-  Atualizado 12/08/2017

Meu primeiro mochilão pela Europa | Parte 3

Publicado por: Silvia Oliveira Europa


Na cidade italiana dos canais eu também comprei aquelas bolsas cafonas escrito “Venezia”.

O roteiro foi definido assim: abrimos o mapa da Europa e assinalamos algumas capitais de interesse. Entrou no trajeto tudo o que estivesse ali por perto até onde alcançasse nosso passe de trem.

Não me lembro exatamente como foi o processo de (não) pesquisa para a viagem. Sei que embarquei com um guia Frommers “Europa a US$ 50 por dia” – uma tremenda referência na época para as viagens muquiranas.

Internet??? Ziiifio, até existia, muito tímida… mas, para mim, isso era coisa dos Jetsons!


Fotos com flagras programadas: olhando o horizonte em Edimburgo, lendo o guia na praça em Londres… o instagram nasceu comigo! 😀

Eu não tinha e-mail e se já existia algum cyber por lá eu não vi nem entrei em nenhum. Mas passei por tooooodos os correios das principais capitais para mandar cartões postais para a família e para os amigos.

Não, disso não tenho vergonha. E, sim, saudades! Uma prática simpática que se perdeu com os “avanços tecnológicos”.

Mesmo com um itinerário apertado para percorrer em 30 dias, chegando lá seguimos com nossos “insights brilhantes” (muitas aspas aí) e fomos acrescentando alguns destinos no meio do caminho.

A Escócia, por exemplo, não estava prevista. Mas ao colocar os pés em Londres… o país vizinho parecia tão perto. Fomos para lá!

Ponto positivo: nem todo mundo inclui a Escócia numa primeira viagem à Europa. Ponto negativo: como tínhamos a infeliz noção de apenas “ticar” um destino dedicamos apenas um dia e meio à lindíssima capital, Edimburgo.


Na Escócia: poucos colocam esse lindo país numa primeira viagem à Europa. (Manja só a calça tipo bag!)

Sei, você em pleno século 21, com toda essa parafernália de informação disponível, também abre o mapa e, assim, inclui Luxemburgo só porque ele está ali, grudado com a França.

Ou quem sabe pensa em dar uma esticadinha até a Polônia, afinal o país fica encostado na Alemanha. Veja, não há nada de errado em aproveitar a proximidade das fronteiras, desde que os viajantes tenham tempo – muito tempo – e dinheiro para isso.

Para encurtar a história, de Barcelona fomos direto para Roma, uma viagem de trem que durou mais de 24 horas, incluindo duas paradas “estratégicas” de algumas horas – uma em Toulouse e outra em Nice – para “conhecer” as famosas cidades da Riviera Francesa. (Emoji revirando o zoinho!)

A essa altura a super mala de nylon já havia estourado dois zíperes e um rasgo enooorme deixava parte da roupa aparente. Meu nécessaire – que a gente chamava de “mala de mão”, feito de pano (nem nylon era) – também pediu arrego.


Alguma coisa certa: a doleira, aquelas pochetes/bolsinhas que são feitas para usar debaixo da roupa e guardar dinheiro e documentos

Aquilo começou a me incomodar profundamente. Sabe quando a ficha vai caindo, você vai se dando conta de uma situação insólita criada por você mesmo?

Para onde quer que eu olhava os viajantes “normais” ou levavam um tradicional mochilão nas costas ou domesticadas malas de rodinhas. Assim, simples.

Tá, tenhamos compaixão. O Matraqueando – o brogue daquela moça que vai antes para você não se estrepar depois – ainda não existia. O livro Viaje na Viagem do Ricardo Freire – que mostrava “o caminho, a verdade e a vida” para o turista ainda estava no prelo.

Eu tinha 23 anos e – capítulo à parte – no inglês só arriscava “Where is the McDonald’s?”

Mas de repente, não mais do que de repente, na nossa penúltima parada, Atenas, começou a brotar no meu limitado cérebro o genoma matraquenho.


Momento catarse: bolsão de nylon indo pro lixo sem direito à extrema unção.

