-  Atualizado 16/08/2015

Curitiba: centro histórico e feira do Largo da Ordem

Publicado por: Silvia Oliveira Curitiba

Vim para Curitiba há sete anos. Nesse meio tempo estive na Espanha fazendo o mestrado. Voltei e aqui fiquei. Já se passaram mais de 360 finais de semana na capital do Paraná. Em pelo menos uns trezentos deles eu devo ter ido à feirinha do Largo da Ordem. O passeio, na verdade, começa no sábado.

O Largo da Ordem abriga as construções mais antigas da cidade e o meu ponto fraco: casario colorido. Toda vez que passo por aqui me sinto uma turista naïf. Aqui está a Igreja da Ordem Terceira de São Francisco, de 1737. É o passeio mais divertido e barato da cidade. Admirar não custa nada.

Mas já é fato: o centro histórico de Curitiba entrou para todos os guias mais por causa de uma das maiores feiras de artesanato da América Latina do que por seu conjunto arquitetônico. Domingão, faça chuva ou faça sol, e lá está ela!


É um grande mercado ao ar livre em que você encontra de tudo um pouco: pinturas, esculturas, bordados, lápiz de madeira, tricô, vela, bijuteria, cestas, chinelos, bolsas, flores, cortinas, toalhas, guardanapos, bonsai, mandalas, tapetes, bonecas, redes, e muitos etecéteras.

Só que o mais rico da feirinha são as pessoas. Desde os artesãos, passando pelos turistas e chegando até nós, gente normal e descontraída. Sem falar nos tipos curiosos que por ali aparecem: o cantor de ópera, o tio da sanfona, os irmãos cegos que cantam moda de viola, a estátua viva, a moça do tererê e o rapaz da massinha.

Lei nº 1: chegue cedo. A feira começa às 9h e nesse horário já está móóó balbúrdia. Lota, mas lota mesmo. São mais de mil expositores e 15 mil visitantes a cada domingo. No meio daquela muvuca, olhe para cima. Você verá o colorido dos edifícios históricos fazendo contraste com o céu azul. É uma visão extraordinária (no meu olhar matraca-apaixonado).

Lei nº 2: não leve muito dinheiro. A feirinha do Largo da Ordem tem o estranho poder de desencadear um transtorno obsessivo compulsivo por compras. É tudo tão baratim, facim, rapidim, bonitim que quando a gente vê está trazendo metade da feira para casa. Eu já não sei mais o que faço com tanto pano de prato e bonequinho de biscuit.

Como toda boa feirinha ao ar livre que merece ser visitada, a do Largo da Ordem tem uma ampla “praça” de alimentação. Confirmando a tradição emigrante da cidade são diversas barracas vendendo todas aquelas delícias proibidas durante a semana, como empanada, pierogui, acarajé, pamonha, bolachinhas, doces cristalizados, tacos mexicanos, espetinho de carne e os reis da festa: pastel de carne com caldo de cana.

Será que a gente se encontra por lá amanhã?

SERVIÇO

Feira do Largo da Ordem

Local: Praça Coronel Enéas e Praça Garibaldi – São Francisco.

Horário: Domingo – 9h às 14h

Posts relacionados

Planejamento

Curitiba: faça da cidade seu melhor destino de inverno

Como ir do aeroporto de Curitiba ao centro da cidade

Linha Turismo Curitiba: como aproveitar o city tour oficial da cidade

23 motivos para você conhecer e se apaixonar por Curitiba

Cinco atrações grátis e estreladas em Curitiba

Aeroporto de Curitiba ganha a primeira lanchonete popular do Brasil

Curitiba em fotos

Onde dormir

Guia de Hospedagem em Curitiba: opções para as classes alta, média e muquirana

Hospedagem boa e barata em Curitiba

O que fazer

Museu Oscar Niemeyer completa 10 anos como a atração mais visitada de Curitiba

MAC | Museu de Arte Contemporânea do Paraná: visita prática no centro de Curitiba

Jardim Botânico de Curitiba

Memorial Ucraniano

Ópera de Arame

Feirinha do Largo da Ordem

Paço da Liberdade: o edifício do centro cultural é o único tombado pelo Patrimônio Histórico Nacional em Curitiba

Mercado Municipal de Curitiba

Onde comer

Café do Paço: música, arte e aroma

Comidinhas: bolinho de aipim com carne de sol

Comer bem e barato em Curitiba: Restaurante Fonk

Quintana Restaurante e Café: gastronomia responsável e estrelada que cabe no seu bolso

Restaurante SENAC, em Curitiba: opção chiquetê a preços módicos

Restaurante Zea Maïs: o melhor contemporâneo

Almoço no fofo Jacobina Bar

Feirinha da Ucrânia

Onde comprar

Curitiba ganha primeiro mercado de orgânicos do Brasil

Rua Teffé: primeira rua temática de calçados do Paraná

Bate e volta desde Curitiba

Vila Velha, Paraná: sítio geológico de 300 milhões de anos está a uma hora de Curitiba

Lapa: como organizar um bate e volta perfeito saindo de Curitiba

Colônia Witmarsum: café colonial, história alemã menonita e descanso ao lado de Curitiba

Passeio de trem pela Serra do Mar

Antonina

Morretes

Ilha do Mel

________________________

Fotos: Raul Mattar | Todos os direitos reservados.



