Silvia Oliveira
domingo, 02 de agosto de 2015

Guias Matraqueando são destaque no programa Caminhos da Reportagem da TV Brasil

Silvia Oliveira Guias Matraqueando TV Brasil Apresentacao

Eu já havia avisado aqui, aqui e aqui. A entrevista que dei há dois meses para a TV Brasil foi ao ar na última quinta-feira. O programa Caminhos da Reportagem abordou um tema atualíssimo: pessoas que por meio da internet mudaram de vida e influenciam seus seguidores.

O episódio recebeu o nome de Sucesso.com e entrevistou algumas das “celebridades” das redes sociais como o Fábio Porchat do coletivo de humor Porta dos Fundos; a Cris Guerra, idealizadora do conceito look do dia do blog Hoje Vou Assim; o poeta e rapper Fábio Brazza; o quadrinista Carlos Ruas do site Um Sábado Qualquer, além de criadores de novas plataformas de negócio como Catarse, Estante Virtual e… o  Matraqueando. #réshiteguimuitoamor

Silvia Oliveira Guias Matraqueando TV Brasil Blog de viagem

Eu sou a webSUBcelebridade do elenco, que fique claro. 😀 Incrível como a internet passou como um rolo compressor sobre a mídia tradicional e criou “personagens famosos” na web —  muitos dos quais nunca ouvimos falar, mas que são conhecidíssimos dentro do seu nicho.

Lembra do falecido cantor sertanejo Cristiano Araújo? Ninguém sabia quem era, a não ser os 40 milhões de pessoas que visualizavam seus vídeos no You Tube. Poizé…

O programa traz diversas entrevistas com blogueiros e youtubers de vários segmentos: humor, saúde, moda, música, tecnologia, maternidade e… viagem (nóis!). A equipe do Caminhos da Reportagem veio de Brasília a Curitiba para a gente bater um papo.

O foco era como o Matraqueando se profissionalizou ao longo dos anos e como se consolidou com o lançamento da Loja Matraqueando, espaço onde vendo meus guias de viagens.

O Matraca News é o único blog de viagem com sete títulos no mercado publicados por editora própria. Isso nada mais quer dizer que eu sou a secretária, a moça do café, a tia da limpeza, a guria que atende ao telefone, a executiva do empreendimento e — por um acaso — a escritora da bagaça.

Silvia Oliveira Guias Matraqueando TV Brasil

Gostei demais de fazer essa psicanálise pessoal ao dar a entrevista. Pude perceber que, na verdade, não mudei de vida. Desde que deixei meu trabalho como editora e apresentadora na televisão e parti para um mestrado na Espanha eu já comecei a escrever matérias de viagens para jornais e revistas.

O que eu fazia há 15 anos eu continuo fazendo até hoje. A empresa que abri há 15 anos é a mesma até hoje. Faz 15 anos que eu viajo e escrevo. Só que mudaram o foco, o público e a política editorial. Foi, isso sim, um processo de libertação.

O Matraqueando nasceu porque eu era viajante compulsiva e inveterada. E não o contrário. Abrir um blog para começar a viajar, por exemplo, à espera de convites e cortesias é pedir para não sair do lugar. O segredo está na alma, não no negócio exatamente.

O programa tem 53 minutos (tá cheio de histórias inspiradoras) e revela claramente a chave do “sucesso”: todas estas pessoas falam/escrevem sobre o que gostam e começaram meio que por acaso, pelo simples prazer de, alguma forma, colocar em prática um sonho.

Silvia Oliveira Guias Matraqueando TV Brasil Blogs de Viagem

Abaixo está o vídeo. Eu dou as caras lá no 32:06, mas vale a pena ver a matéria toda, conduzida pela querida jornalista Thaís Antônio.

Gratidão, sempre!

Posts relacionados

Entrevista da Matraca no Encontro com Fátima Bernardes

Entrevista da Matraca no programa Revista Curitiba da ÓTV

Estamos na Revista TAM de abril!

Livro Eu Amo Viajar: estamos entre as 50 histórias de gente com uma paixão em comum

Guias Matraqueando no jornal Estadão

Blog Matraqueando é destaque no jornal Estadão

Matraqueando no livro 100 dicas para viajar melhor do Ricardo Freire

Sílvia Oliveira: eleita melhor blogueira de viagem no Bloscars 2013

Entrevista especial do Sílvia Oliveira no jornal Folha de Londrina

Matraqueando é indicado na revista Viagem e Turismo como um blog para chamar de seu!

________________

As imagens do post são prints do vídeo do programa Caminhos da Reportagem.

Share
quarta-feira, 29 de julho de 2015

Puerto Iguazu | La Aripuca: espaço verde e preservação ambiental criativa em Misiones, Argentina

la aripuca puerto iguazu como llegar

O lado argentino das Cataratas me surpreende toda vez. Além dos restaurantes recomendadíssimos em Puerto Iguazu (que faz divisa com Foz), a cidade tem diversos lugares para visitar que vão além das quedas da Garganta do Diabo.

la aripuca puerto iguazu

Na minha última viagem para lá conheci o La Aripuca, um pequeno parque eco-turístico de gigantes construções. São quatro áreas de visitação: La Aripuca, Tacurú,  El Yateí e Cucurucho. A principal obra é justamente a “La Aripuca” (a arapuca em português), uma réplica monumental dessa típica “armadilha” de caça dos povos guaranis.

la aripuca puerto iguazu turismo

Troncos de 30 espécies nativas da região resgatados do desmatamento ilegal dão forma à construção de 17 metros de altura e 500 toneladas. O local abriga aulas ambientais, exposições e shows típicos.

la aripuca puerto iguazu como chegar

O projeto nasceu do sonho do casal argentino Otto Waidelich e Irma Sommerfeld. Com as três filhas ainda pequenas, eles começaram a imaginar um local que pudesse criar maior consciência sobre os recursos naturais, preservar o meio ambiente e divulgar as tradições indígenas da província de Misiones, onde fica Puerto Iguazu.

la aripuca puerto iguazu artesanato indigena

la aripuca puerto iguazu moveis

O empreendimento também conta com outras áreas de visitação e compras. Há um espaço para venda de artesanías indígenas e outro, o Tacurú, totalmente dedicados aos móveis de madeira (raízes de cedro resgatadas) e artesanato de diferentes lugares da argentina como artigos em lã, couro e pedras preciosas.

la aripuca puerto iguazu artesanato

la aripuca puerto iguazu  souvenir

O El Yateí é uma loja de artesanato de pequenos produtores locais. O nome faz uma referência à abelha jataí (yateí em espanhol), uma abelhinha típica da selva missioneira que produz mel com altas propriedades terapêuticas.

