sábado, 25 de fevereiro de 2012

Buenos Aires: dicas e informações essenciais

Aqui estão as dicas e as informações essenciais para você planejar sua viagem a Buenos Aires. Caso tenha voltado de lá há pouco tempo e queira acrescentar algo fique à vontade na caixa de comentários.

INFORMAÇÕES ESSENCIAIS

DDI: +(54)11

Informações turísticas da Argentina: www.info.gov.ar

Informações turísticas de Buenos Aires: www.bue.gov.ar

Embaixada do Brasil em Buenos Aires: Calle Cerrito, 1350. Tel. +(54) 11 4515.2400. Segunda a sexta, 9h às 18h. www.brasil.org.ar

Atendimento ao turista: 0800-999-2838

Fuso horário local: igual ao do Brasil. Nos últimos anos, a Argentina não adotou o horário de verão, o que faz o país ficar 1 hora a menos do que Brasilía nesse período.

Para ligar a cobrar para o Brasil: Via Embratel, 0800-999-5503 ou 0800-999-5500.

Melhor época para viajar: a cidade acontece o ano inteiro. Mas no verão o calor pode ser infernal. A temperatura bate fácil os 35ºC. O inverno costuma ser rigoroso para quem não está acostumado com temperaturas muito baixas. Na primavera e outono o clima fica mais agradável.

Transporte na capital: Buenos Aires e região metropolitana somam quase 13 milhões de habitantes. Como na maioria das grandes capitais latino-americanas, o trânsito portenho costuma ser caótico. Não é recomendável alugar carro para circular na cidade. A vantagem para o turista é que a cidade é plana, o que possibilita longas caminhadas.

Táxi é uma ótima opção para circular pela capital. São baratos e tem aos montes. Todos são pretos e amarelos, mas prefira os que pertencem a empresas (o nome vem pintado na porta). Cuidado para não cair no golpe das notas falsas devolvidas como troco. Tenha dinheiro miúdo para pagar as corridas. Os Remises são táxis especiais, geralmente mais caros e cobram um valor fechado pelo trajeto.

O Metrô – conhecido como Subte, de “subterráneo” – é bem eficiente e cobre boa parte da cidade por uma tarifa que não chega a R$ 0,50. O ônibus (chamado de micro ou colectivo) também é uma alternativa interessante fora do horário de pico. A passagem deve ser paga em moeda diretamente ao motorista e o valor varia de acordo com o trajeto. O Bus Turístico percorre a cidade em 3h e 15 minutos com 20 paradas pelos principais pontos turísticos de Buenos Aires. O ticket custa 70 pesos (R$ 28). Crianças de 4 a 12 anos pagam a metade. Grátis para menores de 3 anos e portadores de necessidades especiais.

COMO CHEGAR

Existem voos diretos de São Paulo pela TAM (11/4002.5700), Lan (0300.788.0045), GOL (0300.115.2121), Aerolíneas Argentinas (0800.707.3313). A Pluna (11 3711.9158) voa para Buenos Aires com escala em Montevidéu. A capital portenha está a 2h30 da capital paulista.

COMO IR DO AEROPORTO AO CENTRO DE BUENOS AIRES

Existem dois aeroportos na cidade. A maioria dos voos brasileiros desce no Aeroporto Ezeiza, a 45 minutos do centro. A corrida para o centro, comprando no guichê oficial que fica dentro do saguão de desembarque, fica em torno de 160 pesos (mais ou menos R$ 64). Já quem desce no Aeroparque Jorge Newbery está a 15 minutos e 30 pesos (de táxi) dos principais pontos turísticos da cidade.

O shuttle da empresa Manuel Tienda León leva você do Ezeiza até o centro por 60 pesos (R$ 25). Se estiver acompanhado compensa dividir um táxi. A linha 8 do ônibus colectivo faz o mesmo percurso e custa tão somente 3 pesos. Mas o trajeto demora 2 horas e funciona só até às 23h.

Aeropuerto Internacional de Ezeiza
Autopista Tte. Gral. Ricchieri Km 33,5
Telefone: +(54) 11 5480 2500
Site: www.aa2000.com.ar | Distância do centro de Buenos Aires: 22 km aproximadamente.

Aeroparque Internacional Jorge Newbery
Av. Rafael Obligado s/n°
Telefone: +(54) 11 5480.6111
Site: www.aa2000.com.ar | Distância do centro de Buenos Aires: 3 km aproximadamente.

DOCUMENTOS

Não é necessário visto nem passaporte. É possível viajar com a carteira de identidade atualizada. Não valem carteira de motorista nem a funcional.

