Santiago | Vinícola Cousiño Macul: quanto custa a visita e como chegar por conta própria

Publicado por: Silvia Oliveira Santiago

Como visitar as vinícolas do Chile sem ter que apelar para os preços irracionais das excursões é questão de honra para o viajante independente. O nosso passo a passo para conhecer a Concha y Toro, por exemplo, já faz sucesso aqui faz tempo. Leia o post detalhado neste link.

Já na minha última viagem a Santiago fomos conhecer a Cousiño Macul, outra vinícola do Valle del Maipo, a mais antiga região produtora de vinhos do país. Fica pertinho da capital, está cheia de história, além de ser muito fácil de chegar com o transporte público.

+ E-book | O Barato de Santiago – Guia Essencial para uma Viagem Econômica e Bem-Sucedida. Saiba mais aqui!

COMO É A VINÍCOLA COUSIÑO MACUL

A vinícola Cousiño Macul está localizada em Peñalolén, uma pequena comuna na região metropolitana de Santiago. Foi fundada em 1856 e até hoje é mantida pela mesma família fundadora.

A vinícola — administrada pela 6ª geração dos Cousiño — é bonita, histórica, bem cuidada e menos imponente que a Concha y Toro. Não que isso seja um problema, mas é uma característica a ser destacada.

O local conta com amplo espaço verde, construções antigas e uma loja pequena para compra dos rótulos mais desejados da marca. Mesmo recebendo cada vez mais brasileiros, ainda é considerada menos turística do que a concorrente famosa.

Prestigiada como a mais antiga vinícola do Chile (as primeiras uvas foram plantadas aqui no século 16),  tem cave subterrânea com paredes de tijolos “blindadas” com um tipo de argamassa chamada de cal y canto, feita basicamente de areia e clara de ovo. O “concreto” chileno ajuda manter a temperatura interna em torno de 15º graus.

+ Leitor do Matraqueando tem até 30% de desconto no seguro viagem. Pegue seu cupom aqui! Promoção por tempo limitado.

COMO SÃO OS TOURS NA VINÍCOLA COUSIÑO MACUL

Existem dois tipos de tours, o Regular (14 mil pesos por pessoa) que inclui degustação de 4 vinhos e o Premium (24 mil pesos por pessoa) e que inclui a degustação de seis vinhos + tábua de queijos e frutos secos. Menores de 18 anos não pagam. Mas também não degustam, óbvio. 🙂

Independentemente do tour pelo qual você optar, o passeio sempre começa pelos vinhedos e é igual para os dois, Regular ou Premium. O que muda mesmo é a degustação oferecida no final.

A melhor época para conhecer as vinícolas seria entre abril e maio, quando ocorre a colheita das uvas. Nós fomos em julho e os parreirais estavam sequinhos. Nada disso atrapalhou nossa visita, mas imagino que encontrar tudo verdinho e com cachos de uvas que podem ser degustadas no pé deixe a experiência mais bacana ainda.

+ Valle Nevado: como é e quanto custa o bate e volta à estação de esqui mais badalada da América do Sul

Após aprender sobre os tipos de uva (Cabernet Sauvignon, Carménère, Chardonnay, Merlot, Syrah, entre outras) e conhecer mais sobre períodos de fabricação dos vinhos somos encaminhados para a parte subterrânea da vinícola. Aqui, encontramos uma impressionante adega centenária embelezada por gigantes tonéis de carvalho chileno com capacidade para 30 mil litros de vinho.

Como a produção na vinícola Cousiño Macul hoje é feita por tecnologia de ponta, as barricas permanecem na propriedade como ativo histórico da empresa. O tour, em seguida, passa por um pequeno museu e continua para a parte nova, onde estão os gigantes tonéis de aço.

A finalização é feita num lounge ao lado da recepção. Nós optamos pelo tour regular. Caso você esteja chegando hoje ao Matraqueando e não saiba, nós — meu marido e eu — não bebemos. Eu, aliás, até provo o vinho. Mas meu digníssimo nem isso. Ele só fica nas fotos mesmo.