O local retrata uma antiga casa de colonos da região com detalhes arquitetônicos interessantes como a distância do solo para evitar a umidade. Existem várias opções de souvenir. São peças de folha de palmeira, sementes, linhas e pequenas “aripucas” para decoração.

la aripuca puerto iguazu sorvete erva mate

O Cucurucho (casquinha de sorvete em português) é um quiosque feito com madeira de Ibirá Pita e teto de palha. Vende sucos, lanches, empanadas e sorvetes. Prove o de erva-mate com pétalas de Rosella, uma flor que lembra o hibisco. É forte e de sabor marcante. Não lembro exatamente quanto paguei, mas acho que foi em torno de R$ 5.

la aripuca puerto iguazu abundancia medicinales

O La Aripuca tem, ainda, uma farmacinha com produtos feitos à base de ervas medicinais, um restaurante (que funciona na hora do almoço) e uma capelinha todinha feita em madeira. O passeio começa assim: você compra a entrada e logo é conduzido por um guia (em espanhol) até à La Aripuca.

la aripuca puerto iguazu igrejinha capilla

la aripuca puerto iguazu como visitar

São cinco minutos de informações e depois a gente está livre para percorrer a área sozinha. A visita dura em torno de uma hora. O combo área-verde-história-com-sorvete costuma agradar em cheio às famílias com crianças. 😀

SERVIÇO

La Aripuca | www.aripuca.com.ar

Local: Ruta 12 Km 4 1/2 | Puerto Iguazu | Misiones

Tel. +54 (03757) 423-488

Horário: todo os dias, 9h às 18h

Entrada: 70 pesos (ou R$ 20). Em todos os lugares do empreendimento aceitam dólares e reais. Mas é melhor pagar em pesos argentino, para evitar defasagem no troco (quase sempre em pesos).

Posts relacionados

AQVA: restaurante para provar a melhor carne argentina em Puerto Iguazu

Compras na Argentina: Duty Free Shop

Leia também

Roteiro Árabe em Foz do Iguaçu

Templo Budista de Foz do Iguaçu (Spoiler: contém lindas fotos!)

Cataratas do Iguaçu: lado argentino e brasileiro

Itaipu: circuito especial

Parque das Aves

E ainda

Rota de compras no Paraguai: lojas, imposto e chipa

________________

Fotos: Sílvia Oliveira | Todos os direitos reservados. ©

Share
segunda-feira, 27 de julho de 2015

Paris | La Fourmi Ailée: casa de chá perto da Notre Dame

La fourmi ailee casa de cha

Fachada simpática, ambiente convidativo. Paredes forradas de livros e teto pintado com nuvens. Não encontrei adjetivo para descrever o estilo da casa de chá La Fourmi Ailée — um misto de gracinha, papo-cabeça e “livraria cultura”. O curioso é que o lugar foi sede de uma das primeiras livrarias feministas de Paris.

No cardápio você encontra pratos variados e sobremesas, mas a estrela do lugar são os chás. São 25 blends que vão do tradicional camomila, passando por chás chineses e indianos. Custam entre € 3,20 e € 4,50. A água vem num bulinho fofo e as ervas, amarradas num saquinho.

La fourmi ailee casa de cha paris

A La Fourmi Ailée (nome que significa algo como a formiga voadora) fica na região chamada Odeón-Saint Michel. Mas cai perfeitamente para quem está zanzando pelo Quartier Latin. A catedral de Notre Dame está a duas quadras e a casa fica em frente ao Zenyama, restaurante japonês bom, bonito e barato do qual já falei neste post.

La fourmi ailee casa de cha dicas paris

Para quem quiser comer aqui já aviso que os preços do lugar estão acima da média para um mão de vaca. Mas se você está no seu momento-patrão espere gastar num almoço com bebida e sobremesa em torno de € 25. (Entenda: muquiranas não gostam de investir mais de € 10 por prato de comida!) 😀

Fui várias vezes só para o chá. Em uma delas pedi uma torta de maçã que custou € 7. Achei caro e não foi a melhor tarte aux pommes da vida. (Para você ter uma ideia, o Zenyama tem menu com brochettes (espetinhos), arroz e sopa a partir de € 8,80.)

La fourmi ailee casa de cha paris cardapio

Não espere o melhor atendimento do mundo. O lugar, apesar de pouco conhecido entre os turistas, está numa região frenética. Portanto, sempre lotado. E as garçonetes parecem meio atrapalhadas. Na hora do jantar, por exemplo, não pode ficar só para “bebidas”. Se for só para tomar o chá (como eu) escolha o meio da manhã ou da tarde.

Tirando os pormenores, o local é agradável e está numa região prática para o turista que pode, também, fazer da La Fourmi Ailée uma parada para o café — € 1,90 a xícara pequena.

SERVIÇO

La Fourmi Ailée

Local: 8 Rue du Fouarre, 75005 | Odéon-Saint Michel

Tel. +33 1 43 29 40 99

Funcionamento: todos os dias, meio-dia à meia-noite.