Newsletter

Digite seu e-mail e receba gratuitamente nossas novidades


12 comentários

  1. Nair P. Siqueira
    Comentário do dia 10/3/2007 às 09:37

    Silvia, bom dia.
    Simplesmente ADOREI esse último post sobre Curitiba. Tenho muita curiosidade pela capital e fiquei "muito a fim" de conhecer a tal feira. (estive uma vez só e conheci a Ópera de arame e almocei num restaurante enorme na Sta. Felicidade, q agora não me me ocorre o nome). Parece feira de artesanato mesmo (tenho um pouco de não sei o que(!!) daquelas feiras que se dizem de artesanato e chegando lá só tem a mais pura "muamba" direta do Paraguay (nada contra, mas isso não é artesanato, né??) rsrs… Mas gostei mesmo da dica, principalmente pela sua essência ou seja: as pessoas e a arquitetura tão rica. Qualquer hora vou pra Curitiba conhecer tudo e beber um pouco de "Leite quenteee" …ehehehehh..
    Silvinha do céu, nunca tinha reparado, mas teu post é das 3 da madrugada… Isso que é fidelidade a nós teus matraqueantes… Carece não… vai descansar!!!! rsrs..
    bjs
    Nair
    ET. Bom passeio na feira!!!

    (Responder)

  2. Luiz Roberto
    Comentário do dia 10/3/2007 às 10:28

    Silvia!!!

    Essa feira é tudo isso que você falou e mais um pouco, seu texto está maravilhoso, me sinto lá.
    Eu também sou desses viciados em feirinhas, acho que vou pedir para a prefeitura um espaço para eu montar uma barraca lá.
    Se todo final de semana eu vou, acho que é uma boa idéia. Qual o tipo de barraca que eu devo montar?
    Amanhã nos encontramos lá para comer pastel de carne e caldo de cana. rs…rs…
    A Sandra esta mandando um beijo.
    Inté mais,

    Luiz e Sandra.

    (Responder)

  3. Erica Biazotto
    Comentário do dia 10/3/2007 às 11:01

    Olá..nossa Silvinha..vc escreve e fica uma saudade, começo a lembrar ai meu Deus que vontade louca de ir para ai..eu tenho uma queda enorme por Curitiba…acho maravilhosa..sua arquitetura..e essa feirinha não conhecia..mas quando passar por ai..com certeza..irei até lá..
    ahh..entrei uma vez…e agora não consigo parar de matraquear aqui..srsrsrs…parabens!!!
    vc me conquistou…rsrsr..

    Bjus…um maravilhoso fds..até mais…

    Erica Biazotto.

    (Responder)

  4. SÍLVIA OLIVEIRA
    Comentário do dia 10/3/2007 às 12:21

    Nair!!!
    Pois acredite: é pura feira de ARTESANATO mesmo! Não tem nada do Paraguai! hahahaha. Quem não vende artesanto é expulso pela associação que organiza o "evento". O negócio é tão sério que a fila de espera para quem quer colocar uma barraca na feira é de SETE anos! Os organizadores fazem até chamada: quem não comparece por três domingos seguidos perde a vaga! Mas todo mundo comparece: aquilo é uma mina de ouro para os dedicados artesãos.
    Ahhh,sobre o horário do post: eu sou completamente NOTÍVAGA… durmo geralmente beeem tarde. E para "piorar" ontem foi meu dia de folga e não trabalhei hoje de manhã" Ou seja, do jeitinho que a matraca gosta! Beijos!!

    (Responder)

  5. SÍLVIA OLIVEIRA
    Comentário do dia 10/3/2007 às 12:25

    Luiz! Até que enfim você cedeu aos meus apelos e apareceu por aqui. E pelo que te conheço você é um daqueles com o TOC feirístico: deve comprara tudim, tudim que vê pela frente! huahuahuahua! E não é o texto que te leva para lá. São as fotos: turismo sem imagem não é nada! Abração procê e para a Sandrinha!

