Como é a travessia pelo Deserto do Sinai, no Egito

Publicado por: Silvia Oliveira Egito, Terra Santa

Já fiz a Travessia do Deserto do Sinai – que vai do Cairo (capital do Egito) a Eilat (cidade ao sul de Israel) – seis vezes. A primeira foi em 1999 e a última, neste mês.

Na primeira oportunidade, há 20 anos, fomos eu e minha grande amiga Cassiana, jornalista e escritora do blog Aos 4 Ventos. Nós duas, xóvenzinhas viajando por conta, sem internet, celular ou dicas de blogs de viagem. 😀

Naquela época já dei por encerrados os meus sonhos de viagem. Foi uma profunda realização. Aqui, Moisés — aquele que vagou com o povo hebreu por 40 anos no deserto — recebeu os 10 Mandamentos, a Lei de Deus.

Depois da minha estreia no montanhismo (cof cof) há quase duas décadas, já voltei para cá em mais de meia dúzia de oportunidades. Subi o monte novamente há dois anos, quando vim como peregrina com a Sacratour que, sem dúvida alguma, é uma das agências brasileiras mais preparadas para esta travessia! Veja aqui o relato da minha viagem e peregrinação por Egito, Israel e Palestina.

(Hoje, Deus me permite colocar os pés nesta Terra Santa liderando grupos de peregrinos para a mesma empresa! Se isso não for missão divina, não sei qual nome dar!) #mãozinhadeamém

ATRAVESSANDO O DESERTO DO SINAI

Saímos cedo do Cairo e pegamos a estrada em direção ao deserto que corta a Península do Sinai. Só para efeitos históricos, a península esteve ocupada pelas forças israelenses durante a Guerra dos Seis Dias, em junho de 1967. Foi devolvida ao Egito em 1982, quando os dois países celebraram o tratado de paz.

A distância do Cairo até a cidade de Saint Catherine, que fica aos pés do Monte Sinai, é de quase 500 km feitos entre seis e oito horas. Neste trecho, vamos com um segurança armado dentro do ônibus. É uma exigência do governo egípcio quando estamos em grupos com mais de 20 pessoas. O veículo também é escoltado do começo ao fim.

Existem dezenas de barreiras policiais durante o caminho. Somos parados em todas. A fiscalização é rotineira e qualquer pessoa que fizer esse trajeto será abordado. Há indícios de que há focos do Estado Islâmico na Península do Sinai, mas ninguém sabe onde.

Meu grupo é de peregrinos cristãos, vertente religiosa atualmente perseguida por radicais no Egito. Mas isso não é sinal de alarde, apenas precaução. Ônibus de sacoleiros brasileiros que vão ao Paraguai, por exemplo, também saem com escolta. O cuidado é justamente para inibir uma ofensiva indesejada numa região historicamente disputada.

A estrada é ótima, tem poucas curvas acentuadas e quase nada de veículos… tanto indo quanto vindo! A paisagem árida oscila entre tons beges, terrosos e, eventualmente, aparecem camelos e algum oásis verde com plantações de tamareiras. O fio azul do Mar Vermelho lá ao fundo dá as caras de tempos em tempos.

Atravessamos o Canal de Suez — que liga o Mar Mediterrâneo ao Mar Vermelho — até chegar à cidade de Mara. Neste vilarejo beduíno, segundo a narrativa bíblica, Moisés transformou a água amarga em água doce, matando a sede do povo que ele havia libertado da escravidão no Egito.

Os poços que datam do provável período em que Moisés passou pelo deserto ainda estão aqui, ao lado de uma praia maravilhosa no Mar Vermelho (aquele mesmo que seria aberto para facilitar a fuga dos israelitas).

Durante a viagem há poucos lugares para paradas como restaurantes ou lanchonetes. Ao final da travessia desta primeira parte do deserto, chegamos à cidade de Saint Catherine (Santa Catarina), lugar de hospedagem e base para subir o Monte Sinai. Segundo o Antigo Testamento, foi aqui que Moisés, recebeu a tábua dos 10 Mandamentos.

Desta vez ficamos hospedados no Mosteiro de Santa Catarina de Alexandria. Construído aos pés do Monte Sinai no século 6 d.C. pelo imperador bizantino Justianiano I, o local abriga a sarça ardente, o arbusto que na Bíblia ardia em chamas, mas não era consumido por elas.