Metrô: Maubert-Mutualité (linha 10), Saint Michel (linha 4) e Cluny-La Sorbonne (linha 10)

A La Fourmi Ailée fica perto de:

Catedral de Notre Dame
Quartier Latin (bairro)
Boulevard Saint Germain
Zenyama (restaurante japonês)

Posts relacionados

Fromagerie Lepic: a sua queijaria em Paris

Café da Amélie Poulain: ponto de peregrinação em Montmartre

Rota de Boulangeries: 10 lugares para você tomar café da manhã em Paris

Fauchon: a célebre épicerie e pâtisserie francesa

Korcarz: boulangerie e pâtisserie kosher no Marais

L’As du Fallafel, Marais: porque faláfel não é brinquedo não

Chez Hanna, Marais: se não é o faláfel mais gostoso de Paris, é tão bom quanto

Restaurante Fluch, Paris:  self service à vontade com precinho daqui, ó!

Leia também

Europa Barata: Paris pela primeira vez 

Museu Carnavalet: essencial para conhecer a história de Paris

Museu Bourdelle: a incrível casa-ateliê do discípulo prodígio de Rodin

Museude Montmartre: onde você encontra o jardim que inspirou Renoir

Place des Vosges e Maison Victor Hugo: passeio casado e gratuito no Marais

________________ 

Fotos: Sílvia Oliveira | Todos os direitos reservados.

Share
quinta-feira, 09 de julho de 2015

Loja Matraqueando | O Barato de Gramado e Canela

Gramado dicas viagem

Pode saber, quando eu desapareço alguma coisa eu tô aprontando. Eis que, com muito orgulho e noites sem dormir, lanço o primeiro e-book da Loja Matraqueando totalmente dedicado a um destino nacional: Gramado e Canela. E ainda: é meu primeiro guia interativo com atrações, restaurantes e hotéis com links para o Google Maps.  \0/

A escolha não foi à toa. Gramado foi eleita recentemente como o melhor destino de viagem do Brasil no prêmio Traveler’s Choice 2015, promovido pelo TripAdvisor. É um circuito de inverno que também funciona no verão e tem paisagens lindíssimas no outono e primavera. Trata-se do único lugar do Brasil que provoca o estado mental “Disney” com seus eventos mirabolantes à la Natal Luz.

Gramado guia de viagem 1

E principalmente — aqui entra o trabalho suado do Matraca News — é uma cidade muuuito cara para os padrões mão de vaca muquirana que a gente adora. Como equacionar uma conta que pede, por dia, R$ 400 na diária do hotel estilo pousada, R$ 200 o casal para comer frango e polenta, R$ 50 num museu, mais R$ 150 por dia no carro alugado, mais chocolate quente e mais comprinhas?

Trabalho para a Super Matraca, evidentemente! Comecei a rascunhar esse guia no ano passado quando planejava minha quinta ida para lá. (A primeira foi aos 14 anos numa excursão da 8ª série do Colégio Hugo Simas. Minha primeira viagem sozinha. Gramado, pode-se dizer assim, é o destino-mãe do Matraqueando. Como não amar ainda mais?)

COMO É O GUIA?

O guia O Barato de Gramado e Canela não é uma lista corrida de lugares com endereço e telefone para você ticar. Todos os atrativos — de pontos turísticos a restaurantesestão descritos e comentados. A proposta é simples: sabendo maiores detalhes do local você investe com mais cuidado seu dinheirinho. Tudo é caro e acima da média aqui. Encontrar o melhor custo-benefício é o que vai fazer a diferença na hora de pagar a conta do cartão de crédito.

Divulgacao paginas guia o barato de gramado

Olhe só o que você vai encontrar:

– Como ir do aeroporto de Porto Alegre a Gramado (carro — incluindo a Rota Romântica, ônibus e traslados)

– Como circular na cidade

– Mais de 70 atrativos descritos e comentados pela autora

– Parques temáticos, museus e passeios rurais tim-tim por tim-tim

– Miniguia para entender e aproveitar o Snowland, o primeiro parque de neve indoor das Américas

– Dicas completas para participar do Natal Luz sem ir à falência

– Desvendando o Bus Tour, o primeiro ônibus de turismo Hop On Hop Off do sul do Brasil

– Refeições ECONÔMICAS em alto estilo (alemã, chinesa, italiana, fondue, sopas, crepes, sanduíches, pizzas, cafés, chocolate quente e self service). Todos os estabelecimentos foram avaliados e trazem preços claros. Tipo, o buffet livre que custa R$ 19,50, sequencia de fondue por R$ 34 ou o chocolate quente que custa R$ 7,50 a xícara de 80 ml. Assim, tudo bem às claras, nada de cifrãozinho indicativo. (Preços de julho de 2015)

– Mais de 30 dicas de hospedagem barata (hotéis, pousadas, hostels, cabanas rurais, flat e apartamentos)

–  E a maior novidade | E-book interativo: todas as indicações com links para o Google Maps. Atrações, restaurante e hotéis com localização fácil e rápida!

A questão é objetiva, alguém precisa deixar de alimentar os preços abusivos (e isso serve para qualquer lugar do Brasil) e encontrar soluções mais dignas e íntegras de consumo. Fiquei focada nisso. Acho que você vai gostar!

Banner venda Gramado

Atenção | O guia é um e-book (produto digital), entregue no seu e-mail em até 48 horas após a confirmação do pagamento. No momento, não existe edição impressa. Nada será enviado para seu endereço físico.

Você poderá ler O Barato de Gramado e Canela no seu smartphone, tablet, computador, notebook e dispositivos afins. Se preferir pode imprimir e encadernar! Fica lindo! 😀

COMO COMPRAR

Acesse a Lojinha Matraqueando, escolha o seu guia e clique em comprar. Daí pra frente, o sistema pede seus dados. É um processo rápido e intuitivo. Você poderá pagar com cartões de crédito (Visa, Mastercard, Diners, American Express e Hipercard); com cartões de débito (Itaú, Bradesco, Banco do Brasil e Banrisul) e através de boleto bancário. Mais prático, impossível!