    (Responder)

  6. SÍLVIA OLIVEIRA
    Comentário do dia 10/3/2007 às 12:26

    Érica: que bom, você já é uma matraqueadora de carteirinha! Fico feliz mesmo! A feirinha é uma delícia, quando você vier para cá, vamos juntas! 😉

    (Responder)

  7. Sirlene
    Comentário do dia 10/3/2007 às 17:44

    Nos encontramos, as 11h , em frente a igrejinha!

    (Responder)

  8. SÍLVIA OLIVEIRA
    Comentário do dia 10/3/2007 às 18:43

    Aaaah, num vou acordar cedo, não! Vou lá por meio dia, meio dia e quinze. Amanhã só pego o final da feirinha para garantir, claro, o pastel de carne com caldo de cana! hehehe

    (Responder)

  9. Chris
    Comentário do dia 14/1/2014 às 10:37

    Gostaria de saber como faço para chegar na feira via transporte publico. Ficarei hospedada no hotel Golden Park Curitiba

    (Responder)

    Resposta de Silvia Oliveira

    Olá, Chris! Não consegui descobrir uma rota boa de ônibus. Você pode ir a pé (são 1,5 km de distãncia ou ir d etáxi. Não deve ficar mais do R$ 10. 😉

    (Responder)

  10. Giovana
    Comentário do dia 28/1/2014 às 17:09

    Olá Silvia,!!!
    Sou fá de seu blog (os dois). Adoro suas dicas de viagem. Agora, preciso de uma dica….
    Vou conhecer Curitiba no carnaval com o maridão. A feirinha funciona somente no domingo mesmo no carnaval? É que eu estava pensando em fazer a Serra do Mar de trem no domingo. Será que vai ter muita “muvuca” nessa época por aí? rs rs. Se puder me dar umas dicas de passeio vou adorar. bjss!

    (Responder)

    Resposta de Silvia Oliveira

    Oi, Giovana! A feirinha acontece normalmente no domingo de carnaval. A cidade fica bem parada durante este período, praticamente vazia. Mas o passeio de trem pela Serra do Mar deve estar lotado. Garanta sua passagem pela internet! 😉

    (Responder)

  11. CAMILA
    Comentário do dia 23/2/2014 às 16:50

    ola,
    estaremos ( eu, marido e filha) em Curitiba chegando 28/02 e retornando dia 05/03. Estou tentando montar um roteiro para ir de trem a Paranagua e Ilha do Mel. Gostaria tambem de ir a loja da fabrica de porcelana Smidth em Campo Largo.
    Como posso organizar esse roteiro?
    Camila

    (Responder)

    Resposta de Silvia Oliveira

    Camila!

    28/02- Trem pela Serra do Mar até Morretes (o trem não estava fazendo o trecho até Paranaguá). Voltem a Curitiba, porque de Morretes à Ilha do Mel em pleno carnaval vai ser complicado.
    01/03 – Feirinha do largo da Ordem (Curitiba)
    02/03 – Desçam para Pontal do Sul e atravessem para a Ilha do Mel (vai estar lotadíssima, já aviso). 30 minutos de travessia. Se for de Paranaguá a travessia é bem mais longa.
    03/03 – Vá a Campo Largo, tem várias empresas de porcelana no caminho.
    04/03- Visitem os principais pontos turísticos de Curitiba.

    Abs!

    (Responder)

  12. Iara
    Comentário do dia 12/2/2016 às 17:06

    Olá Silvia!

    Estava procurando informações sobre Curitiba e caí aqui no seu super simpático blog! Estarei em Curitiba com minha mãe entre os dias 23 e 30.03, o que inclui o feriado de Páscoa. Estou me programando para fazermos o passeio de trem no sábado, mas estou com medo de encontrar tudo fechado na sexta e no domingo. Sabe me dizer se há alguma programação especial na cidade nesta época?

    Bjo e obrigada!
    Iara

    (Responder)

    Resposta de Silvia Oliveira

    Olá, Iara, eu sempre viajo para o Norte do Paraná nesta época, onde está minha família. Já fiquei aqui uma vez ou outra e a cidade fica bem calma. Mas parques, alguns dos principais atrativos da cidade, estão sempre abertos. E a Feirinha do Largo da Ordem no domingo funciona normalmente. Abs!

    (Responder)

Comente você também

Seu e-mail ficará em sigilo. Campos obrigatórios estão marcados com *

Comentários do Facebook

Matraqueando - Blog de viagem | Por Sílvia Oliveira

Todos os direitos reservados. 2006-2017 © VoucherPress | Agência de Notícias.
Está proibida a reprodução, sem limitações, de textos, fotos ou qualquer outro material contido neste site, mesmo que citada a fonte.
Caso queira adquirir nossas reportagens, entre em contato.

Desenvolvido por Dintstudio
×Fechar