-  Atualizado 21/01/2016

Ilha de Marajó | Fazenda São Jerônimo: um resumo do Soure, a “capital” da ilha

Publicado por: Silvia Oliveira Belém, Ilha de Marajó

Fazenda Sao Jeronimo Ilha de Marajo Bufalo

*Post atualizado em janeiro de 2016. Viagem esboçada. Roteiro concluído. Seriam cinco dias em Belém conhecendo o melhor da história, cultura e gastronomia paraenses. Mas tive um mal súbito ao ver as fotos do Instagram do Ricardo Freire que passava uns dias na Ilha de Marajó.

Tudo fotogênico e inspirador. Com paisagens únicas, a ilha era uma trama perfeita, um conluio entre natureza, boa comida e vida marajoara. Aquele velho e bom turismo de experiência — momento de vivência e traquejo local — que sempre busco quando viajo.

Fazenda Sao Jeronimo Ilha de Marajo Frutas

Dois telefonemas e aumentei mais quatro dias nas nossas férias ao Pará. Não sabia nem como chegar à Ilha de Marajó, muito menos para qual lado do mapa ficava. E foi uma das poucas viagens que fiz em que a internet pouco me ajudou com a questão prática da coisa.

Ilha de Marajo Fazenda Guara

Os principais atrativos da ilha não têm site (e quando têm são confusos e nada esclarecedores), telefones não atendem e os poucos relatos convincentes sobre o lugar falam basicamente de… praia.

Eu sabia que Marajó era mais do que isso. Os búfalos, o queijo, a arte marajoara, mangues, igarapés e os índios que viveram aqui há milhares de anos. Praticamente cheguei à ilha só com o hotel reservado.

Fazenda Sao Jeronimo Ilha de Marajo Dona Jeronima

Dona Jerônima preparando nosso almoço

Descobri que boa parte das fotos do Riq era de um passeio na Fazenda São Jerônimo, localizada no município de Soure, a “capital” da ilha. Se eu conseguisse fazer somente este tour já ficaria feliz.

Mas só tive certeza de que iria conhecer os causos do Seu Brito e a boa comida da Dona Jerônima — donos da fazenda — quando cheguei ao Marajó.

Os telefones de contato da propriedade, por problemas na operadora, não atendiam e só depois de muita insistência consegui falar com eles e agendar nossa visita.

Fazenda Sao Jeronimo Ilha de Marajo Cozinha Marajoara Peixe

Filhote com abacaxi: prato com peixe típico amazônico

Chegamos para almoçar antes do passeio. (Importante: só fazem almoço com reserva. Mas pelo que me avisaram na caixa de comentários, nem isso mais. Confirme antes de ir!) Dona Jerônima é chef reconhecida no Pará. Recentemente, inclusive, foi uma das atrações do ciclo de palestras do 13º Festival Ver-o-Peso da Cozinha Paraense, em Belém  — que este ano homenageou a Ilha de Marajó. Não é um restaurante tradicional, daqueles que funcionam em horários regulares. Quer comer aqui? Assim como o passeio, tem que agendar.

Matraqueando Instagram

Fazenda Sao Jeronimo Ilha de Marajo Cozinha Marajoara

Filé marajoara com queijo de búfala derretido

Pedimos dois pratos tradicionais, o filhote (peixe típico da região) e o filé marajoara, medalhões de carne com queijo de búfala derretido. Sim, é tudo isso dibão que você está imaginando.

Fazenda Sao Jeronimo Ilha de Marajo Seo Brito

Seu Brito contando a história da fazenda

Por ali estava Seu Brito, simpaticíssimo, boa conversa, muita história, respondeu às minhas — diversas — perguntas (meu marido diz que eu não converso, entrevisto!) e só coçou a cabeça quando questionei: tem wi-fi? Rá! :mrgreen:

Fazenda Sao Jeronimo Ilha de Marajo Passeio bufalo

Após a comilança, já chamando Gezuis de Genésio, partimos para o passeio. Havia umas oito pessoas, a maioria turista estrangeiro. Na primeira parte fizemos um tour de mais ou menos 20 minutos montados em búfalos.

A Mariana mal podia acreditar que ela poderia ir sozinha em cima de um deles! (É a parte da qual ela mais se lembra quando falamos da nossa viagem ao Pará.)

Fazenda Sao Jeronimo Ilha de Marajo Trilha Tour

Em seguida, uma trilha tranquila em meio a um enorme manguezal com raízes expostas e entrelaçadas, o que acabou se transformando na minha imagem preferida e inusitada de Marajó.