O Barato de Gramado e Canela
Preço: De R$ 35,90 por R$ 29,90 | Aproveite, promoção por tempo limitado!
Autora: Sílvia Oliveira
Páginas: 122
Editora: VoucherPress
Formato: E-Book (produto digital)
Edição 1ª | 2015/2016

__________________________

Outros Guias Matraqueando

O Barato de Buenos Aires

O Barato de Santiago

O Barato de Paris

O Barato de Lisboa

O Barato de Madri

O Barato de Roma

__________________________

Fotos: Raul Mattar | Todos os direitos reservados. ©

Share
quinta-feira, 25 de junho de 2015

Londres | Camden Town: dicas para conhecer a região que concentra os mercados mais alternativos da cidade

Camden Market Londres roupas

Na minha longínqua e conservadora adolescência qualquer ser humano que usasse tatuagem, piercing, chaveiro do Greg ou cabelo colorido era chamado de… maloqueiro.  Delinquente e mal-encarado seriam alguns dos adjetivos mais suaves usados pela minha avó para definir esse pessoal.

Camden Market Londres

Mal sabia ela que décadas mais tarde eu visitaria um reduto europeu consagrado cheio de gente com tatuagem, piercing, botas coloridas, roupas extravagantes, cabelo rosa e, apesar de tudo, me sentiria em casa! 😀

Camden Market Londres opening time

Amy Whinehouse viveu e morreu aqui. Em setembro do ano passado o bairro até ganhou uma estátua de bronze da cantora, obra do escultor Scott Eaton. O movimento punk-moicano fez história justamente no Camden.

Camden Market roupas

Camden Town talvez seja a região mais excêntrica e plural de Londres. Abriga vários mercados (na verdade, muita gente se refere ao bairro inteiro como Camden Market, mas este é só uma das feiras que acontecem por ali) e, apesar de ser muito turístico, até hoje é reduto de festa estranha com gente esquisita. Vó, má companhia para esse pessoal sou eu!

Camden Market localizacao londres

Se fosse no Brasil seria como juntar num mesmo lugar funkeiros, rappers, pagodeiros, tecnobrega, rastafári, pai de santo, olodum, filhos de Gandhi, grunges, emos e drag queens sem dar B.O. para nenhum lado, tá ligado?

Camden Market feiras de londres

A área está espremida entre duas estações de metrô: Camden Town e Chalk Farm, ambas na linha Northern. Eu desci na primeira e logo agarrei a Camden High Street. Percorri durante uma manhã uma feira hortifrúti e os cinco mercados da região.

Camden Market london

São estúdios de tatuagem, lojas de artesanato (se você fala com duende vai adorar), barracas de roupas alternativas e vintage (amei os vestidos retrô), colares, penduricalhos, discos, móveis legais, alguma coisa de antiguidade e comidinhas de rua sensacionais que vão desde queijo francês, passando por torta peruana até chegar a um café etíope.

Como chegar camden market londres

As fachadas são… errr… assim… meio… bom, o que seria do amarelo se todo mundo gostasse do azul, né?  Aqui tudo é intenso, over, febril e impetuoso. Camden Town é o resumo turístico da frase “há gosto para tudo”. Melhor lugar, aliás, não há para comprar seu souvenir ou imã de geladeira. Ou chá de cogumelo ou bala de maconha. Jupurdeus!

Camden Market Londres ima souvenir

As mesmas coisinhas turísticas que a gente encontra ao lado da London Eye (a roda-gigante cartão postal da cidade) estão aqui, só que três vezes mais em conta. Eu comprei uma camiseta com ícones londrinos por 3 libras que uso até hoje e uma linda caneca por apenas 1 librinha.

Camden Market Londres preços

Saindo da estação Camden Town vire à direita na Camden Street e logo você chega ao Camden Market (faz esquina com a Buck Street) que, embora dê nome a todo o entorno, nem é o mais legal na minha opinião — mas compõe bem o conjunto da obra. Há barraquinhas muito originais e um quê de camelódramo a la 25 de Março. Funciona todos os dias, das 9h30 às 18h.

Mercado de Camden Londres

Saindo da Camden Street, no lado oposto ao Mercado de Camdem, está o Inverness Street, uma quadra que vende frutas e verduras com foco na comunidade local e que funciona ali desde 1900.

Mas hoje já se misturou com a vibe do bairro e está tomada de lojinhas e pubs-sei-lá-entende. A título de curiosidade, nesta rua também fica o restaurante Made In Brazil que serve feijoada (£ 12) e picanha (£ 15).  A feirinha abre todos os dias, das 8h30 às 17h.

Camden Market london food

Camden Market Londres coxinha

Voltando a Camden Street, mais a frente você chega ao Camden Lock Village, à beira do Regent´s Canal (lugar que rende um lindo passeio de barco em dias de sol).

Só aqui são mais de 500 lojas de t.u.d.o. o que você pode imaginar desse universo gótico-punk-hipster-clubber-funk-metaleiro, mas o que me agradou aqui foi a seção gastronômica tipo volta-ao-mundo.

Camden Market Londres comida

Comida tailandesa, vietnamita, chinesa, americana e até brasileira com coxinha, pastel e guaraná Antártica. Tudo a preços muito atrativos (um ótimo prato de yakissoba por £ 4!).

E para me matar de amor é possível comer numa mesa coletiva onde os banquinhos são antigas lambretas coloridas. Ownnn! (Fazendo coraçãozinho com as mãos.) Abre todos os dias das 10h às 18h.

Camden Market london openig time

Nesta parada a Camden Street já está virando a Chalk Farm Road e em frente ao Village — do outro lado da rua e ainda beirando o canal — está o Camden Lock. Tudo começou aqui em 1975.

Se hoje, Camden Town recebe mais de 150 mil pessoas por semana foi graças a este mercado. A parte aberta se chama West Yard e a coberta, Market Hall.

Camden Market metro mais proximo

Depois da seção gastronômica do market vizinho, posso dizer que me encontrei aqui. Livros, decoração, design, pinturas, quadros, gravuras, papelaria alternativa e acessórios no melhor estilo florzinha-da-matraca inundam esta enorme “galeria”. Há também comida  e frutas cheirosas. Abre todos os dias das 10h às 18h.

Camden Market londres horario

E por fim, quase colado na estação de metro Chalk Farm, está o Camden Stables Market, instalado em estábulos da antiga companhia ferroviária North Western Railway Co. É enorme, o maior de todos. São mais de 700 lojas disputando sua atenção. E olha que de chamar a atenção eles entendem bem! Rá!