O que quer dizer que somos incapazes de avaliar a qualidade e propriedades da bebida. Nosso interesse é quase sempre histórico neste tipo de passeio. No entanto, as explicações dadas na hora da degustação pelo guia, o brasileiro Thiago Reis, foram as melhores que recebi numa visita a vinícola (e olha que já estivemos em várias como esta, esta e esta!)

+ Como alugar carro com até 60% de desconto, sem IOF, parcelado em 12 vezes e com cancelamento gratuito

Não sei para um entendido no assunto, mas para uma leiga como eu a visita a Cousiño Macul foi excelente e muito esclarecedora sobre como avaliar e perceber o vinho já começando pela taça.

ATENÇÃO | A reserva deve ser feita antecipadamente pelo site da vinícola. O pagamento é feito no local. Aceitam cartão de crédito. Os tours podem ser agendados em espanhol ou inglês. Mas como no meu grupo só havia brasileiros e o guia também era brasileiro, o tour foi feito no nosso idioma.

COMO CHEGAR À VINÍCOLA COUSIÑO MACUL

Pegue a linha 1 (vermelha) do metrô em direção a estação Tobalaba. Desça na estação Tobalaba e pegue a linha 4 (azul) em direção a Plaza de Puente Alto. Já na linha 4 desça na estação Quilín. Cuidado, nesta mesma linha existe uma estação mais para frente chamada Macul, mas não é essa. Você deve descer na Quilín.

Ao sair da estação Quilín vá em direção ao Paseo Quilín (um shopping a 3 minutos caminhando). Ao chegar ao centro comercial você pode seguir até a vinícola de táxi ou ônibus, os dois pontos estão próximos.

De táxi a corrida deve sair 2 ou 3 mil pesos (R$ 10 a R$ 16).  Nós pagamos 2 mil, mas dependendo do horário pode ficar um pouquinho mais caro. O trajeto dura cinco minutos até a vinícola.

Quem preferir o ônibus deve pegar o D17. A passagem custa 680 pesos (R$ 3,70 a R$ 4, dependendo da cotação do dia) e o percurso dura uns 10 minutos. Mas, ATENÇÃO, o ônibus não aceita dinheiro e só pode ser pago com a Tarjeta Bip, uma espécie de bilhete único que você compra nas estações de metrô.

Ou seja, se você usou o metrô com a Tarjeta Bip poderá pegar um ônibus gratuitamente dentro do período de duas horas, contados a partir do embarque no metrô. Veja valores atualizados do metrô e ônibus aqui.

IMPORTANTÍSSIMO | Da estação de metrô Tobalaba (que serve as linhas 1 e 4, vermelha e azul respectivamente) até a estação Quilín são 25 minutos. Da estação Quilín à vinícola de táxi são mais cinco minutos.

Mas, ATENÇÃO, o tempo total da estação até a vinícola pode demorar mais uns 15/20 minutos, dependendo do transporte que você optar e, principalmente, do tempo que demorar para chegar ao Paseo de Quilín e encontrar o táxi ou o ônibus.

Sendo assim, se você estiver saindo do centro de Santiago programe-se para começar a viagem com UMA HORA E MEIA de antecedência em relação ao horário agendado para a visita. Veja no planificador do metrô de Santiago o tempo que leva da estação onde você vai embarcar até a estação Quilín.

DICA DA MATRACA | Tanto a Cousiño Macul quanto a Concha y Toro estão na mesma direção em relação ao centro de Santiago. Você pode visitar as duas vinícolas no mesmo dia, uma de manhã e outra à tarde, por exemplo. A Concha y Toro fica 12 estações de metrô para frente da Cousiño Macul. Veja aqui como chegar lá!

