-  Atualizado 29/01/2016

Estrada da Graciosa

Publicado por: Silvia Oliveira Estrada da Graciosa
O matraca-móvel não perde nenhuma oportunidade. Aparece uma via diferente, uma rua inusitada ou um beco sem saída… e lá vai ele. Imagine, então, ter a poucos quilômetros de casa a Estrada da Graciosa, uma antiga trilha traçada pelos tropeiros para abrir um caminho entre planalto e litoral.

Isso quer dizer que para chegar às cidades históricas do Paraná não é preciso pegar o trem, necessariamente. Nem descer pela BR 277 – pagando R$ 12,50 de pedágio. A melhor opção é usufruir desse pequeno e fofo trajeto.

A estrada passa por um trecho preservadíssimo da Mata Atlântica. É cheia de riachos, cachoeiras, bichinhos e flores. É tão importante para a biodiversidade que parte dela foi declarada pela UNESCO como Reserva da Biosfera.

A Estrada da Graciosa começou a ser construída no século 17 e durante muito tempo permaneceu como importante rota de escoamento da produção agrícola do Paraná em direção ao porto de Paranaguá. Ao longo da rodovia (sim, tecnicamente é chamada de Rodovia PR 410) existem sete recantos, com boa estrutura de lazer.

Há churrasqueiras, mirantes, banheiros e barraquinhas de comes e bebes. Mesmo assim, alguns preferem trazer o almoço de casa. (Eu mesma, confesso, já vim uma vez com marmita para cá!). Apesar do alvoroço que se forma aos domingos – todo mundo tem a mesma idéia que você – o passeio é sossegado.

Quem quiser aproveitar as churrasqueiras deve ir cedo. Antes das 9h da manhã já está tudo lotado nos fins de semana. E não precisa nem ser alta temporada.

Faça a primeira parada no Recanto Engenheiro Lacerda. Em dia de céu limpo é possível ver a baía de Paranaguá. O matraca-móvel, por exemplo, sofre da síndrome do parodrómo. Ele vê uma plaquinha, com uma vendinha e um quiosquinho e… já é motivo para desligar o motor e apreciar.

Há muitos trechos com curvas fechadas e um bom pedaço é de paralelepípedo. O antigo traçado da estrada serviu de caminho para índios, mineradores e jesuítas. Mais tarde os tropeiros substituíram  a estrada pelo Caminho de Itupava (que merece um post só para ele) – que eu já fiz a pé!  Foram 22 quilômetros de Quatro Barras a Morretes subindo e descendo morro. Mas eu ainda não era moça séria.

No último recanto está o Parque Mãe Catira, onde ficam concentrados os visitantes que querem tomar banho no rio.

Mesmo com muitas paradas o passeio é rápido. No fim do caminho aparece o município de São João da Graciosa, que está a 13 quilômetros de Morretes. É o melhor lugar para comprar pimenta artesanal e comer pamonha da terra. Mais adiante, já sabe, tem Morretes e Antonina. Na verdade, quando você pensa que a viagem acabou ela só está começando.

O que fazer em Curitiba

Curitiba | Vinhos Durigan: parada estratégica em Santa Felicidade com degustação grátis

Linha Turismo Curitiba: como aproveitar o city tour oficial da cidade

Curitiba: faça da cidade seu melhor destino de inverno

23 motivos para você conhecer e se apaixonar por Curitiba

Cinco atrações grátis e estreladas em Curitiba

Leia também

Vila Velha, Paraná: sítio geológico de 300 milhões de anos está a uma hora de Curitiba

Lapa: como organizar um bate e volta perfeito saindo de Curitiba

Colônia Witmarsum: café colonial, história alemã menonita e descanso ao lado de Curitiba

Parque Histórico de Carambeí: espaço temático reproduz um pedaço da Holanda no Paraná

Cidades Históricas, Serra do Mar e Estrada da Graciosa: quando ir?

Estrada da Graciosa

Passeio de trem pela Serra do Mar

Antonina

Morretes

Ilha do Mel

___________ 

Fotos: Raul Mattar | Todos os direitos reservados.