Moda alternativa, itens de colecionadores, móveis, sapatos e boas comidinhas (não tão baratas como no Village, mas tão atrativas quanto). Você cruzará pelas velhas cocheiras e arcos de tijolos vitorianos de  1854.

Camden Market Londres artesanato

IMPORTANTE | Nem todas as lojas abrem durante a semana. Já aos sábados e aos domingos você encontra tudo funcionando para atender a uma multidão de pessoas. Alguns horários também podem ser diferentes nos fins de semanas, com alguns mercados funcionando até mais tarde. Eu fui numa quinta-feira de manhã e estava calmíssimo.

SERVIÇO

Camden Town e seus mercados

Local: entre as estações de metrô Camden Town e Chalk Farm (ambas linha Northern – preta). A distância entre o primeiro mercado e o último e de quase um quilômetro, eles estão bem perto um do outro.

Horário: varia de mercado para mercado, confira no post acima.

Posts relacionados

Portobello Road Market: o lado pitoresco de Notting Hill

Columbia Road Flower Market: o cantinho mais colorido de Londres fica na região mais descolada da cidade

Leia também

Supermercados de Londres: onde fazer a festa sem gastar os tubos

E ainda

Europa Barata: Londres pela primeira vez

Inglaterra a £ 50 por dia

Como ir do aeroporto de Londres (Heathrow) ao centro
____________________

Fotos: Sílvia Oliveira | Todos os direitos reservados. ©

Share
sexta-feira, 19 de junho de 2015

Orlando sem carro: como ir do aeroporto ao centro e como circular usando o transporte público + o I-Ride Trolley

Orlando Magic Kingdom

Eram apenas seis dias de viagem. Pouco dinheiro e muita disposição. Por certo, o que a gente gasta com ingresso nos parques (ainda mais em família) dá quase para dar entrada num carro popular. Como não é possível pensar em férias de forma racional — o que você investe em uma semana de hotel equivale ao seu aluguel do mês — nosso lema da viagem (que incluía Nova York) era economizar muito sem perder a dignidade.

Quando cogitei não alugar carro em Orlando quase apanhei do meu irmão, da minha mãe e dos meus amigos. Chorei as pitangas no Facebook e eis que surge o querido Carlos Monteiro do blog Para a Disney e além! mostrando um post que ele fez justamente sobre essa possibilidade: Orlando sem carro.  Carlos, gradicida eternamente pela graça alcançada.

Foi uma luz e a confirmação da minha suspeita: é mais fácil se locomover com automóvel, sim. Mas você sobrevive muito bem sem ele se fizer um roteiro organizado e priorizar um hotel com traslado gratuito para os parques — nossa opção, aliás.

Alugar um carro em Orlando implica não só no valor do aluguel em si (que até costuma ser bem mais barato que em muitas cidades do mundo), mas também em custos como gasolina, estacionamento dos parques (média de US$ 20 por dia) e pedágios.

Também acho que a cidade é feita para quem está sobre rodas. O veículo se torna fundamental, por exemplo, se você alugar uma casa mais afastada da International Drive – ID (principal avenida de Orlando) ou quiser fazer compras em diferentes shoppings  e lojas da cidade.

Mas já adianto, pegamos apenas um único táxi em Orlando — do hotel ao aeroporto. Porque até na chegada fomos do aeroporto para o hotel usando ônibus de linha. (Cê sabe, a Matraca vai antes para você não se estrepar depois!) 😀

Duas empresas de transporte operam na cidade, a Lynx — que circula em Orlando e “região metropolitana” (Lake Buena Vista e Kissimmee) e o I-Ride Trolley, uma espécie de ônibus fantasiado de bondinho da alegria, que percorre basicamente a região mais turística da International Drive.

Como sair do aeroporto de Orlando usando o transporte público

Como nossa hospedagem ficava colada na International Drive (já falamos dela aqui) pegamos o ônibus Aeroporto – International Drive (linha nº 42) da empresa Lynx. Descemos na parada nº 27 da ID, praticamente em frente ao hotel. A passagem custa US$ 2 e a viagem durou 1h40. (Bom, pode parecer muito, mas recentemente fiquei duas horas dentro do ônibus executivo para ir do aeroporto Santos Dumont à Barra da Tijuca no Rio de Janeiro. Nhé!) De táxi seriam US$ 45.

Importante destacar que eu não estava chegando do Brasil, eu vinha de Nova York — um voo curto de 2h30. Enfim, estava descansada e com o entusiasmo no grau máximo: primeira vez na Disney. Gritinho Big Brother, u-huuu!

Por isso, pense bem antes de enfrentar essa odisseia se estiver vindo de um voo intercontinental. (Imagine você saindo de Porto Alegre, fazendo conexão em Guarulhos, de lá voando para Orlando, chegando a Orlando e.. pegando um ônibus que demora 1h40 para chegar ao hotel? Poizé! Eu fui antes para você não se estrepar depois.)

Orlando sem carro Lynx

Para ir do Aeroporto a Orlando Downtown (centro) pegue a linha 11 ou 51. Já para fazer o trajeto Aeroporto – Florida Mall utilize a linha 42 (a mesma que eu peguei) ou a 111 (que também leva à Walt Disney World). Os percursos são sempre bem demorados, taí a grande desvantagem para quem tem pressa. Se você optar pelo transporte público — porque não quer/pode dirigir — leve doses extras de paciência e disposição na bagagem. O  ponto da Lynx no aeroporto está no Ground Transportation (Level 1), localizado no lado A do terminal principal. As plataformas vão da A37 a A41 (a linha 42 para no ponto da 41). É só perguntar que indicam para você o caminho.

Importante | Se você estiver hospedado dentro dos hotéis da Disney (sooonho meu!) há o Disney’s Magical Express, que faz o traslado gratuito do aeroporto até o complexo. E lá dentro há ônibus gratuitos para os hóspedes se locomoverem entre um parque e outro da Disney.

