contas, não é para isso que a gente viaja? Por que eu e o tiozinho que viaja para Porto Seguro com a CVC somos diferentes se nós dois estamos buscando a felicidade da mesma maneira? Respeitando o espaço do outro está tudo certo!

    responder
  41. O bom é que entre tantas diferenças o que nos une é o gosto por viajar! Seja qual for seu estilo e isso é o que importa! 🙂

    responder
  42. Lindo texto, Silvia! Entra na minha categoria de “textos que eu gostaria de ter escrito”… rs

    responder
  43. Marcos

    Viajar é aprender , desvendar, curtir e procurar o melhor foco do lugar.Tudo isso é bom estar
    bem regado a educação, humildade .Afinal de contas,cada Brasileiro acaba sendo embaixador
    do seu país. Lugares em que fui,dizem que amam o Brasil,ouvindo isso,presentei-os com a ca-
    misa da seleção brasileira.Último caso foi na maravilhosa Cuba.
    Abraços.

    responder
  44. Marco

    Amem.
    A pretensa dissociação é mera vaidade exacerbada. Que cada um seja feliz do jeito que for melhor — inclusive os viajantes-não-turistas (!!).

    responder
  45. Bernardo

    Excelente post, é verdade mesmo!

    responder
  46. Maria Leonor

    Texto genial!
    Primeiro, porque agora nos blogs de viagem, a gente pode ver que “turista é tudo igual” mesmo: pergunta, fotografa, posta no face, no instagram… enfim, quer mostrar que foi.
    Segundo, que educação é respeito ao lugar, às pessoas, à maneira de cada um viver…É essencial em qualquer língua.
    Parabens Silvia

    responder
  47. Adorei o texto, concordo plenamente. Tanto que o nome de meu blog é uma referência a essa “diferença”, se é que ela existe.

    responder
  48. Priscila Machado

    Excelente!! E assim somos tão felizes….

    responder
  49. Nathália

    Uma coisa que li diversas vezes aqui e que tomei como lição de vida, é que viajamos (ou qualquer outra coisa) para sermos felizes, para diversão, para crescer com as diferenças, para rir e emocionar-se com o que o outro tem a nos ensinar, porque, sempre, em cada esquina, cada pessoa que paramos para um bom papo nos ensina! A diferença é querer aprender ^^

    Como você vai, pra onde você vai, a situação financeira que você vai, não significa nada, o único significado é o crescimento e a felicidade de simplesmente IR! (:

    responder
  50. “Eu viajo como você: para sorrir.” Que frase mais linda, Silvia! Disse tudo – e eu assino embaixo… 😉

    responder
    • Silvia Oliveira

      Brigada, Carlinha! 🙂

      responder
  51. Gente fico triste demais em a gente não perceber a diferença

    a entre turista e viajante ,eu respeito turista e já vive de eles em pontos turisticos,gente maravilhosa que paga mas do que deve ,só para ajudar.Agora misturar tudo não dá.
    Viajante é uma pessoa que tem algum recurso e decide investir em viajar e visitar lugares diferentes com a maxima economia,turista compra pacote e paga em 12 vezes.
    Eu acho muito hipócrita confundir turista de viajante

    responder
  52. A senhora me desculpe eu não percebi que era da europa que vc e teus seguidores estan falando,não tenho condicões de falar ,ja que nem fui em fernando de noronha.
    MAS EU SOU VIAJANTE

    responder

Deixe seu Comentário






Comentários do Facebook

Matraqueando - Blog de viagem | Por Sílvia Oliveira

Todos os direitos reservados. 2006-2019 © VoucherPress | Agência de Notícias.
Está proibida a reprodução, sem limitações, de textos, fotos ou qualquer outro material contido neste site, mesmo que citada a fonte.
Caso queira adquirir nossas reportagens, entre em contato.

Desenvolvido por Dintstudio
×Fechar