Fazenda Sao Jeronimo Ilha de Marajo Trilha

A gente caminha sobre uma longa e frágil ponte de madeira — o guia avisa, cuidado para não cair — de onde eu me esborrachei no mangue. Ou você caminha olhando por onde pisa ou para e observa a mata. As duas coisas ao mesmo tempo não dá, néam, Matraca!

Fazenda Sao Jeronimo Ilha de Marajo Mangueiros abracados

No meio do caminho aparecem os “Mangueiros Apaixonados” que representam a história de dois jovens índios — Nira e Mururé — de tribos inimigas que se apaixonaram perdidamente.

Fazenda Sao Jeronimo Ilha de Marajo Trilha Mangue

Fazenda Sao Jeronimo Ilha de Marajo Mangue

O enrosco é bem ao estilo Romeu e Julieta que todo mundo sabe como termina. Reza a lenda que o casal que se sentar nos mangueiros jamais se separará. Owww!

Fazenda Sao Jeronimo Ilha de Marajo Goiabal

O final da trilha desemboca na Praia do Goiabal, uma praia salobra que mistura água do Rio Pará com a do Oceano Atlântico, deserta e com árvores de raízes expostas espalhadas por toda a “orla”. Não há tempo para banho. É só contemplar.

Fazenda Sao Jeronimo Ilha de Marajo Cozinha Marajoara Raizes arvores

Foi justamente este pequeno éden que acabou virando cenário do programa No Limite da Rede Globo, em 2001. O sucesso foi tão grande que no ano seguinte, a Fazenda São Jerônimo abriu a porteira para o turismo ecológico.

Fazenda Sao Jeronimo Ilha de Marajo Praia do Goiabal

Antes, ela era dedicada exclusivamente ao extrativismo de frutas, à pesca, à pecuária e à agricultura familiar — conforme explicou Seu Brito. Em 2012, foi a vez da novela Amor Eterno Amor (também da Globo) garantir suas cenas românticas dentro da fazenda.

Fazenda Sao Jeronimo Ilha de Marajo Canoa

A volta é feita em canoa. Um percurso tranquilo onde, com um pouco de sorte, você vê a famosa revoada de guarás. (A gente viu o guará, não a revoada!)

Ilha de Marajo Fazenda Guara vermelho

O le grand finale é uma mistura de floresta amazônica, mangue, igarapé e animais silvestres como pássaros e macaquinhos.

Ao chegar à sede da fazenda — que está incluída na Reserva Extrativista Marinha de Soure, uma unidade de conservação federal — são oferecidos sucos típicos.

Passeio com princípio, meio, fim… e o melhor resumo do Soure.

Fazenda Sao Jeronimo Ilha de Marajo Passaros

SERVIÇO

Fazenda São Jerônimo

Local: Rodovia Soure – Pesqueiro, km 3 – Bairro Tucumanduba  | Soure – Pará (Fica longe do centrinho de Soure. Se você não estiver de carro, há táxi e moto-táxi na cidade que fazem o trajeto.)

Tel.: (91) 3741-2093, (91) 99331-0726 e (91) 98103-4903. O melhor horário para falar segundo os proprietários é das 20h às 23h.

E-mail: fazenda.saojeronimo@hotmail.com

Preço: R$ 100 (crianças até 7 anos não pagam, mas é bom confirmar antes de ir porque preços e regras podem mudar). Valores de janeiro de 2016.

Duração: o passeio todo dura em torno de 2 horas. Mas existe, à parte, cavalgada na praia e travessia de rio sobre os búfalos. Caso você inclua um ou outro, o tour pode chegar a quatro horas.

Post relacionado

Como chegar à Ilha de Marajó

Leia também

Belém | Feira do Açaí: a essência da identidade paraense

Belém | Mercado Ver-o-Peso: turismo de experiência

Por trás da Portinha de Belém

E ainda

Cinco atrações grátis e estreladas em Manaus

Manaus | Encontro das Águas – Parte 1

Manaus | Encontro das Águas – Parte 2

As comidinhas de Manaus

Teatro Amazonas: galeria de imagens

Fotos: Raul Mattar | Todos os direitos reservados. ©



Newsletter

Digite seu e-mail e receba gratuitamente nossas novidades


13 comentários

  1. Comentário do dia 11/6/2015 às 11:00

    Silvia,
    Eu sou filha de paraenses, mais do que isso, meu pai é da Ilha do Marajó e eu não conheço nem metade das maravilhas que existem por lá. Já fui à Ilha, mas para a cidade do meu pai, Ponta de Pedras, já ouviu falar? É uma cidade pequena, bem de interior mesmo.
    Estou com planos de ir ao Pará ainda este ano, e se eu for, vou vê se consigo fazer esse passeio. Adorei a dica! Sempre ao quando leio alguma coisa relacionada ao Pará, meus olhos brilham de felicidade.
    Abraços