Como circular em Orlando usando o I-Ride Trolley

Para quem fica hospedado na região da International Drive o I-Ride Trolley é um excelente opção. São ônibus (não municipais) fofíssimos, meio retrô com bancos de madeira.  Existem passes de 1, 3, 5, 7 e 14 dias.  Eu comprei o passe de cinco dias (US$ 9 por pessoa) e poderia usar o trolley quantas vezes quisesse neste período.

Orlando sem carro I Ride Trolley Estados Unidos

Com ele você chega tranquilamente aos dois principais outlets da cidade (Premium Vineland e Premium Intrenational Drive), além dos parques Sea World, Aquática e Wet’n Wild. Sem contar que ao longo da International Drive há d.e.z.e.n.a.s de restaurantes e lojinhas. São quase 80 paradas.

Há duas linhas, a Red Line Trolley (linha vermelha) e a Green Line Trolley (a linha verde). A Red Line percorre toda a ID – do Outlet Premium International Drive ao Outlet Premium Vineland (cada um fica num extremo da gigante avenida). O Red Line passa a cada 20 minutos.

Orlando sem carro I Ride Trolley pass

A Green Line tem paradas semelhantes, mas em alguns trechos ela pega vias paralelas e alcança a Universal Boulevard, por exemplo. A Green Line passa a cada 30 minutos. Eu só usei praticamente a Red Line. Veja o mapa aqui. (Ao entrar no I-Ride Trolley você também pega o mapinha que, além de esmiuçar todas as paradas, ainda vem com vários cupons de desconto para comida, compras  e lazer.)

Orlando sem carro I Ride Trolley

Atenção, as duas linhas oferecem a direção South Bound ou North Bound. Dependendo de onde você quiser ir observe se é a Red Line South Bound ou a Red Line North Bound. O mesmo vale para a linha verde. No começo eu me confundi, peguei para o lado errado… aquela mesma barata tonta no metrô de Nova York confundindo as direções Uptown com Downton. 😀

A Cici’s Pizza, lugar bom e barato para comer em Orlando, fica na parada nº 14 da Red Line North Bound. Mas existe outra unidade da pizzaria na parada nº 20 da Red Line South Bound.

Onde comprar o passe do I-Ride Trolley

Os passes são vendidos em centenas de lugares (pergunte no seu hotel o local mais próximo) — desde lojas, farmácias (como a Walgreens) e on-line. Veja aqui todos os pontos de venda.

Se sua opção for comprar via web, você receberá o voucher por e-mail. É só apresentá-lo ao motorista que ele troca pelo passe oficial, o mesmo que você vai usar durante todo o período de validade escolhido por você.

Orlando sem carro I Ride Trolley single fare

Os passes não são vendidos a bordo, somente o tíquete avulso. O motorista não trabalha com troco, portanto, tenha dinheiro exato para comprar o bilhete single: US$ 2. Crianças de 3 a 9 anos pagam US$ 1 pelo tíquete avulso. (Já os passes têm o mesmo valor para adultos e crianças.)

Horário de funcionamento do I-Ride Trolley

O serviço funciona todos os dias — incluindo sábados, domingos e feriados — das 8h às 22h30. Nos pontos de paradas do I-Ride Trolley você encontra um número gratuito para enviar uma mensagem de texto no celular e saber a que horas vai passar o próximo “bondinho”. Você envia a mensagem e em seguida recebe outra com estas informações.

Como circular em Orlando usando o transporte público Lynx

Confesso que só usei os ônibus da Lynx uma única vez: saindo do aeroporto de Orlando. O I-Ride Trolley me atendeu tão bem que não precisei usar os coletivos da cidade.

A vantagem da Lynx em relação ao I-Ride Trolley é que o bondinho-bus só circula na região mais turística da International Drive, enquanto que os ônibus municipais levam você aos parques da Disney, a regiões como Lake Buena Vista e Kissimmee, ao Walmart, aos shoppings — além do aeroporto, of course.

Mas como meu hotel tinha o traslado gratuito para os parques que eu queria conhecer durante a minha estada (Magic Kingdom, Epcot, Hollywood Studios e Universal) e não estava focada em compras não foi necessário pegar ônibus.

Universal Studios

A vantagem do transporte público é o preço: US$ 2 (bilhete avulso) e US$ 16 (passe semanal). Mas a grande desvantagem é exatamente o tempo: são extremamente demorados.

Não dá para sair do parque, dar uma passadinha no outlet e depois ir jantar naquele restaurante badaladinho… de ônibus. Não porque seja incômodo (em Curitiba isso seria muito fácil), mas porque você levaria umas quatro horas (não é exagero) indo e voltando.

Para você ter uma ideia, do meu hotel ao Walmart (coisa de oito quilômetros) levava mais de uma hora (a gente via a previsão pelo mapa google). Não compensava — para nós — pegar o transporte coletivo para fazer este tipo de passeio/compras, o jeito era ir de táxi (uns US$ 30 dólares ida e volta). Ou seja, nos contentamos com a Walgreens 24 horas que  havia em frente ao hotel. :mrgreen:

O site da Lynx é muito completo e organizado. Você consegue ver itinerários e horários , mapas das rotas  e as linhas que percorrem os destinos mais populares. Os ônibus são elétricos híbridos, possuem elevador para pessoas com necessidades especiais e têm ar condicionado.

Para a Universal, por exemplo, pegue as linhas 21, 37 ou 40. Já para a Walt Disney World pegue as linhas 50 ou 56. Atenção: algumas linhas para os parques não são diretas — ainda tem isso! Você tem que fazer uma espécie de baldeação, descer num ponto e pegar outro ônibus para seguir viagem.

As transferências são ilimitadas e gratuitas desde que você solicite o tíquete do transfer diretamente ao motorista assim que pagar a passagem. Dentro dos ônibus há livretos gratuitos com itinerários e horários da Lynx.

Onde comprar o passe da Lynx

Os passes são vendidos em diversos lugares. Entre aqui e coloque o Zip Code (CEP) de onde você estiver para saber o ponto de venda mais próximos ou veja aqui todos os endereços.

