-  Atualizado 25/06/2020

Como se livrar do enochato?

Publicado por: Silvia Oliveira Crônicas

Pagando de bacana numa cave do Porto, Portugal

Existem duas coisas na vida que eu já desisti de compreender: plano de celular e vinhos.

No primeiro caso — como todas as questões tecnológicas — deixei por conta do Raul. No segundo, pane total, porque ele também não bebe. E quanto menos a gente entende, mais aparecem amigos tentando explicar a importância dos taninos.

Sabe aquele indivíduo que numa reunião qualquer (tipo, batizado do sobrinho) faz cara de entendido, ergue a taça, analisa o corpo da bebida, enfia o nariz no copo e decreta: aroma de trufa branca com beterraba francesa e notas de cardamomo.

Não existem limites para a atuação do enochato, alcunha derivada do termo enólogo, aquele ser superior com a língua mais apurada da ordem celestial.

Os enochatos se revelam em jantares informais ou num restaurante estrelado. Geralmente implicam com a carta de vinho e com o mestre sommelier. Com apenas um gole já sabem: reflexos violáceos de repolho cozido adocicado com fundo de peroba rosa no retrogosto.

Oi?

Não existe nada de errado na apreciação do vinho. Essa coisa de olhar contra a luz, girar a taça, cheirar a rolha são características importantes para descobrir se a bebida está dentro de um padrão razoável.

Mas o enochato (que pode até ser um enólogo) não sabe a hora certa de fazer isso, quase sempre é um exibido na frente de leigos boquiabertos e estarrecidos. E deuzolivre se você cometer o pecado mortal de dizer que gosta de um rosé.

O enochato é jactancioso e inadequado. Tipo o bicho besta mesmo!

São seres quase sempre de conhecimento raso, que se aproveitam de nossas limitações sobre o tema para exercer um vocabulário rebuscado sem pé nem cabeça.

Observe que o protagonista é sempre ele, nunca o vinho. O enochato precisa de plateia. Portanto, não seja você a dar palco pra maluco.

Sendo obrigada a conviver com essa pessoa sinto-me na obrigação de tirar o indivíduo desse delírio. O truque é simples: finja que sabe mais do que ele.

Pergunte sobre o motivo dos chilenos terem trocado os parreirais de Baquedano pelos vinhedos de Tobalaba. (Ele mal deve saber que você está falando de duas estações de metrô de Santiago.)

Aponte uma questão técnica avançada: qual o impacto do coronavírus na produção dos vinhedos gregos?

Ele imediatamente vai voltar para o seu mundo de reclamações (todo enochato nasce da lamúria) para mudar de assunto.

Esse é o momento de você levantar a taça levemente na altura dos olhos e dizer: aqui temos um quê aveludado, lembra açafrão marroquino colhido antes do amanhecer com notas de fumo de corda e café damasco coado em filtro de seda italiana.

Incrédulo, ele vai te interromper mais uma vez (enochatos são incansáveis, já aviso) para perguntar, então, qual é o melhor vinho para você:

O próximo, more! 

— Mas qual?

O Dom Quemidón! O quemidón, eu bebo!

Matraqueando Instagram

Leia também

Farofeiros de raiz, uni-vos!

Ofício de blogueira versus espírito de viajante: como manter um sem acabar com o outro

Sílvia Oliveira, a moça do tempo

Pela atenção, muito obrigado!

O mundo acabando e você aí, falando de viagens?

Generalizar é pecado

Por favor, deixem o turista em paz!

O que se aprende com uma viagem

Os 10 mandamentos do viajante

Os sete pecados capitais do turista



Newsletter

Digite seu e-mail e receba gratuitamente nossas novidades


30 Comentários

  1. Gisela Garcia

    hahahahaha…já trabalhei revisando textos e sempre achei bizarro ler esse tipo de coisa: " Esse elegante vinho reflete a fiel expressão desta cepa, com uma cor intensa e profunda que, junto com os aromas de frutos maduros, harmonizam com os toques de baunilha entregues pela guarda em barris."

