-  Atualizado 24/01/2015

Raposa: dos bilros às Fronhas Maranhenses

Publicado por: Silvia Oliveira Maranhão

Pouca gente já ouviu falar de Raposa, uma cidadezinha – na verdade uma pequena vila de pescadores – a 30 quilômetros de São Luís. Quase todo mundo que vem para a capital fica focado no centro histórico, em Alcântara e nos Lençóis Maranhenses, um dos principais atrativos turísticos do estado. Embora quase todas as agências de turismo daqui ofereçam um city tour para o vilarejo, Raposa só entra na rota do viajante depois que ele já ticou todas as outras opções da região.

A bem da verdade não estou aqui para convencer você a visitar o povoado. Pode não ser o que você busca numa viagem ao Maranhão. Mas como ignorar um lugar com a maior colônia de pesca do estado juntamente com um emocionante e simplório Corredor de Rendeiras de Bilro, uma dos artesanatos mais intrigantes que já vi? A técnica foi importada do Ceará. De lá vieram os pescadores e com eles, as esposas rendeiras. Hoje, a tradição é passada de mãe para filha.

O material é sempre o mesmo: uma almofada cilíndrica, fios, bilros de madeira, cartões furados com o desenho da peça e um movimento cadenciado das mãos da rendeira. Espinhos de mandacaru seguram a linha enquanto a obra vai sendo criada. O que muda é a criatividade de cada uma dessas mulheres.

A Rua Principal do município de Raposa é conhecida como Corredor das Rendeiras. O trecho não chega a um quilômetro. Dá para percorrer o “corredor” a pé tranquilamente, entrar nas casinhas, conversar com as rendeiras e ver a habilidade das mãos ágeis na hora de fazer o bilro. Pano de prato, jogo americano, roupas, toalhinha de bandeja, almofadas, cortinas e tudo o que você puder imaginar de gracioso nasce desses fios coloridos.

Quase todas as portas das palafitas – um tipo de habitação típica de regiões alagadiças – se transformaram em lojinhas de artesanato. As palafitas formam uma espécie de conjunto urbanístico único em Raposa. São construções que ficam sobre estacas de madeira para evitar que as casas sejam arrastadas ou inundadas pelos rios ou pela maré.

No meio do caminho você encontra uma vendinha com aquela água gelada de que você vai precisar depois de torrar debaixo do sol e calor assombrosos que fazem por aqui. Do lado de fora, a oferta de frutas fresquinhas e no meio delas, a mais fotogênica de todas: um minicaju.

Se não bastasse essa belezura a cidade também é porta de entrada das Fronhas Maranhenses, uma miniatura dos Lençóis Maranhenses, daí o nome. São dunas entremeadas pela água da maré. Um passeio náutico leva você até lá em horários que dependem da vazão do mar, aliás uma das maiores vazões do mundo. As Fronhas ficam do outro lado da margem, na Ilha de Carimã. A zona do cais e os barcos coloridos formam outro cenário que vai caber direitinho na sua máquina fotográfica.

Como chegar a Raposa:

– De ônibus: a Viação Litoral faz o trajeto São Luís-Raposa. Você deve pegar o ônibus no Mercado Central. Apesar de ser perto, a viagem dura 1h40 em ônibus de linha, pinga-pinga, sem ar condicionado. Passagem R$ 2,10.

– De táxi: foi minha opção. Contratei o motorista Richelle que me levou, ficou me esperando e me trouxe de volta. Ele conhece muito bem a história do local, me passou diversas informações interessantes da região e ainda teve uma paciência de jó para esperar meu bate papo com as rendeiras e meu sobe e desce do carro para as fotos. O telefone de contato dele é (98) 8856-8869. O e-mail é [email protected] O ponto do Richelle fica ao lado do Hotel Soft Inn, na Ponta D’Areia. A corrida, preço fechado, ficou por R$ 80.

– Com excursão: quase todas as agências de São Luís oferecem o tour até Raposa, incluindo o passeio náutico às Fronhas Maranhenses e uma parada no município de São José de Ribamar. O valor do pacote varia de R$ 90 a R$ 120.