É possível comprar on-line também. Para o passe semanal escolha a opção Fixed Route 7-Day Standard Pass (US$ 16) ou o Fixed Route All-Day Pass para o passe diário (US$ 4,50).

Horário de funcionamento

O horário de funcionamento varia de linha para linha. Algumas começam às 6h30 e terminam às 19h30. Outras começam às 5h30 e o último ônibus passa às 21h. Alguns vão até meia-noite. Veja os horários aqui.

Vantagens de ficar sem carro em Orlando

Economia. Se isso for fator determinante para você, usar o transporte público vai ser um negócio da China. Eu aguentei bem seis dias sem carro, mas acho que se passasse disso começaria a me irritar. Fiquei com vontade de ir a alguns lugares (lojas e restaurantes mais afastados), mas não fui para não ter que enfrentar o busão (e não queria gastar com o caríssimo táxi da cidade).

Desvantagens de ficar sem carro em Orlando

Demora nos trajetos e poucas linhas servindo os principais pontos de interesse da cidade. Não há opção para voltar para o hotel depois da balada. As empresas param de operar cedo para quem gosta de curtir a noite. Num dia de chuva ou cheio de sacolas voltando do outlet… enfrentar o ônibus é para os — muquiranas — fortes!

Matraca Na Disney Instagram 1

+ 5 dicas para se dar bem em Orlando sem carro

1. Priorize um hotel em Orlando que tenha traslado gratuito para os parques com horários convenientes (o que significa sair cedo e voltar no final do dia). Algumas hospedagens oferecem transfer, mas a van chega mais de 11h no parque e volta às 17h. Oi? No hotel onde ficamos, nos dias de festas especiais como o Mickey’s Very Merry Christmas Party (o Natal do Mickey), tínhamos vans disponibilizadas pelo hotel que voltavam em horários diferenciados (mais tarde), uma vez que a festa começa às 18h e termina à meia-note. Isso foi uma grande vantagem!

2. Se sua ideia é conhecer o Busch Gardens (que fica na cidade de Tampa, a 130 km de Orlando) use o traslado gratuito oferecido pelo próprio parque. Para ter acesso a este benefício compre o ingresso e depois agende o transporte aqui. O detalhe é que o ônibus passa em vários hotéis (incluindo os da Disney) e você chegará por volta de 11h30 ao parque. O horário de saída vai depender de onde você pegar o traslado.

3. O Legoland (que fica na cidade de Winter Haven, a 40 minutos de Orlando) também oferece transporte, mas não é gratuito. Custa US$ 5 por pessoa (mais taxas) e a viagem dura em torno de uma hora. O ponto de embarque é único: International Drive, 360. Saídas às 9h. É recomendável chegar com 30 minutos de antecedência. Reserve aqui.

4. Se você estiver hospedado nos hotéis da Disney e quer vir para a região da International Drive sem carro talvez a solução mais econômica seja pegar um táxi até o Outlet Premium Vineland (calcule uns US$ 30 a corrida) e de lá usar o I-Ride Trolley.

5. Bom, nossa ideia de não usar carro em Orlando foi para economizar. Mas se você não dirige e dinheiro não é problema existem táxis e shuttle. Como disse acima só usei o táxi no último dia de viagem para ir do hotel ao aeroporto. Calcule as tarifas pelo site Taxi Fare Finder.  Algumas empresas (como a SuperShuttle)  fazem traslados de/para o aeroporto a partir de US$ 18 por pessoa (parando em vários hotéis) ou exclusivo a partir de US$ 75 por carro (com capacidade para 7) levando você diretamente ao destino. Já Mears (a maior companhia de transporte privado de Orlando) faz vários tipos de traslados na cidade, incluindo hotel-parques-hotel. Consulte valores aqui.

A pergunta que não quer calar? Eu voltaria para Orlando sem carro? Se for para uma estadia curta e ficando num hotel que tivesse os traslados necessários para o meu roteiro, sim, com certeza! Calculamos nessa brincadeira uma economia de US$ 350 dólares no aluguel do carro (incluindo gasolina e estacionamento dos parques). Dimdim muito bem guardado para a próxima viagem! 😉

Posts relacionados

Red Roof Inn International Drive: hotel bom, bonito, barato e bem localizado em Orlando

Bibbidi Bobbidi Boutique: como é, quanto custa e como reservar o dia de princesa para sua filha na Disney

Cici’s Pizza: buffet à vontade de massa, pizza, sopa e sobremesa

Leia também

Hotel bom e barato em Nova York: dicas testadas e aprovadas

Nova York pela primeira vez: roteiro de 3 dias

Nova York | Como chegar e sair do aeroporto JFK

Nova York | Como comprar e usar o MetroCard

Como tirar o visto americano: passo a passo ilustrado

___________________

Fotos: Sílvia Oliveira | Todos os direitos reservados.©

Share
quarta-feira, 17 de junho de 2015

Rio de Janeiro | Confeitaria Colombo: parada clássica com almoço executivo para muquiranas

Confeitaria Colombo Rio de Janeiro Arquitetura

Espelhos belgas. Bancadas de mármore italiano. Vitrines em jacarandá. É como se fosse uma fotografia restaurada e intacta da Belle Époque nacional. A Confeitaria Colombo, Patrimônio Histórico e Artístico, preserva em 120 anos de história o mesmo mobiliário do século 19. Parada elencada como “obrigatória” no manual dos turistas descolados. Viajar, sabemos, é nunca se cansar dos clássicos. 😉

O local já recebeu de Machado de Assis a Getúlio Vargas, de Juscelino Kubitschek a Chiquinha Gonzaga. Foi espaço para debates engajados e decisões políticas. Está no centro do Rio de Janeiro, no mesmo lugar onde foi fundada em 1894, e, hoje, faz um delicioso contraste com este pedaço mal-apanhado da cidade.

