sábado, 10 de março de 2007

Curitiba: centro histórico e feira do Largo da Ordem

Vim para Curitiba há sete anos. Nesse meio tempo estive na Espanha fazendo o mestrado. Voltei e aqui fiquei. Já se passaram mais de 360 finais de semana na capital do Paraná. Em pelo menos uns trezentos deles eu devo ter ido à feirinha do Largo da Ordem. O passeio, na verdade, começa no sábado.

O Largo da Ordem abriga as construções mais antigas da cidade e o meu ponto fraco: casario colorido. Toda vez que passo por aqui me sinto uma turista naïf. Aqui está a Igreja da Ordem Terceira de São Francisco, de 1737. É o passeio mais divertido e barato da cidade. Admirar não custa nada.

Mas já é fato: o centro histórico de Curitiba entrou para todos os guias mais por causa de uma das maiores feiras de artesanato da América Latina do que por seu conjunto arquitetônico. Domingão, faça chuva ou faça sol, e lá está ela!


É um grande mercado ao ar livre em que você encontra de tudo um pouco: pinturas, esculturas, bordados, lápiz de madeira, tricô, vela, bijuteria, cestas, chinelos, bolsas, flores, cortinas, toalhas, guardanapos, bonsai, mandalas, tapetes, bonecas, redes, e muitos etecéteras.

Só que o mais rico da feirinha são as pessoas. Desde os artesãos, passando pelos turistas e chegando até nós, gente normal e descontraída. Sem falar nos tipos curiosos que por ali aparecem: o cantor de ópera, o tio da sanfona, os irmãos cegos que cantam moda de viola, a estátua viva, a moça do tererê e o rapaz da massinha.

Lei nº 1: chegue cedo. A feira começa às 9h e nesse horário já está móóó balbúrdia. Lota, mas lota mesmo. São mais de mil expositores e 15 mil visitantes a cada domingo. No meio daquela muvuca, olhe para cima. Você verá o colorido dos edifícios históricos fazendo contraste com o céu azul. É uma visão extraordinária (no meu olhar matraca-apaixonado).

Lei nº 2: não leve muito dinheiro. A feirinha do Largo da Ordem tem o estranho poder de desencadear um transtorno obsessivo compulsivo por compras. É tudo tão baratim, facim, rapidim, bonitim que quando a gente vê está trazendo metade da feira para casa. Eu já não sei mais o que faço com tanto pano de prato e bonequinho de biscuit.

Como toda boa feirinha ao ar livre que merece ser visitada, a do Largo da Ordem tem uma ampla “praça” de alimentação. Confirmando a tradição emigrante da cidade são diversas barracas vendendo todas aquelas delícias proibidas durante a semana, como empanada, pierogui, acarajé, pamonha, bolachinhas, doces cristalizados, tacos mexicanos, espetinho de carne e os reis da festa: pastel de carne com caldo de cana.

Será que a gente se encontra por lá amanhã?

SERVIÇO

Feira do Largo da Ordem

Local: Praça Coronel Enéas e Praça Garibaldi – São Francisco.

Horário: Domingo – 9h às 14h

Posts relacionados

Planejamento

Curitiba: faça da cidade seu melhor destino de inverno

Como ir do aeroporto de Curitiba ao centro da cidade

Linha Turismo Curitiba: como aproveitar o city tour oficial da cidade

23 motivos para você conhecer e se apaixonar por Curitiba

Cinco atrações grátis e estreladas em Curitiba

Aeroporto de Curitiba ganha a primeira lanchonete popular do Brasil

Curitiba em fotos

Onde dormir

Guia de Hospedagem em Curitiba: opções para as classes alta, média e muquirana

Hospedagem boa e barata em Curitiba

O que fazer

Museu Oscar Niemeyer completa 10 anos como a atração mais visitada de Curitiba

MAC | Museu de Arte Contemporânea do Paraná: visita prática no centro de Curitiba

Jardim Botânico de Curitiba

Memorial Ucraniano

Ópera de Arame

Feirinha do Largo da Ordem

Paço da Liberdade: o edifício do centro cultural é o único tombado pelo Patrimônio Histórico Nacional em Curitiba

Mercado Municipal de Curitiba

Onde comer

Café do Paço: música, arte e aroma

Comidinhas: bolinho de aipim com carne de sol

Comer bem e barato em Curitiba: Restaurante Fonk

Quintana Restaurante e Café: gastronomia responsável e estrelada que cabe no seu bolso

Restaurante SENAC, em Curitiba: opção chiquetê a preços módicos

Restaurante Zea Maïs: o melhor contemporâneo

Almoço no fofo Jacobina Bar

Feirinha da Ucrânia

Onde comprar

Curitiba ganha primeiro mercado de orgânicos do Brasil

Rua Teffé: primeira rua temática de calçados do Paraná

Bate e volta desde Curitiba

Vila Velha, Paraná: sítio geológico de 300 milhões de anos está a uma hora de Curitiba

Lapa: como organizar um bate e volta perfeito saindo de Curitiba

Colônia Witmarsum: café colonial, história alemã menonita e descanso ao lado de Curitiba

Passeio de trem pela Serra do Mar

Antonina

Morretes

Ilha do Mel

________________________

Fotos: Raul Mattar | Todos os direitos reservados.

Share