-  Atualizado 24/08/2010

Rota de compras no Paraguai: lojas, imposto e chipa

Publicado por: Silvia Oliveira Foz do Iguaçu, Paraguai

Paraguai é Chaco. É Assunção. É Augusto Roa Bastos. É chipa. Tetã Paraguái em guarani. Mas a gente insiste em resumir o país ao nosso perfume importado de cada dia. O que pode ter seu valor. Circular por Ciudad del Este é uma experiencia para poucos viajantes. Uma espécie de expedição científica em que a antropologia seria nossa linha de pesquisa. Antes de prosseguir, clique no video abaixo. Este post merece ser sonorizado. Com vocês… nuestra Perla, hermosa! 

Lugar exótico, história conturbada, com gente simples. Considerado paraíso de compras. Só por isso o Paraguai deveria receber mais turistas do que o Brasil – outro lugar exótico, com história conturbada e gente simples. Mas aqui, lojinha de R$ 1,99 é fichinha se comparada ao universo muambístico da fronteira. Já passou a fase da camisinha musical e do video-cassete. Agora, o carros-chefes são as meias de cano curto da Nike (tem da Puma e da Adidas também) e os aparelhos de DVD. Progresso.

Quem vier a Foz deve reservar uma manhã para passear por aqui. Fuja dos sábados e feriadões. E esteja consciente: camelô é igual em qualquer lugar do mundo. Vende tudo baratinho, mas a garantia é zero. Você pode até dar sorte, mas é bem provável que um produto sem certificação de origem cause problema. Quer comprar um eletrônico? Um tênis de marca? Brinquedos para a Mariana – ops, digo, para seu filho? Procure uma das grandes lojas. E assim mesmo pesquise, é possível fazer isso, antes de sair de casa, pela Internet. Veja:

Eletrônicos
Discovery Import
Madrid Center
Casa Escocia

Informática
Master 10
Icompy
Nave

Roupas, mochilas, óculos, perfumes e bolsas
Chenson
Revelata
Charme Perfumaria
Carol Montenegro

Câmera e fotografia
Mundo das câmeras
Monte Carlo
Audio Phone SRL

E as grandes lojas ou shoppings que vendem de tudo um pouco:
Monalisa
Americana
Casa China

Forma de pagamento: o dólar é a moeda corrente, mas o real também é aceito. Cuidado ao usar cartão de crédito (só aceitam o internacional). Geralmente cobram uma taxa que varia de 8 a 12% em cima do valor da compra.

A cota autorizada: US$ 300,00 para quem atravessa a fronteira por terra e US$ 500,00 para quem chega de avião.

Produtos proibidos: cigarros, bebidas com produção no Brasil e qualquer coisa que esteja em quantidade que caracterize a compra para revenda, mesmo que não ultrapasse o valor da cota. Ou seja, se você trouxer 15 pen drives de 2 gigas, o valor total será mais ou menos de 170 dólares. Não ultrapassa a cota, mas a quantidade é exagerada aos olhos da aduana. Se pegarem, você perde tudo.

Pagando imposto: para regularizar suas compras no Paraguai – caso gaste mais do que a cota e esteja trazendo produtos autorizados – é só pagar o imposto excedente. Simples: gastou US$ 380,00? Quando estiver saindo de Ciudad del Este pare na aduana brasileira. Lá você vai ter que pagar 50% em cima dos US$ 80,00 a mais, por exemplo. E atenção: uma vez que você declare, só podera fazer compras novamente (pagando imposto) depois de 30 dias.

Quer só comprar badulaque e balangandã? Então aproveite para experimentar a chipa, o tradicional biscoito da culinária paraguaia – algo como o nosso pão de queijo, só que com maior consistência e sabor típico. Leva queijo ralado, polvilho, azeite, ovos e sal. Tem forma de ferradura. E custa R$ 0,50 a unidade.

Fotos: Raul Mattar – menos a que ele aparece olhando uma camisa “orirrinal” do São Paulo – que pertence ao Matraca´s Image Bank.

Posts relacionados:



Newsletter

Digite seu e-mail e receba gratuitamente nossas novidades


15 comentários

  1. Muricando
    Comentário do dia 16/4/2009 às 08:25

    Muito boa a música ambiente! E o Raul, são paulino?… Nem todo mundo é perfeito! kakakaka

    (Responder)

  2. Ozenilda Amorim
    Comentário do dia 16/4/2009 às 10:33

    Adoro ver seus posts, dá tanta vontade de viajar pelo mundo, nem que seja com uma muchila nas costas.
    😉

    (Responder)

  3. Priscila Goldman
    Comentário do dia 16/4/2009 às 10:37

    Silvinha, qual a melhor loja para comprar roupas de marcas, mas que sejam originais? beijos

    (Responder)

  4. Patricia de Camargo
    Comentário do dia 16/4/2009 às 10:41

    Oi,
    liguei na Receita Federal e agora o tempo entre uma legalização e outra é de 30 dias!!! Brigadinho!
    Beijos

    (Responder)

  5. SÍLVIA OLIVEIRA
    Comentário do dia 16/4/2009 às 11:20

    Pati, quando vi no seu blog que você tinha colocado o prazo de 90 dias eu achei estranho mesmo, porque a própria receita de lá havia me passado a informação de um mês! Então você duvidou de mim e ligou lá???? hahahahaha! Tô sem crédito mesmo! Bjs!