Newsletter

Digite seu e-mail e receba gratuitamente nossas novidades


21 Comentários

  1. Adriana

    que delicia de fotos!

    responder
  2. malu bueno - florida

    Eu fiz esse caminho uma vez. Mas choveu e tinha muita neblina. Nao paramos nos mirantes (nao dava para ver nada) Ficamos com medo de desandar precipicio abaixo! rsrsrsrsr.

    responder
  3. SÍLVIA OLIVEIRA

    Adriana, pessoalmente é mais bonito ainda! 🙂

    responder
  4. SÍLVIA OLIVEIRA

    Malu! Tem isso mesmo… a neblina é forte na região! Tem que entrar em sites de clima para ver o que promete para a região na época em que for viajar! 🙂

    responder
  5. Arnaldo - fatos & Fotos de Viagens

    Sílvia Oliveira, a matéria (aliás, todas dessa série') está ótima. Eu há mais de 25 anos passei na Serra da Graciosa e jamais me esquecerei. PRECISO retornar. Por favor, eu estou com problemas no envio de a mail através do blog e NÃO recebi o que vc disse ter mandado. Por favor, anote o meu e mail:

    interatabr arroba yahoo.com.br

    responder
  6. SÍLVIA OLIVEIRA

    Oi Arnaldo!

    Pois é, a série incluía também a cidade histórica de Paranaguá… e você acredita que deu pau no cartão da máquina do Raul e perdemos tuuuudo que tinha sido feito lá! Mas vamos voltar, logo, logo para refazer o material.
    Uia, obrigada por disponibilizar seu endereço eletrônico aqui, já mandei o e-mail para você! Abração!

    responder
  7. Anonymous

    Dá muito farofeiro lá! Fica todo mundo disputando a tapa os lugares nos quiosques. Muito boa a foto da linguiçada!

    responder
  8. Priscila Goldman

    Conversei com meu namorado e vamos fazer esse passeio no feriado de 21 de abril… graças a você! Bejos!

    responder
  9. Muricando

    Eu já tomei banho naquela cachoeira quando tinha uns 17 anos, mas nunca fiz o bóiacross no Rio Nhudiquara. Concordo com o anônimo aí de cima, aparece muito jaguara por lá, pessoas que não respeitam a natureza, jogam lixo para todo lado.

    responder
  10. Sirlene

    Só esclarecendo: quando o Murilo tinha 17 anos eu nem conhecia ele… que, segundo o próprio, já foi jaguara um dia! hehehehe!

    responder
  11. Lilian F.

    Oi Profe. Silvia!
    Eu nãoo coinhecia seu blog, vi lá no site do Sol Miró. Que lindas as fotos! Nossa, quanta dica, profe!!!
    Adorei as dicas de Buenos Aires. Vou com meus pais para lá em junho.. no frrrio! Beijão profe!

    responder
  12. Anonymous

    Boa descoberta: a estrada da Graciosa. Levo em conta.
    Bonito o Parque Mãe Cativa.
    Gostei das fotos são muito lindas!!! Um saludo
    Carmen

    responder
  13. SÍLVIA OLIVEIRA

    Ow, Priscila, que legal! TOmara que faça ótimo tempo no período!:-)

    responder
  14. SÍLVIA OLIVEIRA

    Murica e Sirlene: eu sou jaguara, mas não jogo lixo no chão! hahahahaha!

    responder
  15. SÍLVIA OLIVEIRA

    Oi Lilian, brigada pela visita. Vocês vão a Bariloche também? 🙂

    responder
  16. SÍLVIA OLIVEIRA

    Oi Carmen! Espero que o "En Busca de la Cuadratura del Círculo" venha logo para cá! 🙂

    responder
  17. Edu Surfing

    oushi, quem adora essas malukices, é o doido do meu primo.qq coisa veja o blog dele.
    http://www.ultrapassandobarreias.blogspot.com
    ele vivia me falando da serra da graciosa, quando ele ia acampar. deve ser showw

    responder
  18. Cleverson Ribeiro

    Bom dia,estou programando uma caminhada da entrada da estrada da graciosa até Morretes,mais não vai ser possível chegar em pouco tempo,já que sairemos a tarde,alguém sabe me dizer se é permitido acampar nas imediações ou quiósques?

    responder
    • Silvia Oliveira

      Não é permitido, Cleverson.

      responder
  19. Edson

    Olá pessoal do Matraqueando, fiz uma viagem a Antonina e Morretes via Estrada da Graciosa… É simplesmente incrível!!! Que paisagem linda!!! Pretendo passar por lá novamente, com certeza!!! Fiz um vídeo de minha viagem, confiram que vale a pena!!!
    https://youtu.be/q88FplLtyEY
    Muito obrigado e forte abraço!!!

    responder

Deixe seu Comentário






Comentários do Facebook

Matraqueando - Blog de viagem | Por Sílvia Oliveira

Todos os direitos reservados. 2006-2019 © VoucherPress | Agência de Notícias.
Está proibida a reprodução, sem limitações, de textos, fotos ou qualquer outro material contido neste site, mesmo que citada a fonte.
Caso queira adquirir nossas reportagens, entre em contato.

Desenvolvido por Dintstudio
×Fechar