Leia também

Lençóis Maranhenses: quando ir e como chegar

Lençóis Maranhenses: onde comer

Lençóis Maranhenses: onde se hospedar

Outras opções de hospedagem em Barreirinhas com ótimo custo/benefício

Lençóis Maranhenses: o que fazer em 3, 5 e 7 dias (Barreirinhas, Caburé, Atins e Santo Amaro, incluindo como chegar)

O camarão da Luzia, em Canto de Atins

Raposa combina com:

São Luís

Alcântara
——————————

Minha viagem ao Maranhão faz parte da Expedição Brasil Express II, projeto do Matraqueando que leva recortes do nosso país até você.
——————————
Fotos: Sílvia Oliveira


Artigos Relacionados


Newsletter

Digite seu e-mail e receba gratuitamente nossas novidades


39 Comentários

  1. Muito bonito o trabalho, bem criativo!

    responder
  2. Thais Mendes

    Boa noite. Tenho uma sugestão simples, caso tenha algum tempo amanhã. Um grupo aqui em São Luís faz rapel e tirolesa em uma antiga armação de um prédio. Se quiser fazer algo diferente, entre em contato. Meu nome é Thais Mendes. Deixe uma mensagem por e-mail amanhã cedo.

    responder
  3. Nair

    Só de ver estas rendas, já fico imaginando uns jogos americanos, super engomados, fazendo a maior presença, com um jogo de louça de Porto Ferreira… ai adoooooro!!! rsrs… Acho que esse meu comentário tá mais pro outro blog!!!! kkkk… Parabéns pelas fotos Silvinha MATTAR!!!! bjs.

    responder
    • Nair, tô enlouquecida pelos jogos americanos, tem os de palha de buriti também que são lindos! Ah, e obrigada pelo apoio moral. É que, por mais que eu me esforce, vai sempre aparecer alguém aqui dizendo, “nossa, mas o Raul tá de parabéns, hein!”. HAHAHAHAHA!

      responder
  4. Cleide

    Sou cearense e sinto um orgulho DANADO do artesanato da terrinha. Conheço bem a renda d bilro (até aprendi um pouquinho com minha vó!!). Admiro demais a agilidade das rendeiras. não sabia q era praticada tb no Maranhão. Vale a pena conhecer o trabalho dessas mulheres.

    responder
    • Cleide, quase todas essas mulheres aí são cearenses, somente a geração mais nova é que começou a nascer no Maranhão! Bjs! 🙂

      responder
  5. Olá Silvia! Parabéns pelo seu blog, tem um visual muito bonito. Estou aqui para divulgar o meu blog de viagens (www.terminaldeembarque.com), espero que também goste e possamos ser parceiras no segmento. Um abraço, Juliana!

    responder
  6. Maravilha isso Silvia… adoro esses lugares que não são tão frequentados pela turistada, mas que nos oferece tanto aos olhos..
    Adorei, nem sabia da existência desse lugar 🙂
    Valeu!

    responder
    • Mirella, muita gente vem a Raposa e sai falando mal do lugar, dizem que não tem “nada”, que cheira a crustáceo… Pô, é disso que nós estamos falando: de uma colônia de pescadores e de um corredor de rendeiras… lindo, lindo! Temos que treinar mais os olhos – e o coração – da nossa gente! 🙂

      responder
  7. Oi, Sílvia!
    Que legal, quando vi um tópico da Brasil Express de novo, com fotos de São Luís, pensei que você faria um daqueles bate-volta, como nas suas viagens anteriores – por isso nem dei pitaco de dicas.
    Fui pro Maranhão em 2008, com meu marido, e adorei, apesar de sentir uma pena de um estado tão lindo e com tantas histórias bonitas ter o governo que tinha (e ainda tem).
    Os Lençóis – meu Deus – que lugar é aquele? Paraíso na Terra? Muito lindo!!!
    Alcântara, Raposa – também conhecemos – sentei numa dessas cadeiras da renda de bilro pra tirar foto, e comprei uma dessas tiarinhas…
    O Maranhão é um estado lindíssimo, que vale a pena ser visitado!
    Um abraço, e boas viagens!

    responder
    • Oi, Juliana! A minha parada no Maranhão foi a mais longa entre todos os destinos que visitarei nessa segunda fase da Expedição Brasil Express. Bjs! 🙂

      responder
  8. Oi, Sil :)Tudo bem?

    Seu post foi selecionado para a #Viajosfera, do Viaje na Viagem.
    Dá uma olhada em http://www.viajenaviagem.com

    Beijos,
    Natalie – Boia Paulista

    responder
  9. Lindo trabalho e belas fotos, Sílvia! Estou viajando com vc pelo Maranhão!!!! Beijos!

    responder
  10. Terezinha

    Olá Silvia!
    Curto seu blog há um bom tempo!!!!!
    Irei para o São Luís do Maranhão no finalzinho de novembro.
    Qual dos dois aeroportos (Imperatriz ou São Luís) é melhor
    para seguir viagem para Barreirinhas?
    Grande abraço querida!!!!!!!!

    responder
  11. Myleny Saraiva

    Olá Silvia!
    Fico feliz por falar tão bem dos encantos de minha terra abençoada, o Maranhão é sempre uma grande descoberta, pra quem não conhece essa encantadora e bela cidade, não perca tempo, venha logo viver essa emoção.