Confeitaria Colombo Rio de Janeiro Pastel de Nata

Apesar do luxo, a Confeitaria Colombo é fiel até no nome. Trata-se de uma padaria com cardápio regado a itens deliciosos — a maioria de fabricação própria. Pão de ló, biscoitos amanteigados, pastel de nata (o famoso pastel de Belém), tortinhas e a deliciosa — e caríssima — coxinha com queijo cremoso por nove reais. Tá, R$ 9 pilas para você pode não ser nada, mas eu moro em Curitiba e a gente encontra aqui a iguaria por R$ 3,50 — tão boa quanto.

Mas a Confeitaria Colombo vale quanto pesa justamente pela experiência que proporciona. A gente compartilha o mesmo espaço disputado por artistas, políticos e escritores que fizeram a fama do cantinho mais parisiense da República brasileira.

Confeitaria Colombo Rio de Janeiro Viradinho de Morango

À esquerda, Viradinho de Morango. À direita, Casadinho de Goiabada.

Na verdade, os doces (para mim, a grande vantagem da casa!) têm preços razoáveis, muito parecidos com os cobrados por padarias meia-boca, por exemplo. Prove o mil folhas, a tortinha de avelã ou o viradinho de morango (R$ 8), uma das minhas opções na nossa última passada por lá.

O salão principal tem pé direito alto, paredes espelhadas e uma enorme claraboia (que permite a entrada de luz natural). É um d.e.s.b.u.n.d.e. Você pode pedir um café expresso (R$ 6,50), um doce (a partir de R$ 8) ou um sanduíche (a partir de R$ 23) e passar uma meia hora emblemática nesta instituição carioca.

Cha de Inverno Confeitaria ColomboChá de inverno da Confeitaria Colombro | Foto: Wagner Pinheiro – Divulgação

O tradicional chá da tarde entrou na temporada de inverno e é servido todas as quintas e sextas-feiras, das 17h às 19h30, durante os meses de maio, junho e julho. São mais de 60 itens entre bebidas (suco, chá, café, chocolate e leite), pães, biscoitos, salgados e doces.

De brinde um pianista toca ao vivo enquanto você degusta alguns dos clássicos da confeitaria como o quindim de camisola. Custa R$ 60 por pessoa.  É necessário reservar pelo telefone: (21) 2505-1500. (Importante: nos dias 19/06 e 17/07 o chá não será servido.)

Confeitaria Colombo Rio de Janeiro

Abre parênteses. Eu nunca provei o chá da tarde da confeitaria Colombo, mas conheci o brunch da unidade que fica no Forte de Copacabana, o café da manhã com uma das mais belas vistas do Rio. Eu conto aqui! Fecha parênteses.

No segundo piso da confeitaria funciona o Restaurante Cristóvão onde é servido, além do chá da tarde, um almoço regado, aquele buffet livre para seu momento-patrão:  R$ 87 mangos por pessoa. Não, não dá, néam. Nossa opção dessa vez foi algo que eu ainda não conhecia na Confeitaria Colombo, o almoço executivo. Trata-se do célebre prato feito, só que servido em travessinhas fartas.

Confeitaria Colombo Rio de Janeiro Almoco ExecutivoTortilha de Bacalhau com frutos do mar e feijão branco

Você pode pedir desde uma entrada fria (iscas de peixe ao molho golf acompanhada de salada de folhas ou linguicinha ao molho de mostarda com mel acompanhada de salada de batatas) por R$ 16,50 cada.

Confeitaria Colombo Rio de Janeiro Almoco Executivo Bacalhau

Nós fomos de Prato Especial. Pedi a Tortilha de Bacalhau com azeitona e tomate seco, acompanhada de arroz e frutos do mar com feijão branco. Rapei a cumbuca.

Confeitaria Colombo Rio de Janeiro CarnePicadinho de Filé ao Funghi com batatas gratinadas

O Raul pediu o Picadinho de Filé ao Funghi, acompanhado de arroz branco e batata gratinada com cebola e parmesão. Quando olhei o prato não me parecia saboroso. Mas provei e achei tão bom quanto o meu.

Confeitaria Colombo Rio de Janeiro Carne Detalhe

É tudo feito em série, não existe exatamente glamour na apresentação da comida. O que percebi é que este tipo de fast-lunch atende basicamente os executivos que trabalham na região.

Cada prato sai por R$ 26,90. (Há outras opções, mais simples – frango grelhado, arroz e legumes — por R$ 21,90). Atenção, o Almoço Executivo é servido somente no Salão Bilac— do lado direito de quem entra na Colombo – das 11h às 15h.

Confeitaria Colombo Rio de Janeiro Figada Marmelada

Para finalizar a visita observe o acervo de peças antigas, bem ao estilo vintage, expostas nas vitrines da entrada. E se você quiser levar para casa uma lembrança do lugar, há uma linha de produtos com a marca da confeitaria como bloquinhos, canetas, camisetas, imãs de geladeira, aventais, café e doces tradicionais como marmelada e figada! Porque viajar, sabemos, é nunca se cansar dos clássicos. 😀

SERVIÇO

Confeitaria Colombo

Local: Rua Gonçalves Dias, 32 | Centro | Rio de Janeiro | Metrô Carioca

Tel.: (21) 2505-1500

Horário: segunda a sexta, 9h às 19h30. Sábados e feriados, 9h às 17h.

Posts relacionados

Confeitaria Colombo: café da manhã no Forte de Copacabana

Feira de São Cristóvão: o repente da saudade

Aconchego carioca: boteco gastronômico

O curso Teacher & Dinner com a chef Roberta Sudbrack: eu fiz!

_________________

Fotos: Sílvia Oliveira | Menos a primeira que pertence ao Raul Mattar e do chá de inverno que é do Wagner Pinheiro (divulgação da confeitaria). Todos os direitos reservados.

Share
MATRAQUEANDO - Viagens e Comidinhas | Por Sílvia Oliveira | Jornalista & Blogueira | Curitiba, BR

Todos os direitos reservados. 2006-2015 © VoucherPress | Agência de Notícias.
Está proibida a reprodução, sem limitações, de textos, fotos ou qualquer outro material contido neste site, mesmo que citada a fonte.
Caso queira adquirir nossas reportagens, entre em contato.

Desenvolvido por Dintstudio