    (Responder)

    Resposta de Silvia Oliveira

    Ah, jura que seu pai é de Marajó! Que incrível! Nunca ouvi falar de Ponta de Pedras… mas Marajó tem muitas cidadezinhas pequenas que devem ser um éden na mata! Bjs!

    (Responder)

  2. Virginia Lucia
    Comentário do dia 11/6/2015 às 13:17

    Que delícia de post, Sílvia! Amo esse seu estlo informativo “pero” sem perder o tom de papo entre amigos. Beijos.

    (Responder)

    Resposta de Silvia Oliveira

    Virginia, o melhor passeio de Marajó para mim! Bjs! 😉

    (Responder)

  3. Mônica
    Comentário do dia 11/6/2015 às 14:34

    Sílvia: que linda viagem! E lindas fotos também!! É um super convite para visitar o Pará! Obrigada por tantas dicas fabulosas!! Na cidade de Piracicaba (interiorzão de SP) também é servido o peixe filhote!! Ai que vontade de pegar estrada pra bater um papo com vocês e com o sr. Brito e de quebra provar todas as novidades da cozinha paraense! Adoro toda emoção que você posta pra nós! Faz muito bem ao nosso coração!! Beijinhos

    (Responder)

    Resposta de Silvia Oliveira

    Nossa, Mônica, serve filhote em .. Piracicaba??? Achei que era peixe só da região norte. Que interessante. Obrigada por matraquear com a gente! Bjs! 😉

    (Responder)

  4. Comentário do dia 12/6/2015 às 22:57

    Oi, Sílvia!
    Pretendo fazer essa viagem no ano que vem. Com certeza, passarei novamente aqui no seu blog pra lembrar essas dicas mais lá na frente.
    Junho está sendo um mês inspirado – quanta postagem! Adoro!
    Um abraço!
    Juliana

    (Responder)

    Resposta de Silvia Oliveira

    Ah, que legal, Juliana! Farei mais posts de Marajó (há outras fazendas bacana para visitar lá, mas esta foi a mais completa na minha opinião). Pois este mês tirei “férias em casa” para colocar este blog em dia. São dezenas de pequenos posts (e outros nem tão pequenos assim) atrasadíssimos. Tô dando um gás aqui! 😀

    (Responder)

    Resposta de Juliana

    Os leitores agradecem o gás aí no “brogue”.:)

    (Responder)

  5. Comentário do dia 16/6/2015 às 15:36

    Puxa, que saudades de Marajó! Tenho a enorme sorte de ter um grande amigo em Belém e não precisei me preocupar em chegar e conhecer a ilha, há dez anos. Parabéns pelo esforço em ir atrás e pelas fotos! Também conheci seu Brito! Que figura interessante! Adorei relembrar a viagem. Preciso voltar! 🙂

    (Responder)

    Resposta de Silvia Oliveira

    Nossa, Carlos, há 10 anos eu não sabia nem onde ficava o Pará, quanto mais o Marajó!!! 😀 O Pará, assim como o Espírito Santo e próprio Paraná (onde moro) são daqueles estados que ficam no último lugar na listinha dos viajantes. Meu esforço não é só ir atrás da informação, é sair um pouco da minha zono de conforto e dar espaço ao país mais lindo do mundo, o meu!

    (Responder)

  6. Carolina Miranda
    Comentário do dia 07/7/2015 às 10:17

    Oi, Sílvia! Irei com mais três pessoas para a Ilha do Marajó no final de julho e estou em dúvida se vale a pena alugar um carro para andar pela ilha. Você usou táxi durante a sua viagem? Os valores cobrados eram acessíveis, na sua opinião? Muito obrigada!

    (Responder)

    Resposta de Silvia Oliveira

    Oi, Carolina! Vale muito a pena, sim, alugar carro. Eu aluguei uma moto. Mas não ter qualquer locomoção lá encarece muito a viagem pois as corridas de táxi são caríssimas e quase todos os passeios exigem um transporte. Abs!

