terça-feira, 30 de junho de 2009

Gramado: dicas para uma viagem econômica

[Atualizado em março de 2015]

HOSPEDE-SE NUMA CIDADE VIZINHA | Isso serve para Veneza ou Campos do Jordão. Gramado, incluso. Não, nada de hospedagem em pardieiro nem alimentação em qualquer birosca. Em Gramado — como em muitas cidades que você considera os olhos da cara — é possível encontrar um lugar decente para ficar e uma bodega diferente (e econômica) para comer.

Aposte na Pousada Vila Rica, em Nova Petrópolis a 30 quilômetros de Gramado. O empreendimento é novo. A diária para o casal está a partir de R$ 180 e o café da manhã (estilo colonial) é servido até meio-dia!

Pesquisando algo similar em Gramado encontrei a Pousada Ares da Serra, pertinho da rodoviária. Ótima para quem vem de ônibus de Porto Alegre. A partir de R$ 250 o casal. Na baixa temporada, claro. Em último caso, corra para Canela, a 7 quilômetros dali.

Ficamos no Hotel Via Serena, na Av. das Hortênsias a 3 quilômetros do centro da cidade. Mas quando nós fomos pela primeira vez as diárias estavam a partir de R$ 180,00.  Hoje, março de 2015, este mesmo hotel – p.a.s.m.e. – está a partir de R$ 420. #gramadosurtou

+ Dicas de hospedagem boa e barata em Gramado no Booking.com. O sistema não cobra taxa de reserva e tem cancelamento grátis para a maioria dos quartos!

CUIDADO COM AS COMPRAS | Adquirir roupas de inverno em Gramado é assinar seu atestado de perdulário. Prefira novamente as cidades vizinhas. Feirinha, lojas de rua e shopping estão por toda a redondeza. Além disso, você acaba incluindo novas paragens no seu roteiro.

COMPRE UM PACOTE | Isso mesmo. Você não leu errado. Pacote não é excursão. Caso queira ir de avião e não encontre passagens aéreas bem baratas, pesquise como andam os pacotes. Algumas operadoras — fora da altíssima temporada — dão nó em pingo d’água para desovar o estoque.

CONTROLE SEU IMPULSO CHIQUINHO SCARPA | Não use o telefone do quarto do hotel, não consuma as guloseimas do frigobar nem abuse do táxi. Entre nos mercadinhos para comprar bolachas, barrinhas de cereais e sucos de caixinha. Se o destino é caro e você não está podendo como queria, nem pense em gastar mais do que deve. Seja criativo, desbravador e racional. Ser mão-de-vaca-muquirana significa economizar de um lado para poder cometer as devidas extravagâncias do outro!

+ Alugue um carro com segurança e desfrute de Gramado com mais economia

FUJA DO MÊS DE JULHO E DEZEMBRO | Garanto, não vai perder a graça. Estamos falando de uma cidade serrana, estrategicamente posicionada. Faz friozinho o ano inteiro. Mesmo fora de temporada (na verdade, já quase não existe “baixa temporada” em Gramado) os chocolates continuam lá, na avenida principal.

É possível comer nos mesmos restaurantes, mas sem o alvoroço das filas de espera. E com promoções do dia imperdíveis! Caso queira conhecer o famoso Natal Luz, não vá em dezembro. E, sim, na segunda quinzena de novembro. Vai ser a mesma coisa, menos para sua conta bancária.

ESQUEÇA OS SUPERINDICADOS RESTAURANTES. Sim, eles devem fazer parte do seu roteiro. Mas se você não quiser trabalhar hoje para comer ontem, não tenha medo de caminhar, perguntar e descobrir algum lugar onde os gramadenses comeriam num dia de festa.

Nós encontramos em plena Rua Coberta o Sabor de Frutas (54 3286.4714). Uma espécie de confeitaria que também serve pratos deliciosos. E baratos! Num dia pedimos um Tagliatelli a Quatro Queijos com Isca de Mignon a R$ 28,00 para duas pessoas. (No cardápio diz que é para uma pessoa, mas a porção é bem servida e duas pessoas comem bem!)

Em outra oportunidade, no mesmo restaurante, quis provar o À La Minuta: arroz, chuletas, ovos fritos e batata frita. R$ 30,00 para duas pessoas. E ainda sobra!

Economizando no almoço você faz miséria no jantar…porque sequência de fondue, como sabem, não é nenhuma pechincha.

Veja tudo o que já publicamos sobre Gramado, Canela e Bento Gonçalves!

Fotos: Raul Mattar | Todos os direitos reservados.

Share