Absolutamente cansada e estressada com meu carrinho de feira ambulante, entrei na primeira loja da capital grega que vendia malas. Era uma loja bonita, sofisticada e à disposição uma única marca: uma tal de Samsonite – da qual eu jamais havia escutado falar. (Sabe aquele emoji de choro desesperado. Pode incluir aqui.)

Levei a mais barata, que me custou… US$ 300 (trezentos dólares!) no cartão de crédito. (Ô saudade daquela mala de trezentos reais que eu não quis comprar no Brasil, sua mão-de-vaca-muquirana da peste!)


Observe: no latão está escrito “lixeira” em grego

Mas a compra em si foi apenas o primeiro passo na minha evolução espiritual como viajante. Como numa catarse, esconjurei o bolsão de nylon sem direito a extrema unção.

Terminei de destruir e afundar o dito cujo na primeira lixeira grega que vi pela frente. Nascia a Matraca – um ser desengonçado e falante – que ao melhor estilo Scarlett O’Hara jurou nunca mais ir para a Europa com um carrinho de feira a bordo!

Veja abaixo os primeiros capítulos da série que explica a evolução da Matraca Sapiens:

Meu primeiro mochilão pela Europa | Parte 1

Meu primeiro mochilão pela Europa | Parte 2

Leia também:

10 coisas que aprendi viajando

10 coisas que você não sabia sobre a Matraca

O mundo acabando e você aí, falando de viagens?

Farofeiros de raiz, uni-vos!

A ditadura da mala pequena

Ofício de blogueira versus espírito de viajante: como manter um sem acabar com o outro

Sílvia Oliveira, a moça do tempo

Pela atenção, muito obrigado!

Generalizar é pecado

Por favor, deixem o turista em paz!

O que se aprende com uma viagem

Os 10 mandamentos do viajante

Os sete pecados capitais do turista

Fotos | Arquivo pessoal | Todos os direitos reservados.



Newsletter

Digite seu e-mail e receba gratuitamente nossas novidades


58 Comentários

  1. O melhor de tudo a sequência de fotos da destruição da mala de nylon heheheh estilo aueles novelas que acompanhavam antigamente as revistas, lembra?!
    beijos

    responder
    • Hahaha, fotonovela!!! Por que não pensei nisso antes! Deveria ter colocado uns “balõezinhos” na foto para ilustrar o que passava na minha cabeça ao mirar o horizonte…

      responder
  2. Pô, Silvia! De mochila de nylon a mala Samsonite?
    Evolui rápido, hein? rsrs

    responder
    • Menino, e é uma mala que está novíssima até hoje (atualmente está com minha mãe), mas ela viajou comigo pro Egito, pra Israel, Turquia… e voltava inteirinha!

      responder
  3. Marisa

    Olá Silvia,
    planejando minha primeira viagem sozinha a europa descobri você e sua matraca…morrendo de rir e me preparando para pagar alguns micos…parabéns pelo blog e pelo senso de humor!!!

    responder
    • Marisa, esteja aberta aos micos, porque por mais que a gente se prepare, sempre a gente paga algum! 🙂

      responder
      • Marisa

        Ahh estou preparada para todos. Imagine só, sem falar inglês e nem francês…Uma mineira em Londres e Paris..a saga!!! haja cara de pau!!! Vou contar depois pra fazer todos rirem comigo!! 🙂
        abçs

        responder
  4. CarlaZ

    Melhor que uma boa historia e ela ser bem contada…e está muito boa!!! Ainda mais com a despedida da mala…jogada no lixo!!! Sensacional!!!!

    responder
    • Super concordo!! O jeito da Silvia contar a história foi o melhor!!
      As fotos são ótimas. Me diverti demais.