    (Responder)

  7. Carolina Miranda
    Comentário do dia 09/7/2015 às 10:42

    Muito obrigada, Sílvia! Me ajudou bastante! Abraços!

    (Responder)

    Resposta de Silvia Oliveira

    Valeu, Carolina! 😉

    (Responder)

  8. Comentário do dia 10/8/2015 às 16:22

    Oi Silvia, que hotel você ficou em Soure?

    (Responder)

  9. Camila oliveira -Salvado/Ba
    Comentário do dia 11/8/2015 às 19:24

    Olá Silvia, adorei as dicas sobre a Ilha de Marajó. Sou paraense, mas moro em Salvador. Ainda não tive oportunidade de conhecer a ilha. Gostaria de obter uma opinião sua. Com base na sua experiência, é possível passar apenas um dia na Ilha de Marajó ? Gostei muito do passeio que fez na fazenda São Gerônimo (Soure), que durou em média 2 horas. Você acha viável ? Passar algumas horas na ilha, e voltar a noite ? Obrigada, Camila

    (Responder)

    Resposta de Silvia Oliveira

    Camila, viável é… só acho que é bem corrido. São 3 horas para ir, mais 3 horas para voltar. Mais a locomoção interna, mais o passeio que você vai fazer, mais a parada para almoço e/ou lanche. Eu consideraria dormir, pelo menos, uma noite lá! 😉

    (Responder)

  10. viviana nalon
    Comentário do dia 28/12/2015 às 20:55

    Ola Silvia
    ha 3 anos atras estive em Piranhas no AL por indicação tua através de seu blog!!
    Foi incrível
    Agora olhando seus post de Marajo estou inclinadissima a sair daqui da praia da pipa aonde moro para conhecer essas belezas do nosso Pais
    voce saberia me dizer se essa época de janeiro o fato de chover term condições de visitar a ilha!?
    um grande abraço
    e parabens pelo seu blog
    viviana

    (Responder)

    Resposta de Silvia Oliveira

    Oi, Viviana! Eu evitaria ir para a ilha de novembro a maio. Bjs!

    (Responder)

  11. silvia torralbo
    Comentário do dia 14/1/2016 às 02:34

    Olá Silvia, estive em Marajó, em novembro de 2015, e usei como referência, as suas dicas, porém não sei quando voce foi, mas algumas coisas mudaram. Tentei reservar a pousada que voce ficou, até consegui, mas precisei alterar a data, e ai já não tinha mais disponibilidade, e ai acabei ficando em Soure na pousada Aruanã, excelente.
    A travessia, de Salvaterra para Soure, e vice-versa, agora é cobrada, R$ 2,70 por pessoa, cada trecho.
    Fui na Fazenda São Jerônimo, e mesmo agendando antes, não me foi dada a opção de almoço, a resposta que tive é de que não servem refeições. Até ai tudo bem.
    Fiz o roteiro, inverso ao seu, comecei pela canôa, adorei tudo. Fiz o passeio pela manhã, Cheguei lá por volta de umas 8 horas da manhã, mas só fui começar o passeio quase as 9 horas. O preço subiu, paguei R$ 100,00, comentei que havia visto o valor no seu Blog, e percebi que ele não gostou muito, disfarçou e foi ligar para o filho, dizendo que eu era ‘mais uma reclamando” do preço e que eu tinha visto na internet. E quando falei para ele, ele me falou que não divulgava nada na internet e tals, tipo eu tava inventando, e falei para ele, que vi a informação de alguém que esteve lá. Até ai tudo bem, não fui lá por causa do preço, e sim pq. queria conhecer o local.
    Quando voltei, perto do meio dia, estava com muita fome, pois tomei café muito cedo na pousada. Estava ansiosa por um pedaço de bolo, que não foi servido, perguntei, e a resposta que tive é que só estava incluido no passeio o suco. Perguntei se serviam alguma coisa para comer, que pudesse pagar e a resposta foi não. Achei muito estranho. Lá conheci um casal que fez também o passeio, só que optaram por fazer a travessia nadando com os búfalos. Eles tbém leram su blog, e questionaram as mesmas coisas, o valor , refeição e o tal bolo….Acho que isso deixou o seu Brito nervoso, e soube disso, pq, por coincidência, este casal estava na minha pousada, e os encontrei no dia seguinte, no café da manhã, e ai conversamos sobre isso. E depois, um outro casal que estava na pousada, fez o passeio e tbém questionou o mesmo. E todos lemos no seu Blog.
    Ai, achei legal te dar este feedback, pq. as coisa mudaram bastante por lá.
    Mas o bom é que valeu conhecer aquele lugar mágico….adorei tudo!