    Sinistro…

    responder
  2. Gisela Garcia

    pra melhor entendimento do meu comentário anterior: eu revisava os catálogos de vinhos de uma grande importadora…

    responder
  3. Lucia Malla

    Adorei! 😀

    responder
  4. Lucca SP

    Meu, mas esse peseudo-conhecimento é uma chatice mesmo! rarararara. Morri de rir!

    responder
  5. Lucca SP

    Ops, PSEUDO!

    responder
  6. mara sallai

    Eu amo vinho,de preferencia Zinfandel,tinto. Nao entendo nada
    da cepa da uva, da baunilha do barril, do aroma isso e aquilo. Mas eu ja viajei no trem do deus Baco.
    Silvia da uma checada no link.
    http://winetrain.com/lunch/gourmet

    Bjs
    mara

    responder
  7. Margareth Bastos

    Perfeito! Dia desses li (e adotei) que "o melhor vinho é aquele que a gente gosta". Né não?

    responder
    • Carla

      Eu diria mais: o melhor vinho é o que está no copo no momento! rsrs

      responder
      • simoni

        O melhor vinho é aquele que a gente divide com as pessoas queridas, falando muita bobagem e dando muita risada.

        responder
  8. Marco Cavalheiro - Buenos Aires Dreams

    Oi Silvia! Que post maravilhoso! É quase como um grito de liberdade! Eu tenho um verdadeiro "enojo" de "enochatos" e até escrevi sobre isso lá em casa (http://buenosairesdreams.blogspot.com/2009/03/vino.html). Adorei as descrições que você usou! Perfeito!!

    responder
  9. Rilza

    Sensacional! Que preguiça desse povo que jura que entende de vinho, socorro! Silvia, voce é a criatura mais espirituosa que conheço. Bjos

    responder
  10. Paula*

    kkkkkkkk…amei esse post!
    Adorooo vinho tinto, mas só fico no esse eu gostei, esse não e ponto final!

    responder
  11. Joaninha Bacana

    Hahaha – taaaao verdade 🙂 Tem um amigo do meu marido que é casado com uma francesa: os dois sao meio enochatos, e só gostam de vinho francês. Como meu marido é catalao, e a regiao tem vinhos ótimos tbm, muitas vezes compramos vinhos de lá e o amigo dele meio que tirava sarro. Até que uma noite eles vieram jantar lá em casa e namorido serviu um vinho (num decantador) catalao que estava ótimo. O amigo disse: 'Que ótimo esse vinho. É francês com certeza, nao?', e namorido disse: 'Naaaaaao, é catalao'. Ele só acreditou quando viu a garrafa e o rótulo. Adoreeeeei a cara de eno-tacho dele, hehehe! 🙂
    Beijos, Angie
    P.S. Obrigada pela dica das fotos!!! Eu sou mega leiga em blogs, só sei o mínimo, nao tenho a mínima idéia como usar o scribe fire 🙁 Mas quando tiver tempo vou sentar e investigar, obrigada pela dica 🙂 Enquanto isso, se você clicar em cima da foto, ela deve amplicar para o tamanho da tela (eu acho).

    responder
  12. Joaninha Bacana

    A propósito, lindao o movimento do vinho nessa foto!!!

    responder
  13. Isabel O., Portugal

    Olá
    por cá é o mesmo… e eu não percebo nem de vinhos (mas gostava), nem de tarifários.
    A par da extensa conversa sobre os aromas vínicos, as listas de pratos dão longas descrições dos mesmos, para dar conta do nível de softiscação e criatividade dos chefes. Imagino que no Brasil seja o mesmo.
    Cheguei aqui via VnV e achei imensa graça ao seu blogue.
    Já o coloquei nos favoritos.
    Beijinhos
    Isabel

    responder
  14. Luisa

    Me acabei de rir com esse texto! Acontece exatamente como vc descreveu! O duro é que eu tenho um marido sommelier e vira e mexe vou em alguma degustaçao com ele. E dai, sem perceber, me pego segurando a taça pela haste e, pior, alem de girar a taça acabo tambem enfiando o nariz bem dentro dela (nada elegante!) pra tentar sentir algum cheiro desses. Nem preciso dizer que nunca dei conta, né?
    Mas pior que "enochato", agora por aqui tá uma moda de "hidrochato". Vc acredita que eu fui em uma degustaçao de agua?
    Pois é… 🙂

    responder
  15. Cogumelinha

    Olá! Gostaria de parabenizá-la pelo Blog! Gostei! Achei divertido!

    Será que você poderia me passar um email para eu escrever diretamente?