O Mosteiro de Santa Catarina é o mais antigo mosteiro cristão em funcionamento! A sarça ardente é o local onde Moisés foi convocado por Deus para liderar os israelitas do Egito em direção à Terra Prometida. A planta (que eu aponto na foto) não nasce em nenhum outro lugar da península, somente aqui! <3

COMO É A SUBIDA NO MONTE SINAI

A subida ao Monte Sinai (2285 metros de altura) acontece de madrugada por conta do calor impraticável do deserto durante o dia, a temperatura pode passar dos 40ºC.

O percurso começa entre meia-noite e duas da manhã. A caminhada (bastante íngreme e pouco recomendada para sedentários) dura de duas a quatro horas morro acima!

Na entrada do monte, há uma rigorosa revista de mochilas e todos são obrigados a passar por detector de metal. A subida ao Sinai não é obrigatória durante a peregrinação. Sobe quem quer e estiver preparado fisicamente! Uma vez lá em cima, é esperar o belíssimo nascer do sol!

É possível subir caminhando ou de camelo (US$ 25 por pessoa). Faz muuuuuito frio à noite no deserto. Desta vez pegamos -1ºC na madrugada. Durante o trekking você encontra uma ou duas tendas de beduínos que vendem café, chá e salgadinhos industrializados. Leve água!

No retorno do Monte Sinai, os peregrinos voltam para o hotel, onde tomam banho e café. Em seguida, pegamos a rodovia St Katherine-Nuweibaa Road e seguimos para a cidade de Taba, ainda no Egito, mas já bem próximos da fronteira com Israel. De Saint Catherine até Taba são 180 quilômetros, o que dão mais umas 2h30 de viagem.

Ao chegar a Taba, descansamos num hotel maravilhoso à beira do Mar Vermelho (porque nossa vida não é só comer poeira) para enfrentar a passagem para Israel no dia seguinte.

Boa parte do Mar Vermelho é excelente para mergulho. Existem muitos resorts pé na areia, principalmente no trecho mais próximo a Taba, Dahab e Sharm el-Sheikh, cidades famosas entre os turistas que visitam o Egito.

COMO É CRUZAR A FRONTEIRA TERRESTRE DO EGITO PARA ISRAEL

Nós cruzamos a fronteira terrestre de Taba (Egito) para Eilat (Israel) caminhando. Como sou a líder do grupo, vou na frente, explico para a imigração sobre a viagem, eles fazem muuuitas perguntas como qual o propósito da peregrinação, sobre minha religião, quais cidades vamos visitar em Israel e Palestina, porque passamos primeiro pelo Egito, etc, etc…

Vamos passando, um a um. Já levei grupos da Sacratour com 35 peregrinos, imagine!!! É completamente proibido tirar fotos deste trecho fronteiriço sob pena de perder o celular, a máquina e até ser preso.

Depois de passar pela imigração e apresentar o passaporte várias vezes para pessoas diferentes entramos no setor de raio-x. Eu sempre sou revistada, abrem minha mala, me levam para uma salinha especial e tals. O grupo inteiro passa e eu fico. Sempre.

Mas tudo é feito com calma e educação. Nunca peguei nenhum agente grosseiro, nem mesmo antipático. Eles sempre me dizem “isso também é para sua segurança”.

 

Visualizar esta foto no Instagram.

 