      Muito bom, Silvia!!! E viva o nascimento da Matraca!! Todo mundo tem que passar por um parto pra nascer né?! =D
      Beijinho

      responder
  5. Ahhh Já Acabou?!?! Adorei essa série super divertida!!! Nada Mal ir do bolsão de Nylon para uma mala Samsonite!! E que fim levou o carrinho?? rsrs

    Bjks

    responder
  6. Ana Carolina

    Tô rindo sozinha!!! amei o momento catarse registrado pelas fotos!

    responder
  7. Marcia Cristina

    ORGULHO DE SER MATRAQUETE! Silvinha, fico até emocionada em saber que um dia você foi igual a gente!rsrsrsrs! Ainda chego lá!

    responder
  8. Ju

    ahahahhahaah… não consigo parar de rir…
    Mas afinal, que fim deu o carrinho de feira?

    responder
    • Silvia Oliveira

      Sabe que não me lembro… acho que foi pro lixo junto. Ele não incomodava tanto, até ajudou em muitas ocasiões… mas o bolsão de nylon…

      responder
  9. Marcia Kawabe

    E eu nunca mais na vida vou conseguir olhar pra um carrinho de feira sem me lembrar dessa história 🙂

    responder
    • Silvia Oliveira

      Eu sou assim até hoje, Marcia! É trauma… hahahaha

      responder
  10. AR

    Só faltou a foto da mala nova, né????….rsrsrs

    responder
    • Silvia Oliveira

      Pois é… a mala existe até hoje, mas eu não tenho nenhuma foto da mala nova lá na Europa comigo! Uma pena…

      responder
  11. Adorei o olhar assustado do cara que passava ao seu lado enquanto você exterminava o seu bolsão de nylon! Excelente!!!
    Sou do tipo que adora aproveitar aquele momento “já que”, tipo, “já que estou em Londres, vou dar uma passada na Escócia também…” – Mas tb andei aprendendo que é preciso administrar o tempo. =)
    Arrasou no mochilão e na catarse!!!!
    E vc não tirou a foto com a Sansonite?

    responder
    • Silvia Oliveira

      Naquela época a gente nem pensava em tirar foto de tudo, de eternizar momentos… essas que tenho foi por pura sorte… e não, não tenho foto da mala nova, apesar de que ela existe até hoje… está com minha mãe, novíssima! 😀

      responder
  12. Ah, eu achei bonitinho! 😀
    Muito legal o seu relato. Em outubro será minha vez, e sua série Europa 50 euros já me ajudou um bocado.
    um abraço!

    responder
  13. recordar é viver! adorei o relato…
    e a calça jeans meio “santropeito”? 😉 rsrs
    argh, preciso ir na Escocia ainda algum dia. muitos lugares, vida curta….

    responder
    • Silvia Oliveira

      “Meio”? É inteiro santropeito! hahahahahahahaha!

      responder
  14. Sílvia
    Já sigo este blog faz tempo, mas não tinha deixado comentários ainda…eu acho…ou se o fiz, já faz muuuito tempo. É muito bom ouvir experiências de viagem e aprender com tantos amigos virtuais. Se tiver um tempinho passa pra me ‘visitar’…rs
    Bacio

    responder
  15. Marcia Cristina

    Se eu fosse voce patenteava a idéia de usar esse carrinho! Pra mão-de-vaca nenhum botar defeito! rsrsrsrs

    responder
  16. Olá…
    Parabéns pelo site, já está adicionado em minhas leituras…
    Gostaria de convidar vc a visitar o meu também:
    http://www.embarqueimediato.net
    Abraços.

    responder
  17. Menina…que blog é esse, heim???? Eu não tenho em palavras para descrever o quanto estou MARAVILHADO com suas palavras, impressões, moro no Recife e os posts que fez sobre a cidade ficaram fantásticos, estou de viagem para Gramado e tds as dicas consegui no seu blog, foi através desta viagem q encotrei teu site e não paro de ler…PARABÉNS!!!!!

    responder
  18. Vitor Rocha

    (Eu diria que a calça é “santroqueixo”, rs…)