ALERTA | O Brasil não tem acordo com a rede pública de saúde do Chile. Se você precisar de uma consulta ou simplesmente tomar um sorinho terá que pagar pelo caríssimo atendimento particular. Por isso, é muito recomendado fazer um seguro de viagem internacional. A boa notícia é que leitor do Matraqueando tem até 30% de desconto no seguro internacional da Mondial/Allianz. Pegue o seu cupom aqui e viaje tranquilo! Vale para mochileiro, viajante solo, luxo, aventureiro e família. E ainda dá para dividir em até 6 vezes!

SERVIÇO

Vinícola Cousiño Macul 

Local | Calle Quilín, 7100 | Peñalolé, Santiago | VEJA NO MAPA 

Telefone | +(56 2) 2351-4135 e 2351 – 4166

Horários dos tours | Segunda a sexta: 11h, 12h15, 15h e 16h15. Sábados e feriados facultativos: 11h e 12h15. Não funciona aos domingos e nos feriados nacionais (chamados de irrenunciables):  01 de janeiro, 01 de maio, 18 e 19 de setembro e 25 de dezembro.

+ E-book | O Barato de Santiago – Guia Essencial para uma Viagem Econômica e Bem-Sucedida. Saiba mais aqui!

Posts relacionados

Santiago: bairro a bairro – 1º dia

Santiago: bairro a bairro – 2º dia

Santiago: bairro a bairro – 3º dia

Leia também

Roteiro de cinco dias no Deserto do Atacama

Como chegar a San Pedro do Atacama, no Chile 

E ainda

Valle Nevado: como é e quanto custa o bate e volta à estação de esqui mais badalada da América do Sul

Banner-venda-Santiago

___________
Política editorial | Pagamos todas as nossas contas de viagem. Não aceitamos convites nem cortesias. Sempre nos hospedamos anonimamente nos hotéis indicados. O Matraqueando não faz post patrocinado. Alguns posts contêm links para programas de afiliados, parceiros comerciais do blog, inseridos espontaneamente pela autora. Por questão de transparência, comunicamos que se você optar por comprar por meio destes links nós recebemos uma pequena comissão. Tudo o que você encontra aqui foi determinado unicamente pelo interesse do leitor, nosso gosto pessoal ou critério particular. Isso é transparência e credibilidade. Pode confiar! Para ajudar a manter o blog sempre com dicas fresquinhas adquira nossos guias na Loja Matraqueando. Desde já agradecemos a preferência! 😉

Fotos: Raul Mattar | Todos os direitos reservados. Acompanhe no instagram @raulmattar



Newsletter

Digite seu e-mail e receba gratuitamente nossas novidades


3 comentários

  1. Comentário do dia 08/4/2018 às 13:44

    Oi, Silvia. Tudo bem? 🙂

    Seu post foi selecionado para o #linkódromo, do Viaje na Viagem.
    Dá uma olhada em http://www.viajenaviagem.com

    Até mais,
    Bóia – Natalie

    (Responder)

    Resposta de Silvia Oliveira

    Maravilha! Muito obrigada, Natie! Bjs!

    (Responder)

  2. Alex Pinter Balint
    Comentário do dia 09/4/2018 às 14:43

    Um tour tambem disponibilizado por lá é de bike, deve ser interessante.
    E na volta uma moça de van se ofereceu para fazer o trajeto até o metro cobrando um precinho camarada

    (Responder)

  3. Vinícola
    Comentário do dia 03/9/2018 às 12:48

    Adorei as dicas! Com certeza conhecerei essa vinícola!
    Parabéns pelo blog!

    (Responder)

Comente você também

Seu e-mail ficará em sigilo. Campos obrigatórios estão marcados com *

Comentários do Facebook

Matraqueando - Blog de viagem | Por Sílvia Oliveira

Todos os direitos reservados. 2006-2018 © VoucherPress | Agência de Notícias.
Está proibida a reprodução, sem limitações, de textos, fotos ou qualquer outro material contido neste site, mesmo que citada a fonte.
Caso queira adquirir nossas reportagens, entre em contato.

Desenvolvido por Dintstudio
×Fechar