    Abracos,
    Cris
    (micha.ella@hotmail.de)

    responder
  16. SÍLVIA OLIVEIRA

    Olá! Nosso e-mail é matraqueando@gmail.com!
    Abs!

    responder
  17. Priscila Ferreira

    Eu simplesmente AMEI este blog! Já li praticamente todos os posts e quero agradecer a parte de dicas da Europa, me deram uma ajuda imensa!!!
    E meu sonho é conseguir identificar um aroma frutado com trufa e café em um vinho heheheh
    Comecei meu blog ontem, sobre viagens e temas relacionados. Dá uma olhada e espero que goste! Já estou seguindo este 😀
    Bju
    Pri

    responder
  18. Cris Caetano

    Gostei! São pedantes além de chatos…

    Beijinhos

    responder
  19. Jaqueline Mendes

    rsrsrsrsrs! Acgei genial! Gosto de beber vinho, mas não sei nada, só se gosto ou não. E pode ser qualquer um! Beojo

    responder
  20. Sil, ameeeei este post, só achei ele agora 🙂 Detesto os enochatos também! Outro dia numa degustação a pessoa do meu lado dizia que tinha sentido gosto de “pedra de isqueiro” o___O
    Adoro tomar vinho, participo de uma confraria, mas sempre falamos que estamos ali para garimpar boas “relações preço-qualidade”, para conhecer novos vinhos, para termos mais facilidade para escolher nas cartas de vinhos de restaurantes e, mais importante, para nos divertirmos 😀

    responder
  21. Nair

    Silvia, adoro suas dicas de viagem e gastronomia, essa do enochato é mara como dizem alguns. Sempre recomendo a amigos que antes de viajarem deem uma olhada nas suas dicas.

    responder
  22. Amanda

    Eu n gosto de vinho, cerveja, nem uisque. Mas para “algumas pessoas” curtir uma taça de vinho é lei, e quem simplesmente n gosta n é uma pessoa chique, rsrs … Qual a relação entre as duas coisas? Gostar e conhecer um tipo de bebida n torna ninguém isso ou aquilo, é uma questão de gosto pessoal, e um direito também. Chique , moderno e cool é sermos sempre nós mesmos, e não seguir tendências, modismos, n é verdade ?!

    responder
  23. Cara, muito bom este post!

    responder
  24. Noel

    Gargalhei aqui Silvia! Eu participo de uma confraria de aprecidaodres de vinho e nós já tivemos até um encontro para não sermos como um desses enochatos! Parabéns pelo texto!

    responder
  25. kkkkkk amei

    responder
  26. isso varia do paladar de cada um eu acho

    responder
  27. Olá Silvia,

    Apreciar um bom vinho, na melhor companhia e naquele momento especial, é algo prazeroso e que cabe em qualquer bolso.
    Existem vinhos caros e bons e, ao mesmo tempo vinhos baratos e bons.

    Aqui na Pousada Refúgio Monte Olimpo frequentemente nos deparamos com alguns “pseudos conhecedores” do néctar dos deuses.
    A casa dispõe de uma pequena carta com alguns rótulos, incluindo Chilenos, Argentinos e os Nacionais.
    A Serra Catarinense produz bons vinhos e merecem destaque especial, além da nossa preferência.

    Como bom Pousadeiro gosto de contar causos, e lá vai um:

    Certa vez acolhemos um pequeno grupo e, no jantar, pediram para que fossem servidos os vinhos que trouxeram (só lembrando que cobramos uma taxa – rolha – para tanto).
    Anotamos os dados do rótulo e, quando fomos ao supermercado, conferimos o valor de um igual que estava à venda na gôndola.
    Qual não foi a nossa surpresa ao constatarmos que custava a metade do valor que foi cobrado pela rolha.

    responder
    • Silvia Oliveira

      Hahahaha! Muito boa história! E ainda tem essa, o enochato quase sempre acha que vinho bom é vinho caro!

      responder

Deixe seu Comentário






Comentários do Facebook

Matraqueando - Blog de viagem | Por Sílvia Oliveira

Todos os direitos reservados. 2006-2020 © VoucherPress | Agência de Notícias.
Está proibida a reprodução, sem limitações, de textos, fotos ou qualquer outro material contido neste site, mesmo que citada a fonte.
Caso queira adquirir nossas reportagens, entre em contato.

Desenvolvido por Dintstudio
×Fechar