QUANTO TEMPO

Em Buenos Aires, quatro dias inteiros – sem contar os de chegada e saída – são suficientes para o básico da turistagem, o que inclui umas comprinhas planejadas. Querendo aproveitar melhor a cadência da cidade fique, pelo menos, uma semana. Já fui três vezes e ainda acho que não vi tudo.

IDIOMA

O espanhol é o idioma oficial da Argentina. Como os brasileiros são a bola da vez por lá, qualquer prestador de serviço já arranha muito bem o patropi.

SEGURANÇA

Batedor de carteira tem em qualquer lugar do mundo. E turistas são alvos fáceis, porque geralmente estão distraídos, embasbacados com as novidades de cada lugar. Regra nº 01: não saia com muito dinheiro vivo. Leve apenas o que pretende gastar no dia. Regra nº 2: coloque as notas maiores e todos os documentos importantes – passaporte e cartões de crédito – em um money port, aquelas pochetes/bolsinhas que são feitas para usar debaixo da roupa.

Carregue seu equipamento fotográfico pendurado no pescoço. Cuidado com os golpes dados pelos taxistas. Tenha sempre dinheiro trocado para pagar as corridas. Evite andar nas ruas centrais à noite. Ou seja, todas aquelas medidas de segurança que você tomaria em qualquer grande cidade brasileira.

SAÚDE

Superada a epidemia da Gripe A, que afugentou os turistas da cidade, Buenos Aires não oferece riscos ao viajante como enormes altitudes ou clima extremamente seco. Mas é sempre bom levar, como em qualquer viagem, um kit-saúde com protetor solar e labial (venta muito), chapéu, óculos de sol, analgésicos, antitérmicos e antiácidos. Não é necessário tomar nenhuma vacina especial para entrar na Argentina.

DINHEIRO

A moeda argentina é o Peso (AR$). Portanto só leve dólar se você tiver guardado em casa. O ideal é fazer uma pesquisa em diversas casas de câmbio e comprar uma parte em Pesos no melhor preço no Brasil. De qualquer maneira, é possível trocar Reais lá em Buenos Aires, muitas vezes, com cotação melhor do que aqui. Quem desce no Aeroporto Ezeiza tem a oportunidade de fazer o câmbio no banco La Nación (aberto 24 horas), no saguão principal. A cotação é bastante favorável, mas as filas costumam desanimar até o mais mão-de-vaca-muquirana.

O VTM (Travel Money da Visa) – uma espécie de cartão de débito pré-pago – é uma opção interessante, principalmente porque agora pode ser carregado em Pesos na Confidence Cambio. Você poderá pagar contas ou sacar dinheiro nos caixas eletrônicos associados à rede Visa, que estão por todos os lados na Argentina. Para débito, não há taxa alguma. É bem prático. Caso você carregue o cartão em dólar, vai sacar na moeda local. Se o dinheiro do cartão acabar durante a viagem é possível recarregá-lo nos postos autorizados – geralmente, casas de câmbio ou por telefone autorizando um débito da sua conta corrente. Para saques é cobrada uma taxa de US$ 2,50 por retirada.

Outra opção é fazer retiradas diretamente da sua conta corrente. Verifique com seu gerente se seu cartão está habilitado a fazer saques no exterior e quais são as tarifas. Banco do Brasil, HSBC, Citibank, Santander e Itaú têm agências próprias na cidade. Já o cartão de crédito pode ser interessante para gastos maiores. A desvantagem é o IOF – o imposto sobre operações financeiras que incide no valor total da fatura – e na flutuação do dólar. Ou seja, nem sempre a cotação do fechamento da fatura será a mesma do dia da compra.

COMPRAS

Quem viaja de avião pode voltar com até US$ 500,00 de mercadorias e mais US$ 500,00 de compras no free-shop do aeroporto.

INFORMAÇÕES TURÍSTICAS EM BUENOS AIRES

A Oficina de Turismo de Buenos Aires fica no centro, na Calle Florida, nº 100. Há outros postos de informação nos aeroportos, em Puerto Madero (Av. Alicia Moreau de Justo, 200 – dique 4), San Telmo (Calle Defensa, nº 1250) e Recoleta (Calle Quintana, nº 596).

DICA DE CÂMBIO

Para fazer a conversão do peso argentino para o real – com valores aproximados – você deve dividir o valor em pesos por R$ 2,50. Por exemplo, se seu jantar ficou 180 pesos, pegue este valor e divida por R$ 2,50. O valor em Real é  de R$ 72.

Buenos Aires bairro a bairro

La Boca

San Telmo

Centro e Monserrat

Puerto Madero

Recoleta

Palermo

Abasto

Villa Crespo

Buenos Aires combina com

Colonia del Sacramento (Uruguai)

Leia também

Chile: dicas e informações essenciais

Fotos: Raul Mattar

Share