    Sívila, esse post mudou minha vida, vou comprar uma mala boa.
    Ao lê-lo, lembrei-me do meu primeiro mochilão para a Europa. Eu também usei uma bolsa de nylon (era uma falsificação barata da Nike, adquirida por aproximadamente R$ 35). Diferentemente de você, usei a bolsa nas costas, como se fosse um mochilão! Na metade da viagem, meus ombros e minhas costas já não aguentavam mais. Aí, novamente diferentemente de você, tomei uma decisão brilhante: lá na Irlanda, abandonei a bolsa falsificada da Nike e comprei um fantástico mochilão de 26 euros, contrariando o alerta do meu companheiro de viagem, que dizia que “por certas coisas valia a pena pagar mais caro”!! Aproximadamente 5 dias depois meu novo mochilão já estava todo arrebentado e rasgado.

    responder
  19. Marina Gomig

    Silvia, adorando seus relatos…
    Nesse ano eu fiz pela primeira vez a viagem dos meus sonhos, NYC, super me identifiquei contigo fazendo peripécias e bobagens desnecessárias, que só os viajantes de primeira viagem (hehehe) fazem.
    O importante é aprender com tudo né… e ter esse seu senso de humor incrível e ainda compartilhar =D
    Desde que descobri o matraqueando, me divirto demais com as suas peripécias. 😉

    responder
  20. Oi Silvia,
    Que viagem, hein! A Escócia é um sonho ainda não realizado….
    Ah, faria a mesma coisa com a mala!
    Quando quiser ver um pouquinho de minhas viagens ( nada tão longe como as suas, he,he,he), dê um pulinho lá em:
    http://www.biaviagemambiental.blogspot.com
    Beijocas,
    Bia

    responder
  21. Silvia

    Diverti-me imenso ao ler estes posts sobre a sua primeira viagem á Europa!Espero que esta “parte 3” não tenha sido o último porque na verdades estão muito engraçados e quero ver mais fotos com vc em frente a todos os monumentos importantes nos países por onde vc passou…hehe

    Bjs

    Ps: vou para a Escócia dentro de duas semanas…18 dias de viagem a começar em Edimburgo! Sempre achei que a Escócia merecia uma viagem só para ela,por isso nunca a incluí em outras viagens…depois conto tudo lá no meu Blog

    responder
  22. Adorei o relato, Sílvia. Bom saber que até a inventora do Matraqueando também já pagou micos antes de chegar ao que é hoje. E também estou pensando em comprar uma mala decente, rs. Beijo.

    responder
  23. Gisela Garcia

    Fiquei lendo o post, vendo as fotos e a única coisa que conseguia pensar era: O QUE É ESSA CABELEIRA????????

    hahahahahahahahahahahahahaha….geeeeeente!

    E aí? Vortei! Nem sei se te contei, mas vendemos tudo e voltamos pra Vitoria! Maior vida boa, menina!

    responder
    • Crendospadre, num sabia, não! Você vortô para Vitória… e aquele projeto maravilhoso do Sr. Garibaldi???? Quando der me mande um e-mail contando suas peripécias… Bjs!

      responder
  24. Alix

    Vendo suas fotos fiquei pensando em como era mais fácil ficar bonita na década de 90, quando a gente tinha vinte e poucos anos e os padrões fashion eram bem menos exigentes. Bastava um cabelão ao vento e um batom vermelho para a gente se achar…Lembrei daquele filme antes do amanhecer. Se fosse hoje a Julie Delpy seria mega produzida hahaha.

    responder
  25. Rogéria

    Adorei a fotonovela! Oscar de melhor ator coadjuvante à mala-carrinho, perfeita até em cena de morte, kkkkk…
    Parabéns, ficou demais!

    responder
  26. Muito bom!
    Adorei isso. Ri litros
    hahaha

    responder
  27. Pamelita

    Silvia!
    Amei o post..vc tem um jeito de escrever q é super divertido.
    To adorando o blog…e curtindo seu canal no youtube.
    Parabéns!!!