    responder
  12. Darlan Jorge

    Sou Guia de turismo, e gostei muito de seus comentarios Silvia. Faço um trabalho diferenciado para aqueles clientes que não viajam por intermedio de “Agências”. Abraços

    responder
    • Silvia Oliveira

      Oi, Darlan! Obrigada pela visita. Tive que editar seu comentário tirando seus telefones de contato, uma vez que não mantenho propaganda de serviços e produtos, principalmente os que não testei, nas caixas de comentários. Caso queira anunciar no nosso blog, será um prazer falar com você! 🙂

      responder
  13. david antônio

    Ola sou mexicano . Namoro alguém de são luís….parabéns pelo artigo pletorico de talento e fotos legais..amei dmais !

    responder
  14. elena

    oi,achei lindos os artesanatos de rendas sou comerciante como faço pra comprar para revender?

    responder
  15. otimo esta reportagem. parabens pela exposicao da nossa arte para o mundo. siga expondo cada vez mais. em agosto de 2013 vou air visitar e comprar com minha familia. beijos

    responder
  16. eu queria as roupas tipicas do maranhão e suas joias etc para feira de conhecimento.! obg. <3

    responder
  17. maria do socorro

    ja fui a raposa e fiquei encantada fiz muitas compras e o melhor paguei so 4,20.0 pasagem de ida e vinda de onibus ,

    responder
  18. Fernanda Teixeira Silva

    Silvia, também estive em Raposa e São José do Ribamar.
    Cidades que também deve-se incluir no bate e volta quando visita São Luis.
    Todos meus passeios foram através de agências.
    Parabéns pelo post e fotos.

    responder
  19. Magali

    Adorei o passeio a Raposa e S.Jose de Ribamar.Fui com a agencia Janio Tour ,um pessoal super bacana.Me deu vontade de voltar no outro dia.Tomei um banho de mar maravilhoso na ilha e comprei uma rendas incriveis.

    responder
  20. Mariana

    Silvia, para quem vai ficar 4 dias (inteiros) no Maranhão o que vc recomendaria como roteiro? pensei em dois dias para são Luis (da pra incluir Raposa e Alcantra?) e dois nos lençois. será? obrigada

    responder
    • Silvia Oliveira

      Oi, Mariana! Só dois dias nos Lençóis é bem corrido!

      responder
  21. Linda .
    Adorei quero conhecer.

    responder
  22. ESTIVE EM SAO LUIS 10/15,12/15 E 06/16 PARA FESTA BUMBA MEU BOI, LUGAR LINDO, PRAIA DA RAPOSA ESTIVE DUAS VEZES, ADOREI PASSEIO DE BARCO COM O EDUARDO, COMENDO PEIXE E MERGULHANDO. ESTOU DE VOLTA AGORA DE NOVO 0UTU 2016 COM A FAMILIA PARA UM BOM PASSEIO E LEVA~LOS A PRAIA DA RAPOSA;

    responder
    • Silvia Oliveira

      Que legal, Sergio! 😉

      responder
  23. MUITO BONITA A PRAIA DA RAPOSA

    responder
  24. kátia regina teixeira lima

    Bom Dia Amigas ,
    gostaria de saber se tem jeito de encomendar 2 redes bem bonitas ,
    jogos americano ,bolsa de sair,colcha de casal Queen de RENDA ,,COLCHA DE SOLTEIRO PARA CAMA BOX,.VOCÊS PODERIAM ME ENVIAR OS PREÇOS DA SUA TABELA E CONTA DO BANCO PARA EU DEPOSITAR PARA VOCÊS ME ENVIEI O CATÁLAGO DAS PEÇAS COM AS MEDIDAS E PREÇOS.AI E ENCONTRO AS GAMELAS DE MADEIRAS TAMBÉM? QUAL É OS PREÇOS?

    responder
    • Silvia Oliveira

      Oi, Kátia! Tem que entrar em contato direto com os fornecedores. Eu só relatei minha visita turística ao local! 😉

      responder
  25. Rita Scaramuzzi

    oi
    pode me dizer qual é o horário de funcionamento dessas lojinhas das rendeiras ?

    responder
    • Silvia Oliveira

      Oi, Rita! Não saberia informar. Tente com a Associação das Rendeiras Bilros de Ouro no telefone: (98) 99156-6822. Abraço!

      responder

Deixe seu Comentário






Comentários do Facebook

Matraqueando - Blog de viagem | Por Sílvia Oliveira

Todos os direitos reservados. 2006-2019 © VoucherPress | Agência de Notícias.
Está proibida a reprodução, sem limitações, de textos, fotos ou qualquer outro material contido neste site, mesmo que citada a fonte.
Caso queira adquirir nossas reportagens, entre em contato.

Desenvolvido por Dintstudio
×Fechar