    (Responder)

  6. SÍLVIA OLIVEIRA
    Comentário do dia 16/4/2009 às 11:22

    Priscila, não sou especialista em compras no Paraguai (estive só duas vezes lá), mas as que indico nos post são as mais conhecidas. Bjs!

    (Responder)

  7. SÍLVIA OLIVEIRA
    Comentário do dia 16/4/2009 às 11:24

    Murilo: o Raul prometeu comprar uma para você quando voltarmos lá! hohohohohoho!

    Nilda: mochila é bom, mas eu prefiro mala de rodinhas (hohohoho)! Bjs!

    (Responder)

  8. Patricia de Camargo
    Comentário do dia 16/4/2009 às 13:26

    Silvinha, não duvidei jejejeje é que a Receita Federal é broca, li as leis e nada … acabei ligando. No site eu não encontrei e achei um absurdo!!!
    Valeu pela dica! Não magoa jejejejej
    Beijos

    (Responder)

  9. SÍLVIA OLIVEIRA
    Comentário do dia 16/4/2009 às 20:29

    Ish, Pati! Nem me dei ao trabalho de entrar no site da Receita. Esse tipo de informação, com segurança, a gente só consegue pessoalmente ou como você fez, ligando lá!Tem muita coisa desencontrada na internet, antes da gente ir já ficamos com várias perguntas pendentes sobre legalização de produtos. É um absurdo, é verdade! Bjs!

    (Responder)

  10. Joaninha Bacana
    Comentário do dia 17/4/2009 às 05:15

    Nao conhecia a chipa!!! Nhac-nhac-nhac :o)))
    Beijos, Angie

    (Responder)

  11. Claudia Henriques
    Comentário do dia 20/7/2012 às 23:57

    Olá, tenho dúvida quanto a cota de US$300,00. É que vou fazer compras em Ciudad del Este e no duty free shop da Argentina, a cota é a mesma para as duas cidades ou é US$300,00 para cada lugar?

    (Responder)

    Resposta de Silvia Oliveira

    Quem faz viagem terrestre só pode voltar ao Brasil com US$ 300 em compras, independente de onde comprou.

    (Responder)

  12. Lubia
    Comentário do dia 17/9/2012 às 16:28

    já fui fazer compreinhas no Paragay…nossa adoreii rs…sou muambeiraa msm!!!
    então gente realmente não se deve confiar em compra na rua eu concentrei minhas compras mas no Shop Del Leste…sai de lá com sorriso de orelha e orelha…e em JANEIRO estarei voltando a Foz eitaa q não vejo a hora de chega…qm não foi ainda recomendo pois é mto bom.

    (Responder)

  13. Laís Costa
    Comentário do dia 06/7/2013 às 20:09

    sabe como é pra trazer instrumentos musicais de lá? violão, guitarra, banjo?

    (Responder)

    Resposta de Silvia Oliveira

    Nem ideia, Laís! Mas o certo é pagar o imposto, sempre! Se não compensar, compre por aqui mesmo! 🙂

    (Responder)

  14. Comentário do dia 08/11/2013 às 10:03

    Adorei a viagem para foz e as comprar no paraguai foram uma delicia, andar por aquelas ladeiras sem fim por mais de quatro horas.

    Enquanto todo mundo se resumiu a ir apenas no shopping ciudade del lest ( apesar que fiz a maioria das minhas compras lá) eu curti muito conhecer um pedacinho da cidade a pé, ver as pessoas e conhecer tanta gente diferente. Com certeza qdo voltar lá farei a mesma coisa.

    Beijos e até mais

    (Responder)

  15. Maína Gubert
    Comentário do dia 08/8/2014 às 05:35

    Garantia mesmo é comprar chipa em panificadora, mercado… essas que você compra na rua não são feitas de forma higiênica.

    (Responder)

Comente você também

Seu e-mail ficará em sigilo. Campos obrigatórios estão marcados com *

Comentários do Facebook

Matraqueando - Blog de viagem | Por Sílvia Oliveira

Todos os direitos reservados. 2006-2017 © VoucherPress | Agência de Notícias.
Está proibida a reprodução, sem limitações, de textos, fotos ou qualquer outro material contido neste site, mesmo que citada a fonte.
Caso queira adquirir nossas reportagens, entre em contato.

Desenvolvido por Dintstudio
×Fechar