    (Responder)

    Resposta de Silvia Oliveira

    Oi, Silvia! Obrigadíssima pelo feedback! Os valores são de junho de 2015, data em que foi publicado o post. (A data fica no cabeçalho do post é sempre bom confirmar antes de ir! Ele não passou o valor na hora da reserva?) De qualquer maneira, é bom saber que ou mudaram algumas coisas ou foi um dia atípico. O almoço eu sei que é só com reserva mesmo. Mas pelo que eu entendi eles não estão servindo mais, seria isso? Como você deve ter visto, seu Brito e Dona Jerônima já são idosos e acho que eles têm na Fazenda mais um passatempo do que um ganha-pão. Tentei falar em todos os números deles (mandei mensagem inclusive) mas ninguém respondeu até agora. De qualquer maneira, vou atualizar os preços, destacando que são de novembro de 2015, quando você foi. Se eles me responderem algo diferente, eu coloco no texto! Obrigada mais uma vez! Bjs!

    (Responder)

    Resposta de Silvia Oliveira

    Oi, Silvia! Consegui falar com seu Brito. Passeios a R$ 100 com suquinho incluído. Já atualizei o post! Bjs! 😉

    (Responder)

    Resposta de silvia

    Oi Silvia, desculpe pela demora, fiquei sem computador esses dias.
    Legal, que voce falou com eles…realmente então mudaram as coisas por lá!
    bjs!

    Resposta de Victor

    R$ 100,00 sem almoço? Rs

    Resposta de Silvia Oliveira

    Oi, Vitor! Quando eu fui o almoço não era incluído, pagamos à parte conforme consta no post. Acho bem justo o valor de R$ 100. O passeio é bem completo e super diferente. Sem contar que isso equivale a menos de US$ 25. Ou seja, difícil encontrar tours por menos disso em qualquer lugar do Brasil! 😉

  12. Andrea
    Comentário do dia 13/2/2016 às 15:11

    Sílvia, mais uma vez seu blog está sendo muito importante na escolha e preparação de nossa viagem. Obrigada pela informação sobre transporte lá em Marajó. Você poderia informar se foi fácil encontrar a empresa para alugar a moto e se ficaram satisfeitos?
    Agradeço desde já!

    (Responder)

    Resposta de Silvia Oliveira

    Oi, Andrea! Se eu te contar… a “empresa” que aluga moto são pessoas físicas que ficam ali no ponto de moto-táxi. O rapaz não pediu nenhum documento nosso. Nenhum! Pagamos adiantado, pegamos a moto e devolvemos no dia e hora combinado. A coisa é bem informal mesmo. Abs!

    (Responder)

  13. Raphael Alexandre
    Comentário do dia 06/6/2016 às 18:46

    Silvia, Sensacional o seu blog! Parabéns! Quando penso em viagem eu tenho 3 destinos que quero muito conhecer no Brasil: Fernando de Noronha, o Acre, e a Ilha de Marajó. Mês que vem vou fazer uma das viagens do meu sonho e conhecerei o Acre a Marajó. Fiquei encantado com o seu blog, com a linguagem acessível e com as informações úteis que você compartilha. ele está sendo muito útil no planejamento da minha viagem. Obrigado.

    (Responder)

    Resposta de Silvia Oliveira

    Ah, que bacana, Raphael. Depois volte aqui contando as dicas do Acre. Deve ser realmente incrível desbravar uma região tão desconhecida pelos brasileiros. Abs!

    (Responder)

Um Trackback

  1. […] fazenda. Se tiver curiosidade sobre o passeio na Fazenda São Jerônimo, leia os relatos nos blogs Matraqueando e 360 […]

Comente você também

Seu e-mail ficará em sigilo. Campos obrigatórios estão marcados com *

Comentários do Facebook

Matraqueando - Blog de viagem | Por Sílvia Oliveira

Todos os direitos reservados. 2006-2017 © VoucherPress | Agência de Notícias.
Está proibida a reprodução, sem limitações, de textos, fotos ou qualquer outro material contido neste site, mesmo que citada a fonte.
Caso queira adquirir nossas reportagens, entre em contato.

Desenvolvido por Dintstudio
×Fechar