-  Atualizado 01/11/2019

A viagem de volta

Publicado por: Silvia Oliveira Crônicas

Não existe lugar tão acolhedor quanto a nossa casa. Mesmo assim, o retorno de uma viagem muito sonhada acaba sendo o momento ignorante do passeio.

A volta costuma ser um choque anafilático.

Quase sempre vem junto com uma leve depressão – ou uma gripe forte –  e tudo se agrava quando você confirma todos os voos finais. Tudo conspira contra na volta!

Na ida, se você vai de São Paulo a Berlim, com escala em Londres, essa paradinha estratégica trata-se de “conexão internacional”. Na volta, o mesmo trajeto passa a ser chamado de pinga-pinga.

Na ida, a classe econômica é quase uma executiva. Parece ter mais espaço, o banco reclina mais e as aeromoças são mais simpáticas. Até a comida do avião é maneira. Já na volta parece que estamos em um teco-teco, sem classe nenhuma e toda pergunta dos comissários tipo “água ou café?” chega a ser uma grosseria.

Se no começo da odisseia eu era a desbravadora de mundos agora sou um ser secundário, sem dinheiro, reduzido à insignificante figura de um viajante com uma mala cheia de roupa suja voltando para casa.

Ao embarcar para o novo destino, o tiozinho da alfândega é sempre nosso camarada. Conhecido de muitos check-ins. A gente só mostra o passaporte e escuta a sonora sinfonia “boa viagem!”.

Na volta, ele se transforma no homem do saco que, com certeza, vai revistar minha mala e perguntar em tom ríspido o que vou fazer com tanto azeite de oliva na bagagem.

A volta é como queimar a língua. Prender o dedo na porta. Bater o cotovelo na quina. É como nariz entupido. Torcicolo. Funciona como o fim de um caso de amor.

A volta de uma viagem nos obriga a passar por várias fases, entre elas a negação. Eu olho aquela mala no meio da sala esperando para ser desfeita e passo por cima, finjo que nem é comigo.

Depois de muita negociação interna você realmente entende que as férias acabaram, que a mala precisa ser desfeita e que você, finalmente, vai retomar a sua rotina.

Mas a fase de aceitação só chega mesmo quando você começa a planejar… a próxima partida.

Leia também

10 coisas que aprendi viajando

10 coisas que você não sabia sobre a Matraca

O mundo acabando e você aí, falando de viagens?

Farofeiros de raiz, uni-vos!

Sílvia Oliveira, a moça do tempo

Pela atenção, muito obrigado!

Generalizar é pecado

Por favor, deixem o turista em paz!

Os 10 mandamentos do viajante

O Barato de Lisboa | O guia de viagem definitivo e completo para você conhecer a capital portuguesa gastando beeeem menos, com conforto e sem perder a dignidade. ? São mais de 150 páginas com roteiro inovador e dicas de economia inteligente. E-book interativo, navegue pelo Google Maps! Pegue o seu aqui agora mesmo!



Newsletter

Digite seu e-mail e receba gratuitamente nossas novidades


6 Comentários

  1. Natália M Gastão

    Excelente!!!! A volta sempre é mais sofrida mesmo, mas planejar o novo destino é tudo de bom!

    responder
  2. ai a volta, a volta… eu fico em denial completo. Depois custa viver o presente de tanto que planejo a próxima!

    responder
  3. Hahahaha, é desse jeitinho mesmo!!! Adorei!

    responder
  4. vera

    Muito bom seu texto, expressa com precisão o sentimento da volta e a alegria de retomar o cotidiano, reencontrar suas coisas.
    beijo,
    vera

    responder
  5. Marcia.kawabe

    Também adorei a analogia da volta com “o fim de um caso de amor, ” hahaha! 🙂

    responder

Deixe seu Comentário






Comentários do Facebook

Matraqueando - Blog de viagem | Por Sílvia Oliveira

Todos os direitos reservados. 2006-2019 © VoucherPress | Agência de Notícias.
Está proibida a reprodução, sem limitações, de textos, fotos ou qualquer outro material contido neste site, mesmo que citada a fonte.
Caso queira adquirir nossas reportagens, entre em contato.

Desenvolvido por Dintstudio
×Fechar