Como tirar o visto para o Egito? Essa é uma das perguntas recorrentes de quem pretende visitar o país e a que costuma receber mais respostas equivocadas ou confusas. ????????? Quem viaja com agência (caso dessa peregrinação à Terra Santa) não precisa se preocupar com n.a.d.a. A empresa providencia tudo. Chegamos ao aeroporto e o receptivo Sacratour no Cairo já está com os vistos na mão para que sejam colados (é um selo adesivo) no nosso passaporte. Um procedimento rápido e sem burocracia alguma. ????????? Já quem viaja por conta pode tirar o visto na chegada ao aeroporto por US$ 25. O risco é de enfrentar filas e alguma burocracia, como em qualquer setor estatal. ????????? A dúvida sobre a possibilidade de poder ou não tirar visto no aeroporto (ou nas fronteiras terrestres) para quem viaja por conta nasceu em 2015 quando, de fato, uma resolução do governo egípcio determinou que muitas nacionalidades (incluindo a brasileira) tinham que emitir os vistos ainda no seu país de origem. ????????? Mas essa determinação caiu porque o Egito precisava implantar um sistema eletrônico para processar os vistos emitidos com antecedência, o que não aconteceu. ????????? Para acabar de uma vez por todas com as dúvidas, o próprio portal do Itamaraty (veja a segunda foto) diz que o visto de turista pode ser tirado no aeroporto ou nas fronteiras terrestres (caso você entre por terra no Egito, vindo de Israel por exemplo). Só é necessário tirar com antecedência se o visto for para estudo ou trabalho. ????????? Lembrando que se você quiser tirar o visto de turismo antecipado aqui no Brasil também é possível. Além do custo do visto em si você vai arcar com as despesas para enviar o passaporte para a embaixada e também para receber o documento de volta. Se morar no Rio, São Paulo ou Brasília, cidades com representação diplomática do Egito, você pode ir diretamente à embaixada ou consulado. IMPORTANTE | O CERTIFICADO DE VACINAÇÃO CONTRA FEBRE AMARELA É OBRIGATÓRIO E DEVE SER TIRADO IMPRETERIVELMENTE NO BRASIL. E então, você viajou ao Egito recentemente? Conte para nós como você obteve o visto? ? #egito #visto #visa #montesinai #peregrinação #matraqueando #matracanoegito

Uma publicação compartilhada por Sílvia Oliveira (@matraqueando) em

Tudo isso para responder a pergunta que vocês mais me fazem no direct do Instagram: não, dear, a Travessia do Deserto do Sinai não é passeio europeu básico como se estivéssemos transitando entre Paris e Versalhes.

O trajeto é seguro, mas costuma ser tenso, sim. Não recomendo fazer por conta própria de jeito nenhum, assim de alugar um carro e sair a deus-dará pelo Sinai. Eu não sei nem se alguém fizer isso passa da primeira barreira.

Caso você tenha o sonho de percorrer o deserto (e subir no Monte Sinai) procure uma empresa especializada. Tirando minha estreia em 1999, todas as outras vezes em que estive aqui vim com a Sacratour (primeiro como peregrina, depois liderando grupos para eles).

Se for o caso, contrate no Egito mesmo alguma empresa especializada no roteiro, principalmente as que cumpram as regras de segurança do governo egípcio para fazer a travessia!

É uma viagem única no mundo, cheia de significados para a história e fundamental para as três maiores religiões monoteístas do mundo como o cristianismo, o islamismo e o judaísmo.

Posts relacionados

Terra Santa: viagem e peregrinação de fé por Egito, Israel e Palestina

Mercado Árabe de Jerusalém

E ainda

Loja Matraqueando: Guias Essenciais para conhecer o Brasil e o mundo com dicas incríveis de economia inteligente! 

______________

Fotos: Sílvia Oliveira | Todos os direitos reservados ©



Newsletter

Digite seu e-mail e receba gratuitamente nossas novidades


7 Comentários

  1. Oi, Silvia. Tudo bem? 🙂

    Seu post foi selecionado para o #linkódromo, do Viaje na Viagem.
    Dá uma olhada em http://www.viajenaviagem.com

    Até mais,
    Bóia – Natalie

    responder
  2. Olá Sílvia, dá para sentir bem a diferença nessas viagens de há 20 anos (viajar apenas pelo prazer de viajar) e as de agora (com o trabalho no blog), não é? Penso muitas vezes nisso…

    responder
    • Silvia Oliveira

      Sim, já até entrei em crise por causa disso! Hahahaha! Mas tenho tentado equilibrar as duas coisas! Bjs!

      responder
  3. Ricardo

    Ola, quantos dias dura isso tudo ai? E o valor?

    responder
    • Silvia Oliveira

      Oi, Ricardo! É um dia para a travessia, uma madrugada para subir o Monte Sinai, mais um dia (ou mais) num resort à beira do Mar Vermelho! Esta travessia está incluída num pacote para a Terra Santa (Egito + Israel). Sugiro que você consulte valores atualizados com a empresa que fez o trajeto http://www.sacratour.com.br Abraço!

      responder

Deixe seu Comentário






Comentários do Facebook

Matraqueando - Blog de viagem | Por Sílvia Oliveira

Todos os direitos reservados. 2006-2019 © VoucherPress | Agência de Notícias.
Está proibida a reprodução, sem limitações, de textos, fotos ou qualquer outro material contido neste site, mesmo que citada a fonte.
Caso queira adquirir nossas reportagens, entre em contato.

Desenvolvido por Dintstudio
×Fechar