    responder
  28. Ana Oliveira

    vc é a melhor de todas, rindo horrores da desgraça alheia kkkk. Parabéns pelo post, blog, dicas…

    responder
    • Silvia Oliveira

      Hahahaha! Põe desgraça alheia nisso! 🙂

      responder
  29. Silvia, olá!! Sou muito sua fã! Sigo há mais de dois anos o seu blog e já fiz duas viagens inspiradas nas suas viagens e dicas! Santiago do Chile, seguindo seu roteiro, bairro a bairro e Gramado com os passeios e dicas de restaurantes baratos! O seu relato sobre o 1ª mochilão na Europa está hilário! Adorei! E me diverti muito!!! Adoro ler o Matraqueando e te agradeço pelas inspirações! Já estou programando as próximas férias e de olho nas suas dicas preciosas! Beijos e sucesso!

    responder
    • Silvia Oliveira

      Que legal, Paula! Apareça sempre! 🙂

      responder
  30. Amo esses posts ! Não canso de ler e morrer de rir com a extrema unção da mala…

    responder
  31. Ahhhhh acabou!? Poderia passar horas aqui acompanhando essa viagem! Adorei as histórias. E adorei saber que a gente aprende! Eu estou na fase preciso-de-uma-mala-que-preste-mas-não-quero-abrir-mão-da-minha-mochila-jeans!

    responder
  32. Rose mary

    Sílvia,
    Você é impagável!!!!sou fã do Matraqueando. Coitado do mochilão , indo pro lixo sem sequer ter direito a extrema unção, D+.

    responder
  33. Adooooro essas lembranças antigas. Morri de rir com os três relatos.

    responder
    • Silvia Oliveira

      Polliana, foi uma catarse.. por muito tempo tive vergonha desta história! hahahaha!

      responder
  34. Rindo muito… Eu tenho uma foto (sem mim, rsss) exatamente naquela pontezinha em Veneza, retratando o mesmo canal (e o barquinho com a lona verde). E imagino a felicidade que vc sentiu em se livrar da sacola. Senti algo parecido no dia que comprei uma mala chinesa de um vendedor turco em Munique (viva a globalização) por 20 euros e parei de carregar peso, após 50 dias de mochilão.

    responder
    • Silvia Oliveira

      Hahahaha! Mochileiros de primeira viagem… só muda o endereço! 😉

      responder
  35. Nada como rir do passado… Passei por isso, também, nas primeiras viagens: sem Internet, sem experiência, sem dinheiro! E com direito a calça bag, também! Mas eu tinha mala (rsrs) Dá uma olhada lá no meu blog: mulhercasadaviaja.com.
    Faltou você dizer das câmeras analógicas. Perdeu muitas fotos porque colocou o filme errado? Eu sim!
    Abraços

    responder
    • Silvia Oliveira

      Hahaha! Eu perdi muitas fotos porque eu não sabia mesmo tirar foto alguma! 😀

      responder
  36. Neide

    Silvia, sigo seu blog há bastante tempo…..Suas dicas são ótimas, ajudaram muito no planejamento da 1ª viagem à Europa, aproveito pra agradecer, valeu demais ! Mesmo assim pagamos alguns micos…. Morri de rir com os três relatos !

    responder
  37. Lilian Azevedo

    Tb viajei levando o Guia Frommer’s e fico impressionada como consegui fã de tudo com a ajuda dele.

    responder
  38. Ligia

    ah, Silvia!!! uma sansonite é uma sansonite, mas eu comprei minha primeira mala de rodinhas (2 míseras rodinhas) em minha primeira viagem à Europa em 95. comprei em Paris. sabe a galeria lafayette? então, comprei num camelô em frente…. mas tá interaça, rsrsrs

    responder
    • Silvia Oliveira

      Acredito, Ligia! A malinha que eu uso hoje (menor que a samsonite desta viagem que eu acabei doando para minha mãe) eu comprei num supermercado em Sevilha por 17 euros. Já são 10 anos com ela! 😀

      responder

Deixe seu Comentário






Comentários do Facebook

Matraqueando - Blog de viagem | Por Sílvia Oliveira

Todos os direitos reservados. 2006-2019 © VoucherPress | Agência de Notícias.
Está proibida a reprodução, sem limitações, de textos, fotos ou qualquer outro material contido neste site, mesmo que citada a fonte.
Caso queira adquirir nossas reportagens, entre em contato.

Desenvolvido por Dintstudio
×Fechar